Jesus Reina!

  Contador visita
Número de Acessos

Inicial
Como chegar
Contato
Leitura bíblica
Boletins (todos)
Galeria de Fotos
Agenda
Pregações

 

Missionários

Moisés, Sandra e Hawi na África

Márica Ferraz em Portugal

 

 

 

LEITURA BÍBLICA

II Samuel 1 a 7
João 1 a 7
I Samuel 25 a 31
Lucas 18 a 24
I Samuel 18 a 24
Lucas 11 a 17
I Samuel 11 a 17
Lucas 4 a 10
I Samuel 4 a 10
Marcos 13 a Lucas 3
Rute 1 a I Samuel 3
Marcos 6 a 12
Juízes 15 a 21
Mateus 27 a Marcos 5
Juízes 8 a 14
31/12/07 a 06/01/08
Fazer revisão da leitura do ano
Mateus 20 a 26
Juízes 1 a 7
Mateus 13 a 19
Josué 18 a 24
Mateus 6 a 12
Josué 11 a 17
Apocalipse 21 a Mateus 5
Josué 4 a 10
Apocalipse 14 a 20
Deuteronômio 31 a Josué 3
Apocalipse 7 a 13
Deuteronômio 24 a 30
Judas a Apocalipse 6
Deuteronômio 17 a 23
I João 1 a III João
Deuteronômio 10 a 16
I Pedro 2 a II Pedro 3
Deuteronômio 3 a 9
Hebreus 13 a I Pedro 1
Números 32 a Deuteronômio 2
Hebreus 6 a 12
Números 25 a 31
Tito 3 a Hebreus 5
Números 18 a 24
I Timóteo 6 a Tito 2
Números 11 a 17
II Tessalonicenses 2 a I Timóteo 5
Números 4 a 10
Colossenses 4 a II Tessalonicenses 1
Levítico 24 a Números 3
Filipenses 1 a Colossenses 3
Levítico 17 a Levítico 23
Gálatas 5 a Efésios 6
Levítico 10 a Levítico 16
II Coríntios 11 a Gálatas 4
Levítico 3 a 9
II Coríntios 4 a 10
Êxodo 36 a Levítico 2
I Coríntios 13 a II Coríntios 3
Êxodo 29 a 35
I Coríntios 6 a 12
Êxodo 22 a 28
Romanos 15 a I Coríntios 5
Êxodo 15 a 21
Romanos 8 a 14
Êxodo 8 a 14
Romanos 1 a 7
Êxodo 1 a 7
Atos 22 a 28
Gênesis 44 a 50
Atos 15 a 21
Gênesis 37 a 43
23/10/06 a 31/12/06
Fazer revisão da leitura do ano
Atos 8 a 14
Gênesis 30 a 36
Atos 1 a 7
Gênesis 23-29
João 15 a 21
Gênesis 16 a 22
João 8 a 14
Gênesis 8 a 15
João 1 a 7
Gênesis 1 a 7

voltar ao topo

 

Voltar ao início

23/10/06 Segunda-feira: Criação do mundo
Gênesis 1:1-31
À medida que ia criando as coisas, Deus via que eram boas (versículos 10,12,18,21 e 25). Mas, quando viu tudo quanto tinha criado, qualificou o conjunto como "muito bom". Que você acha que podemos aprender com isso para as nossas próprias vidas?

"Podemos aprender que o conjunto é melhor do que a simples soma das partes. E, se cada um de nós é apenas uma parte da criação, cabe a nós acharmos o nosso lugar em todo o esquema montado por Deus. Por exemplo, a família: Podemos reconhecer que assim como Deus viu que o conjunto da criação era ´muito bom´, enquanto que cada parte dela era apenas ´bom´, assim a vida em família é melhor do que a vida isolada. Mas o mundo hoje busca o isolamento e a independência dos membros, com cada um tendo as suas atividades, comendo isoladamente, saindo e entrando sem dar satisfações, muitas vezes com seu mundo particular isolado (quarto privativo, banheiro privativo, TV privativa, computador privativo, etc). Não é esta a melhor forma de viver e não é esta a forma de viver da vida em abundância. Se quisermos reconhecer, o melhor é sermos interdependentes, servindo-nos uns aos outros e relacionando-nos uns com os outros intensamente, quer na família, quer na igreja, quer na sociedade." RN

24/10/06 Terça-feira: Criação da mulher
Gênesis 2:1-25
No seu entendimento, por que o homem e sua mulher não sentiam vergonha por estarem nus? O que você acha que envergonharia mais uma pessoa, se fosse exposto: sua nudez ou os seus pensamentos? Por quê?

"Eles não sentiam vergonha porque não havia maldade em seus corações. Eles eram puros e seus sentimentos não estavam contaminados por lascívia. Seus genitais e o sexo eram apenas para aquilo que Deus aprova. Ao terem os olhos abertos, ficaram expostos não somente às possibilidades sexuais do bem, mas também do mal. Por causa desses sentimentos que o entendimento trouxe, sentiram vergonha. Por isso mesmo as pessoas ficariam mais envergonhadas com a exposição de seus pensamentos do que pela exposição de seus corpos nus. O corpo é apenas o corpo, e de alguma maneira não macula a honra da pessoa. Todos têm corpos e, por mais que a pessoa considere seu corpo feio, isso não toca sua honra. Porém com os pensamentos é diferente: Os pensamentos são de alguma forma a própria pessoa: eles são a expressão das muitas escolhas da pessoa ao longo da vida. Serão tão mais perversos e deformados quanto mais a pessoa caminhou nessa direção." RN

25/11/06 Quarta-feira: Queda do homem
Gênesis 3:1-24
Qual foi, na realidade, o primeiro erro de Eva? (depois de responder, leia I Co 15:33)

"O primeiro erro de Eva foi se permitir conversar com um ser que colocava a palavra de Deus em dúvida. Não importa quem seja, a pessoa ou ser que coloca a palavra de Deus em dúvida pode nos afastar do caminho reto e nos levar a pecar e a sofrer as conseqüências. Devemos ter cuidado com quem conversamos e sobre o que falamos. Palavras são como sementes. Se elas forem boas, produzirão frutos bons. Porém, se forem más, produzirão frutos maus. O texto de I Coríntios 15:33 diz: ´Não vos enganeis: as más conversações corrempem os bons costumes.´ " RN

26/11/06 Quinta-feira: Caim e Abel
Gênesis 4:1-26
Porque Deus aceitou a oferta de Abel e não a de Caim?

27/11/06 Sexta-feira: Enoque
Gênesis 5:1-32
Enoque andou tanto com Deus que Deus o tomou para si: ele não morreu, mas foi levado para o céu. O que podemos fazer hoje para andarmos com Deus o dia inteiro?

28/11/06 Sábado: A arca de Noé
Gênesis 6:1-22
Noé fez uma arca enorme (135m x 22,5m x 13,5m) longe do mar. Isso era realmente uma loucura. Mas ele "fez tudo exatamente como Deus tinha lhe ordenado" (Gn 6:22). Como você acha que ele se sentia diante da zombaria e escárnio que sofria? O que ele pensava?

29/11/06 Domingo: Noé e o dilúvio
Gênesis 7:1-24
Ficar na arca 1 ano e 10 dias com todos aqueles bichos não devia ser fácil. Mas a alternativa era ter morrido afogado! Que dificuldades você entende que Noé enfrentou? E você hoje - passa por alguma dificuldade por viver como Deus quer? Quais?

voltar ao topo

30/10/06 Segunda-feira: As criaturas e os filhos
João 1:1-51
Segundo o v.3, não existe nada que não tenha sido feito por Jeus, o que inclui os homens maus. Mas todos são filhos de Deus? Como você pode dizer se é filho de Deus?

31/10/06 Terça-feira: Purificação do templo
João 2:1-25
Você acha que Jesus exagerou ao expulsar aqueles que usavam o templo de Deus como lugar de comércio? Se o nosso corpo é templo do Espírito Santo, quem seriam os comerciantes que Jesus expulsaria do nosso coração?

01/11/06 Quarta-feira: O novo nascimento
João 3:1-36
O que alguém ganha por receber esse "novo nascimento" que Jeus falou para Nicodemos?

02/11/06 Quinta-feira: Os verdadeiros adoradores
João 4:1-54
Segundo o texto, Deus busca os verdadeiros adoradores, que o adoram em espírito e em verdade. Se existem os verdadeiros adoradores é porque também existem os falsos. Como alguém hoje poderia ser um falso adorador?

03/11/06 Sexta-feira: A honra devida ao Filho
João 5:1-47
Qual o significado da frase do versículo 23: "Para que todos honrem o Filho como honram o Pai"? O que devemos fazer para Jesus, então?

04/11/06 Sábado: O pão da vida
João 6:1-71
Muitos discípulos foram embora quando Jesus disse que eles deveriam comer a sua carne e beber o seu sangue. Eles fizeram isso porque acharam duro esse discurso. Mas Pedro e os demais apóstolos ficaram com Jesus, apesar de não terem entendido a frase também. O que os levou a permanecer com Jesus? E você? Você também é tentado a largar Jesus? Como?

05/11/06 Domingo: A água viva
João 7:1-52
Jesus clamou: "Se alguém tem sede, venha a mim e beba!" Esse "se" indica que há pessoas que têm sede e pessoas que não têm sede. Quem seriam aqueles que não tinham sede e que não foram para Jesus beber da água que ele oferecia? E você, por que tem sede?

voltar ao topo

06/11/06 Segunda-feira: Noé, o corvo e a pomba
Gênesis 8:1-22
O corvo, desde que teve uma chance, ficou dando voltas e não retornou para Noé. A pomba teve uma atitude diferente. Você acha que esses animais podem simbolizar duas atitudes humanas? Como é isso?

07/11/06 Terça-feira: Noé e o vinho
Gênesis 9:1-28
Noé teve culpa por se embriagar? E hoje, quais são os erros que cometemos dos quais poderíamos dizer que não temos culpa?

08/11/06 Quarta-feira: A torre de Babel
Gênesis 11:1-32Por que os homens queriam construir a torre de Babel? E por que Deus frustrou o trabalho deles?Os homens estavam se reunindo em um projeto comum que Deus não aprovou. Há alguma associação humana para o mal que afete de alguma maneira a sua vida hoje? Qual?

09/11/06 Quinta-feira: O chamado de Abrão
Gênesis 12:1-20
Deus fez promessas a Abrão e mandou que ele saísse da sua terra para uma terra que ele - Deus - ainda mostraria. Abrão partiu sem saber para onde ia. O que você acha que levou Abrão a fazer isso? E você, já fez alguma coisa assim? Dê um exemplo.

10/11/06 Sexta-feira: Separação entre Abrão e Ló
Gênesis 13:1-18
Ao se separar de Abrão, Ló escolheu ir (com suas 2 filhas e sua esposa) criar seu gado na verdejante campina de Sodoma e Gomorra, mesmo sabendo que essas cidades eram cheias de pecado. Na sua opinião, quais os prós e contras dessa decisão de Ló?

11/11/06 Sábado: Melquisedeque
Gênesis 14:1-24
Após guerrear para libertar seu sobrinho Ló, Abrão se encontra com Melquisedeque, que é Jesus aparecendo para Abrão (você verá isso no Novo Testamento, no capítulo 7 de Hebreus). Ele traz pão e vinho, abençoa Abrão e lhe dá a ceia. Abrão, então, lhe dá o dízimo de tudo. O que você sente em relação à ceia e o dízimo? Que importância eles têm?

12/11/06 Domingo: A aliança de Deus com Abrão
Gênesis 15:1-21
Abrão, ainda sem filhos, recebe a promessa de que seria pai de uma multidão como as estrelas do céu, mas que a terra em que ele peregrinava seria dada aos seus descendentes somente depois de muitos séculos. Nessa época em que vivemos, de tudo muito rápido, como você lida com as promessas de Deus, sendo que temos de esperá-las com paciência?

voltar ao topo

13/11/06 Segunda-feira: A verdade que liberta
João 8:1-58
Jesus afirmou que a verdade é que liberta do pecado. Como você relaciona a mentira e o pecado nas tentações que você sofre?

14/11/06 Terça-feira: Quem pensa que vê, é cego
João 9:1-41
Jesus curou um cego de nascença de uma maneira incomum (com cuspe e terra), e fez isso no sábado. Os fariseus, classe que se aplicava a estudar as Escrituras, ficaram irados e rejeitaram Jesus. Jesus então disse que eles é que eram cegos. Como a religião morta pode cegar as pessoas? O que devemos fazer, então?

15/11/06 Quarta-feira: As ovelhas do bom pastor
João 10:1-42
Jesus disse que as suas ovelhas ouvem a sua voz. Você já ouviu a voz do Senhor? O que você pode fazer para ouvir cada vez mais - e mais claramente - a voz de Jesus?

16/11/06 Quinta-feira: Quem não quer crer, não crê
João 11:1-57
Jesus ressuscitou um homem que estava morto havia 4 dias, e que já cheirava mal. Muitos, vendo esse sinal, creram em Jesus, mas alguns foram "fazer fofoca" para os fariseus do que Jesus tinha feito. Como você entende isso, de uma pessoa ver um sinal tão maravilhoso como uma ressurreição dessas e não crer?

17/11/06 Sexta-feira: A adoração de alto preço
João 12:1-50
Uma mulher derramou um perfume que custava um ano de trabalho (custava 300 denários e cada denário era o salário de um dia de trabalho) nos pés de Jesus e o enxugou com seus cabelos. Judas criticou a mulher veementemente porque ficou inconformado com o "desperdício" (na verdade, ele queria o dinheiro para ele). De que forma dar a Jesus uma adoração de alto preço?

18/11/06 Sábado: O maior é o que serveJoão 13:1-38Jesus, sendo mestre e senhor, lavou os pés dos seus discípulos (inclusive os pés de Judas, que seria o seu traidor). Isso era uma figura de um serviço muito maior que ele faria - lavar nossas almas com o seu próprio sangue! De que formas práticas você pode servir a Deus e aos irmãos?

19/11/06 Domingo: As moradas celestiais
João 14:1-31
Jesus disse que na casa do Pai há muitas moradas e que ele mesmo é o caminho. Como essa esperança de vida eterna deveria interferir com a vida do dia-a-dia do cristão?

voltar ao topo

20/11/06 Segunda-feira: A humilhação que salva
Gênesis 16:1-16
Agar desprezou sua patroa quando engravidou e acabou tendo de fugir de casa. O anjo do Senhor a encontrou no deserto e deu orientações para que ela se humilhasse diante de Sara e que voltasse para casa. O que ela ganhou com isso?

21/11/06 Terça-feira: Novo nome, novo futuro
Gênesis 17:1-27
Quando Abrão ("pai da altura") tinha 99 anos e Sarai ("Yaweh é príncipe") tinha 90 anos, seus nomes foram mudados por Deus para Abraão ("pai de uma multidão") e Sara ("princesa"). Mesmo sem filhos, se tratavam assim pela fé. Qual o primeiro passo que uma pessoa que tenha promessas de Deus precisa dar para tomar posse da bênção?

22/11/06 Quarta-feira: Revelação e intercessão
Gênesis 18:1-33
Deus revela a Abraão que iria destruir Sodoma e Gomorra. Diante disso, Abraão intercede pelo povo dessas cidades com insistência. Quando lembramos de alguém, ou quando Deus nos revela algo, o que Ele espera que façamos?

23/11/06 Quinta-feira: Não olhe para trás!
Gênesis 19:1-38
Os anjos que foram destruir Sodoma e Gomorra deram ordens expressas a Ló e à sua família que não olhassem para trás. A mulher de Ló não obedeceu, olhou para trás e foi transformada em uma estátua de sal. O que seria esse "olhar para trás"?

24/11/06 Sexta-feira: Trinco de segurança
Gênesis 20:1-18
Deus, vendo que Abimeleque havia tomado a mulher de Abraão pensando que fosse irmã dele, o impediu de tocá-la e de pecar. O que você acha que Deus faz para impedir aqueles que o temem e amam de pecar?

25/11/06 Sábado: A expulsão de Agar e Ismael
Gênesis 21:1-34
Quatorze anos depois de ter saído de casa e voltado, Agar novamente sai de casa, desta vez despedida. E tudo por causa do comportamento do seu filho Ismael. Você acha que Agar teve responsabilidade no comportamento de Ismael?

26/11/06 Domingo: A fé de Abraão
Gênesis 22:1-24
Após ter um filho aos 100 anos de idade, Abraão ouve Deus pedir esse mesmo filho (seu único herdeiro, sua força, sua alegria, sua esperança, sua riqueza) em sacrifício. Abraão não titubeia e sai em viagem para o monte Moriá, crendo que Deus ressuscitaria Isaque (Hebreus 11:18). Deus não havia falado nada em ressurreição. Por que Abraão cria que Deus iria ressuscitar seu filho?

voltar ao topo

27/11/06 Segunda-feira: O fruto
João 15:1-27
Jesus disse que precisamos estar nele para darmos fruto, e que é a vontade do Pai que produzamos mais fruto. Mas, afinal, que fruto é esse?

28/11/06 Terça-feira: As aflições e o consolador
João 16:1-33
Jesus disse claramente que no mundo teríamos aflições (v.33), mas que há um consolador (v.7). De que maneira o Espírito Santo nos ajuda nas nossas dificuldades?

29/11/06 Quarta-feira: A unidade
João 17:1-26
Através da unidade perfeita dos discípulos com Deus Pai, com Jesus, e uns com os outros, as pessoas podem conhecer que Jesus é o enviado de Deus. O que um discípulo pode fazer para tornar essa unidade com Deus e com seus irmãos cada vez mais forte e profunda?

30/11/06 Quinta-feira: Jesus é preso
João 18:1-40
Jesus foi traído por Judas (v.3), esbofeteado por um criado (v.22), negado por Pedro (v.27), acusado como malfeitor (v.30) e rejeitado pelos judeus (v.40). O que Jesus fez diante de tudo isso?

01/12/06 Sexta-feira: Jesus sofre
João 19:1-42
Jesus foi açoitado (v.1), coroado com espinhos (v.2), esbofeteado e escarnecido (v.3), condenado pelo povo (v.6 e 15), entregue à morte (v.16), crucificado (v.18) e espoliado (v.23). Mesmo assim, não se defendeu em momento nenhum (v.9). O que essa atitude de Jesus diante de seu sofrimento pode nos ensinar?

02/12/06 Sábado: Jesus ressuscita
João 20:1-31
Após ressuscitar, Jesus apareceu primeiramente a Maria Madalena (v.14) e não a Pedro ou a João, que também haviam ido ao sepulcro (v.4-6). Leia o texto novamente e veja se encontra pelo menos 2 razões para esse cuidado de Jesus com Maria Madalena.

03/12/06 Domingo: A restauração de Pedro
João 21:1-25
Pedro fica triste por Jesus ter lhe perguntado três vezes se ele o amava. Mas, considerando que Pedro havia negado Jesus três vezes (João18:17,25,27), que razões poderíamos encontrar para a atitude de Jesus?

voltar ao topo

04/12/06 Segunda-feira: O interesse pelas outras pessoas
Gênesis 23:1-20
A conversa de Abraão com Efrom sobre a compra e venda de um campo para sepultura foi cheia de cuidados, cada um prestando atenção ao interesse do outro, com muito respeito. De que maneira esse interesse pelos outros pode mudar as reações das outras pessoas para conosco?

05/12/06 Terça-feira: O Deus que responde
Gênesis 24:1-67
O servo de Abraão tinha a difícil tarefa de arrumar uma esposa para Isaque. Que responsabilidade! Mas ele orou, colocou tudo nas mãos de Deus e Deus respondeu. Escreva sobre uma resposta de Deus para você.

06/12/06 Quarta-feira: Dê valor ao que é importante
Gênesis 25:1-34
Esaú, chegando com muita fome de uma caçada, trocou seus direitos de filho mais velho (direito de bênção, de honra, de herança, e de condução da família) por um prato de comida. Por que Esaú fez uma troca tão ruim?

07/12/06 Quinta-feira: A bênção não são as coisas, mas a fonte delas
Gênesis 26:1-35
Os empregados de Isaque cavavam poços e achavam água. Os pastores de Gerar brigavam e tomavam esses poços para eles. Isaque simplesmente saía dali e cavava outro poço, que também produzia água. O que isso nos ensina?

08/12/06 Sexta-feira: Fazendo a coisa certa
Gênesis 27:1-46
Rebeca criou um plano para dar a bênção de Isaque a Jacó e não a Esaú, pois ela preferia Jacó. O plano funcionou, até porque Esaú havia desprezado seus direitos de filho mais velho. Mas, o que acontece com quem engana? O que Rebeca deveria ter feito, então?

09/12/06 Sábado: Prestando atenção ao que Deus diz
Gênesis 28:1-22
Deus aparece para Jacó e lhe faz promessas tremendas de transformar a sua descendência em uma nação que abençoaria toda a terra. Jacó acorda e faz uma proposta a Deus de servi-lo se Ele lhe der proteção, roupa e comida na viagem. Você acha que Jacó acertou nos seus pedidos? O que você pediria?

10/12/06 Domingo: Jacó é enganado
Gênesis 29:1-35
Jacó faz um pacto com Labão para trabalhar 7 anos por sua filha Raquel. Depois de 7 anos de trabalho, Labão dá sua filha Leia (ou Lia) como mulher a Jacó (como as mulheres usavam véu, Jacó só descobriu isso depois de casado). Jacó tem então de fazer um contrato de mais 7 anos de trabalho para ficar com Raquel. Por que Jacó estava sofrendo tanto?

voltar ao topo

11/12/06 Segunda-feira: O propósito do Espírito Santo
Atos dos Apóstolos 1:1-26
Jesus promete enviar o Espírito Santo. De acordo com o texto, qual o propósito do Espírito Santo ser derramado na vida do cristão? Cite uma situação da vida em que o Espírito Santo faria toda a diferença.

12/12/06 Terça-feira: O nascimento da igreja
Atos dos Apóstolos 2:1-47
O Espírito Santo é derramado, Pedro prega ousadamente, quase três mil pessoas se convertem e se batizam e há comunhão e alegria na comunidade recém-formada: É a igreja do Senhor Jesus que nasce. Que fato mais lhe chama atenção? Por quê?

13/12/06 Quarta-feira: Cura milagrosa
Atos dos Apóstolos 3:1-26
Pedro e João não tinham prata nem ouro, mas um bem muito mais precioso eles deram ao aleijado: o poder da fé para a sua cura. Quais os propósitos das curas e sinais miraculosos?

14/12/06 Quinta-feira: Ousadia
Atos dos Apóstolos 4:1-37
Pedro e João foram presos e levados aos líderes judeus, que se maravilhavam da ousadia e da fala dos dois, pois sabiam que eram gente sem instrução. Como Pedro e João tinham tanta ousadia e tanta sabedoria no falar? Por que eles não se intimidaram com as ameaças dos líderes judeus?

15/12/06 Sexta-feira: Mentira que mata
Atos dos Apóstolos 5:1-42
Ananias e Safira mentiram para Deus e acabaram morrendo. Por que eles mentiram?

16/12/06 Sábado Cada um no seu lugar
Atos dos Apóstolos 6:1-15
Diante da necessidade administrativa, os apóstolos sugeriram a instituição dos diáconos, para que não se detivessem em outra coisa a não ser na oração e no ministério da palavra. Qual a importância de cada um saber o seu papel no corpo de Cristo e não fazer coisas para as quais não foi chamado?

17/12/06 Domingo: A quem honra, honra
Atos dos Apóstolos 7:1-60
Estêvão foi apedrejado, mas antes proclamou com ousadia todo o conselho de Deus aos seus algozes. Quando morria, viu a glória de Deus e Jesus, em pé à direita de Deus. Por que Jesus estava em pé? O que você acha que Estêvão sentiu na hora da morte?

voltar ao topo

18/12/06 Segunda-feira: Estratégias: sim ou não?
Gênesis 30:1-43
Jacó fez um pacto com Labão de que somente os animais listrados, pintados e pretos seriam dele. Ele usou a estratégia dos galhos descascados parcialmente para determinar que os animais mais fortes fossem dele, e Deus abençoou a estratégia de Jacó. Para alcançarmos as bênçãos precisamos de esforço e estratégias ou só da bênção de Deus? Como é isso?

19/12/06 Terça-feira: A bênção que chega
Gênesis 31:1-55
Labão, tentando fazer com que o salário de Jacó diminuísse, mudou o acordo 10 vezes. Mas a bênção continuava sobre Jacó mesmo assim. Que podemos aprender com isso?

20/12/06 Quarta-feira: Luta com Deus
Gênesis 32:1-31
No texto escrito em hebraico, a palavra "Jaboque" é parecida com "e lutava", tendo esta última apenas uma letra a mais, um álefe. Jacó lutou com Deus a noite inteira para alcançar a bênção. Podemos lutar com Deus? Precisamos fazer isso? Como?

21/12/06 Quinta-feira: Alívio pelo perdão, 20 anos depois
Gênesis 33:1-20
Jacó sabia que havia agido de forma errada com seu irmão, e temia pelo encontro com ele, mesmo 20 anos depois. Que isso nos ensina a respeito do perdão que precisamos pedir a quem ofendemos?

22/12/06 Sexta-feira: Um erro depois do outro
Gênesis 34:1-31
Depois que Diná foi violentada, Simeão e Levi fizeram um pacto enganoso e mataram o agressor e todos os homens de sua cidade. Perderam a bênção por causa disso (Gn 49:5-7). O que eles deveriam ter feito, então?

23/12/06 Sábado: Novo nome
Gênesis 35:1-29Vinte anos depois, Jacó volta a Betel e Deus muda seu nome para Israel. Ele já não é a mesma pessoa. O que ocorreu com Jacó durante esses 20 anos que contribuiu para as mudanças em seu caráter?

24/12/06 Domingo: Saída da terra prometida
Gênesis 36:1-43
Esaú pegou tudo o que era seu e mudou-se para as montanhas de Seir, dando origem a uma outra nação, Edom (que significa vermelho por causa da comida pela qual trocara sua primogenitura). Se trocarmos nossa bênção por alguma outra coisa, faremos uma nação disso, mas precisaremos sair da terra prometida por Deus. Que nações o mundo está fazendo hoje?

voltar ao topo

25/12/06 Segunda-feira: Ouvindo a voz de Deus
Atos dos Apóstolos 8:1-40
Filipe estava no meio de um avivamento em Samaria e Deus o estava usando tremendamente. Ainda assim, conseguiu perceber a voz do Espírito de Deus que o enviava para uma estrada deserta. Lá, alcançou a vida de uma única pessoa que levou o Evangelho para a Etiópia. O que pode nos impedir de ouvir a voz de Deus?

26/12/06 Terça-feira: O modo de Deus agir
Atos dos Apóstolos 9:1-43
Saulo respirava ameaças e mortes contra os discípulos de Jesus, mas ainda assim Jesus apareceu pessoalmente para Saulo e falou com ele. Por que Paulo recebeu tão grande honraria? O que podemos fazer para sermos honrados por Deus?

27/12/06 Quarta-feira: As obras e a fé no plano da salvação
Atos dos Apóstolos 10:1-48
Cornélio fazia muitas boas obras e orava continuamente. Ainda assim, precisou da pregação da fé para receber o perdão dos pecados. O que a pessoa precisa fazer para ser salva? Qual o papel das boas obras e da fé na salvação?

28/12/06 Quinta-feira: O filho da consolação
Atos dos Apóstolos 11:1-30
Barnabé, cujo nome significa "filho da consolação" ou "encorajador", era um homem bom e cheio do Espírito Santo. Ele foi para Tarso e buscou Saulo para a igreja de Antioquia. Esse Saulo se tornou então o grande apóstolo Paulo. O que podemos fazer de prático para também sermos "encorajadores" na igreja?

29/12/06 Sexta-feira: Um é martirizado e outro é milagrosamente liberto
Atos dos Apóstolos 12:1-25
Tiago, irmão de João, foi executado por ser cristão. Pedro também foi preso, mas um anjo o livrou milagrosamente. Por que um teve um destino e outro teve outro completamente diferente?

30/12/06 Sábado: A igreja que envia
Atos dos Apóstolos 13:1-52
Na igreja de Antioquia havia um grupo de profetas e mestres. Entre eles estavam Paulo e Barnabé. Por melhor que fosse estar ao lado desses homens, a igreja ouviu do Espírito Santo a ordem de liberá-los para a obra missionária e obedeceu. Do que podemos abrir mão para que o Evangelho alcance outras pessoas?

31/12/06 Domingo: De deuses a réus
Atos dos Apóstolos 14:1-28
Após curar um coxo em Listra, Paulo e Barnabé foram considerados como deuses pelos moradores de lá e tiveram dificuldade para impedir a multidão de lhes oferecer sacrifícios. Logo em seguida, esses mesmos habitantes de Listra apedrejaram Paulo após simples acusações dos moradores de Antioquia e Icônio. Como entender essa atitude dos moradores de Listra, que uma hora consideram os apóstolos como deuses e logo depois os hostilizam?

voltar ao topo

01/01/07 Segunda-feira: Suscitando inveja e ódio
Gênesis 37:1-36
Os irmãos de José tinham inveja e ódio dele. Mas isso também não era totalmente sem motivo. O que José fez para que isso acontecesse? Se você estivesse no lugar de José, como você se comportaria para não atrair inveja e ódio sobre si?

02/01/07 Terça-feira: Promessas e dívidas
Gênesis 38:1-30
Judá havia prometido que daria seu filho Selá à sua nora viúva Tamar. Mas, por não cumprir a promessa, acabou como devedor de Tamar. Conhecemos a frase "promessa é dívida". Mas, o que fazer se temos uma situação em que nos sentimos forçados a prometer o que não queremos fazer?

03/01/07 Quarta-feira: Prosperando na prisão
Gênesis 39:1-23
A despeito de ter sido vendido como escravo, de ter sido injustamente acusado de assédio sexual e de ter sido lançado na prisão, José prosperava em tudo o que fazia e prosperou até na prisão. Qual o segredo de José para isso acontecer?

04/01/07 Quinta-feira: O futuro já existe
Gênesis 40:1-23
Ao interpretar os sonhos de dois presos, José teve a revelação do futuro, mostrando que é possível "ver" o futuro. Que futuro você vê para você pela predição da Bíblia? De quê depende o cumprimento dessa predição?

05/01/07 Sexta-feira: De prisioneiro a governador
Gênesis 41:1-57
De um momento para o outro, José foi tirado da prisão e levado ao palácio. Mas isso também foi um exemplo do princípio "semeadura e colheita". O que podemos fazer para manter a calma enquanto a "colheita" não chega?

06/01/07 Sábado: Sentimento de culpa
Gênesis 42:1-38
Muitos anos depois, os irmãos de José ainda lembram da maldade que fizeram e pensam que as tribulações que enfrentam são resultado disso. Eles ainda sentem culpa. O que podemos fazer para nos livrarmos de um sentimento de culpa?

07/01/07 Domingo: Enfrentando o problema
Gênesis 43:1-34
Os irmãos de José não queriam voltar ao Egito, mas foram forçados a isso. Há coisas que não queremos fazer e que procuramos adiar, mas que não poderemos evitar. Qual a melhor forma de agir em tais situações?

voltar ao topo

08/01/07 Segunda-feira: Submissão à autoridade
Atos 15:1-41
Mesmo sendo mestres na palavra, Paulo e Barnabé não hesitam em buscar orientação e apoio dos Apóstolos em Jerusalém sobre e a questão do cumprimento da lei. O que poderia ocorrer se eles tentassem simplesmente resolver a questão sozinhos?

09/01/07 Terça-feira: Cantando na prisão
Atos 16:1-40
Paulo e Silas, por pregarem o evangelho e expulsarem um demônio, são injustamente acusados, açoitados e encarcerados. Mesmo com tudo isso, ainda oram e cantam na prisão. Como eles podiam cantar depois de tanto sofrimento?

10/01/07 Quarta-feira: Diferentes reações ao evangelho
Atos 17:1-34
Paulo vai até a maior universidade da época, o Areópago de Atenas, e prega ousadamente aos filósofos de então, que se consideravam muito sábios. Uns escarnecem e outros crêem. Como podemos explicar reações tão diferentes?

11/01/07 Quinta-feira: Convencimento
Atos 18:1-28
A pregação de Paulo convencia judeus e não judeus que Jesus era o Cristo. Que qualidades Paulo possuía que faziam sua pregação tão especial? O que podemos fazer para termos também uma pregação especial?

12/01/07 Sexta-feira: Demolindo a obra do mal
Atos 19:1-41A pregação de Paulo em Éfeso foi tão eficaz que provocou até uma revolta dos fabricantes de imagens de ídolos. Que tipo de reação semelhante Paulo produziria na nossa sociedade atual? Que tipo de reações nós gostaríamos de causar?

13/01/07 Sábado: Na janela, dormiu, caiu, morreu
Atos 20:1-38
Não agüentando ouvir a pregação de Paulo, Êutico, estando sentado na janela, dormiu, caiu do terceiro andar e morreu (mas foi ressuscitado por Paulo). Se analisarmos a passagem como se fosse uma parábola, o que podemos aprender?

14/01/07 Domingo: Perseguição
Atos 21:1-40
Paulo é preso em Jerusalém por anunciar o Evangelho e quase é linchado. Esse tipo de perseguição existe no Brasil hoje? Quais são as armas de satanás para atacar a igreja na época atual? O que você pensa que ocorrerá no futuro próximo com relação à perseguição dos cristãos?

voltar ao topo

15/01/07 Segunda-feira: Substituto
Gênesis 44:1-34
Judá sabia como Jacó ainda sofria por José. E diante da perspectiva de ver seu pai sofrer por Benjamim, ofereceu-se para ficar como escravo no lugar de seu irmão caçula. Suponhamos que a troca tivesse sido aceita e que José não tivesse se revelado a seus irmãos. A vida de Benjamim mudaria daí para frente? Como?

16/01/07 Terça-feira: Incrível
Gênesis 45:1-28
Após 22 anos pensando que o filho estava morto, Jacó recebe a súbita notícia de que seu filho não apenas estava vivo, mas que era governador da maior nação do planeta. O que o convenceu que a história era verdadeira? (Leia o texto com atenção). Faça um paralelo com as boas-novas do Evangelho.

17/01/07 Quarta-feira: Ansiedade e medo
Gênesis 46:1-34
Jacó não via a hora de ver José, mas ao mesmo tempo, pelo que se apreende pela leitura do versículo 3, tinha medo de ir ao Egito. Quais as razões da apreensão de Jacó? Que exemplo Jacó nos dá para lidarmos com nossos próprios medos?

18/01/07 Quinta-feira: Mérito para receber o melhor
Gênesis 47:1-31
Jacó e toda a sua família foram colocados no melhor da terra do Egito. Qual o mérito deles para receberem tal honraria e bênção? E qual o seu mérito para receber bênçãos de Deus? O que concluímos disso tudo?

19/01/07 Sexta-feira: Quase cego, mas vendo o futuro
Gênesis 48:1-22
Jacó, ao abençoar seus netos, mal consegue enxergá-los, mas vê o futuro dos dois. Como a visão das coisas de baixo pode atrapalhar a visão das coisas do céu?

20/01/07 Sábado: Bênção
Gênesis 49:1-33
Ao abençoar todos os seus filhos, a bênção mais importante passa por Rúben, por Simeão e por Levi, parando em Judá. Por que isso ocorreu? Que bênção era essa?

21/01/07 Domingo: Como lembrar da promessa
Gênesis 50:1-26
Embora tivesse sido governador do Egito, José não havia esquecido da promessa de Deus feita a Abraão, Isaque e Jacó. Isso não é natural, pois muitas pessoas esquecem de Deus por muito menos. O que pode fazer uma pessoa se afastar de Deus hoje? O que a vida de José nos ensina a esse respeito?

voltar ao topo

22/01/07 Segunda-feira: Os direitos da cidadania
Atos 22:1-30
Paulo, ao ser preparado para ser açoitado, invocou sua cidadania romana para evitar o sofrimento. Nós temos a cidadania celestial. Que direitos essa cidadania nos concede?

23/01/07 Terça-feira: Livramentos
Atos 23:1-35
O sobrinho de Paulo ouviu os planos para matá-lo e livrou o apóstolo de seus assassinos. Mas há coisas que acabamos sofrendo. Por que somos livres em algumas situações e passamos por problemas em outras?

24/01/07 Quarta-feira: Apavorado
Atos 24:1-27
O presidente Félix ficou apavorado ao ouvir o evangelho. Qual a causa de tanto medo de Félix?

25/01/07 Quinta-feira: Apelo para César
Atos 25:1-27
Diante do perigo de ter de voltar a Jerusalém para ser julgado, Paulo foi forçado a apelar para César (imperador). Você consegue enxergar algum propósito de Deus em Paulo ir a Roma preso?

26/01/07 Sexta-feira: Diferentes reações
Atos 26:1-32
Ao ouvirem o Evangelho, Festo e Agripa tiveram reações diferentes: um gritou que Paulo estava louco, e o outro quase se converte. Certamente as pessoas têm reações diferentes diante de muitas coisas. Por que as pessoas têm reações diferentes diante do Evangelho?

27/01/07 Sábado: Qualidades do cristão
Atos 27:1-44
O centurião, como muitas pessoas a bordo do navio, acabou por concluir que aquele prisioneiro Paulo era realmente diferente. Quais as qualidades manifestadas por Paulo durante a viagem que mudaram seu conceito diante do centurião?

28/01/07 Domingo: Sal da terra e luz do mundo
Atos 28:1-31
Paulo se interessou pelo pai do principal líder de Malta, que estava enfermo, e foi visitá-lo. Orou com ele e o curou. Isso fez com que muitas outras pessoas se achegassem também. Ver as necessidades dos outros e se interessar por elas a ponto de buscar supri-las é uma característica desejável no cristão. Fale sobre algumas necessidades da sociedade de hoje.

voltar ao topo

29/01/07 Segunda-feira: Perseguição
Êxodo1:1-22
Quanto mais o faraó afligia o povo hebreu com trabalhos pesados, mais o povo se multiplicava e fortalecia. Poderíamos ver nessa passagem um lado positivo na perseguição? Explique.

30/01/07 Terça-feira: Atitude certa
Êxodo 2:1-25
A mãe de Mosiés guardou-o o quanto pôde, mas quando não podia mais escondê-lo, preparou cuidadosamente uma arca de juncos e colocou-o no rio, sob observação de sua irmã, confiando em Deus. O que esta atitude da mãe de Moisés nos ensina?

31/01/07 Quarta-feira: Compaixão de Deus
Êxodo 3:1-22
Ao comissionar Moisés para tirar o povo do Egito, Deus afirmou que viu a aflição do seu povo, ouviu o seu clamor e "que conhece o seu sofrimento", indicando que Deus sabe perfeitamente o que é o sofrimento do seu povo. Mas se Ele é Deus, por que não impede completamente que seu povo sofra?

01/02/07 Quinta-feira: Tentando escapar
Êxodo 4:1-31
Duas vezes no capítulo 3 e três vezes no capítulo 4, Moisés tenta se esquivar do chamado divino. Por que Moisés estava tentando escapar do chamado de Deus?

02/02/07 Sexta-feira: Momento difícil
Êxodo 5:1-23
Levando a palavra de Deus, Moisés e Arão se viram como responsáveis pelo aumento do sofrimento do povo. O que eles estavam sentindo nesse momento de suas vidas?

03/02/07 Sábado: O sofrimento e a fé
Êxodo 6:1-30
O povo não conseguia crer em Moisés e Arão por causa do grande sofrimento em que se encontravam. O que temos de fazer quando vamos levar as boas-novas do evangelho a alguém que está sofrendo?

04/02/07 Domingo: Êxodo 7:1-25
Mesmo sofrendo uma praga de 7 dias de águas transformadas em sangue, Faraó endureceu seu coração e não deu ouvidos ao que Moisés e Arão diziam. Como podemos explicar a atitude de Faraó?

voltar ao topo

05/02/07 Segunda-feira: Vergonha?
Romanos 1:1-32
Paulo diz que não se envergonha do Evangelho de Cristo. Isso significa que alguém se envergonha desse mesmo Evangelho. Por que alguém teria vergonha do Evangelho?

06/02/07 Terça-feira: Coerência
Romanos 2:1-29
No texto, vemos que nada adianta a lei e a circuncisão (práticas dos judeus) se não houver observação dos mandamentos de Deus. Para nós, serviria dizer o seguinte: de nada adianta falar que crê em Jesus e viver de maneira contrária à sua vontade. Diga 3 coisas que um "incoerente" faz que não são compatíveis com o Evangelho.

07/02/07 Quarta-feira: Justificação pela fé
Romanos 3:1-31
Paulo conclui que ninguém pode ser justificado pelas obras (v.20), porque todos pecaram (v.23) e a justificação é pela fé (v.28). Como a fé pode mudar uma pessoa e transformá-la em alguém que faz o que Deus quer?

08/02/07 Quinta-feira: Até Abraão foi justificado pela fé
Romanos 4:1-25
Mesmo Abraão, o pai da nação de Israel (que tanto preza o guardar a lei), foi justificado sem obras, mas pela fé. Depois suas obras comprovaram o que ele cria. Leia o versículo 20 e diga como Abraão mantinha sua fé diante da "demora" da promessa de Deus.

09/02/07 Sexta-feira: A justiça divina
Romanos 5:1-21
Um único ato de justiça (a obediência de Jesus ao se entregar à morte por nós na cruz) foi capaz de aniquilar o pecado e a morte de toda a humanidade. Esse foi um preço muito alto que Deus pagou por nós. O que Deus esperava de você quando ele enviou Jesus para morrer no seu lugar?

10/02/07 Sábado: O pecado
Romanos 6:1-23
O capítulo todo fala sobre como o poder do pecado é destruído pela morte de Cristo. Diz também que não somos mais escravos do pecado e sim da justiça. Isso significa que não pecamos mais?

11/02/07 Domingo: A carne
Romanos 7:1-25
O texto diz que a nossa carne está contaminada pelo pecado e sempre desejará fazer o mal. Isso causa uma luta dentro de nós, entre o que a nossa carne quer fazer e o que nosso entendimento quer fazer (porque sabe que é certo). A resposta para esse "impasse" está no próximo capítulo. Mas responda agora: se nossa carne quer coisas erradas, então nós estamos pecando?

voltar ao topo

12/02/07 Segunda-feira: Coração duro
Êxodo 8:1-32
Faraó, mesmo diante do poder de Deus, endurecia seu coração porque os magos do Egito imitavam o sinal dado por Moisés e Arão (7:11,13; 7:22; 8:7,15). Mas em 8:19 lemos que até os magos do Egito reconheceram que "isto é o dedo de Deus" e mesmo assim faraó novamente endureceu seu coração! Como explicar essa atitude de faraó?

13/02/07 Terça-feira: Duas atitudes diferentes
Êxodo 9:1-35
A sétima praga foi a chuva de pedras. Após o anúncio da praga, houve oficiais do faraó que temeram a Deus e recolheram seu gado e servos para abrigos. Mas, mesmo após seis terríveis pragas, ainda houve oficiais que não se importaram com o aviso de Deus e deixaram seu gado e servos no campo. Qual a razão dessas atitudes diferentes?

14/02/07 Quarta-feira: Meio-termo
Êxodo 10:1-29
Após a ameaça da praga dos gafanhotos, e atendendo ao pedido de seus servos, faraó chama Moisés e Arão e permite que apenas os homens saiam do Egito (mas não as mulheres, crianças e gado). E faraó expulsa Moisés e Arão de sua presença. Faraó ainda se achava em condições de "negociar" com Deus e forçar um "meio-termo" na ordem divina. Será que as pessoas hoje ainda tentam forçar mudanças e meios-termos nas ordens de Deus, obedecendo as ordens divinas pela metade? Tente dar exemplos.

15/02/07 Quinta-feira: Deus endurece o coração
Êxodo 11:1-10
Faraó endureceu seu coração 7 vezes (7:13, 7:22, 8:15, 8:19, 8:32, 9:7 e 9:34). E Deus endureceu o coração de faraó 4 vezes (9:12, 10:20, 10:27 e 11:10). Leia Romanos 1:21-24 e responda: Por que Deus às vezes faz os ímpios serem mais ímpios ainda?

16/02/07 Sexta-feira: A páscoa
Êxodo 12:1-51
A páscoa é uma figura da redenção feita por Jesus na cruz. Procure identificar o significado dos elementos e acontecimentos da páscoa em relação à redenção feita por Jesus na cruz (Egito, escravidão, cordeiro, sangue na porta, anjo destruidor, etc.)

17/02/07 Sábado: Direção e proteção divinas
Êxodo 13:1-22
Após retirar o povo do Egito, Deus o guiou pelo deserto através de uma nuvem durante o dia e de uma coluna de fogo à noite. Eles não somente os guiavam, mas protegiam do calor do dia (nuvem), iluminavam o caminho e protegiam do frio da noite (coluna de fogo). Como Deus nos dirige e protege hoje?

18/02/07 Domingo: Passagem pelo meio do mar
Êxodo 14:1-31
O povo de Deus passou a pé enxuto pelo meio do Mar Vermelho, e suas águas ficaram como "muros, à sua direita e à sua esquerda" (14:29). Ao tentar perseguir os israelitas, o exército de faraó se afogou no mar, quando suas águas se fecharam novamente. Este foi um milagre tremendo. Qual o significado disso para nós hoje, à luz do Novo Testamento? Que aprendemos com isso?

voltar ao topo

19/02/07 Segunda-feira:Guiados pelo Espírito
Romanos 8:1-39
A nossa carne sempre desejará o mal, mas se mortificarmos a carne e vivermos pelo Espírito, então conheceremos a verdadeira vida de Deus em nossa vida. O texto fala em "gemidos inexprimíveis" a que o Espírito nos guia na oração (versículo 26). O que você entende com isso? Qual o propósito desses "gemidos"?

20/02/07 Terça-feira: Dando a própria vida
Romanos 9:1-33
Paulo disse que, se fosse possível, daria a própria salvação pelos judeus ("poderia ser separado de Cristo por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne"). Moisés disse coisa parecida (Ex 32:32). Do que você está disposto a abrir mão pela salvação das outras pessoas?

21/02/07 Quarta-feira: Proclamando a salvação
Romanos 10:1-21
Paulo, afirmando que a salvação é pela fé, pergunta: como alguém pode crer se não ouvir? E como vai ouvir se alguém não pregar? Qual a importância do nosso comportamento e atitude no dia-a-dia para que a nossa pregação seja eficaz?

22/02/07 Quinta-feira: Quebrados pela incredulidade
Romanos 11:1-35
O texto afirma que não é pelas obras que alguém é justificado, mas pela graça (v.6). E diz que quem não crê é quebrado (v.20). Que atitude devemos ter diante de Deus para que a nossa fé não desfaleça?

23/02/07 Sexta-feira: Imperativos
Romanos 12:1-21
Esse trecho de Romanos 12 é cheio de verbos no imperativo (transformai, amai, abençoai, alegrai, etc.). Qual o versículo que mais lhe falou ao coração? Por quê?

24/02/07 Sábado: O amor: a lei suprema
Romanos 13:1-14
"O cumprimento da lei é o amor" (v.10b). Se procurarmos entender isso pelo sentido oposto, poderíamos dizer que quem não ama estará descumprindo a lei de Deus. Mas e se as pessoas fazem o que é certo mesmo sem amar? Estarão pecado por isso? É possível fazer o certo sem amar?

25/02/07 Domingo: Tolerância
Romanos 14:1-23
Tipos de comidas que se podem comer e atenção especial com dias da semana são exemplos de questões que levam muitos cristãos a brigas sem sentido. Os que observam o preceito condenam os que não o observam, e os que não observam o preceito desprezam aqueles que o fazem. Você já teve dificuldades em questões como essas? O que ocorreu? O que Paulo orienta que se faça nesse tipo de situação?

voltar ao topo

26/02/07 Segunda-feira: Primeira murmuração
Êxodo 15:1-27
Após serem livres do Egito com grande poder, os israelitas andaram 3 dias no deserto até chegarem a Mara. Lá, ao invés de encontrarem águas doces, encontram águas amargas e murmuraram contra Moisés. Deus então mostra a Moisés uma árvore; Moisés joga a árvore nas águas e elas se tornam doces. Você acha que a atitude dos israelitas era justificada? Explique seu ponto de vista.

27/02/07 Terça-feira: Segunda murmuração
Êxodo 16:1-36
Um mês e meio depois de terem saído da escravidão do Egito, os israelitas murmuraram contra Moisés e Arão porque tinham fome. Eles diziam que preferiam ter morrido no Egito a estar naquele deserto. Deus então envia o maná. Os israelitas podiam ter feito outra coisa ao invés de murmurar? O quê?

28/02/07 Quarta-feira: Terceira murmuração
Êxodo 17:1-16
Seguindo o povo pelo deserto, chegou a Refidim. Ali reclamaram fortemente contra Moisés, perguntando: "Por que você nos tirou do Egito para nos matar de sede?" Deus então manda Moisés bater com sua vara em determinada rocha e a rocha dá água. O povo estava errado por reclamar? Explique.

01/03/07 Quinta-feira: Delegando autoridade
Êxodo 18:1-27
Atendendo ao conselho de Jetro, Moisés escolhe homens de todo o Israel para serem chefes de grupos de pessoas e assim dividir a tarefa da condução do povo. Quais as qualificações necessárias a esses homens para exercerem a tarefa?

02/03/07 Sexta-feira: A aliança
Êxodo 19:1-25
Deus propõe ao povo serem sua propriedade particular e uma nação de sacerdotes em troca de eles "diligentemente ouvirem a sua voz e guardarem a minha aliança". O que os israelitas deveriam fazer na prática?

03/03/07 Sábado: Os dez mandamentos
Êxodo 20:1-26
No monte Sinai, Deus dá a Moisés os dez mandamentos em duas tábuas de pedra. Hoje Deus quer escrever seu maior mandamento (o amor - Mt 22:36-40) nas "tábuas de carne do coração" (II Co 3:3). Faça uma lista com os dez mandamentos, numerando-os.

04/03/07 Domingo: Escravo que quer ficar
Êxodo 21:1-36
Entre outras leis, lemos neste capítulo a respeito do caso de um escravo hebreu que deseja continuar como escravo na casa de seu senhor hebreu por livre e espontânea vontade. O que você acha que seria necessário para alguém querer permanecer na casa como escravo e não sair e ser livre?

voltar ao topo

05/03/07 Segunda-feira: Pregando para quem não ouviu
Romanos 15:1-33
Paulo se "esforçava para pregar o evangelho, não onde Cristo já fora anunciado, para não edificar sobre fundamento alheio". O que isto pode representar para nós hoje?

06/03/07 Terça-feira: Igrejas nas casas
Romanos 16:1-27
O versículo 5 diz: " saudai... a igreja que se reúne na casa deles". A igreja primitiva se reunia em casas. A igreja de uma cidade era formada pelas muitas igrejas-casas daquela cidade. Quais as vantagens de uma igreja que se reúne nas casas?

07/03/07 Quarta-feira: Os santos
I Coríntios 1:1-31
Lendo a carta aos Coríntios, veremos que aquela igreja tinha muitos problemas de comportamento pessoal e de relacionamento entre pessoas. Mesmo assim, o apóstolo os chama no versículo 2 de santos. Quem pode ser e quem é santo?

08/03/07 Quinta-feira: sabedoria ou poder
I Coríntios 2:1-16
Paulo diz que não pregou usando sabedoria, mas sim com demonstração de Espírito e poder. A sabedoria de Deus, antes oculta e agora manifestada, só seria exposta entre os experimentados (já crentes). O que podemos aprender com essa atitude do apóstolo para a nossa própria pregação pessoal?

09/03/07 Sexta-feira: Carnais
I Coríntios 3:1-23
Havia ciúmes e contendas entre os coríntios, o que, segundo Paulo, comprovava que eles eram ainda carnais e que ainda viviam segundo os padrões humanos comuns. Embora salvos, não se podia ainda ver diferença entre esses crentes e os descrentes. Como alguém deixa de ser carnal e se torna espiritual?

10/03/07 Sábado: Orgulho ou sofrimento
I Coríntios 4:1-21
Paulo combate o partidarismo por apóstolos ("eu sou de Paulo, eu de Apolo, eu de Pedro" I Co 1:12) desde o capítulo 1. Mas agora ele lembra os coríntios de seus sofrimentos (v. 9-13) e o fato de que ele era o pai espiritual dos coríntios (v. 15). Isso para que os coríntios reparassem em seu exemplo de vida e o seguissem, deixando de ser orgulhosos. Quais os perigos do orgulho para o cristão?

11/03/07 Domingo: Entregando a satanás
I Coríntios 5:1-13
Paulo entrega o pecador contumaz (que peca sem parar) à ação de satanás para destruição da carne (pela doença ou até morte). Como o pecador contumaz seria beneficiado com tal castigo?

voltar ao topo

12/03/07 Segunda-feira: prejuízo e restituição
Êxodo 22:1-31
Nota-se que a reparação pelo erro é maior (normalmente o dobro) do que o prejuízo. Quais seriam os motivos para a reparação ser maior que o prejuízo causado?

13/03/07 Terça-feira: O anjo guia e protetor
Êxodo 23:1-33
Deus prometeu no v.20 um anjo para guiar e proteger o povo durante o caminho até a terra prometida. O Espírito Santo faz essa função para a igreja hoje. Qual as conseqüências para o crente que não obedece à voz do Espírito Santo?

14/03/07 Quarta-feira: Vendo a Deus
Êxodo 24:1-18
Após fazerem um pacto com Deus, se comprometendo a obedecer seus mandamentos e sendo aspergidos com sangue, os israelitas têm a maravilhosa oportunidade de ver a Deus (v.10 e 11). Procure no capítulo 5 de Mateus e responda: quem hoje pode ver a Deus?

15/03/07 Quinta-feira: O tabernáculo
Êxodo 25:1-40
O tabernáculo era o lugar onde Deus habitaria entre os homens. Ele prefigurava Cristo, que é o tabernáculo vivo, onde Deus pode ser encontrado. Sabendo disso, interprete o significado do candelabro que estava no tabernáculo.

16/03/07 Sexta-feira: O véu interior
Êxodo 26:1-37
O véu interior separava o Lugar Santo (onde todos os sacerdotes e levitas entravam) do Santo dos Santos (onde só o sumo-sacerdote uma vez por ano entrava). Esse véu foi rasgado de cima para baixo quando Jesus morreu (Mt 27:50-51). O que isso significa?

17/03/07 Sábado: O azeite
Êxodo 27:1-21
O azeite era o combustível do candelabro. Ele deveria ser puro (v.20) para permitir luz mais brilhante e menos fumaça. Se nós somos a luz do mundo (Mt 5:14) e devemos ter azeite (Mt 25:1:-13), o que seria esse azeite? E como deixa-lo sempre puro?

18/03/07 Domingo: As vestes sacerdotais
Êxodo 28:1-43
Os sacerdotes deveriam usar uma roupa especial, finamente bordada e muito ornamentada com pedras preciosas. Sabendo que isso é uma figura e sabendo que nós somos os sacerdotes de Deus na terra (II Pe 2:9 e Ap 1:6), responda: o que representam essas lindas vestes especiais para nós?

voltar ao topo

19/03/07 Segunda-feira: Contendas entre irmãos
I Coríntios 6:1-20
Paulo condena o fato de que alguns estavam levando seus irmãos de fé aos tribunais. Ele ensina que pendências entre irmãos deveriam ser resolvidas dentro da igreja, sem necessitar de intervenção de descrentes. Mas um passo a mais lê-se no versículo 7. Qual seria, de acordo com esse versículo, a melhor atitude do crente diante de um problema de relacionamento?

"O simples fato de o crente "brigar" já é uma perda, já é uma falta. Paulo pergunta: "Por que não sofreis antes a injustiça? Por que não sofreis antes o dano?" Para o apóstolo Paulo, estava claro que a melhor atitude seria colocar o problema nas mãos do Senhor e assumir o prejuízo! Na verdade, a esperança que a Bíblia nos dá é de que tudo o que sofrermos aqui na terra será recompensado pelo Senhor na sua vinda. Nós nunca perderemos! Nem mesmo um copo de água fria (água que não é quente nem gelada, água à temperatura ambiente, de pouco valor financeiro, de pouco esforço, o mínimo trabalho que eu posso fazer a alguém) deixará de ter o seu galardão." RN

20/03/07 Terça-feira: Casamento e divórcio
I Coríntios 7:1-40
Nos versículos 10 e 11, há uma orientação sobre a possibilidade de separação matrimonial. O que você entende nesses versículos?

"Entendemos claramente que aquele que se separa do cônjuge, a não ser por causa de adultério da outra parte, deve permanecer sem se casar novamente, pois o vínculo matrimonial deste primeiro casamento ainda existe. O adultério - cometido pela outra parte, é claro - é a única situação aos olhos de Deus em que alguém pode deixar o cônjuge e casar com outro. Isso está expresso em Mateus 5:31-32: "Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, dê-lhe carta de desquite. Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério." Esse "prostituição" é "pornéia" no grego, que quer dizer relações sexuais ilícitas. No caso de "pornéia" a aliança foi quebrada e a parte ofendida tem a opção de se casar de novo (ou de perdoar o cônjuge se houver arrependimento e reatar a aliança)." RN

21/03/07 Quarta-feira: Comida oferecida a ídolos
I Coríntios 8:1-13
Responda de acordo com o texto: qual o problema de comer comidas oferecidas a ídolos, se o ídolo "nada é" e "não há senão um só Deus" (v.4)?

"O problema é o mau exemplo. Se eu comer comidas sacrificadas a ídolos e alguém sem entendimento ver isso, essa pessoa poderá achar que é certo manter vínculos com os ídolos (uma das formas de relacionamento com os ídolos era fazer sacrifícios a estes e comer a carne do animal sacrificado). Comer ou não comer não significa nada porque a comida não torna ninguém mais ou menos espiritual e porque o ídolo não é coisa alguma. Mas a consciência, ou seja, as razões pelas quais a pessoa faz determinada coisa é que importa, sendo o fato verdadeiro ou não." RN

22/03/07 Quinta-feira: O salário de Paulo
I Coríntios 9:1-27
Paulo, nesse capítulo, mostra que teria direito a ser sustentado pela igreja, mas que voluntariamente decidiu não receber esse sustento. Leia também II Coríntios 11:7-13 e responda: Por que Paulo recusou ser sustentado pela igreja de Corinto?

"Paulo, como disse em I Co 9:12, preferiu não usar do direito de receber salário para não por impedimento algum ao evangelho de Cristo. Havia falsos apóstolos entre os coríntios, que estavam tentando tomar o governo da igreja e a atenção daqueles crentes. Paulo preferiu não tomar dinheiro algum dos coríntios para não dar ocasião a essas pessoas de se gabarem e de usarem isso como argumento e vantagem." RN

23/03/07 Sexta-feira: Saíram do Egito, mas não entraram na terra prometida
I Coríntios 10:1-33
O capítulo todo fala sobre o cuidado que devemos ter com o nosso viver, que deve ser em obediência e santidade. Paulo faz menção do povo que saiu do Egito, e que não chegou à terra prometida. O que Paulo quer nos ensinar?

"Paulo está advertindo que não é porque aceitamos Jesus que podemos deixar de agradar ao Senhor. Não podemos cobiçar coisas más, não podemos nos prostituir, não podemos ser idólatras, não podemos tentar a Cristo, não podemos murmurar. Se agirmos assim, se servirmos o pecado, não entraremos na terra prometida, não entraremos na vida eterna. Jesus mesmo advertiu: "Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus." (Mateus 7:20). Assim, o nosso comportamento deve ser tal que em tudo agrademos e glorifiquemois a Deus." RN

24/03/07 Sábado: A ceia do Senhor
I Coríntios 11:1-34
Lendo os versículos 20-22 e 33-34, diga: Qual atitude dos coríntios estava errada quando se reuniam para a ceia do Senhor?

"O pecado dos coríntios não era comer muito (ainda que isso não seja certo), mas comer sem se preocupar com os demais irmãos, de tal forma que um comia demais e outro passava fome. A atitude de falta de amor era o real problema." RN

25/03/07 Domingo: O corpo de Cristo
I Coríntios 12:1-31
O versículo 27 diz claramente que nós, como igreja, somos o corpo de Cristo, e individualmente seus membros em particular. O que se espera que um membro do nosso corpo faça, e o que se espera que não faça? Como aplicarmos isso à vida em igreja, à vida em comunidade cristã?

"Espera-se que um membro do corpo reconheça seu papel para o bem estar do corpo e o cumpra fielmente, não fazendo nem mais e nem menos do que lhe é designado, e com alegria. Não se espera que o membro fique com inveja de outros membros e deseje ser o que não é. Não se espera que fique magoado e pare de funcionar. Não se espera que queira crescer mais do que os outros. Espera-se que as capacidades do membro sejam plenamente usadas, no tempo certo e na intensidade certa. Espera-se que todos os membros tenham cuidado desse membro assim como têm cuidado de todos os membros. Espera-se que este membro receba nutrição e cuidado necessários para que possa ter saúde e bem-estar. Na igreja é igual: cada um tem a sua função e todas as funções são importantes. Todos são necessários e cada um deve reconhecer seu papel na comunidade e exercê-lo no tempo e intensidade corretos com alegria. Cada um deve ter cuidado dos outros e receber o cuidado necessário dos outros membros também. Assim o corpo tem saúde e todos se alegram." RN

voltar ao topo

26/03/07 Segunda-feira: Consagração de sacerdotes
Êxodo 29:1-46 (alternativamente, leia apenas até o versículo 9)
Este capítulo fala sobre a consagração dos sacerdotes, e de toda a cerimônia que envolve essa consagração (sacrifícios e ofertas). Leia Apocalipse 1:6 e responda: quem são os sacerdotes hoje? São os pastores? Qual o sacrifício que consagra os sacerdotes hoje?

27/03/07 Terça-feira: O resgate
Êxodo 30:1-38
Quando um homem israelita fazia 20 anos de idade, era arrolado oficialmente no povo de Deus. Ele dava então uma oferta de meio siclo (12 gramas) de prata como resgate pela sua alma. O rico não poderia dar mais e o pobre não poderia dar menos, todos deveriam dar a mesma quantia. Qual o significado dessa figura?

28/03/07 Quarta-feira: O sábado
Êxodo 31:1-18
O sábado era não só um dia de descanso, mas também um dia de sinal de aliança do povo de Israel com Deus. Em uma época que desconhecia esse descanso periódico, um povo inteiro descansando ao mesmo tempo era um sinal para todas as nações. Que sinal Deus quer ver em nós hoje? O que poderia causar espanto hoje nas pessoas? (Leia João 13:34-35 depois de responder a pergunta)

29/03/07 Quinta-feira: O bezerro de ouro
Êxodo 32:1-35
Tendo Moisés ficado 40 dias no monte, o povo pensou que ele não voltaria mais e, ao invés de orarem a Deus, decidiram fazer um bezerro de ouro e colocá-lo como seu deus (era prática comum naquela época as pessoas confiarem em estátuas como deuses). Hoje, se as pessoas não têm uma resposta imediata de Deus, qual a reação delas? O que na verdade deveriam fazer?

30/03/07 Sexta-feira: Falando com Deus
Êxodo 33:1-23
Quando Moisés entrava na tenda da congregação, uma coluna de nuvem descia e se colocava à porta da tenda. Então Deus falava com Moisés. O que devemos fazer para falar com Deus hoje?

31/03/07 Sábado: O rosto resplandecente de Moisés
Êxodo 34:1-35
Após ficar 40 dias e 40 noites diante de Deus, Moisés desce do monte e seu rosto está brilhante, resplandecente. Por que isso aconteceu?

01/04/07 Domingo: Bezaleel e Aoliabe
Êxodo 35:1-35
Deus capacitou Bezaleel e Aoliabe para fazerem toda a obra artística do tabernáculo, mas também para ensinar outros a fazerem o mesmo. O que era mais importante, fazer ou ensinar? Por quê?

voltar ao topo

02/04/07 Segunda-feira: O caminho mais excelente
I Coríntios 13:1-13
A palavra grega traduzida como "amor" ou "caridade" é, no original, "ágape". Esse "ágape" é o amor de Deus, que é um amor supremo e puro, que busca os interesses do ser amado. Busque no texto e fale sobre uma das características desse amor divino que nós todos temos de ter para dar aos outros.

03/04/07 Terça-feira: Línguas estranhas
I Coríntios 14:1-40
Que vantagem temos em orar em línguas estranhas? (veja o v. 4); Quais os critérios para orarmos publicamente em línguas estranhas? (veja os vs. 27 e 28).

04/04/07 Quarta-feira: A ressurreição
I Coríntios 15:1-58
Neste capítulo Paulo defende que haverá ressurreição de mortos (porque alguns entre os romanos diziam que não havia ressurreição de mortos - veja o v. 12). De acordo com o texto, responda: Quando ocorrerá a ressurreição "dos que são de Cristo"? Como será a ressurreição dos mortos? E o que acontecerá com os que estiverem vivos?

05/04/07 Quinta-feira: Atitudes
I Coríntios 16:1-24
Neste capítulo de despedida, Paulo escreve uma frase repleta de imperativos no versículo 13: "Vigiai, estai firmes na fé, portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos". Faça um comentário da frase, analisando a importância dessas coisas na nossa vida.

06/04/07 Sexta-feira: Alegria pela tribulação?
II Coríntios 1:1-24
Paulo entendia as tribulações como oportunidades de receber consolação. E ele valorizava muito essas oportunidades porque depois ele podia usar essa mesma consolação recebida para consolar outras pessoas. Você já usou alguma experiência sua para consolar outra pessoa? Ou já foi consolado assim?

07/04/07 Sábado: Perdão
II Coríntios 2:1-17
Paulo perdoa alguém que o contristara para que Satanás não tivesse vitória (v.10). Como Satanás pode ter vitória no fato de um irmão não perdoar o outro?

08/04/07 Domingo: A carta de Cristo
II Coríntios 3:1-18
Paulo afirmou que nós somos a carta de Cristo, escrita pelo Espírito de Deus nas tábuas do coração. Cite 7 coisas que alguém poderia ler nessa carta (7 características do caráter de um cristão fiel).

voltar ao topo

09/04/07 Segunda-feira: Ofertas demais
Êxodo 36:1-38
Moisés precisou proibir o povo de trazer mais ofertas para a construção do templo, porque já havia "muito mais do que basta para o serviço". Por que é importante que os homens que lidam com as ofertas a Deus sejam honestos e retos?

10/04/07 Terça-feira: Os objetos do interior do tabernáculo
Êxodo 37:1-29
Foram feitos 3 objetos revestidos de ouro que depois seriam colocados dentro do tabernáculo: A arca com sua tampa (propiciatório), a mesa que continha os pães que representavam as tribos de Israel e um castiçal de 7 lâmpadas. O que cada um deles representa?

11/04/07 Quarta-feira: Numeração de tudo que era feito
Êxodo 38:1-31
Tudo o que foi feito na construção do tabernáculo foi pesado e registrado. Nada ficou de fora. Se entendermos que isso é uma figura que aponta para o nosso tempo também, que podemos pensar a respeito de tudo o que fazemos para Deus?

12/04/07 Quinta-feira: Os nomes das tribos nas vestes sacerdotais
Êxodo 39:1-43
As vestes dos sacerdotes eram ricamente ornadas e tinham pedras preciosas com os nomes das tribos de Israel. Se pensarmos na função do sacerdote, que é de clamar a Deus a favor do povo, e que Jesus é nosso sumo-sacerdote e nós mesmos somos chamados para sermos sacerdotes de Deus, o que podemos entender com essa figura das pedras com nomes colocadas na roupa?

13/04/07 Sexta-feira: O tabernáculo e a glória de Deus
Êxodo 40:1-38
Exatamente um ano após saírem do Egito, os filhos de Israel levantam o tabernáculo do Senhor e a glória do Senhor o enche completamente. Quem ou o quê é o tabernáculo hoje? Onde a glória do Senhor pode ser vista?

14/04/07 Sábado: Ofertas sem mancha
Levítico 1:1-17
Todas as ofertas que o povo trouxesse a Deus deveriam ser sem mancha.
O que quer dizer "sem mancha"? O que podemos aprender com isso para a nossa vida de adoração?

15/04/07 Domingo: Com azeite e sem fermento
Levítico 2:1-16
O Antigo Testamento está cheio de figuras que foram escritas para aviso nosso (I Coríntios 10:11). Interprete a ordem das ofertas de comida não terem fermento mas terem azeite. Leia Lucas 12:1, Gálatas 5:9, I Coríntios 5:7-8. Mateus 25:3-4 e Tiago 5:14.

voltar ao topo

16/04/07 Segunda-feira: Uma coisa é uma coisa. Outra coisa...
II Coríntios 4:1-18
Paulo diz que em tudo era atribulado, mas não angustiado; perplexo, mas não desanimado; perseguido, mas não desamparado; abatido, mas não destruído. Explique essas situações na vida do crente.

"Tribulações nós sempre teremos, mas o consolo do Espírito Santo nos ajuda a não ficarmos na angústia, que é um sentimento de desespero, imobilização e dor interior. O Espírito Santo vai tirando a angústia e nós somos renovados. Perplexos ficamos, mas novamente pela ação do Espírito Santo recobramos o ânimo. Somos perseguidos, mas nunca estaremos sozinhos, nunca estaremos sem ajuda do alto. Abatidos podemos até ficar, mas destruídos jamais, nem mesmo se morrermos." RN

17/04/07 Terça-feira: O tribunal de Cristo
II Coríntios 5:1-21
No tribunal de Cristo (v.10), todas as obras do crente ficarão manifestas e ele receberá galardão cheio ou menor, dependendo do que tiver feito. Considere a situação de dois crentes: um dedicado e fiel e o outro despreocupado e inconstante. Fale sobre o sentimento de cada um nos momentos que antecedem a chamada do seu nome diante do Senhor Jesus e diante de todos os anjos e pessoas.

"Certamente nós todos chegaremos diante do trono de Deus por causa da sua misericórdia e não por causa de nossas obras. Mas aquele que se empenhou e tomou a causa para si estará alegre por participar da vitória do Senhor Jesus. Seu coração estará na expectativa de poder chegar diante do Senhor para dar graças e olhá-lo bem de perto. Não esperará galardões, ainda que os tenha buscado e ainda que vá recebê-los, mas desejará, como sempre desejou, estar bem perto de Jesus. Já o coração do inconstante saberá bem que perdeu muitas oportunidades de glorificar o Senhor e sentirá como aquele aluno que não fez bem a lição de casa e agora precisa apresentar diante da professora e da classe o que produziu. Um pouco de vergonha deverá sentir de não ter se aplicado tanto como deveria, ainda que também vá estar alegre por estar gozando a vida eterna." RN

18/04/07 Quarta-feira: Credenciais
II Coríntios 6:1-18
Paulo diz que se esforçava para se tornar recomendável (confiável) em tudo, e cita: "nas aflições, nas necessidades, nas angústias, nos açoites, nas prisões, nos tumultos". Como essas coisas podem servir para tornar alguém recomendável?

"Os falsos, aqueles que têm outros interesses quando abraçam a causa divina, não suportam aflições, necessidades, angústias, açoites, prisões ou tumultos por causa do evangelho. Muito antes disso eles já fazem acordos com a "oposição" ou abandonam o reto caminho. Portanto, aqueles que são provados na fornalha da aflição são como peças com certificado de qualidade: são boas peças." RN

19/04/07 Quinta-feira: Tristeza segundo Deus
II Coríntios 7:1-16
Paulo estava preocupado com o resultado de uma exortação que havia feito aos coríntios. Será que a tristeza causada pela "bronca" havia produzido coisas boas? Mas, depois de receber notícias dos coríntios por meio de Tito, estava mais contente por ver que eles haviam se arrependido. Como eu devo lidar com a tristeza e vergonha que uma repreensão causa?

"Com muita humildade. Se eu não puder reconhecer meus erros e suportar a vergonha e tristeza de uma repreensão, então não poderei melhorar de forma nenhuma. A Bíblia diz que "mais profundamente entra a repreensão no sábio do que cem açoites no estulto". E também diz que "o temor do Senhor é o princípio da sabedoria". Portanto, somente aqueles que temem a Deus são sábios e somente os sábios recebem a repreensão adequadamente. Quem é sábio, é humilde. Se alguém se rebela e "se acha" a ponto de não receber a repreensão, então essa pessoa ainda não é sábia. Tem de aprender o temor do Senhor em primeiro lugar (tem de se converter)." RN

20/04/07 Sexta-feira: Ato e Atitude
II Coríntios 8:1-24
Paulo exorta os coríntios a unirem a ação ao que pregavam, participando da coleta que era feita para ajudar os cristãos pobres da Judéia. Baseado nos versículos 11 e 12, responda: qual o aspecto principal na determinação de quanto ofertar?

"O importante não é o ato em si, mas a atitude ao fazer o ato. Assim, o principal não é o quanto eu dei, mas o interesse sincero em ajudar o próximo. Se eu dou por constrangimento, porque fui obrigado, então não há mérito nisso. Por outro lado, se eu realmente me interesso pelo próximo, então o que eu der é realmente uma expressão das minhas capacidades de dar. Quer seja muito, quer seja pouco, sempre será uma dádiva importante para quem recebe e para quem oferta." RN

21/04/07 Sábado: Resultados da oferta
II Coríntios 9:1-15
Lendo os versículos 9 a 14, e pensando no assunto, responda: Quais os resultados da oferta que os coríntios faziam aos irmãos pobres da Judéia?

"Podemos listar:
- a justiça do ofertante aparece e dura para a eternidade
- aumenta a bênção sobre o ofertante ("multiplicará a vossa sementeira")
- aumenta a disposição de beneficência do ofertante
- supre a necessidade dos que recebem
- muitas graças são dadas a Deus" RN

22/04/07 Domingo: Não pescando em aquário
II Coríntios 10:1-18
Paulo havia evangelizado os coríntios. Mas alguns falsos apóstolos estavam se aproveitando da sua ausência para tentar governar aqueles irmãos. Paulo então começa a defender seu apostolado. Releia o versículo 16 e aponte um dos argumentos de Paulo nessa defesa.

"Paulo se esforçava em pregar e em exercer influência onde o evangelho ainda não havia sido pregado. Os falsos apóstolos estavam entrando no campo dele, pois ele havia sido o semeador daquele campo, ele havia evangelizado os coríntios. Isso era uma amostra da diferença de atitude entre Paulo e os falsos apóstolos. Esses falsos apóstolos estavam se orgulhando além da medida, pois estavam se orgulhando de algo que eles não fizeram." RN

voltar ao topo

23/04/07 Segunda-feira: Atitude
Levítico 3:1-17
Neste capítulo está descrito o sacrifício de ações de graças. Toda a gordura (toda a energia de reserva) deveria ser queimada, oferecida ao Senhor. Se entendermos isso como uma figura de que todas as nossas forças devem ser para louvar ao Senhor, qual a atitude do coração mais importante para que isso ocorra?

"A atitude mais importante é a de consagração, de rendição, de entrega. Se eu não morrer para mim mesmo (como os animais eram mortos no sacrifício), se eu não me abrir para Deus (como os animais eram abertos) e se eu não me render para que Deus me toque bem dentro do ser (como a gordura era retirada do animal), não haverá o que colocar sobre o altar. Adorar a Deus em espírito e em verdade é se entregar completamente." RN

24/04/07 Terça-feira: Rompendo o véu ou não
Levítico 4:1-35
Do sangue do sacrifício pelo pecado, o sacerdote tomava e espargia 7 vezes diante do véu, mas o sangue de novilhos não podia romper o véu. O véu era uma grossa cortina de 10 cm de espessura que fazia divisão entre o lugar santíssimo e o lugar santo. Relacione essa cerimônia com a morte de Jesus por nós.

"Os sacrifícios do velho testamento apontavam para um fato: o pecado gera a morte. Ao sacrificar um animal por causa do seu pecado, o ofertante via no animal as conseqüências dos seus atos. Mas o sangue do animal não podia chegar até o lugar santíssimo, não podia passar o véu, pois era um sacrifício imperfeito, insuficiente. Quando Jesus morreu na cruz em nosso lugar, o véu não foi apenas ultrapassado, mas foi rasgado de cima para baixo. Jesus entrou no lugar santíssimo (também chamado "Santo dos Santos") e efetuou uma eterna libertação do pecado. Com um único sacrifício, não precisamos mais fazer sacrifício de animal nenhum, e podemos ser completamente livres do pecado e de suas conseqüências." RN

25/04/07 Quarta-feira: Culpado, mesmo sem saber
Levítico 5:1-19
Os "pecados ocultos" eram os pecados cometidos por ignorância da vontade de Deus, ou seja, o pecador pecava por não conhecer os mandamentos do Senhor. Mas mesmo sem saber, a pessoa era culpada do pecado. Hoje nós ainda podemos errar por não saber a vontade de Deus? Nesse caso, que devemos fazer?

"Ainda hoje podemos pecar muitas vezes por não conhecer a vontade de Deus. Portanto, o que devemos fazer é sempre reconhecer que somos limitados no nosso conhecimento, que não entendemos muitas vezes o que Deus deseja de nós, seja por falta de experiência, seja por falta de oração e leitura bíblica. Então devemos nos colocar diante de Deus e pedir perdão por aquilo que fizemos sem saber, buscando ao mesmo tempo o que o salmista também buscava: "Sonda o meu coração, oh Deus, e vê se existe em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho direito". RN

26/04/07 Quinta-feira: Não deixar o fogo apagar
Levítico 6:1-30
A ordem do versículo 13 é clara: o fogo sobre o altar deveria arder continuamente, nunca se deveria deixá-lo apagar. Como o altar é lugar de sacrifício, de oferta, o que eu devo entender dessa figura de não deixar o fogo do altar se apagar?

"Para não deixar o fogo do altar se apagar o sacerdote precisava, em primeiro lugar, prestar muita atenção. Deveria manter o altar limpo e arrumado. E deveria, sobretudo, colocar lenha nova a cada manhã. Como o altar é lugar de oferta, então eu entendo que a cada manhã eu preciso "me arrumar" para o Senhor. Devo prestar atenção à condição da minha vida e manter sempre "lenha nova" sobre o altar, através da oração, leitura bíblica e meditação na palavra. Assim estarei sempre "aceso" para Deus." RN

27/04/07 Sexta-feira: O sacrifício de louvor
Levítico 7:1-38
Os israelitas poderiam comer a carne do animal oferecido como sacrifício de louvor, mas deveriam comê-la no mesmo dia. O que sobrasse na manhã seguinte não poderia ser comido, mas deveria ser queimado. O que podemos entender com isso?

"Entendemos que o louvor a Deus deve ser diário, que a cada dia precisamos ser agradecidos, reconhecendo o que Ele tem feito por nós. Certamente recebemos bênçãos diariamente, pois somente o fato de acordarmos vivos já é algo para se agradecer muito. Portanto, não devemos passar nem um dia sem lembrar de tudo o que Deus faz por nós." RN

28/04/07 Sábado: Aquele que faz todas as coisas
Levítico 8:1-36
Lendo este capítulo, fica claro que Moisés fez tudo e que Arão e seus filhos foram apenas servidos por Moisés, enquanto que este os lavava, vestia, santificava, etc. Qual a figura que podemos entender neste capítulo?

"Jesus é quem nos lava em seu sangue, nos reveste do Espírito Santo, que nos capacita para toda a boa obra. Nós somos servidos por Jesus e não pode ser de outra maneira, porque só Ele pode fazer esse serviço especial." RN

29/04/07 Domingo: Vendo a glória
Levítico 9:1-24
Após o término do ritual de expiação pelo pecado e de holocaustos (oferta totalmente queimada), a glória do Senhor apareceu ao povo. Novamente temos aqui uma figura. Tente interpretá-la.

"Ao sermos perdoados pelo sacrifício de Jesus, nossas ofertas são aceitas diante de Deus pois são santificadas. Deus se manifesta no meio da igreja e é possível notar o seu agir." RN

voltar ao topo

30/04/07 Segunda-feira: Cuidado
II Coríntios 11:1-33
Paulo, defendendo seu apostolado contra os falsos apóstolos, lista seus sofrimentos pela causa do evangelho e fala (v.28-29) sobre seu sofrimento de preocupação por causa de todas as igrejas. Há alguma coisa que possamos fazer para desenvolvermos esse nível de cuidado de uns para com os outros?

"Sim, há. Nós podemos orar por eles e servi-los o quanto estiver em nós. À medida em que praticamos alguma coisa, vamos nos aperfeiçoando nesse assunto. O mesmo acontece com nosso interesse pelas outras pessoas. O homem sempre tem uma tendência egoísta, mas o praticar das boas obras no Espírito Santo vai capacitando o ser humano a atitudes cada vez mais nobres.Outra coisa que podemos e devemos fazer é a entrega do nosso coração diariamente ao Senhor em oração e súplicas, clamando para que a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal. Veremos que o amor de Deus brilhará dentro de nós e afastará toda a treva." RN

01/05/07 Terça-feira: Força na fraqueza
II Coríntios 12:1-21
Um dos trechos mais conhecidos da Bíblia aparece neste capítulo: "Quando estou fraco então sou forte". O que Paulo queria dizer com isso?

"Paulo queria dizer que quando as suas forças humanas estavam completamente vencidas, esgotadas, não havia outra solução a não ser buscar a força de Deus. E essa era uma situação interessante, pois era somente a partir do aniquilamento de suas próprias possibilidades que o apóstolo experimentava a ação miraculosa do alto. Dessa forma, no momento em que Paulo tinha suas forças humanas esgotadas, começava a ação da tremenda força de Deus." RN

02/05/07 Quarta-feira: A verdade
II Coríntios 13:1-13
O versículo 8 diz: "Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade". O que isso significa?

"Significa que não poderemos caminhar na direção oposta do que Deus quer, que não poderemos viver qualquer coisa contra a verdade e vencer. Mas, pelo contrário, podemos todas as coisas quando estamos na verdade. Essa é a posição de força e de vitória." RN

03/05/07 Quinta-feira: Novo evangelho?
Gálatas 1:1-24
Um ataque satânico estava tentando modificar o puro evangelho, que havia sido pregado por Paulo na Galácia. Esse "novo evangelho" defendia a tese de que seria preciso fazer as obras da lei para se obter a salvação (circuncisão, guardar dias e festas judaicas, etc). Paulo fala abertamente que mesmo que ele próprio ou um anjo pregasse um evangelho diferente, deveria ser considerado anátema (maldição). Você já viu algum "novo evangelho" nos dias atuais? Como devemos considerá-lo?

"Sim, há até o "Evangelho segundo Allan Kardec", que se propõe a interpretar o que a Bíblia diz, mas que acaba por desvirtuar completamente a mensagem da salvação. Esse "Novo Evangelho" simplesmente coloca o homem como responsável pela sua própria salvação e aperfeiçoamento, desprezando completamente as muitas referências bíblicas de que o homem não é salvo pelas obras, mas pela fé em Cristo Jesus." RN

04/05/07 Sexta-feira: Justificação pela fé
Gálatas 2:1-21
"Pelas obras da lei nenhuma carne será justificada" (v.16b). Explique a salvação da alma humana pela fé em Cristo e sua relação com as boas obras.

"A vida é um dom de Deus, e precioso. Não pagamos pelo corpo, não pagamos por nenhum dia de vida nesta terra e não poderemos pagar por nem um dia da vida eterna. Tudo isso é gratuito e não poderia ser de outra forma, pois não tem preço mesmo. Portanto, a salvação não pode ser comprada por nenhum ato humano, por mais maravilhoso que seja, nem mesmo por toda uma existência piedosa. Quando o homem viver de maneira perfeita, não estará fazendo nem mais nem menos do que aquilo para o qual foi planejado. Assim, boas obras não podem ser a causa da salvação, embora necessariamente devam ser a conseqüência dela. Se alguém não manifesta sua salvação em obras, deve se perguntar se verdadeiramente foi salvo." RN

05/05/07 Sábado: Abraão
Gálatas 3:1-29
Abraão foi justificado pela fé e todos os que o têm fé como Abraão são "filhos de Abraão". Além da vida de Abraão, qual o outro argumento que Paulo usa para dizer que as bênçãos (incluindo a salvação) vêm pela fé e não pelas obras?

"Paulo fala sobre o recebimento do Espírito Santo, e pergunta, muito apropriadamente: "Vocês receberam o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?" Se o Espírito vem pela fé, assim também a salvação vem pela fé." RN

06/05/07 Domingo: A lei
Gálatas 4:1-31
Paulo estava angustiado de ver que os gálatas estavam sendo enganados e levados a buscar a observância da lei mosaica para a salvação. Se não temos de observar a lei mosaica, o que temos de observar?

"Temos de observar a lei do amor: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." (João 13:34-35) e "Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão." (I João 4:20-21). O que nos faz diferentes é o amor. O resto, como procedimentos, guarda de mandamentos, de dias, de festas, é somente religião - não aperfeiçoa ninguém." RN

voltar ao topo

07/05/07 Segunda-feira: Fogo estranho
Levítico 10:1-20
Nadabe e Abiú ofereceram incenso com "fogo estranho" e morreram. Por que morreram? O que esse "fogo estranho" representa?

"Morreram porque a época era da lei e não da graça. Não misericórdia só viria com Jesus, sendo que na lei a tolerância com o pecado era nenhuma. Nadabe e Abiú apresentaram seu incenso (oração/adoração) com fogo (espírito/motivação) diferente do de Deus. Deus não aceita qualquer coisa, mas nos fornece os meios certos de chegarmos até Ele. Esse "fogo estranho" representa motivações não divinas, mas humanas. Seria como, hoje, trocarmos o sacrifício de Jesus na cruz pelas nossas boas obras. Ou como fazer boas obras não como resultado da salvação, mas como meio de obtê-la." RN

08/05/07 Terça-feira: Treinamento de obediência
Levítico 11:1-23
Neste capítulo há uma longa lista de animais puros e impuros, próprios e impróprios para consumo dos israelitas. Embora isso possa ter várias interpretações, uma delas diz respeito ao treinamento de obediência em relação ao que agrada a Deus e o que não agrada a Deus. Quando Deus nos dá uma ordem, até que ponto a compreensão dos motivos de Deus é importante para que nós O obedeçamos?

"Certamente a compreensão dos motivos de Deus ajuda bastante, mas o real adorador saberá obedecer a Deus não por compreender ou concordar com a ordem divina, mas por desejar profundamente agradar o criador. Assim, mesmo sem compreender totalmente, procurará obedecer a Deus (Imagine Felipe - em Atos 8 - saindo de Samaria, onde muitas pessoas estavam se convertendo e indo para uma estrada deserta: ele não ficou argumentando com Deus que aquilo não fazia sentido, mas obedeceu e sabemos o que ocorreu: a conversão do eunuco, ministro da rainha de Candace.)" RN

09/05/07 Quarta-feira: Pecado transmitido
Levítico 12:1-8
Embora feliz, a mulher que tivesse dado à luz era considerada imunda por muitos dias. Assim como todo o fluxo humano (tudo o que saía do homem) tornava o homem impuro, também um ser humano saindo de outro o tornava impuro. Isso aponta para o fato de que a humanidade nada pode produzir de bom. Mas podemos pensar: Mas uma criança não é pura? Como entender isso?

"De fato a criança é pura, mas não está isenta da semente do pecado, que já está latente em seu ser. Basta olharmos essa criancinha alguns anos mais tarde (e não precisa muitos) para percebermos que de fato um outro pecador veio ao mundo." RN

10/05/07 Quinta-feira: Lepra
Levítico 13:1-11
A lepra descrita inclui não só o que chamamos lepra hoje (hanseníase), como também várias outras enfermidades de pele. Considerando que a "lepra" (sentido amplo do termo) na Bíblia é figura do pecado, liste algumas características das enfermidades de pele, comparando-a com o pecado.

"Podemos listar:
- São geralmente contagiosas (o pecado também estimula outros ao mal)- Podem deformar (o pecado muda a vida da pessoa para pior)
- Podem causar insensibilidade (o pecado também leva a pessoa a ficar insensível às suas conseqüências)
- Causam repulsa em outras pessoas (o pecado causa nojo nos outros)
- Impedem os doentes de relacionamento normal (o pecado também altera a pessoa e não deixa que ela viva normalmente com outras pessoas)" RN

11/05/07 Sexta-feira: Ave solta
Levítico 14:1-9
Quando alguém era purificado da lepra, devia trazer duas aves ao sacerdote. Uma seria morta como símbolo de purificação e a outra deveria ser libertada. Que essa ave libertada simbolizava?

"A ave solta simbolizava a nova vida de liberdade que a pessoa purificada haveria de experimentar. Ficar separado da comunidade era algo muito duro de ser vivido, e a pessoa purificada tinha muitos motivos para se alegrar em sua condição de saúde." RN

12/05/07 Sábado: Fluxos
Levítico 15:1-20
Sempre que alguém tinha um fluxo de qualquer tipo, ficava imundo. Que podemos aprender com isso?

"Que não há nada que saia do homem que seja puro. Tudo quanto o homem produz é contaminado. E aprendemos no Novo Testamento que o que realmente contamina é o que sai do coração do homem: os adultérios, os roubos, as mentiras, os assassinatos." RN

13/05/07 Domingo: O dia da expiação
Levítico 16:1-22
O dia da expiação (vv 29 e 30) era um dia especial em que se fazia a expiação dos pecados de toda a nação. Dois bodes eram tomados: um era sacrificado como oferta pelo pecado e o outro era levado ao deserto e lá deixado. O que simbolizava esse segundo bode?

"Simbolizava claramente a remoção dos pecados de toda a nação de Israel. O bode emissário levava sobre si todas as iniqüidades (pecados) de todo o povo. Esse bode (assim como o primeiro que foi morto) era uma figura de Jesus, que tomou os nossos pecados sobre si e os levou para longe de nós." RN

voltar ao topo

14/05/07 Segunda-feira: Liberdade
Gálatas 5:1-26
No versículo 13, Paulo fala para não usarmos a liberdade para darmos ocasião à carne, mas para servirmos uns aos outros em amor. Que quer isso dizer?

"Quer dizer que pela graça de Deus temos a liberdade de fazer todas as coisas, pois não estamos mais sob o jugo do pecado que nos escravizava. Podemos escolher agora o que vamos fazer. Antes, quando estávamos debaixo da escravidão do pecado, precisávamos cumprir os desejos da carne, listados um pouco depois no mesmo capítulo (exemplo: impureza sexual, desejos de vingança, mentira, engano, etc). Embora libertos pela graça, os gálatas estavam sendo enganados a valorizarem novamente a lei mosaica, com mandamentos do tipo "lista de proibições". Paulo estava falando que isso não havia libertado os gálatas do pecado e sim a graça. Portanto, eles não podiam querer voltar à lei usando da liberdade que a graça lhes tinha dado, mas sim deviam usar essa liberdade para construir o serviço em amor." RN

14/05/07 Segunda-feira: Circuncisão ou não, eis a questão?
Gálatas 6:1-18
Na igreja da Galácia haviam entrado falsos irmãos que queriam que os gálatas se circuncidassem (rito judaico) para serem salvos. Paulo afirma que nem uma coisa nem outra tem importância na verdade, mas sim o ser uma nova criatura. O que quer isso dizer?

"Quer dizer que não há ato religioso que possa me tornar agradável a Deus. O que Deus quer é que eu tenha uma nova natureza, um novo coração, que seja uma nova criatura. Desse "novo nascimento" falou Jesus para Nicodemos no capítulo 3 do Evangelho de João. E esse "novo nascimento" só pode ser operado pelo Espírito Santo, através da semeadura abençoada da Palavra de Deus. Resumindo: se nós não nascermos de novo, nada adiantará a "religião" a que pertencermos: continuaremos perdidos." RN

15/05/07 Terça-feira: Planos de Deus a nosso respeito
Efésios 1:1-23
Como um pai amoroso, Deus fez planos para nós desde antes da eternidade. O capítulo 1 de Efésios fala sobre esses planos. Procure no texto e liste alguns desses projetos divinos para nós.

"Podemos listar:
- nos deu todas as bênçãos, sem faltar nenhuma, em Cristo Jesus (v.3)
- planejou que fôssemos santos e irrepreensíveis (v.4)
- quis que fôssemos seus filhos adotivos (v.5)
- nos criou para louvarmos a sua glória (v.6 e 12)
- sabendo do nosso pecado, quis nos perdoar em Cristo (v.7)
- quis que fôssemos ligados a Jesus (v.10)." RN


16/05/07 Quarta-feira: vivo ou morto
Efésios 2:1-22
Paulo fala neste capítulo que estávamos mortos e que fomos vivificados. O que significa esse "estar morto" ou "estar vivificado" na vida prática diária?

"Estar 'morto' significa estar afastado de Deus, sem consciência de sua realidade, do seu propósito para a nossa vida. Significa andar segundo a vontade da carne e dos pensamentos, estando sujeitos à ação do diabo. Por outro lado, 'estar vivificado' é estar em íntima comunhão com Deus, com consciência de sua presença e de seu propósito, é estar sujeitando a vida toda à vontade do criador. É também estar perdoado das ofensas e pecados, é estar preparado para toda boa obra e executando essas mesmas obras." RN

17/05/07 Quinta-feira: Pela igreja
Efésios 3:1-21
O versículo 10 diz: "para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus". Que quer isso dizer?

"Quer dizer que tanto os anjos como os diabos podem contemplar a sabedoria de Deus através da igreja. Disso depreendemos que nem anjos nem diabos conhecem plenamente o Deus Todo Poderoso. Podemos imaginar anjos e diabos nos olhando o tempo todo, como que grandemente admirados: os anjos se alegrando muito com o que Deus faz através da igreja como resposta ao ataque de satanás, e os diabos se surpreendendo com a estratégia de Deus e ficando apavorados. Porque assim como todas as obras de Deus mostram como Ele é poderoso (a criação manifesta a sua glória - Salmo 19), assim também a obra de formação da igreja manifesta a sua sabedoria, e de uma maneira muito mais forte, porque a igreja é obra que exigiu o sacrifício de Jesus e o aniquilamento do pecado e da morte. Portanto, nós temos uma grande responsabilidade, pois somos exemplo e representantes do poder de Deus." RN

18/05/07 Sexta-feira: Ministérios
Efésios 4:1-32
Neste capítulo Paulo fala sobre a unidade da igreja, dizendo que ela é um só corpo ligado por um só Espírito através de um só Senhor a um só Deus. E fala sobre os ministérios e seus propósitos. De acordo com os versículos 11 a 16, responda: Para quê existem os ministérios?

"Jesus estabeleceu os ministérios na igreja com o objetivo de aperfeiçoar os crentes, ou seja, instruí-los e transformá-los para que todos cheguem à estatura de varão perfeito, ou seja, para que todos sejam semelhantes a Jesus em seu caráter e amor. E o versículo 16 é muito enfático, explicando bem como isso funciona, apontando a importância de um ajuste de cada pessoa ('membro') à igreja ('corpo') para que a ação espiritual de cada um ('operação de cada parte') promova o crescimento espiritual ('edificação em amor')." RN

19/05/07 Sábado: Entendendo
Efésios 5:1-33
Exortando fortemente os efésios, Paulo diz: "pelo que não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor" (v.17).

"Assim como às vezes as crianças não entendem as coisas porque não querem entender, assim podem os adultos também fazer. Mas do quê Paulo vinha falando até o versículo 17, que os efésios precisavam entender?"Paulo estava falando da forma de viver do cristão, que deveria ser semelhante à de Deus, ou seja, em amor e sem pecado. Paulo falou do amor de Cristo ao se entregar na cruz, desejando que esse mesmo sentimento brotasse no coração de cada cristão. Ao mesmo tempo, falou sobre vários pecados - prostituição, avareza, brincadeiras indecentes, idolatria -, desejando que os efésios os abandonassem e se levantassem como um povo iluminado por Deus e sábio." RN

20/05/07 Domingo: Armas de guerra
Efésios 6:1-24
Neste capítulo está um dos trechos muito conhecidos da Bíblia: o que fala sobre a a armadura de Deus. Liste as partes desta armadura e a atitude de combatente apontadas por Paulo.

"As partes da armadura são:
- cinturão da verdade (para proteger os "rins"
- a nossa consciência)
- couraça da justiça (para proteger nosso coração do pecado)
- coturnos do evangelho da paz (para nos proteger das "picadas" de satanás e permitir que pisemos a cabeça do diabo quando avançamos na pregação do evangelho)
- escudo da fé (para apagar as flechas incendiárias do inimigo)
- capacete da salvação (para proteger a nossa mente)
- espada do Espírito (para destruir o inimigo)

A atitude de combatente é:
- orar em todo tempo
- vigiar
- perseverar" RN

voltar ao topo

21/05/07 Segunda-feira: Sacrifícios somente a Deus, não aos demônios
Levítico 17:1-16
A ordem era para que qualquer sacrifício de animal deveria ser trazido à tenda da congregação, mesmo que o sacrifício tivesse sido feito fora do arraial. Isso para que os israelitas "nunca mais sacrificassem aos demônios, após os quais eles se prostituem". Que quer isso dizer? Por que Deus falou em demônios aqui?

"Sabemos que os israelitas eram tentados a oferecer sacrifícios a deuses estranhos, como Astarote, Baal e outros. Eles não pensavam estar sacrificando a demônios, mas Deus aqui desmascara quem estava por trás dessas entidades que se intitulavam "divinas": os demônios. Hoje acontece a mesma coisa. Por trás de todo ídolo está um demônio, se beneficiando do desvio de adoração que deveria ser dedicada somente a Deus. Devemos pois aprender que todo o nosso louvor, adoração e devoção (simbolizado pelo sacrifício do Antigo Testamento) devem ser dados a Deus em nome de Jesus." RN


22/05/07 Terça-feira: Uniões proibidas
Levítico 18:1-30
Nesta lista de uniões proibidas, muitas parecem óbvias e algumas foram toleradas durante o tempo em que não havia muitas pessoas na terra (com quem casou Caim, senão com sua própria irmã?). Essas uniões eram praticadas pelos povos da terra de Canaã, que seriam expulsos da terra pelos israelitas. Leia os versículos 22 e 29 e diga o que a Bíblia diz sobre o homossexualismo.

"O homossexualismo é declarado como uma abominação, ou seja, algo repugnante e intolerável. Isto não quer dizer que Deus não ame o homossexual, mas sim que odeia a prática homossexual. Deus quer que todos se arrependam e sejam salvos. Mas aquele que permanecer no homossexualismo será "extirpado do seu povo", ou seja, não entrará na presença de Deus. I Coríntios 6:10 fala textualmente: "Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus"." RN

23/05/07 Quarta-feira: Mandamentos práticos
Levítico 19:1-37
Neste belíssimo capítulo, Deus lista uma série de preceitos práticos para o seu povo. É um "sermão da montanha" do Velho Testamento. Escolha três dos mandamentos que mais lhe falaram ao coração e fale porque você os escolheu.

"Os que mais me chamaram atenção foram:

v.2 ´Santos sereis, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo´: Escolhi este porque é primeiro mandamento da lista e mostra como Deus quer que participemos de sua natureza e abominemos todo o pecado e toda a impureza.

v.3 ´Cada um temerá a sua mãe e a seu pai´: Este é o segundo mandamento e mostra a importância de honrarmos a primeira autoridade que conhecemos. Quem não obedece pai e mãe não obedecerá mais ninguém, mas ficará entregue à vontade da sua própria carne.
v.14 "Não amaldiçoarás ao surdo, nem porás tropeço diante do cego": Por mais absurdo que isso possa parecer, sempre haverá alguém tão mau que tem prazem em falar maldições para aquele que não ouve, ou colocar tropeço diante daquele que não vê. Deus sabe que a maldade do homem pode tomar proporções terríveis.

v.17 ´Não deixarás de repreender ao teu próximo, e nele não sofrerás pecado´: Repreender ao próximo também é ato de amor e um dever cristão. Devemos saber como fazer isso, sem ofender a pessoa, mas também sem negligenciar nossa responsabilidade. ' RN


24/05/07 Quinta-feira: Enfado de Deus
Levítico 20:1-27
Tratando de diversos pecados, Deus afirma que esses pecados eram praticados pelos povos de Canaã, que seriam expulsos diante dos israelitas. E Deus afirma que por esses pecados Deus estava enfadado desses povos. Leia Gênesis 15:16, onde Deus fala sobre esses povos a Abraão e explique esse enfado de Deus.

"Mais de quatrocentos anos antes da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, Deus já havia dito a Abraão que essa mudança aconteceria, e que os povos da terra prometida ainda continuariam a pecar mais e mais até chegar a um grau muito grave. Não sabemos o que ocorreu na terra de Canaã durante esse período (se Deus enviou pessoas para pregarem contra o pecado ou não), mas o fato é que esses povos estavam provocando Deus à ira de forma grotesca (basta ler a lista de pecados de Levítico 20, que incluía bestialismo, sacrifício de crianças em louvor de Moloque, homossexualismo, incesto, etc.). Deus tolerou com muita paciência esses pecados durante todos esses anos até que ficasse patente que eles não se emendariam, e depois enviou o povo de Israel para lá, para exercer juízo. O enfado de Deus, então, está ligado ao tempo que Ele mesmo deu para que se explicitasse a maldade dos cananeus - Ele cansou de tantos pecados." RN

25/05/07 Sexta-feira: Perfeição exigida
Levítico 21:1-24
Nenhum sacerdote com defeito físico poderia oferecer o pão sagrado. Sabemos que isso é um figura. O que significa?

"Significa que ninguém em pecado pode ministrar perante o Senhor. Pecadores somos todos, mas aquele que está na prática do pecado não tem condições de exercer ministério diante de Deus. Antes precisa se arrepender e ser liberto para então poder ministrar." RN

26/05/07 Sábado: Coisas santas só para Israel
Levítico 22:1-33
No versículo 10, lemos que nenhum estrangeiro poderia comer as comidas santas, nem o hóspede do sacerdote, nem seu empregado. O que isso quer dizer?

"Quer dizer que não adianta estarmos no meio do povo de Deus. É preciso sermos parte do povo de Deus para podermos participar da sua mesa. Portanto, ir à igreja somente não é garantia de salvação. Precisamos realmente nos arrepender e converter para termos direito à árvore da vida." RN

27/05/07 Domingo: Dias de festa
Levítico 23:1-44
Nas diversas festas estabelecidas, era proibido o trabalho servil. Qual a razão dessa proibição?

"Deus queria que todo o seu povo ficasse 100% concentrado em sua pessoa, sem distração ou preocupação alguma. Seria como um pai que se alegrasse por ter todos os filhos em casa de férias, juntos ao redor da mesa." RN

voltar ao topo

28/05/07 Segunda-feira: Viver é Cristo e o morrer é ganho
Filipenses 1:1-30
Paulo demonstrou satisfação com sua própria prisão por ver que isso contribuiu para maior proveito do evangelho (v.12). O que explica essa atitude de Paulo?

"Paulo buscava a vida no porvir, a vida eterna. Para ele a vida na terra era nada mais nada menos que um breve momento de semeadura cheio de dificuldades, mas que redundaria em glória muito maior. É por isso que ele sempre exultava quando o evangelho progredia, mesmo que isso fosse às custas de sacrifício seu. Ele sabia que seria muito bem recompensado." RN

29/05/07 Terça-feira: O sentimento de Cristo
Filipenses 2:1-30
O trecho dos versículos 3 ao 11 fala do sentimento de Cristo, que Paulo queria que os filipenses também tivessem. Como é esse sentimento de Cristo?

"O sentimento de Cristo é, em primeiro lugar, um sentimento de total obediência a Deus, de total sujeição à vontade do Pai. É um sentimento de não buscar a sua própria vontade, os seus próprios interesses, mas sim a vontade do Pai, os interesses do Pai. E, em segundo lugar, o sentimento de Cristo é um sentimento de serviço ao próximo. Jesus não veio para ser servido, mas para servir. Por isso Jesus, sendo igual a Deus, não se prendeu a essa posição, mas veio ao mundo como homem. E, estando no mundo como homem, não buscou qualquer glória terrena, mas se fez como um empregado. E, não bastando tudo isso, ainda entregou sua vida para morrer em nosso lugar." RN

30/05/07 Quarta-feira: Bendito esquecimento
Filipenses 3:1-21
O versículo 13 fala sobre "esquecer as coisas que para trás ficam". Qual o objetivo desse "esquecimento"?

"Esse esquecimento visa nos livrar do peso do passado, tanto dos nossos pecados (pelos quais fomos perdoados) quanto das coisas boas que fizemos. Tanto os primeiros como os últimos podem atrapalhar a nossa caminhada rumo à perfeição. Isso porque os pecados tendem a nos colocar sentimento de culpa e a nos fazer parar e ficar lamentando. E as coisas boas tendem a nos fazer orgulhosos e improdutivos no presente. Portanto, o esquecimento do passado é algo que devemos praticar pelo olhar atento no presente visando o futuro." RN

31/05/07 Quinta-feira: Podendo tudo
Filipenses 4:1-23
O versículo 13 desse capítulo é muito conhecido: "Posso todas as coisas naquele que me fortalece". Explique o que significa esse versículo.

"Não significa apenas que podemos ser vitoriosos e triunfantes em todas as situações, mas Paulo mesmo no versículo anterior dizia: "Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome; tanto a ter abundância como a padecer necessidade". Sim, o cristão pode passar por qualquer situação e mesmo assim ficar firme e confiante, pois não cai um fio de cabelo de sua cabeça sem a permissão de Deus. Essa é a perfeita liberdade e glória!" RN


01/06/07 Sexta-feira: Jesus
Colosensses 1:1-29
Paulo não conhecia a igreja de Colossos, mas essa igreja havia sido fundada por Epafras, seu companheiro. E Paulo fala sobre Jesus nos versículos 15 a 19. O que você entende a respeito de Jesus, lendo esses versículos?

"Que Jesus é o criador de tudo o que existe, tanto das coisas materiais, quanto das vivas (plantas, animais, homens e anjos). E tudo foi feito para pertencer a Jesus. Sim, Deus Pai deu a Jesus o fazer e possuir tudo quanto existe. E além disso, a manutenção de tudo o que existe é competência de Jesus também. Se não fosse pelo esforço de manutenção que Jesus continuamente faz, tudo o que existe seria imediatamente destruído." RN

02/06/07 Sábado: Combate
Colosensses 2:1-23
Paulo afirmou que combatia pelos colossenses. O que era esse combate? O que podemos entender com isso?

"Esse combate era oração intensa. Podemos entender que ao orarmos estamos de fato interferindo no mundo espiritual e mudando a situação da vida de pessoas que podem estar muito distantes de nós, as quais talvez nem mesmo conheçamos. Ao dizer "grande combate", Paulo deixa claro que sua oração não era fria e desprovida de sentimento, mas sim um grande clamor decorrente de um envolvimento profundo de sua alma com as necessidades dos colossenses. Podemos entender também que isso é o que Deus quer que façamos: que combatamos uns a favor dos outros." RN

03/06/07 Domingo: Coisas para largar, coisas para assimilar
Colossenses 3:1-25
Em função de terem já ressuscitado (Paulo coloca nesses termos), os colossenses deveriam largar as coisas da carne, do velho homem, e assimilar as coisas do espírito, do novo homem. Faça uma lista das coisas que precisamos largar e uma lista das coisas que precisamos assimilar.

"Coisas para largar:
prostituição,
impureza,
glutonaria,
concupiscência,
avareza,
ira,
cólera,
malícia,
maledicência,
palavras torpes (palavrões),
mentira

Coisas para assimilar:
misericórdia,
benignidade,
humildade,
mansidão,
longanimidade,
tolerância,
perdão,
amor" RN

voltar ao topo

04/06/07 Segunda-feira: Olho por olho, dente por dente
Levítico 24:1-23
A lei de "olho por olho, dente por dente" levava o pecador a sofrer os efeitos de seu próprio pecado. Quais os objetivos dessa lei no comportamento do povo de Deus?

"O objetivo dessa lei era nobre, ou seja, era fazer com que cada um pensasse bem no que faria para os outros para não sofrer efeitos ruins em si mesmo. Entretanto, essa lei era pensada sempre do ponto de vista do que o outro fez para mim e não do ponto de vista do que eu fiz para o outro. Com isso, a lei que era para edificação pessoal acabou sendo usada para acusação e condenação do próximo. O efeito da lei foi aumentar o pecado. Jesus, ao falar sobre essa lei e sobre a aplicação que era feita dela, disse: `Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te o vestido, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas´ (Mateus 5:38-41). Portanto, Jesus estava dizendo: ´Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem´" RN

05/06/07 Terça-feira: O ano do jubileu
Levítico 25:1-55
A cada quarenta e nove anos, era apregoado um ano do jubileu. Nesse ano as terras vendidas voltavam a seus antigos possuidores e os escravos eram libertados. Qual o propósito dessa lei do ano do jubileu?

"Deus queria garantir que não houvesse opressão entre o seu povo. A terra era propriedade de Deus e ele desejava que cada tribo continuasse a possuir o seu quinhão, a despeito de infortúnios passageiros. A mesma liberdade era oferecida ao israelita que tivesse de ser vendido como escravo por suas dívidas: no ano do jubileu seria novamente livre. Assim, o ano do jubileu ´zerava´ as contas em todo o Israel e permitia uma certa igualdade." RN

06/06/07 Quarta-feira: Advertências
Levítico 26:1-46
Em um capítulo de advertências severas das conseqüências de abandonar a lei de Deus e rejeitar o seu nome, os últimos versículos é que mostram o propósito de Deus. Com base nos versículos 44-45, explique o tom de quase todo o capítulo.

"Deus amava e ama o povo israelita. Mas aquele povo no deserto era um povo duro de coração e propenso a abandonar os caminhos divinos. Deus adverte-os de castigos para que não caiam no pecado. Como um pai não se agrada de dar castigos a seus filhos, mas não deixará de aplicá-los para o bem deles, assim Deus não se agrada de aplicar castigos, mas não deixará de fazê-lo se for necessário. Porém, ainda que o povo inteiro fosse rebelde e se afastasse de Deus, Deus disse que nunca deixaria de amá-los e estaria sempre disposto a se lembrar da aliança que havia firmado de com seus antepassados." RN

07/06/07 Quinta-feira: Animal imundo
Levítico 27:1-34
Vemos a possibilidade de um animal imundo ser também oferecido a Deus em sacrifício. O sacerdote o avaliaria e, se fosse resgatado (se o animal imundo fosse substituído por outro), um aumento no valor da avaliação do sacerdote deveria ser feito. Sabemos que isso é uma figura. O que significa?

"Como diz a Bíblia, ´todos nós somos como o imundo e as nossas justiças como trapo de imundícia´ (Isaías 64:6). Mas Jesus, puro e imaculado, foi oferecido em nosso lugar, pagando um preço maior do que na verdade nós valemos. Na figura, nós somos o animal imundo que foi resgatado por um outro de valor maior." RN

08/06/07 Sexta-feira: Guerra santa
Números 1:1-54
Deus mandou contar todos os homens de guerra de todas as tribos de Israel, de 20 anos para cima. O total foi 603.550 homens. Mas os levitas não deveriam ser contados. A guerra deles seria cuidar das coisas de Deus. Explique essa guerra.

"A Bíblia afirma que ´não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais´ (Efésios 6:12). A luta real dos israelitas era contra o diabo e seus anjos caídos, que sempre colocariam tropeços diante dos filhos de Israel, para fazê-los descrer das promessas de Deus, para fazê-los buscar os ídolos mudos. Para essa luta os levitas estavam escalados, para buscarem a Deus continuamente e fazerem orações pelo povo todo. Essa é a guerra real. A outra - a carnal - é apenas um reflexo da primeira." RN

09/06/07 Sábado: Acampamento e marcha
Números 2:1-34
Com base nas informações dadas neste capítulo, faça um desenho do acampamento de Israel, colocando as tribos com o número de soldados em cada um dos pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste), indicando também a ordem de marcha dos grupos de tribos.

"A ordem de marcha se encontra entre parênteses antes do nome da primeira tribo de cada grupo. O número de soldados se encontra entre parênteses após o nome de cada tribo. O número total de soldados daquele grupo de tribos se encontra entre colchetes após a listagem dos nomes das tribos e do número de soldados de cada uma.

(5) Dã (62700)
Aser (41500)
Naftali (53400)
[157600]
(4) Efraim (40500)
Manasses (32200)
Benjamim (35400)
[108100]


( 3) TENDA
Judá (1) Judá (74600)
Issacar (54400)
Zebulom (57400)
[186400]
(2) Rúben (46500)
Simeão (59300)
Gade (45650)
[151450]

Note que a Tenda da Congregação ficava protegida, cercada pelas 12 tribos de Israel e ainda rodeada pela tribo de Judá." RN


10/06/07 Domingo: Famílias levitas
Números 3:1-51
Com base nas informações dadas neste capítulo, faça um desenho da disposição das famílias levitas ao redor da tenda da congregação, colocando em ordem a família com o número de homens com mais de um mês de vida e as coisas que deviam cuidar. Dicas: São três famílias, uma acampada ao leste (ocidente), uma ao sul e uma ao norte. Ao oriente, diante da porta da Tenda da Congregação, ficavam acampados os líderes do povo.

"As famílias de levitas se dispunham assim ao redor da tenda:

Meraritas
6200
(Zuriel)
tábuas do tabernáculo, vasos, colunas do pátio em redor, bases, estacas e cordas
Gersonitas
7500
(Elisafe)
cortinas do pátio, pavilhão da porta do pátio e suas cordas.


TENDA
(Eleazar)


Moisés
Arão
(e suas famílias)
Coatitas
8600
(Elisafã)
arca, mesa, castiçal e altares, vasos

Eleazar cuidava das coisas dentro da tenda." RN

voltar ao topo

11/06/07 Segunda-feira: Tempero divino
Colossenses 4:1-18
No versículo 6, a Bíblia diz que a nossa palavra deve ser sempre temperada com sal. Evidentemente esta é uma figura de linguagem. O que quer dizer, na verdade?

"Quer dizer que aquilo que falamos deve estar cheio de amor, de verdade, de graça, de sabedoria. Não deve conter ódio, mentira, maledicências ou palavras de duplo sentido (num sentido é inócua ou até boa, e no outro faz mal). Se assim fizermos, nossa palavra será sempre agradável e desejável. As pessoas desejarão ouvir o que temos a dizer." RN

12/06/07 Terça-feira: A igreja de Tessalônica
I Tessalonicenses 1:1-10
A alegria de Paulo nesse primeiro capítulo com a igreja de Tessalônica é evidente. Procure nesses versíluos pelo menos algumas razões dessa alegria de Paulo com os tessalonicenses.

"Podemos falar a respeito dos irmãos de Tessalônica:Eles tinham uma fé de ação e não de boca ("obra da vossa fé")Eles tinham um amor operoso e não platônico (que não faz nada) ("trabalho da caridade")Eles eram perseverantes na tribulação ("paciência da esperança")Eles tinham alegria em meio à tribulações ("em muita tribulação, com gozo")Eles eram exemplo para outras igrejas ("fostes exemplo")O testemunho deles era poderoso e conhecido ("por vós soou a palavra do Senhor")Eles esperavam a volta de Cristo ("e esperar dos céus a ... Jesus")" RN

13/06/07 Quarta-feira: Pretexto de avareza
I Tessalonicenses 2:1-20
Nos versículos 5 a 12, Paulo fala sobre seu comportamento entre os tessalonicenses. O que podemos entender nesses versículos? Como Paulo agiu entre os tessalonicenses?

"Podemos ver que a preocupação dele era não dar motivo para suspeitas de segundas intenções em sua pregação. Em um mundo cheio de "espertos", Paulo queria distância da condição de mercenário da fé. Não bajulou ninguém e não se encostou em ninguém, mas falou o que precisava ser dito e trabalhou arduamente para se sustentar. Buscava cuidar dos irmãos de Tessalônica como um pai cuida de seus filhos." RN

14/06/07 Quinta-feira: Oração pelos tessalonicenses
I Tessalonicenses 3:1-13
Paulo ora pelos tessalonicenses nos versículos 12 a 13. O que ele pede por esses irmãos?

"Paulo pede que o Senhor os fiça crescer e que o amor de todos os irmãos da igreja aumente muito, tanto de um irmão para outro como de um irmão para toda a igreja. Pede também conforto de Deus, o que significa ânimo, fé, esperança e paz de espírito para enfrentar as dificuldades. E pede que eles alcancem a plenitude e sejam perfeitos em santidade no dia da volta de Jesus. Que isso aconteça conosco também!" RN

15/06/07 Sexta-feira: A ressurreição
I Tessalonicenses 4:1-18
Neste conhecido trecho bíblico, Paulo consola os irmãos de Tessalônica a respeito dos que já morreram (dormiram). Quais são os argumentos de Paulo para esse consolo?

"Paulo lembra que, assim como Jesus ressuscitou, também esses que já morreram em Cristo haverão de ressuscitar no dia da volta de Jesus. Além disso, Paulo afirma que eles ressuscitarão antes daqueles que eventualmente estiverem vivos na vinda do Senhor Jesus." RN

16/06/07 Sábado: A volta de Jesus
I Tessalonicenses 5:1-28
Na primeira parte deste capítulo, Paulo fala sobre a volta de Jesus. O que Paulo nos fala a respeito desse acontecimento? E o que ele nos exorta a fazermos?

"Paulo diz que a volta de Jesus será algo que ocorrerá de maneira inesperada, como a vinda de um ladrão. Mas que nós devemos estar preparados e atentos para não sermos apanhados desprevenidos. Para isso, devemos cuidar na nossa fé, da caridade (amor cristão) e da esperança da salvação. E de que forma podemos fazer isso? Nos exortando mutuamente." RN

17/06/07 Domingo: Alegria
II Tessalonicenses 1:1-12
Paulo estava contente com os tessalonicenses e não escondeu isso neste capítulo. Qual a razão da alegria de Paulo?

"O apóstolo se alegrava porque a fé e o amor dos tessalonicenses crescia muito. E também se alegrava no fato de que os tessalonicenses permaneciam firmes a despeito das grandes perseguições e aflições que estavam passando. Essas provas eram, no entender de Paulo, um motivo mais do que suficiente para que os tessalonicenses recebessem grande recompensa e glória na vinda de Jesus, ao mesmo tempo em que os seus perseguidores seriam punidos." RN

voltar ao topo

18/06/07 Segunda-feira: Perigo
Números 4:1-49
Um cuidado especial precisavam tomar a tribo dos coatitas quando levavam as coisas de Deus, pois eles eram responsáveis pelo transporte dos objetos santos do tabernáculo. Que cuidado especial era este? Por que eles precisavam tomar esse cuidado? (leia novamente os vv. 15-20)

"Os coatitas precisavam esperar que os sacerdotes, ou seja, Arão e seus filhos, cobrissem todos os objetos santos com panos azuis ou vermelhos e com as peles de texugo, e depois poderiam entrar na tenda para pegá-los. Eles não podiam tocar diretamente nos objetos e nem mesmo olhar para eles, ou morreriam, pois os objetos resplandeciam a santidade de Deus e o pecado deles os condenaria. Isto é uma figura da impossibilidade do homem sem Cristo entrar na presença de Deus para vê-lo ou tocá-lo sem que morra." RN


19/06/07 Terça-feira: Sem escape
Números 5:1-31
Se a mulher confessasse ter adulterado, morreria. E, se submetida à prova de ciúmes, fosse apontada como culpada, seria maldita. Diante desse quadro terrível, que podemos dizer a respeito da misericórdia de Deus demonstrada através de Jesus?

"Podemos dizer que a misericórdia de Deus (e misericórdia significa a bênção de não recebermos o castigo que merecemos) é algo extremamente precioso, porque o pecado é algo muito sério, para o qual não existe uma solução simples. Não dá para Deus simplesmente "deixar o pecado para lá" e perdoar o homem sem aplicação da lei ("a alma que pecar, morrerá"), pois então a lei perderia a força e o próprio inimigo de Deus, o diabo, acabaria por escapar de sua condenação. A mulher adúltera não tinha escape no Antigo Testamento, mas no Novo Testamento, com a chegada de Jesus, as coisas mudaram. Basta olharmos para o capítulo 8 do evangelho de João, onde Jesus não apenas livra uma mulher apanhada em flagrante adultério de seus algozes, mas também lhe diz: ´Nem eu também te condeno. Vai-te e não peques mais´. Não é este escape, entretanto, uma autorização para que pequemos, mas justamente o contrário (pois temos de valorizar o preço pago por Jesus por nossos pecados e, em resposta ao seu amor, não querermos pecar mais)." RN


20/06/07 Quarta-feira: Nazireado
Números 6:1-27
O nazireu era alguém que se consagrava a Deus por um determinado período. Durante esse período deveria observar 3 coisas básicas: jejum de alguns tipos de alimentos, abstinência de corte de cabelo e separação de cadáveres. Sabendo que tudo isso são figuras, tente decifrar o significado delas.

"O jejum de bebidas alcoólicas impedia que o nazireu tivesse algum entorpecimento de seu entendimento ou experimentasse uma alegria do mundo. A mesma razão vemos para o não comer uvas. Em um local onde as uvas eram uma iguaria, a abstinência de uvas também era uma abstinência de uma alegria do mundo. O cabelo sem corte apontava para o tempo de sua consagração: Quanto maior o comprimento, maior o tempo de separação. Evidentemente que isso acabou degenerando para um orgulho humano do nazireu, mas o intuito inicial era um estímulo àqueles que viam o nazireu, para que também tivessem uma vida de consagração. E a separação de cadáveres apontava para uma busca da vida (obediência) e um afastamento da morte (pecado)." RN


20/06/07 Quarta-feira: Nazireado
Números 6:1-27
O nazireu era alguém que se consagrava a Deus por um determinado período. Durante esse período deveria observar 3 coisas básicas: jejum de alguns tipos de alimentos (principalmente bebidas alcoólicas e bebidas de uvas ou uvas frescas ou secas), abstinência de corte de cabelo e separação de cadáveres. Sabendo que tudo isso são figuras, tente decifrar o significado delas.

"O jejum de bebidas alcoólicas impedia que o nazireu tivesse algum entorpecimento de seu entendimento ou experimentasse uma alegria do mundo. A mesma razão vemos para o não comer uvas. Em um local onde as uvas eram uma iguaria, a abstinência de uvas também era uma abstinência de uma alegria do mundo. O cabelo sem corte apontava para o tempo de sua consagração: Quanto maior o comprimento, maior o tempo de separação. Evidentemente que isso acabou degenerando para um orgulho humano do nazireu, mas o intuito inicial era um estímulo àqueles que viam o nazireu, para que também tivessem uma vida de consagração. E a separação de cadáveres apontava para uma busca da vida (obediência) e um afastamento da morte (pecado)." RN

21/06/07 Quinta-feira: Nos ombros
Números 7:1-17 e 78-89
A maior parte das coisas que faziam parte da tenda eram transportadas em carros de bois, mas as próprias coisas santas deveriam ser levadas nos ombros pelos coatitas. Procure interpretar o que isso significa.

"As coisas santas na casa de Deus não podem ser delegadas, mas devem ser feitas diretamente pelos filhos de Deus. Assim é na igreja, onde podemos contratar pessoas para fazer coisas que não fazemos, como pintura, encanamento, marcenaria, preparação de som, etc. Mas para fazer comentários bíblicos, lições bíblicas para crianças, e outros materiais assim, não há outra alternativa: somente um cristão pode faze-lo." RN

22/06/07 Sexta-feira: Sacrifício vivo
Números 8:1-26
Todo o primogênito dos animais era consagrado a Deus (oferecido em sacrifício). Deus tomou a família dos levitas como primogênitos dentre os filhos de Israel. Evidentemente, eles não foram sacrificados como eram sacrificados os animais. Mas não deixava de haver um sacrifício. Que sacrifício era esse?

"Era um sacrifício vivo, ou seja, a pessoa morria para a sua própria vontade e vivia para servir o Senhor. Este é o tipo de sacrifício que Deus espera de todos nós cristãos hoje." RN

23/06/07 Sábado: A nuvem
Números 9:1-23
Uma maravilhosa nuvem cobria o tabernáculo durante o dia, tendo à noite uma aparência de fogo. Essa nuvem era figura da presença de Deus entre os israelitas, o que para nós hoje é o Espírito Santo. O que essa nuvem fazia pelos israelitas?

"Em primeiro lugar, ela dava proteção contra o sol durante o dia (fornecendo sombra) e contra o frio do deserto durante a noite (pois se transformava em uma coluna de fogo). E em segundo lugar ela dava direção, pois indicava quando andar e quando parar e para qual direção seguir. O mesmo temos hoje no Espírito Santo: proteção, consolo, direção." RN

24/06/07 Domingo: Caminho no deserto
Números 10:1-36
O povo partiu do Sinai em ordem, como Deus havia determinado. Que visão linda deveria ser o povo de Deus andando ordenadamente, de acordo com suas famílias, e Deus no meio! Que podemos dizer sobre essa figura nos dias atuais?

"Temos de caminhar, pois aqui não é o nosso lugar de descanso, mas buscamos a Jerusalém celestial. Isto significa que devemos buscar estar mais perto de Deus a cada dia, e que precisamos avançar em conhecimento e graça. Andar ordenadamente significa compreender a função que cada um tem no corpo, e saber reconhecer os dons e talentos que Deus tem dado aos irmãos. E sempre, tanto naquela época como agora, Deus deve estar no nosso meio, pois Ele é o Senhor." RN

voltar ao topo

25/06/07 Segunda-feira: A vinda de Cristo
II Tessalonicenses 2:1-17
Neste capítulo, lemos um grande e evidente sinal que antecederá a volta de Jesus à terra. Que sinal é este?

"É a manifestação do 'homem do pecado', do 'filho da perdição", ou seja, do anticristo. O anticristo aparecerá e se assentará no templo de Deus, 'querendo parecer Deus'. Este será um sinal tremendo da iminência da volta de Jesus." RN

26/06/07 Terça-feira: Vão trabalhar!
II Tessalonicenses 3:1-18
Paulo exortou os irmãos de Tessalônica a não serem pesados a ninguém, mas a trabalharem para terem o próprio sustento. Por que ele disse isso?

"Porque havia algumas pessoas que não estavam trabalhando, mas sim 'fazendo coisas vãs', ou seja, fazendo o que não é de proveito, o que não interessa, e comendo do esforço dos outros. Sim, havia ali aqueles que estavam se aproveitando dos irmãos. Paulo adverte que aqueles que não quiserem trabalhar não devem comer também." RN


27/06/07 Quarta-feira: Motivo para ficar em Éfeso
I Timóteo 1:1-20
Paulo fala sobre as razões pelas quais pediu a Timóteo para ficar em Éfeso. Quais eram essas razões?

"Havia pessoas que estavam ensinando outras doutrinas, baseadas na lei, não entendendo o que eles mesmos diziam. Essas pessoas haviam se desviado do propósito principal da lei, que é a 'caridade de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida'. Timóteo é exortado a ficar em Éfeso e a advertir esses que estavam falando demais, ao mesmo tempo em que devia guardar a fé e a boa consciência." RN


28/06/07 Quinta-feira: Orações
I Timóteo 2:1-15
Os dois primeiros versículos deste capítulo trazem uma exortação para que se façam orações por todas as autoridades. Qual o objetivo dessas orações?

"Essas orações pelas autoridades nos trazem uma vida 'quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade'. Isso quer dizer que a bênção e paz que podem vir sobre as autoridades acabam por se refletir em toda a vida social. Do mesmo modo, se as autoridades estão conturbadas, toda a sociedade ficará conturbada." RN

29/06/07 Sexta-feira: Os presbíteros
I Timóteo 3:1-16
O presbítero, palavra que literalmente significa "mais velho", era alguém que deveria supervisionar a igreja, sendo seu dirigente. Quais eram as qualificações necessárias para que alguém fosse presbítero?

"O presbítero deveria ser:
1) Irrepreensível (que não possa ser acusado de nada)
2) marido de uma só mulher
3) vigilante (que não dá brecha para o diabo)
4) sóbrio (discreto, simples)
5) honesto
6) hospitaleiro (que goste de receber pessoas em casa)
7) apto para ensinar (que tenha o dom de ensino)
8) não dado ao vinho (não dado a beber)
9) não espancador
10) não cobiçoso de ganância (não desejoso de muito ganho)
11) não contencioso (não briguento)
12) não avarento (não "mão fechada")" RN


30/06/07 Sábado: Comportamento de Timóteo
I Timóteo 4:1-16
Paulo inicia este capítulo advertindo a Timóteo de que nos últimos tempos haveria enganadores e doutrinas de demônios. Depois, dá instruções a Timóteo de como deveria se comportar. Que instruções Paulo deu a Timóteo?

"Paulo orientou a Timóteo que seguisse sempre as palavras da fé e da boa doutrina que tinha recebido, para que fosse um bom ministro de Jesus. Disse para ele rejeitar as questões loucas que aparecessem, mas que se aplicasse em ser um bom crente (exercitado na piedade). Além disso, orientou Timóteo a ser um exemplo na palavra de Deus, no relacionamento interpessoal, no amor, na fé, na pureza, e a se aplicar ao ensino, à leitura, à exortação. Por fim, não deveria esquecer o dom de Deus que havia recebido, deveria meditar nas coisas de Deus continuamente e cuidar de si mesmo e da doutrina." RN

01/07/07 Domingo: Viúvas
I Timóteo 5:1-25
As viúvas mantidas pela igreja faziam voto de dedicação ao Senhor nesse estado e, por isso, não poderiam ser inscritas viúvas sem as qualificações necessárias. Quais eram as qualificações para uma verdadeiramente "viúva"?

"As qualificações apontadas por Paulo eram:
1) pelo menos 60 anos de idade
2) mulher de um só marido
3) testemunho de boas obras e serviço ao próximo
4) perseverante na oração
que tenha cuidado dos seus pais" RN

voltar ao topo

02/07/07 Segunda-feira: Desejo
Números 11:1-35
Havia um "vulgo" entre o povo de Deus, ou seja, pessoas de outras etnias que haviam saído do Egito juntamente com o povo de Israel. Esse povo teve desejo das coisas do Egito e contaminou o sentimento do povo de Deus, que acabou murmurando. Que lições podemos tirar disso para nós hoje?

"Podemos ver que não somente naquela época, mas também hoje existe um ´vulgo´ no meio do povo de Deus, um povo que está no meio do povo santo, mas que não faz parte dele. São pessoas que acompanham o povo escolhido por onde quer que vá, participando de tudo o que o povo escolhido faz, mas cujo coração não está nas coisas divinas. O desejo desse povo é o desejo do Egito, o desejo do mundo. Esse "vulgo" tem o desejo carnal aguçado e reclama com facilidade das ´durezas impostas por Deus'. Se nos deixarmos contaminar por esse sentimento, sofreremos as conseqüências da desobediência e da falta de compreensão dos valores eternos. Portanto, para nós fica a seguinte lição: Devemos vigiar o tempo todo, para que não venhamos a desprezar as riquezas eternas, trocando-as pelos prazeres do mundo que já deixamos." RN

03/07/07 Terça-feira: Rebelião
Números 12:1-16
Arão e Mirian, irmãos de Moisés, se levantaram contra ele e acharam que tinham a mesma autoridade diante de Deus que Moisés. Entretanto, Deus os repreendeu e Mirian ficou leprosa (figura do pecado) por 7 dias, precisando dormir fora do arraial. Que podemos entender a respeito da autoridade no reino de Deus com esse episódio?

"Entendemos que a autoridade é levantada por Deus e não pode ser desprezada. Arão e Mirian eram irmãos de Moisés e também participavam das coisas sagradas, mas Moisés era o homem que Deus escolhera, levantara, enviara e usara. Eles não entenderam isso e simplesmente se colocaram ombro a ombro com Moisés. Se uma autoridade erra, deve ser argüida dentro da legalidade, separando a pessoa da posição. Deve-se argüir a pessoa, respeitando a posição que ocupa." RN

04/07/07 Quarta-feira: Grave erro
Números 13:1-33
O Senhor mandou que doze homens, um de cada tribo de Israel, fossem espiar a terra prometida. Entretanto, quando esses homens voltaram, todos, com exceção de dois (Josué e Calebe), desanimaram o povo dizendo que o povo que ali habitava era forte demais para os israelitas. Qual foi o grave erro que esses homens cometeram?

"Eles esqueceram de tudo o que Deus havia feito pelo povo de Israel para a sua libertação do Egito. Esqueceram das 10 pragas, esqueceram da travessia pelo meio do Mar Vermelho, esqueceram da nuvem cobrindo o povo durante o dia e do fogo iluminando e aquecendo o arraial durante a noite, esqueceram do maná que todos os dias era dado para a alimentação das pessoas. Enfim, esqueceram-se de Deus e pensaram que deveriam sozinhos enfrentar aqueles exércitos de quem tinham tanto medo. Não podemos esquecer de Deus em momento nenhum, pois isso é ingratidão e falta de fé, é falta de amor a Deus e uma arrogância muito grande." RN


05/07/07 Quinta-feira: Ordens são ordens
Números 14:1-45
O povo inteiro se deixou influenciar pelos 10 espias infiéis e decidiu levantar um capitão para voltar ao Egito. Deus então os condena a 40 anos de peregrinação no deserto, até que morresse toda a geração de 20 anos para cima que tinha sido infiel. Diante desse veredito, os israelitas mudam de opinião e erram novamente, indo guerrear contra os amalequitas sem a aprovação de Deus. Logicamente, são vencidos. O que temos a aprender com essa passagem?

"Fica claro que não devemos desprezar a palavra de Deus, pois Ele certamente não tolerará desobediência. O povo de Israel errava porque fazia o que achava que era melhor, e não o que Deus determinava. Eles pensaram que não daria para guerrear, quando Deus disse que estaria à frente deles, e erraram ao desistir da terra prometida para voltarem ao Egito (Aliás, isso seria um ultraje enorme: Ser liberto por Deus e depois desprezar a terra prometida para voltar à escravidão!). E depois erraram novamente, pois Deus disse para eles fazerem meia-volta e irem para o deserto, e eles, temerariamente, foram tentar guerrear. Portanto, o ensino fundamental é: faça o que Deus manda, não o que você acha!" RN

06/07/07 Sexta-feira: Bordas dos vestidos
Números 15:1-41
Os filhos de Israel deveriam colocar um cordão azul na borda de suas vestes, para que se lembrassem dos mandamentos do Senhor e não seguissem "após o vosso coração, nem após os vossos olhos". Que significa "após o vosso coração, nem após os vossos olhos"?

"Significa não viver de acordo com o entendimento carnal (após o vosso coração) nem segundo o desejo carnal (após os vossos olhos). Se nos dirigimos na vida de acordo com o entendimento e desejo naturais, seremos como os demais povos da terra, pecadores incontinentes, egoístas e desprezíveis. Por outro lado, se observarmos a vontade de Deus, não apenas obedecendo por causa do castigo, mas abrindo o coração para que haja o sentimento de Deus em nós mesmos, seremos um povo santo, ou seja, separado, diferente e especial ao nosso Deus." RN

07/07/07 Sábado: Rebelião
Números 16:1-50
Numa das mais graves rebeliões descritas na Bíblia, um grupo de levitas desafiou a autoridade de Moisés, com trágicas conseqüências para eles e para suas famílias. E mesmo tendo Deus julgado o caso à vista de todo o povo, no dia seguinte a congregação inteira murmurava contra Moisés e Arão, dizendo que eles haviam matado o povo do Senhor. Qual a causa de tanta rebelião?

"A causa da rebelião era uma só: O povo havia saído do Egito, mas o Egito não havia saído do povo. As pessoas ainda amavam as coisas do passado e não haviam aprendido a obedecer a Deus. Aos olhos deles, Deus era como um dos deuses falsos: alguém que era chamado para abençoar os propósitos dos homens, e não alguém que determinasse um propósito para a vida dos homens. Portanto, eles não enxergavam as promessas de Deus, mas as dificuldades do momento. Não viam o poder de Deus, mas se irritavam com o governo de Moisés. Não se alegravam pelo fato de serem o povo de Deus, mas se lamentavam por não estarem mais no Egito. Se o coração não é entregue, todo o pensamento e atitude serão contrárias ao propósito divino. A pessoa estará andando com Deus como que forçada, arrastada." RN

08/07/07 Domingo: A vara de Arão
Números 17:1-13
Como o povo tivesse dificuldade de reconhecer a autoridade de Moisés e Arão, Deus mandou que as varas dos chefes das tribos fossem colocadas diante dele para uma "eleição". Tendo sido escolhida a vara de Arão, o povo então se acalma. Por que foi preciso esse procedimento?

"O povo tinha extrema dificuldade de se submeter a Moisés e a Arão, não obstante Deus tivesse tirado a todos do Egito ´com mão forte e com braço estendido´ através deles. A ´eleição´ foi uma forma de todos serem testados de uma só vez e conhecerem que não eram os escolhidos para estarem no comando. Essa honra já tinha sido entregue a Moisés e a Arão, que sofreram muito por estarem nessa posição." RN

voltar ao topo

09/07/07 Segunda-feira: Motivação
I Timóteo 6:1-21
Falando sobre a motivação para a piedade (vida com Deus), Paulo afirma que essa motivação não pode e não deve ser o ganho financeiro. O que Paulo orienta Timóteo a buscar? O que devemos buscar?

"Devemos fugir da ganância, e buscar a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão para que possamos ser ricos nessas coisas e entrar na vida eterna com glória. O ganho financeiro fica na terra e, na verdade, o desejo aumentado desse ganho (maior do que o necessário para a manutenção básica) é um laço que nos leva a problemas e a atrasos no progresso pessoal." RN

10/07/07 Terça-feira: Lembranças e orientações
II Timóteo 1:1-18
No intuito de ajudar Timóteo em seu ministério pastoral, Paulo lembra seu amado de coisas importantes. Faça uma pequena lista com os tópicos importantes desse capítulo.

"Paulo diz a Timóteo que ele, Timóteo:
-é amado filho de Paulo
-tem uma intensidade de compaixão (lágrimas) que dava alegria a Paulo
-tem uma fé não fingida
-tem dom de Deus outorgado por imposição de mãos
-tem espírito de fortaleza, amor e moderação
-não deveria se envergonhar do evangelho
-deveria participar das aflições do evangelho
-havia sido salvo com uma santa vocação, segundo a misericórdia de Deus
-deveria conservar o modelo da pregação de Paulo." RN


11/07/07 Quarta-feira: Mais orientações
II Timóteo 2:1-26
Neste capítulo, temos mais orientações pastorais a Timóteo. Liste 3 orientações dadas a Timóteo nesse trecho.

"Paulo disse a Timóteo para:
-Não se embaraçar com os negócios desta vida, ou seja, não se deixar envolver com as questões do mundo de tal forma que elas atrapalhassem seu desempenho nas coisas de Deus.
-Não dar brecha para acusações, mas manejar bem a palavra da verdade, ou seja, viver uma vida íntegra e reta diante de Deus e dos homens, falando com propriedade sobre as coisas de Deus e vivendo de forma coerente.
-Não brigar para impor a doutrina bíblica, mas usar de mansidão e perseverança para instruir as pessoas que estivessem resistindo ao ensino da verdade." RN


12/07/07 Quinta-feira: Caráter do último tempo
II Timóteo 3:1-17
Uma lista do caráter das pessoas do tempo do fim é apresentado aqui. Identifique as três características que você mais facilmente reconhece já estarem presentes na sociedade atual.

"Para mim, as três características listadas que já estão mais evidentes na sociedade atual são:
-Homens amantes de si mesmos: O egoísmo é uma marca registrada da humanidade, mas nesses dias em que vivemos parece que a ganância e a competição aumentaram ainda mais os seus efeitos.
-Orgulhosos: O orgulho pelo seu saber e possibilidades é uma falácia, pois o homem consegue mandar veículos a outros planetas, consegue fazer clones de animais, mas não consegue fazer um amendoim se lhe forem dados todos os átomos necessários. Mas mesmo assim, a humanidade segue cada vez mais orgulhosa de si.
-Mais amigos dos deleites do que amigos de Deus: Uma das grandes lutas do homem atual para uma entrega total a Deus é o prazer carnal. Provavelmente nunca em toda a história tantas pessoas ficaram expostas a tamanha oferta de prazer de todo o tipo. E muitos desses prazeres são mortais. As drogas, o sexo impuro, diversões de todo o tipo: O mundo atrai e escraviza com oferta de prazeres mortais. E muitos acabam por amar mais os deleites carnais do que Deus." RN


13/07/07 Sexta-feira: Comichão
II Timóteo 4:1-22
O que quer dizer o "comichão nos ouvidos" do versículo 3?

"Quer dizer que as pessoas do último tempo se incomodarão com a sã doutrina, que exige cruz e renúncia, e preferirão ouvir coisas agradáveis, que não as tirem de seu conforto e condição mundana. Nesse sentido, buscarão pessoas que possam bem organizar um ensino que lhes seja agradável, dando-lhes justificativas bem embasadas (até biblicamente) para que permaneçam no pecado." RN


14/07/07 Sábado: Missão em Creta
Tito 1:1-16
Qual era a tarefa de Tito em Creta? Que instruções ele deveria observar no cumprimento de sua missão?

"Tito foi deixado em Creta por Paulo para que estabelecesse presbíteros (literalmente "mais velhos" - anciãos) em cada cidade. Esses presbíteros seriam como dirigentes das igrejas. Nada é mencionado com relação a dons espirituais para o cumprimento dessa tarefa, mas sim a necessidade de uma vida correta e ilibada para que tivessem autoridade na pregação. Ao mesmo tempo, deveriam ser firmes na doutrina e suficientemente capazes de admoestar para que pudessem convencer os contradizentes. Em suma, Tito deveria estabelecer pessoas de caráter e fiéis à doutrina para que o evangelho ficasse firme diante dos ataques dos faladores e enganadores." RN

15/07/07 Domingo: Linguagem sã
Tito 2:1-15
Leia com atenção o versículo 8 e liste o que poderia deixar a linguagem do crente menos do que "sã".

"Algumas coisas são bem evidentes, outras nem tanto:
- Palavrões: Nenhum crente real fala palavrões. Palavrões são a língua estranha do inferno. Nunca ninguém poderia ouvir um palavrão da boca de Jesus, mas certamente ouviria muitos da boca de satanás.
- Mentiras: Já sabemos que o pai da mentira é o diabo. Jesus é a verdade.
- Brincadeiras que ofendem: A boca do crente deve ser fonte de coisas que honram, que elevam, que enaltecem, ou mesmo que repreendem com todo o amor e seriedade, mas nunca que humilham, que zombam, que desprezam. Essas coisas são baixas.
Gírias: Embora saibamos que a gíria é um linguajar particular de um grupo, devemos ter cuidado com a maneira como falamos. A menos que seja fundamental para a comunicação, devemos evitar gírias. Uma linguagem limpa, sem descuidos e sem exageros, é o mais desejável." RN

voltar ao topo

16/07/07 Segunda-feira: O salário
Números 18:1-32
A família de Arão, a família sacerdotal, deveria cuidar dos objetos do Tabernáculo, especialmente do altar. E o restante dos levitas deveria ajudá-los em tudo o que fosse preciso, mas sem tocar nos objetos do Tabernáculo. Como nenhuma dessas pessoas poderia ter herança de terra em Israel, qual era o seu salário? De que eles viviam?

17/07/07 Terça-feira: A água da separação
Números 19:1-22
A água da separação era usada para santificar ("des-pecar") a pessoa que tivesse tocado em um cadáver humano (sendo então considerada imunda). Qualquer pessoa limpa poderia pegar a água da separação, molhar um hissopo nela e espargi-la sobre a pessoa imunda no terceiro e no sétimo dia depois dessa pessoa ter tocado e um cadáver. Como era preparada essa água da separação?

18/07/07 Quarta-feira: Desobediência
Números 20:1-29
Moisés e Arão desobedecem o mandamento de Deus e por causa desse pecado acabam por não poderem entrar na terra prometida. Que pecado eles cometeram?

19/07/07 Quinta-feira: Serpentes
Números 21:1-35
Reclamando do caminho e do maná ("nossa alma tem fastio desse pão tão vil"), o povo pecou contra Deus. Serpentes venenosas então começaram a matar muitos do povo. Deus mandou então Moisés fazer uma serpente de metal e colocá-la no alto de uma vara para que todo o que fosse picado olhasse para a serpente e permanecesse vivo. Que figura isso representa?

20/07/07 Sexta-feira: Caminho errado
Números 22:1-41
Balaão foi repreendido pela jumenta que cavalgava por estar em caminho contrário à vontade de Deus. Mas se foi o mesmo Deus que permitiu que Balaão fosse com os homens que Balaque enviara, por que ele estava errando?

21/07/07 Sábado: Puros sob todo o ponto de vista
Números 23:1-30
Não obstante o povo de Israel fosse rebelde muitas vezes ao Senhor, este "não viu iniqüidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó". Balaque levou Balaão a dois lugares diferentes para amaldiçoar a Israel, mas sob nenhum ponto de vista pôde Balaão achar um jeito de acusar Israel. O que significam estas coisas para nós?

22/07/07 Domingo: O futuro a Deus pertence
Números 24:1-25
Balaque havia contratado Balaão para que amaldiçoasse a Israel. Mas neste capítulo Balaão abençoa Israel pela terceira vez e ainda profetiza contra o povo de Balaque (os moabitas). O que podemos aprender com isso?

voltar ao topo

23/07/07 Segunda-feira: Não discuta!
Tito 3:1-15
Paulo orienta Tito a não entrar em debates com homens herejes, mas a evitá-los depois de uma ou outra admoestação. Qual a razão para essa orientação?

24/07/07 Terça-feira: Onésimo
Filemom 1-25
Onésimo, um escravo, havia fugido de Filemom e acabou sendo evangelizado e convertido por Paulo. Agora Paulo escreve a Filemom para que este o receba de volta e não o castigue. Qual seria o sentimento e pensamento de Onésimo? O que aprendemos com isso?

25/07/07 Quarta-feira: Características de Cristo
Hebreus 1:1-14
Não se sabe quem escreveu a carta aos Hebreus. Mas esta é uma carta profunda e maravilhosa. Neste primeiro capítulo o autor relata muitas características do Senhor Jesus. Leia com atenção e faça uma lista com essas características.

"Podemos ler que Jesus:
- foi canal de Deus para nos falar nestes últimos dias (v.2)
- é herdeiro de todas as coisas (v.2)
- fez o universo (v.2)
- é o resplendor da glória de Deus (v.3)
- é a expressão exata do ser de Deus (v.3), ou seja, quem olha para Jesus olha para Deus - não há diferenças
- sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder (v.3), ou seja, pelo poder da sua palavra
- está assentado à direita de Deus (v.3)
- se tornou extremamente superior aos anjos (v.4)
- é o Filho gerado por Deus (v.5)
- deve ser adorado pelos anjos (v.6)
- seu trono é para sempre (v.8)
- é Deus (v.8)
- seu governo (cetro) é justo (de eqüidade) (v.8)
- amou a justiça e aborreceu a iniqüidade de tal forma que foi ungido por Deus com óleo de alegria como nenhum outro (v.9)
- fez pelas suas mãos os céus e a terra (v.10)
- é eterno, em contraste com o universo (v.11-12)
- está assentado à direita de Deus Pai (governando) até que todos os seus inimigos sejam subjugados (v.13)" RN


26/07/07 Quinta-feira: Tão grande salvação
Hebreus 2:1-18
Ao falar de "tão grande salvação", o escritor da carta aos Hebreus nos dá advertências importantes. Leia cuidadosamente este trecho e diga o que na verdade devemos fazer.

"A advertência é para prestarmos muita atenção ao que temos ouvido, pois esta é uma mensagem muitíssimo mais importante do que aquela que foi pregada aos israelitas para tirá-los do Egito e levá-los à terra prometida. E, se a desobediência àquela mensagem pregada aos israelitas recebeu castigo, muito mais serão castigados aqueles que negligenciarem o que agora é pregado, pois seu valor é muito maior. E esta mensagem que agora ouvimos foi anunciada pelo Senhor, confirmada pelos apóstolos e ratificada por sinais, prodígios e milagres distribuídos pelo Espírito Santo. Portanto, resta-nos nos apegar com todo o coração e firmeza a essa mensagem." RN

27/07/07 Sexta-feira: Não dá para comparar
Hebreus 3:1-19
Nesse capítulo, o autor de Hebreus aborda um tema importante para os hebreus (ou seja, para os judeus): Quam a posição de Moisés em comparação com Cristo. O que ele diz?

"O autor da carta aos Hebreus diz para os hebreus (e para nós também) considerarem atentamente quem Jesus é. Diz a eles que, se fôssemos comparar Cristo com Moisés, estaríamos comparando o construtor da casa com um simples servo da casa. E que, por isso, Jesus é digno de muito maior glória do que Moisés. Além disso, declara com todas as letras que Jesus é Deus, quando diz: ´mas aquele que estabeleceu todas as coisas é Deus´ (v.4). Assim, não dá para comparar Jesus com Moisés." RN


28/07/07 Sábado: O descanso de Deus
Hebreus 4:1-16
Falando sobre o descanso de Deus, o autor de Hebreus lista algumas vezes em que Deus falou sobre esse seu descanso. De acordo com o texto, quando foi que Deus falou em descanso? E o que isso significa?

"Primeiramente em Gênesis: ´E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as obras que fizera'. Depois, no deserto quando levava o povo para a terra prometida, falando contra os que foram incrédulos: ´Não entrarão no meu descanso´. E finalmente, muito tempo depois, falando por Davi: ´Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações´. Portanto, o descanso de Deus não é a posse da terra prometida terrena, mas sim o recebimento da graça de Deus (v.16)." RN

29/07/07 Domingo: Livre da morte
Hebreus 5:1-14
O versículo 7 diz que Jesus, nos dias em que estava ainda vivendo na terra como homem, ofereceu a Deus forte clamor e lágrimas para ser livre da morte, e que foi ouvido. Mas como entender isso, se Jesus morreu por nós na cruz? Que livramento da morte era esse?

"A morte a que esse versículo se refere não é a morte física na cruz, mas a morte espiritual causada pelo pecado. Jesus foi tentado em todas as áreas em que nós somos tentados (lemos isso em Hb 4:15), mas resistiu a tudo e não pecou - justamente porque orou abundantemente para que pudesse vencer a tentação. Portanto, pela sua piedade, pelo seu temor e pelo seu clamor, Jesus venceu toda a tentação, todo o pecado e todo o mal. Ele realmente foi livre da morte." RN

voltar ao topo

30/07/07 Segunda-feira: Namoros mistos
Números 25:1-18
Os israelitas começaram a namorar as filhas dos midianitas e isso foi muito ruim para o povo de Deus, pois eles abandonaram o pacto com o Senhor e começaram a dar louvores aos deuses dos midianitas. Por que é importante que o cristão busque namorar e casar com alguém do povo de Deus?

31/07/07 Terça-feira: Renovação
Números 26:1-65
Perto de Jericó, Deus manda contar o povo novamente. A primeira contagem havia sido feita 40 anos antes, no deserto do Sinai. Daqueles contados na primeira vez, somente Josué e Calebe restaram por causa da rebelião do povo. Que podemos aprender com isso?

01/08/07 Quarta-feira: Escolhido
Números 27:1-23
Josué foi escolhido para ser o sucessor de Moisés. Leia com atenção o texto e destaque a frase que indica o critério de Deus nessa escolha. Procure explicar esse critério e o que aprendemos com isso.

02/08/07 Quinta-feira: Lembranças
Números 28:1-31
Muitos holocaustos eram oferecidos, mas alguns eram fixos: Dois diários, um de manhã e um à tarde, além de no princípio dos meses, na comemoração da saída do Egito e no início das colheitas. O que essa figura representa?

03/08/07 Sexta-feira: Menos é mais
Números 29:1-40
Na festa do sétimo mês os israelitas deveriam fazer holocaustos no 1o. dia do mês e a partir do 15o. dia até o 21o. dia. Os holocaustos dessa última semana seriam gradualmente em menor número dia após dia. O que essa figura representa? O que aprendemos com isso?

04/08/07 Sábado: Votos
Números 30:1-16
Os homens estavam obrigados a cumprir tudo o que votavam. Já as mulheres poderiam ser livres dos votos se seus pais (caso de solteiras) ou maridos os vetassem. Por que isso acontecia?

05/08/07 Domingo: Destruindo a feitiçaria
Números 31:1-54
Balaão, um midianita, havia sido contratado pelos moabitas para amaldiçoar Israel. Como Deus não lhe permitiu amaldiçoar, ele orientou as mulheres midianitas a que se prostituíssem com os israelitas para levá-los a se afastarem de Deus. Deus manda então destruir totalmente esse povo. Por que eles tinham de fazer essa guerra?

voltar ao topo

06/08/07 Segunda-feira: Rudimentos da doutrina
Hebreus 6:1-20
O escritor de Hebreus fala que devemos deixar os rudimentos da doutrina e avançar para a perfeição. E lista o que considera serem rudimentos de doutrina. Que doutrinas o autor de Hebreus considera rudimentos?

"O autor de Hebreus considera como rudimentos de doutrina os seguintes tópicos:
- arrependimento de obras mortas
- fé em Deus
- batismos (note que está no plural, apontando para o batismo nas águas e no Espírito Santo)
- imposição de mãos
- ressurreição dos mortos
- juízo eterno
E, de fato, esses são os ensinamentos básicos que toda pessoa recebe para se converter e logo após sua conversão." RN


07/08/07 Terça-feira: Melquisedeque
Hebreus 7:1-28
Falando sobre o sacerdote de Salém que saiu ao encontro de Abraão e o abençoou (Melquisedeque), o autor de Hebreus dá várias características desse sacerdote. Liste essas características e aponte o porquê da menção desse sacerdote pelo escritor de Hebreus.

"O autor de Hebreus diz sobre Melquisedeque:
- era sacerdote (da cidade) de Salem
- foi honrado por Abraão, pois dele recebeu dízimos
- abençoou Abraão
- era rei de justiça
- era rei de paz
- não tinha genealogia (não se sabia de onde vinha)
- não tinha princípio de dias nem fim de vida
- era semelhante ao Filho de Deus
- permanece sacerdote para sempre
- era grande (em autoridade, em honra), maior que o patriarca Abraão
- vive (tem vida eterna)
O escritor de Hebreus está apontando para o fato de que esse Melquisedeque era um sacerdote maior do que todos os sacerdotes da tribo de Levi, pois ele era maior até do que o patriarca Abraão. E Jesus, de acordo com um juramento expresso na Palavra de Deus, é sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque, sendo, portanto, maior que os sacerdotes levitas." RN


08/08/07 Quarta-feira: Novo concerto
Hebreus 8:1-13
Falando sobre um outro pacto de Deus com os homens, o autor de Hebreus dá dois argumentos neste capítulo para que os Judeus acatem o novo pacto. Que argumentos são esses?

"O primeiro argumento é que o santuário terreno não é o original, mas apenas uma cópia do real que existe no céu. E o mesmo acontece com os sacerdotes terrenos e com os dons e sacrifícios terrenos: são apenas representações dos celestiais. E o sacerdote celestial é Jesus, e sacrifício oferecido por Jesus no santuário celestial é o seu próprio sangue. Portanto, o concerto do céu é melhor e está confirmado em melhores promessas.

O segundo argumento diz respeito ao fato de que o concerto terreno (o concerto feito no monte Sinai quando o povo saiu do Egito) foi violado pelos israelitas, pois eles "não pemaneceram naquele meu concerto". Então, Deus faz outro pacto (concerto) com os homens." RN


09/08/07 Quinta-feira: Dois compartimentos
Hebreus 9:1-28
Nesse capítulo uma comparação é feita entre a estrutura do tabernáculo judaico, com seus dois compartimentos, e os trabalhos e ofertas terrenos e a obra de Cristo. O que você entendeu dessa comparação?

"O tabernáculo judaico tinha um primeiro compartimento, onde os sacerdotes sempre entravam para ministrar. Mas depois do segundo véu havia um outro compartimento, onde somente o sumo sacertote entrava uma vez por ano e com sacrifício de sangue. O escritor de Hebreus então compara o primeiro compartimento com os procedimentos judaicos, com suas ofertas de sangue de animais. E compara o segundo compartimento com a obra de Cristo, que entrou no santo dos santos celestial com seu próprio sangue. Dessa forma, os procedimentos judaicos não podem permitir a entrada na presença de Deus, mas somente Jesus o faz." RN


10/08/07 Sexta-feira: Conclusão
Hebreus 10:1-39
A partir do versículo 19, o autor de Hebreus chega a uma conclusão de qual deve ser a nossa atitude diante do fato de termos uma tal oportunidade de entrarmos diante de Deus através da obra de Cristo. Que atitude é essa?

"Segundo o texto, devemos ter ousadia e nos aproximarmos de Deus com coração inteiro (verdadeiro), com fé e consciência limpa. Ao mesmo tempo, devemos nos estimular ao amor e às boas obras, não deixando de congregar, não pecando e não abandonando as coisas de Deus, mas perseverando na obra com paciência." RN


11/08/07 Sábado: A fé
Hebreus 11:1-40
Em um capítulo repleto de heróis bíblicos, tanto aqueles que foram livres da morte como aqueles que a provaram por causa da fé, um fato comum aparece: todos fizeram o que fizeram porque tinham fé. Com base nesses exemplos e na definição de fé do versículo 1, que atitude diante da vida e de suas provações devemos ter?

"Não podemos olhar para os fatos como eles aparecem, mas sim devemos lembrar das promessas de Deus declaradas nas escrituras e viver olhando para essas promessas. Se vivermos, para o Senhor viveremos. Se morrermos, para o Senhor morreremos. E como a nossa pátria, a nossa esperança, não está nas coisas de baixo mas sim nas de cima, teremos a atitude de viver com confiança o tempo todo, haja o que houver. O crente, dessa maneira, não se desesperará, mas saberá que ´todas as coisas contribuem conjuntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados pelo seu decreto´. Assim, a atitude da fé é confiança pura, mesmo diante das mais severas provações." RN

12/08/07 Domingo: Deus castiga?
Hebreus 12:1-29
Tomando por base os versículos 6 a 11 (especialmente o versículo 6), responda: Deus castiga? Sim ou não? E por quê?

"O versículo 6 claramente diz que Deus corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho. Açoitar é fustigar com o intuito de provocar dor para que haja correção. E, de acordo com o texto, Deus faz isso para que seu filho se corrija, pois pai nenhum deixa de fustigar seu filho se ele disso precisa. E a Bíblia ainda é mais clara com relação aos propósitos pelos quais Deus castiga: ´para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade´. Portanto, Deus nos quer perto de si, Deus nos quer edificados e disciplinados e nos castigará se for necessário. Longe de ser algo pelo qual devemos nos lamentar, essa afirmação é para nós segurança de que não vamos nos perder em nossos desejos carnais e pecados sem que Deus intervenha em nosso favor." RN

voltar ao topo

13/08/07 Segunda-feira: Aquém do Jordão
Números 32:1-42
Que relação podemos traçar entre as tribos de Rúbem e Gade com sua decisão de não adentrarem na terra prometida, permanecendo aquém do Jordão e a atitude de muitos cristãos nos tempos de hoje?

"As tribos de Rúbem e Gade simplesmente decidiram permanecer onde acharam que já estava bom, que era suficiente para eles. O Senhor havia prometido dar-lhes uma terra onde "mana leite e mel", havia permitido que aquela geração fosse a escolhida para tomar posse da promessa, porém eles se contentaram com a beleza da proximidade daquilo que Deus lhes daria por herança. Temiam o desconhecido?
Preocuparam-se mais com suas posses (gado)?
Não confiaram totalmente em Deus?
Quantos cristãos hoje em dia não enxergam as coisas da mesma forma?
Quantos não se aproximam de Deus, mas ficam só superficialmente, não "atravessam o Jordão", se contentando em ficar somente como "ouvintes", sem participar ativamente da vida abundante que Deus tem para dar.
"Aquém" do Jordão, nas suas margens, a terra já é boa, já é bem verde...
"Além" do Jordão realmente precisamos lutar, vencer o inimigo, combater o bom combate, mas sabemos que no final, receberemos por herança a vida eterna, uma vida abundante, esta é a promessa de Deus.
Nossa atitude deve ser:
Não temer nada, pois Jesus nos prometeu estar conosco em todo tempo.
Preocupar-nos com as coisas de Deus, porque assim Ele nos prometeu: que cuidaria das nossas (Mt 6:33).
Ter fé, porque sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11:6)."
Pr. Eduardo Achar


14/08/07 Terça-feira: Juízos
Números 33:1-56
Rapidamente o capítulo relembra toda a peregrinação de 40 anos do povo de Israel pelo deserto. Juízo na saída (sobre os egípcios) e juízo na chegada (sobre os povos de Canaã). Diante disso, que podemos dizer a respeito do papel do povo de Israel quanto à vontade de Deus?

"Israel tinha não apenas o papel de ser o instrumento de Deus no mundo para viver e proclamar a sua vontade, mas também ser um instrumento de juízo sobre tudo o que fosse perverso diante dos olhos de Deus. Assim, o texto afirma no versículo 4 que o Senhor executou juízos contra os deuses falsos do Egito. E usou justamente o povo, especialmente Moisés e Arão, para executarem o seu juízo. E também condenou (usando o povo de Israel para isso) a idolatria, o sacrifício de crianças e a perversão sexual que imperavam na terra de Canaã. Mas precisamos lembrar que para ser instrumento do juízo de Deus, o próprio povo de Israel experimentou um corretivo: Por não crerem em Deus quando saíram do Egito, os israelitas ficaram 40 anos no deserto até que uma nova geração se levantasse." RN


15/08/07 Quarta-feira: Limites
Números 34:1-29
Deus declara os limites da terra, mostrando aos israelitas pontos geográficos que serviriam de marcos até onde eles possuiriam. Se entendermos isso como uma figura, que podemos entender?

"Que Deus tem algo para nós que não pode ser roubado. Aquilo que Deus já demarcou para nós será por nós possuído se crermos e obedecermos. O inimigo não tem poder de bloquear a nossa bênção. Mas isso também nos ensina que há limites ao que Deus que nos dar. Por isso, não podemos desejar coisas além da vontade de Deus, pois isso não é nossa herança e será certamente maldição para nós. Portanto, o que precisamos compreender é: Deus é quem escolhe nossa herança, nossa bênção, nossa porção. Nos sujeitarmos à sua vontade é a nossa única condição de sermos realmente bem-aventurados. Todos aqueles que querem extrapolar o que Deus planejou sofrerão conseqüências." RN


16/08/07 Quinta-feira: Sumo sacerdote
Números 35:1-34
O homicida acidental poderia se refugiar em uma das 6 cidades refúgio comandadas pelos levitas para que o vingador de sangue não o matasse. Mas não teria liberdade de sair de lá até que o sumo sacerdote ungido morresse. Sendo isso uma figura, o que podemos aprender com isso?

"Sabemos quem é o nosso sumo sacerdote: Jesus. E sabemos o que a sua morte nos deu: livramento da ira (I Tessalonissenses 1:10). Assim, podemos interpretar a passagem de Números 35 assim: O pecado torna o homem passível de vingança de morte. Mas o vingador não pode mais matá-lo depois que o sumo sacerdote tiver morrido, pois a morte do sumo sacerdote sela uma nova condição para o homicida acidental. Nós fomos livres de qualquer condenação quando Jesus morreu em nosso lugar." RN


17/08/07 Sexta-feira: Números 36:1-13
Compare números 36 com Números 27:1-8 e responda: Qual foi a preocupação dos integrantes desta e tribo e qual foi a concessão de Deus permitiu?

"Este capitulo trata da lei relativa à terra como herança (v.2). A mulher que recebesse a herança da família só podia casar-se com alguém da mesma tribo onde nasceu (v.6). Isto asseguraria que a Terra Prometida por Deus para determinada tribo permaneceria na posse da mesma (v.9). Mas a preocupação de Deus com justiça é também refletida. Em 27:1-8 as filhas de Zelofeade iriam ser tratadas de um modo legal, mas injusto. Em vista da lei só autorizar a herança para os filhos homens, a família estava prestes a perder a herança da Terra Prometida. Aquelas mulheres pediram um tratamento especial, alem do previsto pela lei e DEUS CONCEDEU!!!!!"
Antonio Menezes Júnior

18/08/07 Sábado: Deuteronômio 1:1-46
Deuteronomios significa 2ª Lei, neste capitulo moisés Lembra o Povo dos erros e milagres desde o Egito. Por que Moisés faz essa Lembrança?

"Já se haviam passado quarenta anos que o Senhor livrara Israel da Escravidão no Egito. O Povo que estava com eles era uma geração nova que não vira todos aqueles milagres e promessas, por isso Moisés Relembra os filhos daqueles que saíram do Egito para encorajá-los aos milagres e para se lembrarem de não caírem em idolatria ou desobediência ao Senhor."
André Guimarães


19/08/07 Domingo: Não lutar
Deuteronômio 2:1-37
Deus proibe o povo de Israel de lutar com mais dois povos, o povo de Seir e o povo de Moabe, dando inclusive instruções claras para que Israel passasse sob autorização dos reis e pagasse pela água e comida que pegasse. Em seguida, Deus promete entregar a Israel a terra de Hesbom. Porque Deus proibiu Israel de batalhar contra os dois primeiros reinos e permitiu que Israel atacasse o terceiro?

"Deus não permitiu que Israel atacasse os descendentes de Esaú porque Ele já havia concedido a esse povo a montanha de Seir. E Deus não permitiu que Israel atacasse os descendentes de Ló porque já havia lhes dado a cidade de Ar por herança. O que vemos é que Deus é fiel em suas promessas e não deixará que a sua palavra caia por terra." RN

voltar ao topo

20/08/07 Segunda-feira: Jesus Cristo
Hebreus 13:1-25
O que quer dizer a frase do versículo 8: "Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje, e eternamente"?

"Quer dizer que Jesus não sofre mudança nem variação alguma com o tempo, permanecendo igual por toda a eternidade. As implicações dessa afirmação são:
- Jesus é perfeito (não tendo nada em que possa "progredir", pois já é absolutamente capaz em qualquer aspecto que se considere)
- Jesus é eterno (não pode morrer, não pode envelhecer, não pode deixar de existir)
- O que ele disse e fez ontem, dirá e fará hoje e amanhã e eternamente." RN


21/08/07 Terça-feira: Pecado
Tiago 1:1-27
Nos versículos 14 e 15, Tiago dá a seqüência dos eventos desde a tentação até a morte. O que significa "engodado pela própria concupiscência"?

"Engodado significa ´enganado´. E concupiscência é o desejo da carne. Assim, Tiago está dizendo que o homem é tentado quando é atraído e enganado pelo desejo da sua própria carne. Embora o homem saiba que aquilo que faz é errado, não consegue evitar satisfazer o desejo carnal." RN

22/08/07 Quarta-feira: Lições
Tiago 2:1-26
Esse capítulo de Tiago nos dá duas importantes lições acerca de nossa verdadeira vida cristã. Quais são elas e o que podemos aprender com cada uma delas?

23/08/07 Quinta-feira: Língua
Tiago 3:1-18
Sendo a língua tão perigoso instrumento, o que podemos fazer para controlá-la?

24/08/07 Sexta-feira: Amizade do mundo
Tiago 4:1-17
O que significa o termo "amizade do mundo"? Quais as conseqüências dessa amizade para a vida da pessoa?

25/08/07 Sábado: Os ricos
Tiago 5:1-20
Censurando os ricos opressores, Tiago declara: "cevastes os vossos corações como num dia de matança". Que significa isso? Que tipo de riqueza, além financeira, pode levar à mesma situação?

26/08/07 Domingo: Prova x Glória
I Pedro 1:1-25
Releia o versículo 7 e fale sobre a relação entre a prova da fé e a glória no porvir.


voltar ao topo

27/08/07 Segunda-feira: Não a Moisés
Deuteronômio 3:1-29
Lembrando de todas as coisas do passado, Moisés menciona a oração que fizera a Deus pedindo que pudesse entrar na terra prometida. E Deus lhe diz não e manda que não fale mais nesse negócio. Se Deus manda não pedirmos mais algo que queremos muito, o que devemos fazer?

"Devemos, logicamente, obedecer ao Senhor, não insistindo mais naquele ponto. Mas isso não poderia se tornar em uma posição amarga de: ´OK, Deus, não vou falar mais no assunto, mas o Senhor me desapontou e eu estou magoado´ ou: ´Não creio que isso seja algo bom para mim, mas já que não tenho como mudar a situação, fazer o quê?´. Essas posições claramente refletem a falta de fé de que tudo o que Deus faz é o melhor para as nossas vidas. E se nós não crermos na bondade de Deus, acabaremos dando uma enorme brecha para o diabo vir colocar seus ovos de serpente em nosso íntimo. Portanto, o princípio da fé em Deus é que Ele não é apenas poderoso, mas é amor e fará sempre com que ´todas as coisas contribuam conjuntamente para o bem daqueles que o amam´. Assim, precisamos guardar o nosso coração mesmo antes de orarmos a Deus. Como? Buscando a sua vontade em primeiro lugar, seja ela de acordo com o que queremos ou não. Só assim poderemos viver em paz e alegria haja o que houver." RN

28/08/07 Terça-feira: Gente sábia
Deuteronômio 4:1-49
Moisés exorta o povo a viver uma vida de acordo com os estatutos de Deus, pois com isso os outros povos diriam: "Este povo só é gente sábia e entendida". Quais os propósitos dessa demonstração de sabedoria e entendimento? O que aprendemos com isso?

"O propósito principal seria a glorificação do nome de Deus. Os israelitas, vivendo do modo como Deus havia mandado, seriam a prova da sublimidade dos pensamentos divinos. Eles seriam um exemplo vivo das obras de um Deus vivo. Com isso, vemos a nossa própria responsabilidade em sermos os representantes de Deus para os homens nos dias de hoje. Olhando para nós, os homens deveriam ver o caráter de Jesus, o caráter de Deus pai. Será que isso está ocorrendo? Em segundo lugar, a demonstração de sabedoria e entendimento seria uma bênção para o próprio povo israelita, pois eles acabariam por viver em um alto padrão que levaria a uma vida abundante e livre. Para nós é a mesma coisa. Se obedecermos a Deus e manifestarmos em nossas vidas a sabedoria e entendimento do Senhor, seremos os primeiros a colher os frutos." RN

29/08/07 Quarta-feira: Quem dera!
Deuteronômio 5:1-33
Após lembrar os dez mandamentos dados no monte Horebe, Moisés lembra também o que Deus disse quando o povo prometeu que o obedeceria: ´Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e guardassem todos os meus mandamentos... para sempre!´? Por que Deus disse isso?

"Conhecedor dos corações dos homens, Deus sabia que o povo cedo se desviaria de seus mandamentos, pois eles não haviam entregado o mais profundo de seu ser ao Altíssimo, mas apenas suas obras. Quando uma pessoa não entrega o coração, acabará, mais cedo ou mais tarde, sendo levada a se afastar de Deus. E isso aconteceu com o povo de Israel inúmeras vezes. Deus deseja o nosso coração porque sabe que se entregarmos o coração seremos praticantes da sua vontade por conseqüência, e aí sim, teremos algo perene que não pode ser abalado." RN

30/08/07 Quinta-feira: Shema
Deuteronômio 6:1-25
Neste capítulo aparece o Shema (ouve), o maior mandamento para os judeus e também segundo Jesus (leia os vv 4 e 5). Quais as implicações desse mandamento para a vida daquele que serve a Deus?

"Em primeiro lugar, ao reconhecer a Deus como único, não teremos nenhuma tentação de trocá-lo por nenhum outro. Isso, por si só, já é uma segurança para nós. Em segundo lugar, ao amarmos a Deus sobre todas as coisas, teremos facilidade em agradá-lo, pois desejaremos isso de todo o nosso coração, e não por obrigação. Com isso, estaremos inabaláveis e seguros. Nada poderá nos desestabilizar: nem as tentações, nem as dificuldades, nem as mentiras de satanás." RN


31/08/07 Sexta-feira: Fora com os ídolos
Deuteronômio 7:1-26
Ordenando a destruição total dos ídolos de Canaã, Deus também ordenou aos israelitas que não cobiçassem a prata e o ouro que estavam sobre as imagens. Qual a razão dessa proibição?

"Se os israelitas pudessem tomar a prata e o ouro que cobriam as imagens dos ídolos de Canaã, acabariam por destruir apenas aquelas imagens não cobertas por metais preciosos, e guardariam e tomariam para si muitas das estátuas revestidas desses materiais. Isso seria um laço para Israel, pois a idolatria não tardaria a aparecer." RN


01/09/07 Sábado: Nem só de pão
Deuteronômio 8:1-20
Lembrando do suprimento de maná durante a peregrinação no deserto, Deus esclarece a intenção de que os israelitas percebessem que não apenas de pão viveria o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Que isso quer dizer?

"Em primeiro lugar, que o homem não carece apenas de alimento material para continuar vivo. O homem tem uma carência espiritual que só pode ser suprida com a Palavra de Deus. Aquele que não se alimenta da Palavra de Deus acabará por se tornar um anoréxico espiritual, fraco ao ponto de morrer, mas ao mesmo tempo insensível à sua própria necessidade. Em segundo lugar, isso também ensina que as necessidades humanas, todas elas, não são supridas pelo esforço humano, mas pela misericórdia de Deus. Se Deus não suprir, seja por um meio, seja pelo outro, o homem padecerá necessidades." RN

02/09/07 Domingo: A causa
Deuteronômio 9:1-29
Moisés lembra os israelitas das vezes em que provocaram a Deus, desde o bezerro de ouro até outras provocações. E afirma claramente que não foi por causa das justiças dos israelitas que estes estavam recebendo as terras dos povos de Canaã (que seriam extirpadas). Por que então seriam expulsos os povos de Canaã?

"O versículo 4 diz claramente: ´pela impiedade dessas nações é que o Senhor as lança fora diante de ti´. Os povos de Canaã eram como a contra-partida do povo de Deus. Poder-se-ia dizer que eram um povo sob o comando do diabo. Eram extremamente idólatras e faziam muitos sacrifícios de crianças aos seus deuses, ou seja, aos demônios. Não sabemos o que ocorreu no período entre a passagem de Abraão por Canaã e a chegada do povo de Israel com Moisés e Josué. Pode ser que Deus tenha enviado profetas para os repreender, mas o fato é que os povos dessa região só fizeram aumentar a impiedade durante esse período. De fato, quando Deus falou com Abrão (ainda antes de mudar seu nome para Abraão), disse: ´Peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos. Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza. E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia.´ (Gênesis 15:13-16). Portanto, a impiedade dos cananeus aumentou mais e mais até que Deus enviou juízo por intermédio dos israelitas." RN

voltar ao topo

03/09/07 Segunda-feira: Sofrimento agradável
I Pedro 2:1-25
Explique o versículo 19, que afirma que o sofrimento injusto do crente é agradável a Deus.

"Do ponto de vista da eternidade, o breve sofrimento do cristão, ainda que muito intenso, não pode ser comparado com a glória com que Deus o coroará. Evidentemente, a glória estará em direta proporção com o sofrimento. Portanto, se há sofrimento por causa da justiça (se a pessoa por causa da consciência para com Deus é humilhada, perseguida, preterida, desprezada, etc.) também haverá glória para essa pessoa quando Jesus voltar. É por isso que a Bíblia diz que esse sofrimento por causa da justiça é agradável a Deus. Com isso, o nome de Deus é glorificado, a verdade é proclamada e o cristão ajunta galardão para a eternidade." RN


04/09/07 Terça-feira: Sem palavras
I Pedro 3:1-22
Pedro orienta as mulheres que têm maridos não crentes, a pregarem sem palavras, através do comportamento. Quais orientações especificamente Pedro dá às mulheres?

"As mulheres de todas as épocas se preocupam com sua beleza, tendo muito cuidado com roupas, acessórios, arranjo do cabelo e pinturas. Pedro adverte para que a maior beleza da mulher, o seu maior cuidado, não seja com o exterior, mas sim com o interior, com o coração, que deve ser manso e sujeito. Esta é a beleza feminina que causa impacto e que é capaz de fazer a diferença na vida do marido não crente." RN


05/09/07 Quarta-feira: Mais sofrimento
I Pedro 4:1-19
Pela terceira vez nesta carta (as outras foram em 2:19-21 e 3:14,17), Pedro fala sobre o sofrimento do cristão. Por que essa insistência no sofrimento?

"Porque o sofrimento do cristão não é, de forma alguma, algo incomum ou surpreendente. Vivemos em um mundo que jaz no maligno (I Jo 5:19) e Jesus avisou que no mundo teríamos aflições (Jo 16:33). Portanto, Pedro argumenta insistentemente com seus leitores que o nosso sofrimento por sermos cristãos, longe de ser um castigo, é algo agradável para Deus (2:20), uma bem-aventurança (3:14) e uma glória (4:14). Se encararmos o sofrimento dessa forma, não ficaremos jamais confundidos e não seremos vencidos." RN


06/09/07 Quinta-feira: Aos presbíteros
I Pedro 5:1-14
Falando aos presbíteros (anciãos que formam o governo da igreja), Pedro dá algumas orientações de como bem governar. Que orientações Pedro deu?

"Pedro orientou os presbíteros a:
1) Serem cuidadosos no trabalho de pastoreio
2) Agir voluntariamente e não por obrigação
3) Agir por genuíno interesse, e não por ganho financeiro
4) Ser exemplo, mais do que exercer domínio pela autoridade" RN


07/09/07 Sexta-feira: Torre forte
II Pedro 1:1-21
Tal qual uma torre, Pedro, nos versículos 5 a 7, vai construindo uma coluna de virtudes, iniciando na fé e terminando no amor. Faça um desenho dessa torre, nomeie cada um dos seus "andares" e explique o porquê dessa ordem de construção.

"A ´torre´ tem por base a fé porque é o início de tudo. Sem fé é impossível agradar a Deus. Depois vem o conhecimento apoiado por essa fé. Em seguida, obtemos a temperança, ou seja, o domínio próprio sobre nossa língua, sobre nossa carne, sobre nossas paixões do corpo. Depois obtemos paciência para suportarmos as tribulações que se abatem sobre nós. Temos então uma vida piedosa (vida de Deus) que pode ser vista pelos outros através da manifestação de dons e do serviço. Experimentamos então o amor fraternal, que é o amor pelos irmãos de fé. E finalmente, como uma coroa da torre, somos cheios do amor de Deus, que é o ágape, traduzido como caridade.


Caridade
Amor fraternal
Piedade
Paciência
Temperança


Essa é a torre das virtudes de Deus em nós." RN


08/09/07 Sábado: Falsos mestres
II Pedro 2:1-22
O capítulo fala sobre os falsos mestres. Aponte as características dessas pessoas descritas no capítulo.

"Pedro fala que os falsos mestres:
- introduzem encobertamente heresias de perdição
- fazem negócio dos cristãos por avareza
- são rebeldes
- são adúlteros, escravos do pecado
- enganam os cristãos, levando-os ao pecado." RN


09/09/07 Domingo: Que vida!
Considerando o fato de que a terra e tudo o que nela há serão que nela há serão consumidos pelo fogo, qual o conselho de Pedro?

"Que tenhamos uma vida santa e piedosa (vida com Deus), procurando nos manter imaculados e em paz." RN

voltar ao topo

10/09/07 Segunda-feira: Vontade de Deus
Deuteronômio 10:1-22
Tomando por base o narrado no capítulo, que podemos dizer a respeito da vontade de Deus para o povo de Israel?

"Deus mandou Moisés fazer duas tábuas de pedra para nelas escrever os 10 mandamentos: podemos dizer que Deus queria que seu povo conhecesse sua vontade, a maneira de viver e se relacionar com ele e com as outras pessoas. Deus mandou que Moisés guardasse as tábuas da lei em uma caixa: Podemos dizer que Deus queria que o povo valorizasse a sua vontade e a guardasse no fundo do coração. Deus separou a tribo de Levi para que somente se ocupasse e preocupasse com as suas coisas: Podemos dizer que Deus deseja esse tipo de interesse de todos o do seu povo. Deus ouviu a oração de Moisés e perdoou o povo: Podemos dizer que Deus deseja nos perdoar se tão somente nos arrependermos e o buscarmos. Deus mandou Moisés conduzir o povo para a terra prometida: Deus deseja nos abençoar. E tudo isso fica ainda mais claramente expresso a partir do versículo 12. Nesse versículo lemos claramente que o que Deus deseja é relacionamento íntimo, interesse, compromisso, dedicação. E vemos também que Deus deseja que seu povo o imite na forma de agir: Assim como ele ama o órfão, a viúva e o estrangeiro, quer que seu povo faça o mesmo." RN

11/09/07 Terça-feira: Lembretes
Deuteronômio 11:1-32
O que deviam os israelitas fazer para não se esquecerem da Palavra de Deus? O que devemos nós fazer hoje para o mesmo propósito?

"Os israelitas deveriam colocar as palavras de Deus nas mãos, entre os olhos e nos batentes das portas. Deveriam falar da palavra com seus filhos enquanto estavam assentados em casa, quando estavam andando no caminho, quando se deitavam e quando se levantavam. Isso visava lembrar da palavra o tempo todo, para que ela entrasse no coração e a na alma, permeando cada pensamento e ato dos israelitas. Hoje nós temos o dever de ler a Bíblia diariamente, de não deixar de ir à igreja, de orar e agradecer por tudo (o que significa que vamos falar com Deus o dia inteiro) e de fazer devocionais domésticos com a família." RN

12/09/07 Quarta-feira: Um local de culto
Deuteronômio 12:1-32
Naquela época os povos relacionavam todo o abate de animais e o comer carne com ofertas a deuses e atos religiosos. O que Deus diz a respeito dessas coisas e a respeito do local de culto na terra prometida? Por quê?

"Deus mandou que todos os locais de culto dos cananeus (e que eram muitos, espalhados por todo bosque, monte ou árvore grande) fossem destruídos. Isso visava não permitir que os israelitas imitassem os cananeus e fizessem seus sacrifícios locais, incorporando mudanças na forma de adoração e destruindo a unidade da fé. Um só local de ofertas deveria ser obedecido: Para esse local todo o Israel deveria se dirigir para ofertar ao Senhor. Porém, se os israelitas quisessem comer carne, teriam plena liberdade. Apenas esse abate e essa carne não seriam considerados como atos religiosos, mas sim como uma caça comum (como a carne de corço ou de veado, segundo o texto). Dessa forma, qualquer pessoa, imunda ou limpa, poderia comer dessa carne. Não seria carne consagrada." RN

13/09/07 Quinta-feira: Sinais x palavra
Deuteronômio 13:1-18
Mesmo que um profeta ou um sonhador de sonhos profetizasse um sinal ou prodígio e esse sinal e prodígio se cumprisse, ainda assim o povo não deveria seguir esse profeta ou sonhador de sonhos se ele propusesse ao povo servir outros deuses. O que podemos aprender com isso?

"Aprendemos que os sinais e maravilhas somente podem confirmar a palavra, nunca alterá-la ou cancelá-la. Qualquer sinal ou prodígio, por mais maravilhoso que seja, nunca poderia ter a força da palavra já revelada, nunca poderia estabelecer uma nova ordem de coisas. Assim fazendo, crendo na palavra de todo o coração e se apegando aos seus preceitos, o povo não seria enganado por nenhuma artimanha de satanás." RN

14/09/07 Sexta-feira: Dízimos
Deuteronômio 14:1-29
Qual o destino dos dízimos, de acordo com os versículos 22 em diante?

"Se a pessoa morasse muito longe do local de culto ao Senhor, e fosse difícil levar a produção em espécie, deveria vendê-la e, ao final de 3 anos, ir ao local de culto e comprar tudo o que desejasse para festejar ao Senhor, comendo dos dízimos e se alegrando diante de Deus. Também deveria dar desse dízimo aos levitas, para que eles tivessem mantimento." RN

15/09/07 Sábado: O ano da remissão
Deuteronômio 15:1-23
A cada sete anos toda a dívida de um israelita para com outro deveria ser considerada como quitada. E, se um israelita se vendesse a outro por não ter mais qualquer recurso, deveria ser libertado ao sétimo ano e ainda receber bens ao sair. Qual o propósito de Deus nessa ordenança?

"Deus queria dar uma uniformidade de oportunidades para o povo, para que alguns não fossem escravizados para sempre por causa das dificuldades financeiras eventuais. Isso garantiria força ao povo de Israel, pois todos poderiam ter outra chance de voltar a prosperar após um período de perda total." RN

16/09/07 Domingo: As três festas
Deuteronômio 16:1-22
A festa da páscoa lembrava a saída do Egito. A festa das primícias celebrava a colheita que Deus dava. E a festa dos tabernáculos lembrava que o povo viveu em cabanas durante a travessia no deserto. O que essas três festas tinham em comum?

"Essas festas tinham em comum o fato de que Deus era o provedor de todas as coisas: Deus era o que libertava da escravidão, Deus era o que provia alimento e Deus era o que conduzia para a terra prometida. Tudo - liberdade, sustento e direção - vinha de Deus." RN

voltar ao topo

17/09/07 Segunda-feira: Andar em trevas x pecar
I João 1:1-10
O texto diz que se temos comunhão com Deus, não podemos de forma alguma andar em trevas. Mas no mesmo texto diz que se dissermos que não temos pecado, mentimos. Qual a diferença entre andar em trevas e pecar?

"Andar é algo contínuo, que tem seqüência. Quando dizemos que alguém anda, imaginamos a pessoa se deslocando no espaço ao longo do tempo. Portanto, quando a Bíblia diz "andar na luz" ou "andar nas trevas", ela se refere a uma condição da pessoa no dia-a-dia. Deus é luz, e quem anda com Deus, anda na luz. Mais especificamente, quem tem comunhão com Deus, quem o ama de todo o coração, e ama ao próximo como a si mesmo, está andando na luz. Quem faz o contrário, ou seja, quem não ama a Deus acima de todas as coisas e não ama o próximo, está andando nas trevas. Já o pecar é um ato, que pode ou não ser repetitivo. É claro que para a pessoa que anda nas trevas, que o pecar é algo contínuo. Mas, e quem anda na luz, será que peca? Sim, ainda peca eventualmente, pois não somos perfeitos em amor ainda. Mas, naturalmente, pecaremos cada vez menos, à medida em que nos deixarmos dominar pelo amor de Deus. Portanto, a diferença entre andar em trevas e pecar é esta: Andar em trevas é um estado. Pecar é um ato individual. Se eu ando nas trevas, peco habitualmente. Se eu ando na luz, peco esporadicamente e cada vez menos." RN

18/09/07 Terça-feira: Novo mandamento antigo
I João 2:1-29
O mandamento citado por João nesse capítulo é qualificado como antigo no versículo 7 e como novo no versículo 8. Como pode ser isso? Que mandamento é este?

"O mandamento foi dito como antigo porque havia sido dado por Jesus muito tempo antes e já era conhecido dos crentes aos quais João escrevia. Mas foi também qualificado como novo porque se renova a cada dia. O mandamento a que João se refere é de amar o próximo. A cada dia temos oportunidade de crescer nesse mandamento, de crescer no amor ao próximo." RN


19/09/07 Quarta-feira: Amor de palavra
I João 3:1-24
O que quer dizer o versículo 18, quando afirma: "Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade"?

"João está ordenando que comprovemos nosso amor (sentimento) com nossos atos (ações). Quem ama apenas de palavra e de língua bem pode dizer "Deus te abençoe" e não mover uma palha para ajudar seu irmão que está necessitado. Se amamos verdadeiramente, então nos moveremos de nossa posição de conforto e faremos alguma coisa prática no sentido de diminuir a dor do nosso próximo. Esta é a comprovação do verdadeiro amor: a obra da pessoa." RN

20/09/07 Quinta-feira: Amando (também) quem eu vejo
I João 4:1-21
No versículo 20, João argumenta que devemos amar nosso irmão, que vemos, se é que de fato amamos a Deus, que não vemos. É mais fácil amar a Deus ou ao irmão? Por quê?

"Esta é uma questão semelhante àquela que Jesus colocou quando colocaram um paralítico diante dele. Tendo Jesus declarado ao paralítico que seus pecados estavam perdoados, houve um burburinho entre os presentes. Jesus perguntou então aos seus ouvintes: "O que é mais fácil? Dizer: Os teus pecados estão perdoados ou dizer: Levanta e anda?" Evidentemente que os dois são complicados de realizar. Mas para dizer, ou seja, apenas falar, é mais fácil a frase "os teus pecados estão perdoados", porque ninguém pode comprovar direito. O mesmo sucede aqui. Eu posso dizer que amo a Deus, mas posso andar em caminhos tortuosos e desagradá-lo o tempo todo sem que ninguém fique sabendo. Mas não posso dizer que amo o irmão e continuar a desprezá-lo, a falar mal dele, a persegui-lo, a rejeitá-lo, etc. Todos verão a hipocrisia. Portanto, para dizer e fazer realmente, o mais difícil é amar o irmão." RN

21/09/07 Sexta-feira: Pecado para morte
I João 5:1-21
João manda, no versículo 16, a não orar pelo pecado para morte. E afirma que há pecado para morte e pecado que não é para morte. O que é o pecado para morte?

"Alguns pecados são castigados com a morte do pecador, para que este tenha ainda uma oportunidade de arrependimento. Isso é visto em I Coríntios 11, quando Paulo fala sobre a falta de discernimento do corpo do Senhor (da igreja). E Paulo diz que por causa disso, ou seja, por causa da falta de compreensão da importância de reconhecimento dos membros do corpo de Cristo, pela falta de amor (uns estavam comendo toda a comida e deixando outros com fome), havia muitos que estavam doentes e muitos que "dormiam" (já tinham morrido). Em Apocalipse 2:21-23 também vemos que Deus dá tempo para arrependimento e depois pode castigar com a morte do pecador. O próprio apóstolo Paulo entrega Himeneu e Alexandre a satanás para "destruição da carne" para que aprendam a não blasfemar (I Timóteo 1:20). Que Paulo estava dizendo? Que eles ficariam doentes e que talvez até morreriam? Exatamente. Em I Coríntios 5:5, outra pessoa é entregue a satanás "para a destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus". Essa pessoa estava adulterando com a própria madastra! Então, o que é o pecado para morte? É o pecado sério e permanente, que o pecadoro larga a não ser com um grande corretivo da parte de Deus. Porque, se a pessoa não encontra lugar de arrependimento, Deus pode prover para ela um corretivo grande o suficiente para fazer com que ela largue o pecado. Este, portanto, é o pecado para morte: aquele que é sério, do qual a pessoa não consegue libertação, e que pode ser removido diante de uma correção mais severa de Deus." RN

22/09/07 Sábado: Enganos e perdas
II João 1-13
João adverte nessa segunda carta contra a heresia do gnosticismo, que dizia que Jesus não veio em carne, mas apenas era "espírito que parecia carne". João adverte então a que não deixemos de perseverar na doutrina de Cristo para que "não percamos o que temos ganho". Como alguém pode deixar a doutrina e sofrer perdas?

"As verdades fundamentais reveladas por Deus na Bíblia não podem ser alteradas, nem por acréscimo e nem por redução. Nada podemos tirar e nada podemos acrescentar. E, assim como os gnósticos nos primeiros séculos procuravam dar uma "interpretação" da pessoa de Jesus que não correspondia à realidade, e assim como esse simples fato de fé podia causar um prejuízo à pessoa, com perda de galardão e até de salvação, assim ocorre hoje também. Muitos há que torcem a palavra de Deus, ensinando práticas que não têm sustentação bíblica (como usar outros intermediários além de Jesus para falar com Deus, como batalhar pela bênção ao invés de batalhar pela fé, como afirmar que vamos voltar muitas vezes nesse mundo através de reencarnação para nos aperfeiçoarmos, etc). Qualquer um que espose uma doutrina dessas estará sofrendo perdas, maiores ou menores, dependendo do grau de importância do desvio. Pode ser uma perda de galardão, pode ser até uma perda de salvação. Portanto, devemos ter temor de Deus e atentar bem para o perfeito ensino da Bíblia, sem nos movermos para nenhuma doutrina sem respaldo bíblico que nos apresentem. "Está na Bíblia? Eu creio!" Essa deve ser a nossa posição." RN

23/09/07 Domingo: Andando na verdade
III João 1-15
A maior alegria de João era ouvir que seus filhos andavam na verdade (v.3). Na prática, o que é andar na verdade? Como vemos isso?

"Podemos ver esse andar de duas formas: Na doutrina e na ação. Podemos ver que estamos andando na verdade pela doutrina que abraçamos: Se ela é bíblica ou não. Quanto mais nos apegarmos à Bíblia e mais estudarmos e meditarmos nos seus preceitos, tanto mais mostraremos correção de ensino e tanto mais estaremos andando na verdade. E podemos ver também que estamos andando na verdade quando aplicamos o mandamento bíblico ao nosso dia-a-dia: Se amamos o próximo como a nós mesmos, amor esse demonstrado em interesse genuíno e em ação efetiva em prol da vida do próximo, traduzido como contato, acompanhamento, apoio, orientação, auxílios (financeiro e outros), etc. Quem vive assim, alegra o coração do Pai (de Deus)." RN

voltar ao topo

24/09/07 Segunda-feira: O livro
Deuteronômio 17:1-20
Falando sobre os deveres dos futuros reis de Israel, Deus já ordenava que esse rei tivesse um livro, uma cópia exata da lei que estava com os levitas. E o rei deveria ler esse livro todos os dias. Qual o objetivo disso? O que isso nos ensina?

"O objetivo era que o rei aprendesse a temer a Deus todos os dias de sua vida, para que guardasse todos os mandamentos e os cumprisse, para que seu coração não se tornasse soberbo e acabasse por oprimir o povo, e para que não se desviasse do caminho de Deus. Se o rei fizesse isso, então ele teria seus dias prolongados pelo Senhor e sua descendência também seria abençoada. Quanto a nós, a Bíblia nos diz que somos escolhidos para sermos reis e sacerdotes (Apocalipse 1:6). Portanto, temos a responsabilidade de governar nossa vida, nossa família, nossos negócios, nossos funcionários, a igreja, a sociedade e o mundo todo de acordo com a vontade de Deus. E nós já temos uma cópia da palavra de Deus facilmente disponível hoje em dia: A Bíblia, que já vem impressa e encadernada. Na época dos reis de Israel, era preciso que toda a escritura fosse copiada a mão em pergaminhos. Quão mais fácil é para nós hoje termos a palavra de Deus onde quer que estejamos! Leiamos, pois, a Bíblia, pois devemos governar para Deus!" RN


25/09/07 Terça-feira: Proibições
Deuteronômio 18:1-22
Neste capítulo encontramos a clara proibição de: sacrificar os filhos, ser adivinhador, ser prognosticador, ser agoureiro, ser feiticeiro, ser encantador, ser mágico, consultar espírito adivinhante ou consultar os mortos. Como Deus classificou as pessoas que fazem essas coisas? Que quer isso dizer?

"Deus classificou as pessoas que fazem essas coisas como abominação, ou seja, alguém que Deus não pode nem ver. Deus estava expulsando as nações de diante do povo de Israel justamente por causa desses pecados. E então deixou muito claro que essas coisas eram proibidas ao povo de Israel. Entendemos que o poder buscado por todas essas práticas não provém de Deus, mas do diabo. Quem se entrega a essas práticas abre uma porta à ação demoníaca e é invariavelmente enganado e corrompido. Isso tudo tem poder, mas Deus tem todo o poder. Portanto, ao povo de Deus não cabe buscar qualquer outro poder a não ser o de Deus." RN

26/09/07 Quarta-feira: Olho por olho, dente por dente
Deuteronômio 19:1-21
Embora a lei tivesse cuidado de não condenar nenhum inocente (veja que havia a provisão de três cidades para onde alguém que tivesse matado seu próximo sem intenção pudesse fugir e se refugiar), não havia misericórdia para o pecador. Olho por olho, dente por dente. O que mudou com a vinda de Jesus?

"A própria Bíblia diz que ´a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo´ (João 1:17). Antes da vinda de Jesus, somente a lei imperava. E a lei opera a ira (Romanos 4:15), ou seja, ela distribui castigos de acordo com o pecado cometido. E o povo aprendeu isso também. Quando alguém era ofendido, sentia-se no direito e no dever de fazer com que seu ofensor fosse ofendido da mesma maneira para que a justiça da lei se cumprisse. Isso levava, evidentemente, a um problema sério, pois não resolvia o problema de relacionamento e só aumentava o sofrimento na terra. Jesus veio revelar um outro modo de se encarar o problema da ofensa: o perdão e a bênção, a misericórdia e a graça . Ele disse: ´Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.´ (Mateus 4:39-42). O que Jesus propôs foi justamente o oposto do que a lei propusera. Jesus não apenas propôs a anulação do direito de revanche, mas propôs que o ofendido ainda abençoe o ofensor. Tal proposta é revolucionária, mesmo para os dias atuais, depois de mais de 2000 anos da expressão dessas palavras. E Jesus avisou que esse era o evangelho, a boa notícia: Deus decidira usar de misericórdia e graça conosco também. Portanto, com Jesus tudo mudou: da condenação para o perdão, da ira para o amor, da maldição para a bênção, da morte para a vida. Glória a Jesus!" RN

27/09/07 Quinta-feira: Destruição
Deuteronômio 20:1-20
A ordem de guerra era poupar mulheres e crianças das cidades de fora da terra de Canaã e destruir todos os habitantes das cidades de dentro de Canaã. Qual a razão para essa ordem, de acordo com o texto?

"A razão eram as práticas abomináveis dos cananeus, que incluíam sacrifício de crianças a demônios, ocultismo, necromancia, etc. Deus detestava essas práticas e dera tempo aos habitantes de Canaã para que mudassem (veja pergunta e resposta de 02/09/07). Mas isso não ocorreu, antes a maldade foi aumentando mais e mais. Como a convivência com esses povos poderia causar uma ´contaminação´ dos israelitas, Deus mandou que fossem todos destruídos. Enquanto não chegavam a misericórdia e a graça vindas através de Jesus, que podiam restaurar os pecadores, a escolha era pelo mal menor." RN

28/09/07 Sexta-feira: Maldito de Deus
Deuteronômio 21:1-23
O cadáver de um condenado que fosse pendurado no madeiro deveria ser enterrado no mesmo dia, para que a terra não fosse contaminada, pois o pendurado é maldito. Considerando o Novo Testamento, o que isso nos lembra?

"Em Gálatas 3:13, Paulo afirma: ´Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito.´ Mesmo sem ter pecado algum, Jesus foi condenado. Ele tomou sobre si os nossos pecados e se colocou na nossa posição. Lembramos então que a posição de maldito, de condenado pendurado e morto, é nossa. Fomos livres dessa situação porque Jesus trocou de lugar conosco. E como apenas por esse ato de amor de Deus é que nós escapamos, então lembramos que a nossa salvação é muito preciosa." RN

29/09/07 Sábado: Pecado de omissão
Deuteronômio 22:1-30
Muitos dos pecados descritos são por ação, por erro naquilo que foi feito. Mas há neste capítulo uma advertência no versículo 3: ´Não te poderás omitir´. Fale sobre as circunstâncias que caracterizam um pecado de omissão.

"O próprio capítulo traz algumas situações em que um pecado de omissão ocorreria: No caso de alguém ver um animal de outrem perdido ou machucado e não o ajudar e no caso de alguém achar algo de outrem e não o recolher. Portanto, o pecado de omissão ocorre quando o dever da justiça clama e a pessoa, podendo fazer o bem, não o faz. Isso está claramente escrito no Novo Testamento: ´Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.´ (Tiago 4:17). Portanto, quanto maior o nosso conhecimento do certo, e quanto maior a nossa capacidade de ação, tanto mais freqüentes serão as circunstâncias em que poderemos errar por omissão." RN

30/09/07 Domingo: Sem juros
Deuteronômio 23:1-25
Os israelitas não poderiam emprestar dinheiro a seus compatriotas cobrando juros. Qual a razão para essa ordem?

"A razão era a força da nação. Deus queria uma nação cujos cidadãos se reconhecessem como irmãos, e não como estranhos. Portanto, deveria haver um interesse genuíno de auxílio de uns para com os outros. Os juros seriam uma forma de ganhar dinheiro pelo empréstimo de dinheiro, mas Deus não permitiu tal coisa entre os israelitas porque não queria que houvesse ganho financeiro de um israelita em função das dificuldades de outro. Se a nação de Israel aplicasse esse princípio, acabaria por se fortalecer, pois os cidadãos em dificuldades teriam condições de tornarem a se levantar. Isso seria bom para todos." RN

voltar ao topo

01/10/07 Segunda-feira: Falsos mestres
Judas 1-25
Falando duramente contra os falsos mestres, Judas diz que eles "entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré". O que quer isso dizer?

"Quer dizer que tais homens eram invejosos (Caim invejou Abel - Gênesis 4), desejosos de ganhos financeiros (Balaão foi levado ao erro justamente porque cobiçou os presentes que Balaque lhe prometeu - Números 22) e insubmissos e rebeldes à autoridade (Coré coordenou um levante contra Moisés e Aarão - Números 16). Se cada uma dessas características já é muito ruim, a soma delas é muito pior! Judas, portanto, não economiza palavras para alertar contra os falsos mestres que estavam assaltando a igreja." RN

02/10/07 Terça-feira: Três perguntas
Apocalipse
Três perguntas: Como Jesus voltará? Quais os títulos aplicados a Jesus neste texto? O que representam os sete castiçais e as sete estrelas da visão de João?

"Volta de Jesus: Jesus voltará com as nuvens e todos o verão, até mesmo aquele que o atravessou com uma lança. Isso significa que tanto os vivos como os mortos poderão contemplar a volta de Jesus.
Títulos aplicados a Jesus neste texto: 1) Fiel Testemunha: Aquele que realmente testifica de Deus Pai de maneira perfeita. 2) Primogênito dentre os mortos: o primeiro da ressurreição. 3) Príncipe dos reis da terra: Que tem autoridade sobre todo o governo da terra. 4) Alfa e ômega, ou seja, o princípio e o fim de todas as coisas, a razão da existência e o motivo da existência de todas as coisas. 5) Todo Poderoso: que não conhece o impossível, capaz de fazer tudo conforme a sua soberana vontade.
Castiçais: igrejas. Estrelas: anjos das igrejas, ou seja, os líderes dessas igrejas." RN

03/10/07 Quarta-feira: Prós e contras
Apocalipse 2:1-29
Faça uma tabela com o nome das igrejas, o que Jesus aponta como bom nelas, o que Jesus aponta como mau, o que Jesus avisa que vai ocorrer e o que ele promete ao que vencer.

"Neste capítulo temos 4 igrejas:
Igreja Bom Mau Aviso Promessa
Éfeso Trabalho, paciência, prova dos falsos apóstolos, sofrimento pelo nome do Senhor, odeia as obras dos Nicolaítas Deixou o primeiro amor Tirará do lugar o castiçal se não houver arrependimento Comerá da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus
Esmirna Obras, tribulação, pobreza, sofrimento de blasfêmias Tribulação de 10 dias Receberá a coroa da vida. Não receberá o dano da segunda morte
Pérgamo Obras, retenção do nome de Jesus, não negou a fé, Alguns seguem a doutrina de Balaão e outros a doutrina dos nicolaítas Batalhará com a espada da sua boca contra os que pecam Dará a comer o maná escondido e dará uma pedra branca com um novo nome
Tiatira Obras, amor, serviço, fé, paciência, aumento de obras Tolera Jezabel Porá Jezabel numa cama, ferirá de morte aos seus filhos Dará poder sobre as nações e a estrela da manhã
Notamos que apenas Esmirna não tem algo de mau listado." RN

04/10/07 Quinta-feira: Prós e contras 2
Apocalipse 3:1-22
Faça uma tabela com o nome das igrejas, o que Jesus aponta como bom nelas, o que Jesus aponta como mau, o que Jesus avisa que vai ocorrer e o que ele promete ao que vencer.

"Neste capítulo temos 3 igrejas:
Igreja Bom Mau Aviso Promessa
Sardes Algumas pessoas não contaminaram as suas vestes Tem nome que vive, mas está morto Lembra-te do que tens recebido e ouvido e guarda-o e arrependa-te. Senão, virei sobre ti como um ladrão Será vestido de vestes brancas e não terá seu nome riscado do livro da vida, mas seu nome será confessado por Jesus diante de Deus e dos anjos
Filadélfia Obras, guardou a palavra apesar da pouca força; guardou a palavra da paciência Guardar o que tem para que ninguém tome a coroa Fará coluna do templo de Deus e dele nunca sairá; terá o nome de Deus, o nome da cidade de Deus e o novo nome de Jesus escritos sobre si
Laodicéia É morno, desgraçado, miserável, pobre, cego e nu Comprar ouro, vestes brancas e colírio Concessão de se assentar com Jesus no seu trono
Notamos que Laodicéia não tem nada de bom listado, mas Filadélfia só tem coisas boas, e nada de mau." RN

05/10/07 Sexta-feira: Coroas aos pés de Deus
Apocalipse 4:1-11
João viu vinte quatro anciãos que estavam assentados sobre tronos ao redor do trono de Deus. Esses anciãos, cada vez que os quatro animais adoravam, se prostravam e lançavam suas coroas aos pés de Deus. Procure interpretar essa ação repetida dos anciãos.

"Os vinte e quatro anciãos bem podem representar a somatória do governo do Antigo Testamento (12 patriarcas, chefes das 12 tribos de Israel) com o governo do Novo Testamento (12 apóstolos). Sendo isso ou não, o fato é que as coroas e os tronos, que significavam autoridade e poder, estavam de sua posse porque Deus assim o quisera. E eles reconheciam isso, colocando tudo novamente diante de Deus através do ato de se levantarem do trono, se prostrarem diante de Deus e lançarem suas coroas aos pés de Deus. Mas vemos que o ato se repetia vez após vez, o que significa que também Deus tornava a exaltá-los, coroando-os e tornando a colocá-los nos tronos. Isso nos ensina claramente a reconhecermos que tudo o que temos e somos de bom vem de Deus, e a colocar todos os nossos dons e talentos diante do criador para a sua glória. Sabemos que, se nos humilharmos diante dele, ele nos exaltará mais e mais." RN

06/10/07 Sábado: O livro e o cordeiro
Apocalipse 5:1-14
João viu um livro selado com sete selos e que não podia ser aberto nem lido por ninguém, pois não se achava ninguém digno para isso. Então chega o único apto para a tarefa: Jesus. Todos os habitantes do céu então o adoram. Interprete esta passagem.

"Uma obra havia para ser feita que exigia extrema dignidade. Esta obra estava representada no livro que João viu. Ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra podia abrir o livro e nem mesmo olhar para ele. Isto significa que não havia qualquer criatura em todo o universo que podia sequer pensar em fazer a obra que precisava ser feita. Chega então Jesus, o único capaz para a tarefa. E Jesus então é adorado por todo os habitantes do céu. Entendemos então qual era a obra que o livro propunha: a salvação da humanidade e o juízo sobre o inimigo." RN

07/10/07 Domingo: Mártires
Apocalipse 6:1-17
João viu as almas dos mártires debaixo do altar de Deus. Embora esses mártires estivessem clamando por justiça, foi-lhes dito que repousassem um pouco ainda até que se completasse o número dos que haviam de ser mortos como eles foram. O que entendemos com isso?

"Entendemos que existe um propósito até na morte dos santos do Altíssimo. Nada é por acaso e tudo cumpre um desígnio específico de Deus. Os mártires, em particular, serão um grupo que glorificará o Senhor de maneira especial por toda a eternidade. Eles não amaram suas vidas até a morte e provaram e comprovaram que é melhor servir a Deus do que ao diabo ou a si mesmo. Vemos também que a este grupo pertence um número determinado de pessoas. E sabemos que até mesmo nos dias de hoje há pessoas dando a vida por causa do Evangelho, ainda hoje há pessoas tendo seus nomes inscritos neste grupo de elite." RN

voltar ao topo

08/10/07 Segunda-feira: Legislação
Deuteronômio 24:1-22
O capítulo traz uma série de mandamentos que, como uma legistação, busca estabelecer um determinado modo de conduta. O que o "legislador" buscava quando escreveu essa série de leis? Qual o sentimento que ele queria que houvesse no povo?

"Lendo a série de mandamentos, fica claro que o ´legislador´ queria que o povo não fosse avarento e mesquinho, mas largo e dadivoso. Isso fica explícito no caso do penhor, em que o que toma o penhor (ainda que seja seu direito tomar penhor), se preocupa com as conseqüências da falta daquele bem ao que está tomando o empréstimo. Dessa maneira, as pedras de moinho e a roupa do pobre não podem ser penhoradas. O cuidado com as viúvas, com os pobres e com os estrangeiros também está patente no caso das colheitas dos campos, das oliveiras e das vinhas. Não se devia voltar e tirar o fruto que eventualmente tivesse ficado: Esse fruto deveria ser assim deixado para que os pobres, as viúvas e os estrangeiros (que geralmente, por estarem fora de sua terra, passavam dificuldades). O mesmo deveria ocorrer com o molho de grãos que fosse esquecido no campo. Não se deveria voltar para pegá-lo, mas deveria ser deixado para essas mesmas pessoas. No mesmo espírito, não se deveria atrasar o pagamento de um diarista, pois ele dependia disso. As leis desse capítulo, portanto, exalam bondade e preocupação com os menos afortunados. Esse é o sentimento que o ´legislador´ desejava que houvesse no povo." RN

voltar ao topo

09/10/07 Terça-feira: Penas
Deuteronômio 25:1-19
Ao mesmo tempo em que a "legislação" desejava coisas boas entre o povo, os castigos impostos à transgressão não admitiam alternativas: deviam ser aplicados da forma prescrita. O que podemos entender com isso?

"Embora a lei mosaica desejasse realmente um alto padrão moral, uma coisa ela não tinha: misericórdia. Não havia nenhum dispositivo para o perdão puro e simples. Isso se entende facilmente porque a Bíblia diz que ´a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo´. Até a vinda de Jesus, ou melhor, até a sua morte e ressurreição, não havia como simplesmente ´varrer a conseqüência do pecado para baixo do tapete´. Era preciso que cada alma que pecasse recebesse a conseqüência do seu ato. Assim, se alguém era digno de açoites, seria açoitado até o limite de 40 açoites. Havia um limite, mas não havia o perdão. Se uma mulher pegasse nos genitais de outro homem, ainda que para livrar seu marido de um agressor, essa mulher teria a mão cortada. Não havia nenhum dispositivo de avaliação se o fato fora acidental ou proposital. A lei era aplicada de forma uniforme. Mas uma coisa devemos reconhecer: a misericórdia mostrada por Jesus é ainda mais ressaltada diante da dureza da lei. A lei dá o pago. Jesus dá o perdão, que vence o juízo da lei." RN

10/10/07 Quarta-feira: Passado, presente e futuro
Deuteronômio 26:1-19
A cerimônia da entrega dos dízimos contemplava o passado, o presente e o futuro em sua realização. Que compromissos trazia essa cerimônia para o ofertante, em cada um desses tempos?

"Quanto ao passado, o ofertante lembrava de que seus antepassados haviam quase perecido de fome, mas que Deus os havia livrado, encaminhado e abençoado, trazendo-os para a terra prometida. Portanto, quanto ao passado, havia o reconhecimento de que toda a bênção de hoje era fruto da ação de Deus na vida dos seus antepassados. Quanto ao presente, o ofertante deveria reconhecer que Deus era o seu provedor, que toda a colheita e bênção vinham por misercórdia do Altíssimo. Isso ele devia fazer não apenas com a boca, mas com os atos, levando um cesto dos primeiros frutos da terra diante de Deus e dando os dízimos. Parte dos dízimos era ofertada aos levitas, parte aos estrangeiros, parte aos órfãos e parte às viúvas, para que se fartassem. E, finalmente, quanto ao futuro, o ofertante reconhecia que Deus era o seu Deus, e prometia obedecê-lo sempre." RN

11/10/07 Quinta-feira: Dois montes
Deuteronômio 27:1-26
Após passarem o Jordão para a terra prometida, os israelitas deveriam ir aos montes Ebal e Gerizim, para terem claramente diante de si os dois caminhos: obediência/bênção (Gerizim) ou desobediência/maldição (Ebal). Por que a ordem foi construir o altar no monte Ebal e não no monte Gerizim?

"Porque este era o altar da lei, o altar do Velho Testamento. A lei aponta o erro e o pune, manifesta o que deve ser aprovado e o que deve ser rejeitado e atua sobre a desobediência, castigando-a. A lei não tem como agir benignamente com o homem errado, com o homem pecador. Ela abençoa a obediência e pune justamente a desobediência. Portanto, entre os dois montes, entre Ebal e Gerizim, era justo que ficasse o altar da lei no monte Ebal." RN

12/10/07 Sexta-feira: Maldição x Bênção
Deuteronômio 28:1-68
O capítulo traz uma lista de bênçãos pela obediência e uma lista de maldições pela desobediência. Mas são 10 versículos de bênção contra 52 versículos de maldição. Como se explica isso?

"Simples: A lei não foi feita para abençoar o obediente, mas para castigar, para amaldiçoar o desobediente. E, sendo assim, não poderia ser uma proporção diferente. Lendo a lista de maldições, temos uma visão clara do inferno na terra, e da eficácia da lei em atingir seu objetivo de maldizer. Nada do que o desobediente faz prospera, nada dá certo, nada vai para frente. Tudo se volta contra ele e somente o sofrimento, a angústia, a lágrima, o sangue e o desamparo prevalecem. É realmente impressionante a capacidade de maldição da lei." RN

13/10/07 Sábado: Entendimento e revelação
Deuteronômio 29:1-29
Este capítulo traz a renovação do pacto de Deus com Israel. Mas os versículos 4 e 29 falam sobre a limitação de entendimento do povo e a revelação parcial das coisas ocultas. Como podia o povo obedecer sem entender ou compreender 100% de tudo o que lhe era exigido?

"Realmente, o versículo 4 reconhece que Deus não havia dado ao povo - até aquele momento - um entendimento claro das coisas, e o versículo 29 nitidamente dá a entender que havia muitas coisas encobertas. Como o povo poderia obedecer sem entender 100%? Somente de uma forma: crendo. A fé seria a única forma de alguém obedecer a lei. E, mesmo hoje, na época da graça, ninguém pode ser salvo pela compreensão de 100% de Deus. Na verdade, ninguém conhece a Deus 100%. Mas nós, naquilo que já compreendemos dele, temos condição de crer nele e de confiar nele. É com um entendimento mínimo suficiente para a fé que a salvação se opera. No caso da graça (época em que nós estamos vivendo hoje), basta o conhecimento de que Deus nos ama e que enviou Jesus para morrer pelos nossos pecados. Quem compreende apenas isso pode atingir a fé que dá a salvação. Não é preciso fazer um curso de teologia, estudar todas as religiões do mundo de maneira comparada, fazer profundas meditações filosóficas e metafísicas. Basta crer no amor de Deus manifestado em Jesus. Para o tempo da lei (assunto do capítulo 29 de Deuteronômio), era apenas necessário compreender o poder de Deus e crer nele, para temê-lo todos os dias. A obediência do Velho Testamento estava baseada nessa fé que inspirava o temor, que por sua vez levava à obediência. Por isso, não era preciso mais do que eles já haviam recebido. Afinal, eles viram maravilhas tremendas no Egito e no deserto por anos seguidos. E o versículo 29 ainda traz uma conclusão importante: ´as coisas reveladas são para nós... para cumprirmos todas as palavras desta lei.´ Ninguém podia, portanto, se escusar: Havia coisas reveladas em quantidade suficiente para que todos pudessem temer a Deus e obedecer a lei." RN

14/10/07 Domingo: A escolha
Deuteronômio 30:1-20
Deus deixa claro que a lei não era algo desconhecido, mas algo bem conhecido para que pudesse ser cumprida. E ordena: ´Coloco hoje diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolham a vida!´ O que devia o israelita fazer para ´escolher a vida´, na prática?

"O israelita deveria, como diz o versículo 20, amar ao Senhor seu Deus, dar ouvidos à sua voz e se achegar a ele. A tentativa do cumprimento da lei sem essa proximidade com Deus estaria fadada ao fracasso. E foi isso o que acabou acontecendo com o povo de Israel. Eles deixaram que os seus corações se enchessem dos desejos do mundo enquanto tentavam cumprir os mandamentos de Deus. O resultado? Faziam o que Deus queria com cada vez mais má-vontade, até o ponto de não só desobedecerem, mas torcerem o mandamento de Deus e usarem esses mandamentos para fazerem ainda mais opressão. Se o nosso coração não está amando a Deus, não poderemos de forma alguma fazer o que ele quer." RN

voltar ao topo

15/10/07 Segunda-feira: Quem vai ao céu
Apocalipse 7:1-17
Alguma doutrinas ensinam que somente 144 mil pessoas estarão no céu e que todos os demais seres humanos ficarão na terra para sempre. Neste capítulo lido, quem está no céu e quem está na terra? O que pensar desse ensino, então?

"O texto diz claramente que 144 mil pessoas foram assinaladas sobre a terra. Este número aponta para para o total do povo de Deus sobre a terra (12 é o número das tribos de Israel, e é o número dos apóstolos, enquanto que 1000 é um número que aponta para a totalidade). E também fala que a multidão inumerável de pessoas estava diante do trono de Deus, ou seja, no céu. Portanto, o ensino de que somente 144 mil pessoas vão poder entrar no céu não é bíblico." RN

16/10/07 Terça-feira: Orações no incensário
Apocalipse 8:1-13
Quando as orações dos santos foram colocadas no incensário, elas foram misturadas com outros elementos. Que elementos eram esses e o que ocorreu?

"Em primeiro lugar, foi colocado muito incenso junto com as orações. A fumaça do incenso subiu e levou as orações até diante de Deus. Podemos entender que é a graça e a misericórdia divinas que são misturadas com as nossas orações e que as fazem chegar diante do altar do Senhor. Sem a graça de Deus, nada do que pedíssemos poderia ser atendido, pois nunca chegaria diante do Altíssimo. Depois, fogo do altar é misturado às orações no incensário e esse fogo é lançado sobre a terra. Então podemos ver que o fogo aí descrito é a ira, o juízo de Deus, que atua em favor do clamor do seu povo." RN

17/10/07 Quarta-feira: Sem arrependimento
Apocalipse 9:1-21
Após duas pragas terríveis, que são consideradas como "ais", os homens "não se arrependeram" (v.20-21). Como pode ser isso, que as pessoas sofram como conseqüência de seus pecados e não se arrependam?

"As pragas mencionadas na quinta e sexta trombeta eram realmente muito terríveis. A primeira trazia gafanhotos que feriam os homens com feridas tão dolorosas que os homens desejavam morrer (mas a morte fugia deles). E a segunda praga trazia justamente a morte de um terço dos homens. Mas a obstinação do coração humano às vezes é surpreendente. Mesmo diante de grande sofrimento e juízo, os homens nem sempre mudam de atitude. Aqui, ao invés de se arrependerem de seus atos pecaminosos de idolatria, homicídios, feitiçarias, furtos e prostituições, preferem permanecer no pecado. A escolha pelo arrependimento é do coração humano. Deus não mudará o coração humano pela força jamais." RN

18/10/07 Quinta-feira: O livrinho
Apocalipse 10:1-11
João recebeu um livrinho das mãos de um anjo forte e a ordem para comê-lo. Obediente, João come o livrinho e vê que ele é doce ao paladar, mas que sua digestão é amarga. O que é o livrinho? O que significa que ele é doce ao paladar mas amargo à digestão?

"O livrinho era uma incumbência de Deus a João, uma revelação do que ele deveria dizer e fazer. Que o livrinho é doce ao paladar significa que o conhecimento e anúncio das coisas de Deus traz grande satisfação e alegria àquele que o recebe. Mas que a digestão é amarga, significa que a realização das coisas que Deus mandou fazer trazem algum tipo de dificuldade e sofrimento. Devemos lembrar que estamos em uma guerra, e que obedecer a Deus é se colocar em guerra contra o diabo e seus anjos e receber contraposição de grande parte dos homens." RN

19/10/07 Sexta-feira: Festa
Apocalipse 11:1-19
Quando as duas testemunhas são mortas, os homens da terra ficam muito contentes e iniciam uma grande festa. Por que eles festejam? O que interrompe a festa deles?

"Os homens festejam porque as duas testemunhas estavam causando muitos problemas a eles, pois proclamavam a vontade de Deus, condenando o pecado. Quando morreram, os homens maus e pecadores respiraram aliviados e começaram a mandar presentes uns para os outros. Além disso, não permitiam que os corpos das duas testemunhas fossem enterrados, mas os mantinham na praça da cidade como um troféu de guerra. Porém, a festa deles foi interrompida pela ressurreição das duas testemunhas. Ao verem esse milagre, ficaram cheios de temor. Ficaram com medo, mas não se arrependeram. É possível, como Nabucodonozor, dar glória a Deus sem se converter." RN

20/10/07 Sábado: Dragão
Apocalipse 12:1-18
O versículo 9 diz que o grande dragão era a antiga serpente, que se chama o Diabo e Satanás. Como a serpente do Éden veio a se tornar o grande dragão do Apocalipse?

"O inimigo das nossas almas se fortaleceu ao longo do tempo. E o que foi que o fortaleceu? Podemos pensar que foram os pecados cometidos ao longo de todo o período histórico entre o Éden e o Apocalipse. Quando os homens pecam, dão lugar ao diabo, rendem louvores a ele, afirmam que concordam com seus pensamentos e idéias e acabam por fortalecê-lo. Entretanto, nem o diabo como grande dragão e todos os demônios e homens pecadores juntos poderão se suster diante de Jesus, a quem foi dado todo o poder no céu e na terra. O diabo se fortaleceu pela desobediência dos homens a Deus. Jesus se fortaleceu pela sua obediência a Deus até a morte. Jesus venceu." RN

21/10/07 Domingo: A besta do mar
Apocalipse 13:1-18
João viu uma besta que subia do mar e que tinha características de leopardo, urso e leão. Lendo Daniel 7 podemos ver o forte paralelo entre as duas passagens. A besta que João viu incorporava todos os quatro animais de Daniel, que são identificados como governos que se levantariam sobre a terra. Se leão = Babilônia, urso = Medo-Pérsia, Leopardo = Grécia e dragão = Roma, porque o dragão que João viu tinha características de todos os outros animais?

"Podemos dizer que cada reino que vencia o anterior e que governava em seu lugar, acabava por incorporar características do reino vencido. Assim, quando o urso (Medo-Pérsia) derrotou o leão (Babilônia) e o devorou, acabou incorporando características de leão. Quando o leopardo derrotou o urso e o devorou, acabou por incorporar características de leão e urso. E quando o dragão derrotou o leopardo e o devorou, acabou por incorporar características de leão, urso e leopardo. Daniel viu os animais individuais, porque ele profetizou 600 anos antes de Cristo, e esses governos ainda não haviam se levantado sobre a terra. João, ao contrário, já vê os mesmos animais depois que o dragão já os havia incorporado. São dois pontos de vista diferentes com relação ao ponto da história em que eles observam os fatos." RN

voltar ao topo

22/10/07 Segunda-feira: O Cântico
Deuteronômio 31:1-30
Deus já sabia, mesmo antes de colocar o povo de Israel na terra prometida, que o povo acabaria por abandoná-lo e servir deuses falsos. Deus então manda Moisés ensinar um cântico ao povo, como testemunho disso. Por que Deus preferiu um cântico do que tábuas de pedra lavradas ou outra forma de registro?

"Deus tinha em mente o fato de que um cântico pode ser lembrado muito mais facilmente do que frases escritas não musicadas. E isso está bem patente no versículo 21, quando Deus diz: ´este cântico responderá contra ele por testemunha, pois não será esquecido da boca de sua semente´. Deus sabia do poder da música e afirmou que os filhos, os netos, os bisnetos, enfim, a descendência, não esqueceria do cântico e que, por isso, o cântico mesmo testemunharia dos maus atos do povo. Além disso, um cântico estaria disperso entre o povo, o que era muito diferente de uma lei escrita em alguma coisa que poderia ser escondida ou não mostrada." RN

23/10/07 Terça-feira: Aos diabos
Deuteronômio 32:1-52
No cântico de testemunho, Deus afirma que o povo de Israel, ao oferecer sacrifícios a deuses estranhos, estavam na realidade oferecendo sacrifícios aos diabos (veja o versículo 17). Que correlação podemos fazer para os dias de hoje?

"A Bíblia é muito clara: Só existe um Deus (Deuteronômio 6:4). Portanto, qualquer oferta a qualquer outro ´deus´ estará sendo feita aos diabos, pois o diabo sempre quis tomar a glória de Deus para si (veja Isaías 14:14). Assim, se olharmos hoje em dia, poderemos ver quantos ´deuses´ há roubando a glória do Deus verdadeiro. Estátuas e filosofias várias e para todos os gostos. Por trás de cada uma dessas estátuas, entidades e filosofias, podemos encontrar certamente um agente do inferno, um diabo." RN

24/10/07 Quarta-feira: Bênção grande
Deuteronômio 33:1-29
Em um capítulo que trata de bênçãos, não passa despercebido o fato de que a bênção de José (5 versículos) e a bênção de Levi (4 versículos) são bem maiores que as bênçãos das demais tribos. Por que isso?

"Podemos ver que a participação desses dois patriarcas foi bem maior do que as participações dos demais. José foi aquele que foi rejeitado por seus irmãos e foi vendido como escravo para o Egito. Como fruto disso, acabou salvando toda a família. Levi foi escolhido para servir no altar, carregando as coisas de Deus e não tendo direito a herança no meio da terra. Portanto, pelo serviço que prestaram, receberam mais." RN

25/10/07 Quinta-feira: Moisés
Deuteronômio 34:1-12
Moisés morre no monte Nebo. Leia o capítulo com cuidado e liste fatos da vida de Moisés mencionados nesse texto que lhe chamam a atenção.

"Moisés desejava muito ver a terra prometida. Na verdade, ele queria entrar nela. Deus proíbe sua entrada terminantemente, mas permite ao seu servo que veja a terra amada antes de morrer. O sepultamento de Moisés não foi feito por homens, mas pelo próprio Deus. Moisés viveu 120 anos mas, mesmo em idade tão avançada, não tinha problemas de vista e nem fraqueza por senilidade (velhice). Creio que ocorreu com ele o mesmo milagre que aconteceu com Josué e Calebe, e com as roupas e sapatos dos israelitas durante a travessia do deserto: preservação total contra a ação do tempo. Moisés foi chamado de ´o servo do Senhor , e nunca mais apareceu nenhum profeta como ele em todo o Antigo Testamento." RN

26/10/07 Sexta-feira: Esforço e ânimo
Josué 1:1-18
Deus, falando com Josué, faz três vezes a exortação: ´Esforça-te e tem bom ânimo´. Se compararmos a nossa vida com a de Josué, o que podemos aprender com essa frase?

"Assim como Josué tinha uma guerra para lutar, também nós estamos em guerra. Guerra espiritual contra o diabo e seus demônios, guerra contra o desejo da nossa própria carne e guerra contra o sistema injusto do mundo. Isso tudo se traduz em dificuldades no trabalho, na escola, na rua, na vida. Sofremos para vivermos uma vida santa e exemplar. E Deus falou três vezes com Josué se esforçar e ter bom ânimo, apontando para:
1) uma garantia do futuro pela revelação: ´Tu farás a este povo herdar a terra´;
2) o segredo da vitória: a lei de Deus e
3) a garantia da presença de Deus em todo o tempo: ´o Senhor Deus é contigo por onde quer que andares´.
Portanto, também nós podemos nos esforçar e ter bom ânimo se nos apoiarmos nisso:
1) temos a promessa de Deus e já sabemos que somos mais do que vencedores
2) a Bíblia é o nosso pão, que nos alimenta e fortalece
3) Jesus estará conosco até a consumação dos séculos." RN

27/10/07 Sábado: Dentro de casa
Josué 2:1-24
Ao prometerem vida a Raabe e a toda a sua família, os dois espias israelitas deixaram bem claro: ´Aquele que sair fora da porta da casa, o seu sangue será sobre a sua cabeça´. Que isso significa para nós e para nossos filhos?

"Todos os que estamos guardados debaixo da autoridade de Jesus estamos salvos. Mas, se alguém sair fora da autoridade de Jesus, acabará por ficar desprotegido e fora da salvação. Portanto, que todos estejamos sujeitos à autoridade de Cristo!" RN

28/10/07 Domingo: Jordão seco
Josué 3:1-17
A travessia do Jordão lembrou em muito a travessia do Mar Vermelho. Mais uma vez houve uma separação de águas e o povo passou em seco. Quais os propósitos desse milagre?

"São três os propósitos desse milagre da travessia do Jordão:
1) Permitir que todo o povo e o gado passasse para o outro lado do rio, sem a construção de uma ponte ou do uso de barcos.
2) Confirmar a autoridade de Josué diante de todo o povo, pois pela sua palavra um milagre notório foi feito.
3) Permitir que o povo que havia saído do Egito ainda muito novo ou que tinha nascido no deserto tivesse uma experiência de milagre renovada antes da tomada da terra prometida." RN

voltar ao topo

29/10/07 Segunda-feira: Duas ceifas
Apocalipse 14:1-20
No trecho dos versículos 14 a 20, podemos ver 2 ceifas diferentes. O que representam essas ceifas?

"A primeira ceifa foi feita por um ser semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro. Essa ceifa visava a seara da terra, ou seja, os frutos da terra. Não é difícil de interpretar que esse ser semelhante ao Filho do homem com uma coroa de ouro é Jesus, e que a seara da terra são os salvos. Portanto, essa ceifa representa o arrebatamento da igreja. A segunda ceifa, entretanto, foi feita por um anjo e foi lançada no lagar da ira de Deus. E esse lagar foi pisado fora da cidade e saiu muito sangue. Vemos aqui que essa ceifa representa o juízo de Deus sobre todos os rebeldes. Eles serão congregados e lançados no lago de fogo." RN

30/10/07 Terça-feira: Cântico
Apocalipse 15:1-8
João teve a visão dos santos que haviam vencido a besta e que estavam diante de Deus, cantando o cântico de Moisés e do Cordeiro. O que esse cântico fala a respeito de Deus?

"Esse cântico diz:
- Que as obras de Deus são grandes e maravilhosas
- Que Deus é Todo-poderoso
- Que os caminhos de Deus são justos e verdadeiros
- Que o Senhor deve ser temido
- Que o nome do Senhor deve ser magnificado
- Que só Deus é santo
- Que os juízos de Deus são claramente perceptíveis
Reconhecendo essas coisas, o cântico exalta o rei dos reis" RN

31/10/07 Quarta-feira: Dor sem arrependimento
Apocalipse 16:1-21
À medida em que a ira de Deus ia sendo derramada sobre a terra na forma de pragas, os homens iam sofrendo cada vez mais. Em determinada hora, o texto afirma que os homens ´mordiam as suas línguas de dor´. Mas, ao mesmo tempo, não se arrependeram, mas blasfemaram de Deus. Como pode ser isso?

"O sofrimento sozinho nunca levou ninguém ao arrependimento e ao conhecimento de Deus. Somente a aceitação do amor de Deus pode levar o coração humano a essas bênçãos. Entretanto, essas pessoas tiveram muita oportunidade para receberem o amor de Deus e se arrependerem. Optaram, todavia, por amar mais o pecado (´não se arrependeram das suas obras´ - v. 11). Agora, que a ira de Deus estava sendo derramada em toda a sua intensidade, não podiam mudar de atitude, pois assumiram a posição do diabo, ou seja, não apenas não amavam a Deus, mas chegavam a odiá-lo. Dessa forma, o castigo somente fazia ainda mais manifesto o que havia dentro deles: rebelião." RN

01/11/07 Quinta-feira: A grande prostituta
Apocalipse 17:1-18
A visão de uma mulher assentada sobre uma besta com sete cabeças e dez chifres deixa João atônito. De acordo com a explicação do texto, o que podemos dizer dessa mulher?

"Essa mulher, o texto diz no v. 18, é a grande cidade que reina sobre os reis da terra, ou seja é a grande Babilônia (veja o v. 5). Ela é chamada de mãe das prostituições e abominações da terra. Representa o sistema mundial que rejeita Deus e ama o pecado. É o governo do mundo, tanto do ponto de vista financeiro, como administrativo, educacional, religioso e moral. Tudo o que o sistema mundial deseja é a satisfação dos desejos carnais. Vemos isso com maior intensidade a cada dia em toda a sociedade. O mundo corre atrás do dinheiro de maneira perversa, desprezando o amor e a misericórdia. O mundo idolatra o dinheiro. Os governos colocam o homem em primeiro plano, desprezando a vontade de Deus. Se orgulham em se dizer ´laicos´. A escola despeja todo o tipo de ´informação´ que procura afastar o homem de Deus. As religiões se conformam com o mundo, quando não incentivam abertamente a ganância e a crueldade em nome de Deus. E a moral do mundo diz assim: ´Não existe pecado, desde que dois concordem. Tudo é lícito.´ Essa mulher assentada sobre a besta estava embriagada com o sangue dos santos de Deus porque os perseguiu e matou. Mas ela mesma é quem vai ser destruída." RN

02/11/07 Sexta-feira: Lamento
Apocalipse 18:1-24
A grande Babilônia cai e todos os mercadores e reis da terra se lamentam muito. Por que tal lamento?

"Porque eles se enriqueceram com o comércio das mercadorias de Babilônia e compreenderam que todas essas riquezas foram subitamente assoladas. Além disso, eles mesmos eles viveram nas delícias e prostituição de Babilônia e compreendiam que esse tempo havia terminado. Entretanto, ficaram lamentando de longe porque estavam cheios de temor pelo tamanho do juízo que estava sendo derramado sobre a grande cidade." RN

03/11/07 Sábado: Guerra
Apocalipse 19:1-21
A partir do versículo 11, podemos ler a respeito da vinda gloriosa de Jesus para pelejar contra os dominadores deste mundo. O que aconteceu como resultado dessa guerra, de acordo com esse capítulo?

"A besta e os reis da terra, juntamente com os seus exércitos, haviam se reunido para lutarem contra Jesus. A besta e o falso profeta foram presos e lançados vivos no lago de fogo e enxofre. Os demais, ou seja, os reis da terra e todos os exércitos,foram mortos com a espada que saída da boca de Jesus, ou seja, pela sua palavra de juízo. Podemos ver que a palavra de Jesus tem autoridade para dar a vida e para tirá-la." RN

04/11/07 Domingo: Duas ressurreições
Apocalipse 20:1-15
O texto fala em duas ressurreições. Leia o texto com cuidado e fale sobre essas duas ressurreições, que são tão diferentes.

"A primeira ressurreição ocorre após a prisão de satanás, logo antes do milênio, ou seja, antes do reinado de Jesus sobre esta terra. São participantes dessa ressurreição os que foram degolados pelo testemunho de Jesus e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e que não receberam o sinal em suas testas e nem em suas mãos, ou seja, os crentes de todas as eras. Sobre essas pessoas a segunda morte não tem poder, ou seja, elas já estão gozando a vida eterna. Os ressurretos governam com Jesus sobre a terra, sendo reis e sacerdotes de Deus e de Cristo. Durante este período, satanás estará preso e ainda haverá pessoas sobre a terra que não são parte da noiva. Ao fim dos mil anos, satanás será solto novamente e irá enganar as pessoas que não são parte da igreja. Levará então os homens outra vez a se juntarem em batalha contra Jesus. Satanás será preso e lançado no lago de fogo. Os homens que cercarem o arraial dos santos serão devorados por um fogo que descerá do céu. Então se estabelecerá um grande trono branco de juízo. E é aí que ocorrerá a segunda ressurreição. Todos os outros mortos, ou seja, todos aqueles que não receberam o amor de Deus manifestado em Jesus, serão então ressuscitados e julgados pelas suas obras. Como sabemos que ninguém pode ser livre de condenação por suas obras, porque não há ninguém que não peque, todos os participantes da segunda ressurreição serão condenados, embora uns com muitos açoites e outros com poucos açoites." RN

voltar ao topo

05/11/07 Segunda-feira: Doze pedras
Josué 4:1-24
Deus mandou tomar doze pedras do leito do Jordão, bem no lugar onde os sacerdotes ficaram parados. Essas doze pedras, cada uma tomada por um homem de uma das doze tribos de Israel foram depois levantadas em coluna em Gilgal. Qual o propósito dessas pedras? E quanto a nós, o que temos de fazer?

"O propósito era manifestar aos descendentes do povo, que não teriam visto a travessia do rio Jordão, o grande poder de Deus. A instrução foi claramente detalhada nos versículo 21-24: ´E falou aos filhos de Israel, dizendo: Quando no futuro vossos filhos perguntarem a seus pais, dizendo: Que significam estas pedras? Fareis saber a vossos filhos, dizendo: Israel passou em seco este Jordão. Porque o SENHOR vosso Deus fez secar as águas do Jordão diante de vós, até que passásseis, como o SENHOR vosso Deus fez ao Mar Vermelho que fez secar perante nós, até que passássemos. Para que todos os povos da terra conheçam a mão do SENHOR, que é forte, para que temais ao SENHOR vosso Deus todos os dias.´ Fica patente que Deus deseja que manifestemos o seu poder e as suas maravilhas aos nossos filhos e às demais pessoas conhecidas nossas. Essa responsabilidade não pode ser nunca esquecida. Se nós nos calarmos, como eles ficarão sabendo de tudo o que Deus já fez? Portanto, devemos ter o cuidado de ensinar nossos filhos nos caminhos do Senhor e de evangelizar nossos parentes e conhecidos." RN

06/11/07 Terça-feira: Cessa o maná
Josué 5:1-15
Durante 40 anos o povo comeu o maná em todas as suas refeições. Diariamente ele foi dado. Porém, depois de entrarem na terra prometida, de plantarem e colherem, o maná cessa logo após a primeira vez que comem do fruto da terra. Que aprendemos com isso?

"Em primeiro lugar, aprendemos que Deus cuida de nós em todas as nossas necessidades. Enquanto o povo precisou de um alimento miraculoso, pois não havia como plantar e colher no deserto, o maná foi dado diariamente (somente no sábado não vinha, mas o povo tinha permissão para tomar em dobro às 6ª feiras sem que o maná se estragasse de um dia para o outro, como normalmente acontecia). Quando o povo come do fruto da terra, ou seja, quando eles já não precisam do maná, o mesmo termina. Mas, em segundo lugar, aprendemos que Deus não fará aquilo que devemos fazer. Se é plantar, colher e cozinhar a nossa tarefa, e se já há formas de fazer isso, não descerá maná algum. Deus não é preguiçoso e não quer que nenhum de nós seja preguiçoso. Portanto, creiamos e trabalhemos com afinco, seja na área de trabalho, de relacionamento ou da obra do Senhor. Façamos o que Deus espera de nós: estudemos, trabalhemos com esmero, cuidemos de nossas palavras e atos diante de nossos familiares e amigos e evangelizemos." RN

07/11/07 Quarta-feira: Silêncio
Josué 6:1-27
Durante o cerco de Jericó, os guerreiros tinham ordem de não falarem nada enquanto circundavam a cidade. Nenhuma palavra poderia sair de suas bocas. Somente ao sétimo dia poderiam eles emitir algum som, dessa vez gritando com todas as suas forças? Que podemos aprender com isso?

"Sabemos que cada um de nós tem as suas próprias idéias e que, se formos pedir a opinião de 10 pessoas, teremos 10 opiniões diferentes sobre o mesmo assunto. Mas geralmente as opiniões negativas, assim como as más notícias, têm mais facilidade de se espalhar. Se os israelitas ficassem comentando sobre o tamanho da muralha, se ficassem falando em como os homens de Jericó estavam preparados para a guerra, acabariam por desanimar e talvez até desistir da empreitada. Portanto, a ordem era para que ninguém falasse nada e somente as buzinas dos sacerdotes fossem ouvidas. Eles caminhavam, não abriam a boca e ouviam o sonido constante das buzinas de Deus. De deve ser assim conosco também. Quando temos uma batalha para lutar, devemos deixar de lado nossas palavras e pensar na Palavra de Deus. Precisamos evitar que satanás encontre brechas em murmurações, lamúrias, frases derrotistas, palavras de ira, etc. Assim, o melhor é calar a nossa própria opinião (carnal, errada) e meditar e falar a Palavra de Deus." RN

08/11/07 Quinta-feira: Maldição
Josué 7:1-26
Depois de uma vitória espetacular sobre a cidade de Jericó, o povo perde uma batalha aparentemente fácil com Ai. Mas Deus diz a razão no verso 12: os israelitas estavam amaldiçoados. Explique o que isso significa.

"Os israelitas haviam recebido ordens de não tocar em nada do despojo de Jericó. Mas Acã não resistiu e tomou uma capa babilônica, 2,4 kg de prata e 600 g de ouro. Ao desobedecer as claras instruções de Deus, Acã não apenas contaminou a si mesmo, mas acabou prejudicando todo o povo. Ele, por ser parte do povo, era a brecha que satanás estava usando para impedir que a proteção de Deus pudesse estar sobre Israel. Portanto, podemos dizer que a maldição era a legalidade dada através do pecado ao diabo para ele agir. Vemos também que os nossos atos acabam afetando todos os que estão à nossa volta. O pecado de um homem afetou todo o exército e toda a sua família. O mesmo acontece ainda hoje: Se um homem se embriaga, toda a sua família acabará sofrendo as conseqüências." RN

09/11/07 Sexta-feira: Leitura da lei
Josué 8:1-35
Após vencerem a batalha com Ai, Josué edifica um altar ao Senhor no monte Ebal, coloca ali uma cópia da lei de Moisés escrita em pedras e a lê totalmente diante de todo o povo. Qual a importância da leitura da lei para eles? E para nós?

"Deus mandou que suas palavras fossem escritas, para que todos nós, nossos filhos e todos os nossos descendentes, pudéssemos conhecer a sua vontade. Quando as palavras não são escritas, podem ser de alguma forma mudadas ao longo do tempo. Porém, quando são registradas, então são preservadas. No caso dos israelitas, precisamos compreender que eles não tinham acesso a livros (que eram escritos manualmente em rolos pelos escribas), e que a maioria deles não sabia ler. Eles podiam ir interpretando de maneira errada ao longo do tempo o que Deus desejava. Por isso era importante que a lei fosse lida a todos do povo de vez em quando. Essa era a garantia da lembrança de tudo o que Deus já havia dito, de tudo o que havia acontecido. Podemos imaginar que eles iam para suas tendas comentando sobre o que haviam ouvido, de como agora entendiam melhor o que pensavam compreender totalmente antes. E os mais fiéis guardavam o que ouviram em seus corações para praticarem e para estimularem outros à fidelidade. Quanto a nós, temos hoje a Bíblia facilmente disponível. Praticamente todos hoje sabem ler, embora ainda tenhamos analfabetismo e analfabetismo funcional (a pessoa sabe ler, mas não compreende o que lê). Portanto, a importância da leitura das palavras de Deus (da Bíblia) é: saber o que Deus realmente deseja, sem ´boatos´, sem ´invenções´, sem ´interpretações humanas´. Dessa maneira não ficaremos sujeitos a ´lobos vestidos de cordeiros´." RN

10/11/07 Sábado: Sem conselho
Josué 9:1-27
Josué e todos os anciãos fizeram um pacto com os gibeonitas, mas ´não pediram conselho à boca do Senhor´. Qual a importância de orar a Deus antes de tomar uma decisão?

"Podemos dizer que nós não sabemos das coisas realmente. Ninguém tem pleno conhecimento de coisa alguma, nem mesmo daquelas que pensamos conhecer profundamente. Qualquer um de nós pode se enganar e fazer o que não deve ser feito. Mesmo quando tudo parece indicar que uma determinada ação é necessária, precisamos orar. Não devemos andar pelo que nossos olhos vêem, pelo que o nosso entendimento diz se correto, pelo que a lógica aponta. Devemos andar por fé, pela direção de Deus. Isso certamente parecerá loucura para a maioria das pessoas que conhecemos. Mas, que importa? A Bíblia mesmo diz que o evangelho é loucura para os que perecem. Assim, é muito importante que aprendamos a orar em todas as circunstâncias, pedindo direção e proteção de Deus para tudo que fazemos." RN

11/11/07 Domingo: Peleja e vitória
Josué 10:1-43
Subitamente Josué precisou lutar contra 5 reis e seus exércitos de uma só vez. Como obteve ele vitória?

"Josué teve vitória porque não lutou com suas forças apenas, mas o Senhor pelejou por ele. Deus conturbou os inimigos de Israel e lançou pedras sobre eles. Além disso, ouviu a oração de Josué e parou o sol durante quase um dia inteiro. Nenhum exército do mundo, em qualquer época, com qualquer tecnologia bélica fez proeza semelhante. Portanto, a vitória de Josué teve uma causa só: ´o Senhor Deus de Israel pelejava por Israel´(versículo 42b)." RN

voltar ao topo

12/11/07 Segunda-feira: Primeiras coisas
Apocalipse 21:1-27
No versículo 4 encontramos uma nova situação sobre a terra, pois "já as primeiras coisas são passadas". O que significa "as primeiras coisas"?

"O significado de ´as primeiras coisas´ é claro: compreende tudo o que ocorreu no período compreendido entre a criação do universo e a sua destruição. Nesse espaço de tempo, o diabo se rebelou, o homem foi criado, pecou, foi afastado de Deus, alcançado pela misericórdia do Altíssimo e salvo. Após a destruição das coisas velhas, uma nova criação é feita (veja Apocalipse 21:1, que fala sobre novos céus e nova terra). Nessa nova criação encontraremos uma situação completamente diferente desta que encontramos nos jornais de hoje. Não apenas os céus e a terra serão novos, mas os homens serão outros (somente os salvos aí viverão) e o diabo e seus demônios (assim como todos os que lhe obedeceram) terão já sido lançados no lago de fogo." RN

13/11/07 Terça-feira: Adoração
Apocalipse 22:1-21
João, após receber toda a revelação do Apocalipse, se ajoelha diante do anjo que lhe mostrara tudo para adorá-lo. Analise a reação do anjo e responda o que podemos aprender com isso.

"O anjo recusa imediatamente ser adorado, e diz a João que adore a Deus. O anjo sabe que, sendo um servo de Deus da mesma forma que os homens, não pode receber adoração. De fato, tanto homens como anjos, todos foram criados pelo Altíssimo e não têm nada do que se gloriar. Assim como Deus sustenta os homens, também sustenta os anjos. Todos dependem dele. Aprendemos que a adoração, a atenção e a glória devem ser dadas somente a Deus, e nunca aos anjos. Por sinal, o anjo fiel não aceitará ser adorado. E nós sabemos quem são os anjos que aceitam receber adoração dos homens: são os que caíram, ou seja, são os demônios." RN

14/11/07 Quarta-feira: Misericórdia
Mateus 1:1-25
De acordo com o versículo 19, José planejava deixar Maria secretamente. Analise a situação e a reação de José nesse caso e diga o que podemos aprender com a atitude de José.

"Se lermos com atenção o versículo 18, veremos que eles já eram comprometidos. Para qualquer um, inclusive para José, o pensamento de traição é algo muito repugnante e doloroso. Mas José era misericordioso e, mesmo pensando que ela o havia traído, não queria vê-la exposta à humilhação. Assim, ele ficou pensando em um modo de mandar Maria embora sem precisar falar nada para ninguém. Talvez pensasse em dizer a ela para ir para outra cidade, bem distante de Nazaré. A reação dele nos mostra o modo de tratarmos aqueles que nos ofendem (no caso, José pensava que Maria havia pecado). Não é o exercício do juízo que Deus espera de nós, mas o exercício da misericórdia. Se aprendermos isso, teremos aprendido uma grande lição." RN

15/11/07 Quinta-feira: A verdadeira estrela
Mateus 2:1-23
A estrela que guiou os magos do oriente até a terra de Israel em algum momento desapareceu. Os magos vão então até a capital para procurar o rei de Israel que havia nascido. Por que a estrela deixou de brilhar?

"Em primeiro lugar, para honrar a Palavra de Deus. Mesmo apontando para o lugar certo, a honra não poderia ser da estrela. Os magos precisaram da orientação da Palavra para poderem chegar até Jesus. Foi o texto bíblico que apontou o lugar onde eles deveriam encontrar o rei dos judeus: Belém. O mesmo serve para nós: os sinais não podem nunca nos levar completamente a Jesus. Precisamos da Palavra para não acabarmos perdidos. Aqueles que seguem somente os sinais acabarão confusos, pois Deus estabeleceu que a sua Palavra é ´lâmpada para os pés e luz para o caminho´ (Salmo 119:105). Em segundo lugar, a estrela deixou de brilhar para que os magos pudessem ir até Jerusalém e perguntar por Jesus. Ao fazerem isso, acabaram por anunciar em Jerusalém que o rei dos judeus havia nascido. Vemos que mesmo quando estamos em dificuldades, glorificamos a Deus se o buscamos de todo o nosso coração. As outras pessoas verão a nossa busca e se lembrarão de que há um Deus que deve ser buscado." RN

16/11/07 Sexta-feira: Fogo
Mateus 3:1-17
A quê se refere o batismo de fogo do versículo 11?

"Alguns dizem que se trata do batismo com o Espírito Santo. Mas, se notarmos bem, pode não ser bem esse o caso. No versículo 10, João fala que a árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, o fogo do versículo 10 é de condenação. E, no versículo 12, lemos que Jesus recolherá o trigo no celeiro e queimará a palha com fogo que nunca se apagará. Portanto, também o fogo do versículo 12 é de condenação. Dessa forma, não temos muitas razões para pensar que o fogo narrado dos versículos 10 e 12 se refere à condenação e somente o do versículo 11 se refere ao Espírito Santo. O que entendemos é que o fogo do versículo 11 também se refere à condenação. Sabendo que batizar significa imergir, entendemos o versículo 11 da seguinte forma: Jesus imergirá uns (os que o recebem como Senhor e lhe obedecem) no Espírito Santo e outros (que rejeitam Jesus) no fogo da condenação." RN

17/11/07 Sábado: Conduzido à tentação
Mateus 4:1-25
Lemos no versículo 1 que Jesus foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto para ser tentado pelo diabo. Como entender que o Espírito Santo conduziu alguém para ser tentado e provado?

"Na verdade, não há vitória sem luta. Jesus não poderia deixar de se encontrar com seu oponente se quisesse vencê-lo. Na verdade, Jesus precisava mais do que ser altamente tentado, provado, desafiado, humilhado, cuspido e ferido: Ele precisava se entregar para morrer, pois ele precisava se encontrar com a morte! Assim fazendo, Jesus teve sofrimentos muito grandes, mas tudo fazia parte do plano de Deus. Em primeiro lugar, depois de tentado, Jesus pôde compreender bem o que é ser tentado, e pode clamar a Deus em nosso favor (Hebreus 4:15). Paulo também fala dessa capacidade que Deus dá através das tribulações em II Coríntios 1:3-4. Nesse trecho ele dá graças a Deus pela consolação que recebe de Deus em suas tribulações, pois ele pode usar essa consolação para consolar outras pessoas. Então, na verdade, ele está se alegrando por poder participar de tribulações, pois somente assim ele tem a consolação e a capacidade de consolar. Em segundo lugar, o passar pela tribulação produz glória. E Pedro escreve em sua carta: ´Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis. Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus.´ (I Pedro 4:13-14a). E a Bíblia ainda afirma que é bem-aventurado o homem que sofre a tentação, pois quando for provado receberá a coroa da vida. (Tiago 1:12). Sendo assim, não precisamos estranhar o fato do Espírito Santo conduzir alguém para a tentação. É uma luta, mas também uma oportunidade de obtermos autoridade, capacidade e glória." RN

18/11/07 Domingo: Atitudes perfeitas
Mateus 5:1-48
Em um capítulo repleto de ensinos densos, Jesus conclui dizendo: "Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus." Analise os ensinos de Jesus nesse capítulo e ressalte algum ponto que mostra como Jesus deseja que sejamos perfeitos na nossa prática de vida.

"Um dos pontos mais contundentes desse capítulo é o que exige que, diante de uma ofensa (´se alguém te bater na face direita´), não apenas não revidemos, mas que demos o outro lado. Isto é humanamente incompreensível, mas revela um aspecto de batalha espiritual muito relevante. Quando o mal e o bem entram em luta, o que está em jogo na verdade é o caráter de cada um. O mal tentará fazer com que o bem se transforme em mal, e vice-versa. Se o bem usar as armas do mal, se o bem revidar a ofensa com outra ofensa, estará se igualando ao mal e deixando de ser puro bem. Mas o verdadeiro bem não agirá de modo algum de forma semelhante ao mal. O bem vencerá o mal usando legitimamente suas próprias armas. Mas alguém dirá: ´Mas, se for assim, se não nos defendermos, então seremos massacrados!´ Pois eu digo que não seremos! Temos um Deus vivo, que tudo vê e que age! Ele nos defende! Além disso, ninguém disse que não deveríamos nos defender, mas que não deveríamos pagar o mal com mal. Ao agirmos dentro da legalidade, teremos autoridade e força. Teremos vitória. E, ao pagarmos o mal com o bem, estaremos dando ao que nos ofende a oportunidade de provar do bem e de se arrepender. Se ele fizer isso, ganhamos aquela pessoa." RN

voltar ao topo

19/11/07 Segunda-feira: Enaquins
Josué 11:1-23
Os enaquins eram os temidos gigantes, que tanto apavoraram os espias que haviam sido enviados por Moisés, mais de quarenta anos antes. Entretanto, os israelitas os exterminaram. O que podemos aprender com isso?

"Aprendemos que não há inimigo que possa se suster diante do povo de Deus, porque não é pela força humana que eles serão vencidos, mas pela força do Altíssimo. Sabemos que muitas coisas que enfrentamos são realmente muito maiores que as nossas forças, mas se confiarmos em Deus, teremos vitória sempre, não importando quão pequenos sejamos ou quão grandes sejam nossos inimigos." RN

20/11/07 Terça-feira: Reis
Josué 12:1-24
Josué derrotou muitos reis para tomar posse da terra prometida. Sabendo que isso é uma figura, responda: O que significam esses reis?

"A terra prometida pode ser entendida como a terra do nosso coração. Derrotar os inimigos que se estabeleceram nela há muito tempo é tarefa de todo o cristão para que tenha domínio sobre seus próprios pensamentos, decisões, sentimentos, palavras e ações. Os reis da terra de Canaã simbolizam os ´reinados´ do pecado dentro de nós. O coração humano foi apossado por reis de lascívia, de egoísmo, de ganância, de glutonaria, de ira, de orgulho, etc. Destruir totalmente esses impérios é o caminho para termos o descanso e a paz almejados. Não poderá haver paz interior sem que esses impérios satânicos sejam completamente varridos do nosso coração." RN

21/11/07 Quarta-feira: Muito a fazer
Josué 13:1-33
Josué chega à velhice e Deus lhe mostra que ainda havia muita terra a ser conquistada. O que isso representa?

"Isso mostra claramente que ninguém pode dizer que não há nada mais a ser vencido em sua vida. A santificação é um processo, uma caminhada. Nem mesmo o apóstolo Paulo considerou que já tivesse alcançado a perfeição, mas se propunha simplesmente a esquecer as coisas que ficavam para trás e a avançar para aquelas que estavam diante dele (Filipenses 3:12-14). Essa deve ser também a nossa posição, de humildade e de contínua busca da perfeição, reconhecendo os impérios dentro de nós que ainda precisam ser vencidos. Quem se mantém nessa atitude, terá a vida narrada na Bíblia - como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais." RN

22/11/07 Quinta-feira: Sem envelhecimento?
Josué 14:1-15
Calebe, falando com Josué, afirma que estava tão forte como no dia em que Moisés o havia enviado para espiar a terra prometida, 45 anos antes. Calebe estava usando de um exagero (hipérbole)? Ou estava falando exatamente o ocorrido? Justifique sua opinião.

"As roupas dos israelitas não haviam se estragado nem mesmo seus sapatos desgatado durante a jornada de quarenta anos no deserto. O Deus que pôde fazer esse milagre, também preservou os corpos de Josué e Calebe. E esse mesmo milagre será feito por toda a eternidade em nossos corpos celestiais. Nós não envelheceremos, não importa se tivermos 1000, 5000 ou 1 bilhão de anos. O tempo não terá poder de corromper nossos corpos. Portanto, creio que Calebe estava falando 100% a realidade, e não usando de exagero." RN

23/11/07 Sexta-feira: Bênçãos
Josué 15:1-63
Acsa foi dada como mulher a Otniel. Esta persuadiu seu marido a pedir um campo a seu pai, mas depois ela mesma foi e intercedeu junto a seu pai por fontes de águas. O que a atitude de Acsa nos ensina?

"Acsa era uma mulher que sabia que podia pedir coisas ao pai, que ele a atenderia. Ela tinha confiança no amor do pai, na sua autoridade, nas suas posses, na sua capacidade de abençoar. Ela não duvidava que seria atendida porque era filha dele. Devemos também ter em nossos corações bem claro o sentimento de que somos filhos de Deus e, portanto, ele é o nosso supridor para todas as coisas. Podemos nos chegar a ele e pedir uma, duas, três, quantas coisas precisemos. Na verdade, esse ensinamento é fartamente encontrado na Bíblia. Um dos versículos mais conhecidos da escritura a esse respeito é Mateus 7:7 ("Pedi e dar-se-vos-á, buscai e encontrareis, batei e abrir-se-vos-á.")." RN

24/11/07 Sábado: Limites
Josué 16:1-10
As diversas tribos tinham cada uma o seu território. Muitos capítulos tratam desse assunto, e esse é um deles. Qual a importância de conhecermos os nossos limites de atuação no campo espiritual?

"Temos pelo menos duas boas razões para conhecermos bem os nossos limites: Em primeiro lugar, devemos exercer domínio sobre a nossa área de atuação, ou seja, devemos tomar posse do território porque é nossa competência fazê-lo (Evidentemente que o foco não é tomarmos posse de ministério para brilharmos ou sermos honrados, mas para servirmos. Devemos ter a palavra ministério ligada a serviço e não a glória.). Se não cuidarmos das nossas responsabilidades, aquela área ficará abandonada e será presa fácil do inimigo ou acabará cheia de animais perigosos. Assim, se eu tenho como tarefa na igreja cuidar da arrumação das cadeiras, devo me dedicar a isso e não negligenciar minhas funções, achando que são pequenas demais. Se eu quero ser levado a posições maiores, devo fazer de forma excelente as coisas pequenas que já me foram designadas. Devo lembrar de que devo ser fiel no pouco para sobre o muito ser colocado. Em segundo lugar, eu devo conhecer os meus limites para não invadir os limites alheios. Quando eu invado os limites de outra pessoa acabarei por fazer coisas para as quais não tinha autoridade, tendo resultados inversos aos esperados em algum momento. Por exemplo, se eu não tenho autoridade para aconselhar alguém, não devo me atrever a tentar fazê-lo, pois poderei dar conselhos contrários aos que a pessoa está recebendo de seu conselheiro autorizado. E isso acabará por confundir a pessoa e o diabo certamente usará isso para levar essa pessoa para longe de Jesus. Além disso, ao invadir os limites alheios, acabarei por impedir que o ministério alheio flua. Por exemplo, se eu não fui chamado para tocar o teclado, devo deixar o tecladista fazer seu papel e não sentar lá e deixá-lo em pé do lado. A igreja não seria abençoada por esse ato, ainda que eu toque melhor do que ele. Ficará patente a falta de amor, e sem amor nada vale. Portanto, cumpramos fielmente o que nos foi designado, e somente isso!" RN

25/11/07 Domingo: Pedido
Josué 17:1-18
A tribo de José pediu a Josué mais terras, porque era uma tribo grande. E Josué lhes deu mais terras, mandando-os tomar posse de outra região dominada pelos perizeus e refains. Se eles tinham de lutar para tomar posse da terra, que vantagem tinham em pedir a Josué mais terras? Por que não podiam simplesmente ir, lutar e se apossar da terra, sem pedir nada?

"A autoridade sempre conta. Não podemos desprezar a autoridade, pois a bênção de Deus respeitará sempre esse princípio. Josué, de fato, não fez mais nada do que dar autorização para que a tribo de José fosse à guerra contra determinados povos e dar-lhes a bênção, mas esse ato simples é a diferença entre a vitória e a derrota. Se pensarmos em nossa vida hoje, poderíamos dizer que não podemos simplesmente abrir um trabalho de evangelismo em casa sem pedirmos a bênção das autoridades da igreja. Se pensarmos: ´Vou fazer o trabalho de Deus mesmo e não preciso dar satisfações a ninguém´, estaremos na verdade manifestando uma insubordinação, uma rebelião. E já teremos a derrota em nossa própria atitude interior. Vençamos sempre, sendo humildes e sujeitos a Deus." RN

voltar ao topo

26/11/07 Segunda-feira: Tesouro real
Mateus 6:1-34
Jesus ensinou que não deveríamos juntar tesouros na terra, mas sim no céu. Explique o que você entende da justificativa de Jesus para isso, narrada no versículo 21.

"Jesus explicou que onde estiver o nosso tesouro, aí estará também o nosso coração, ou seja, a nossa riqueza, o nosso cuidado, o nosso amor. Como naturalmente sempre seguiremos o coração (e é por isso que Deus nos pede o coração: "Filho meu, dá-me o teu coração" - Provérbios 23:26a), estaremos seguros de sempre sermos atraídos para o céu se tivermos o nosso tesouro lá. O nosso tesouro funcionará como um gancho bem preso ao topo de uma montanha e ligado por uma corda. Não nos perderemos no caminho e teremos auxílio para a subida. Por outro lado, se o nosso tesouro estiver no mundo, seremos atraídos cada vez mais para o mundo e teremos muita dificuldade de largar o mundo quando Jesus voltar." RN

27/11/07 Terça-feira: Frutos
Mateus 7:1-29
No trecho dos versículos 15 a 23, Jesus ensina como reconhecer um falso profeta: pelos seus frutos. Medite nisso e aponte qual a importância desse ensino nos dias atuais.

"A Bíblia nos ensina que nos últimos dias haveria uma grande quantidade de falsos cristos e falsos profetas, que fariam grandes sinais e teriam uma grande capacidade de persuasão ("se possível fora, enganariam até os escolhidos" - Mateus 24:24). Esses falsos, lobos disfarçados de ovelhas, são claramente chamados por Jesus de devoradores. Eles devoram os crentes quando se aproveitam dos mesmos para ter lucros financeiros, para ter domínio sobre o rebalho, para serem engrandecidos em seus ´ministérios´, para serem ovacionados. E, ao fazerem tudo isso, acabam por escandalizar a muitos, enfraquecer a fé de outros e a afastar do evangelho a quem estava se achegando. Portanto, Jesus deixa claro o modo de podermos reconhecer esses lobos: por seus frutos. Olhando para os frutos, teremos a certeza da natureza da árvore. Isso é um princípio que ninguém poderá burlar. A árvore má não dará frutos bons, mas somente maus. Portanto, nos dias de hoje, esse é um ensino fundamental para podermos fugir dos lobos disfarçados. Que Deus nos guarde deles!" RN

28/11/07 Quarta-feira: Mais que palavras
Mateus 8:1-34
Ao descer do monte, Jesus foi procurado por um leproso que o adorou dizendo que se tão somente Jesus quisesse, poderia curá-lo. Jesus poderia ter apenas dito uma palavra e o leproso teria sido curado (como aconteceu no caso do servo do centurião, nos versículos 5-13), mas ao invés disso, tocou-o também. Que aprendemos com isso?

"Vemos claramente neste gesto a manifestação da bondade e da misericórdia de Deus através de Jesus. Deus não se limitou a dar decretos para que fôssemos curados, mas enviou seu próprio filho em nossa semelhança para nos ajudar pessoalmente. Jesus tomou as nossas dores verdadeiramente quando tocou a nossa carne impura, fazendo-se semelhante a nós. Ninguém poderia pedir mais a Deus do que ele já nos deu. Ao tocar no impuro leproso, Jesus nos ensinou o nível de sua compaixão por nós, e qual o nível de compaixão que ele espera que manifestemos aos outros." RN

29/11/07 Quinta-feira: O mais fácil
Mateus 9:1-38
Explique a pergunta de Jesus do versículo 5: "O que é mais fácil? Dizer: Perdoados são os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda?"

"Ambas as coisas são difíceis de serem realizadas, ambas são grandes milagres. Porém, para dizer (para apenas falar, no caso de eu ser apenas um enganador) há uma grande diferença. Se eu disser: `Levanta-te e anda´, necessariamente todos verão se o milagre realmente aconteceu ou não, pois uma manifestação visível deverá acompanhar um resultado positivo. Porém, se eu disser: ´Os teus pecados estão perdoados´, nenhuma manifestação visível será esperada no momento, mas somente no último dia tal fato poderá ser comprovado ou negado. Como todos duvidassem do primeiro milagre (o perdão dos pecados), e para comprovar que tinha poder para perdoar pecados, Jesus disse também ao paralítico: ´levanta-te e anda´. Para esse milagre não havia contestação. A manifestação estava diante dos olhos." RN

30/11/07 Sexta-feira: A pequena comissão
Mateus 10:1-42
Ao enviar seus discípulos para anunciarem o evangelho, Jesus lhes dá instruções. Qual o tópico principal em toda essa instrução?

"O ponto principal é: Os discípulos precisavam amar mais a Jesus do que as suas próprias vidas. Eles deveriam perder suas vidas voluntariamente, pois essa seria a única maneira de se salvarem. Eles sofreriam perseguições, mas não deveriam temer nada, nem mesmo a morte, pois nada aconteceria sem a permissão de Deus. Além disso, eles teriam a instrução do Epírito Santo quando fossem interrogados. Por outro lado, por tudo o que fizessem receberiam galardão." RN

01/12/07 Sábado: Dúvida
Mateus 11:1-30
Mesmo tendo sido aquele que apontou Jesus como o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, João Batista manifesta dúvidas sobre Jesus depois de um período preso. Jesus não o censura, mas mostra sinais aos emissários para que esses os contassem a João Batista. Era justa a dúvida de João? Explique.

"João Batista talvez esperasse uma manifestação gloriosa do Reino de Deus, de certa maneira semelhante àquela que os apóstolos esperavam, com uma libertação de Israel do jugo romano. Como o tempo foi passando, e ele continuasse preso, não podia saber ao certo o que estava acontecendo com o ministério de Jesus. Sua dúvida não decorria de um coração duro, mas sim de falta de esclarecimento. Jesus, entendendo a situação de João Batista, não lança em seu rosto suas dificuldades de fé, mas manifesta seu poder aos emissários de João para que esses levem o relato do que estava sendo feito: os cegos estavam vendo, os coxos estavam andando, os leprosos estavam sendo curados, os surdos estavam ouvindo, os mortos estavam sendo ressuscitados e os pobres estavam sendo enriquecidos pelo evangelho. Sim, a necessidade humana mais básica estava sendo suprida: a vida estava jorrando! Não era o fim do domínio romano sobre Israel, mas o fim do domínio do pecado e da morte sobre os que cressem." RN

02/12/07 Domingo: Misericórdia x sacrifício
Mateus 13:1-50
Qual o significado da frase do verso 7: "Misericórida quero, e não sacrifício"?

"Deus não deseja que o homem suba escadarias de joelhos, que carregue cruzes, que faça penitências e auto-flagelações. Deus simplesmente quer que o homem use de misericórdia com o seu próximo, que faça pelo próximo o que gostaria que fosse feito para si mesmo. Quando o homem não compreende o coração de Deus, torna-se legalista e começa a julgar e a condenar o seu semelhante. Esta é a religião que mata, que promove ´guerras santas´, que é capaz de fazer atrocidades em nome de Deus. Esta é a religião que desonra a Deus e faz a vontade do diabo. Mas quando o homem compreende o coração de Deus, não há espaço para o legalismo, mas sim para a misericórdia. Neste caso Deus fica satisfeito e sua Palavra é verdadeiramente honrada." RN

voltar ao topo

03/12/07 Segunda-feira: Interesse
Josué 18:1-28
Ao dizer ´até quando sereis remissos em entrardes para possuirdes a terra que o Senhor Deus de vossos pais vos deu´, Josué deixa claro que Deus quer interesse de seu povo pela terra. E nós, que terra é essa pela qual Deus quer que tenhamos interesse?

"A terra, de acordo com Lucas 8:5-15, é o coração do homem. É nele que se travam as batalhas contra os posseiros que invadiram a herança de Deus. É aí que estão o egoísmo, a ganância, a lascívia, a ira, o amor do mundo, etc. Deus quer que tenhamos interesse em estabelecer seu reino em nossos corações porque deseja nos ver vivendo a vida em abundância para a qual ele nos criou. A indignação de Josué com a indolência e falta de interesse do povo, que não manifestava muito interesse pelo estabelecimento do reino de Deus na terra, mas deixava ´tudo para amanhã´, é semelhante à indignação que Jesus deve sentir quando não levamos suas coisas a sério e vamos apenas vivendo sem verdadeiramente desejarmos com todas as nossas forças que nossos corações sejam dominados pelo poder de Deus. Que haja interesse em nós pelo senhorio de Cristo em nossos sentimentos, pensamentos, decisões e atos!" RN

04/12/07 Terça-feira: Visão
Josué 19:1-51
Um israelita, olhando para a divisão da terra, poderia ter uma visão particular, considerando apenas a porção que havia recebido, ou uma visão de nação, encarando o todo de Israel. Como essas duas visões poderiam influenciar seu comportamento de israelita?

"Se a pessoa tivesse uma visão particular, acabaria por comparar seu quinhão com o de outras pessoas ou tribos. Nessa comparação, poderia ficar triste e amargurado, caso entendesse que havia sido menos favorecido, ou orgulhoso, caso entendesse que havia recebido mais ou melhor do que os demais. Mas a visão holística, a visão de estadista, a visão do alto, que considera toda a nação, compreenderia a beleza da multiplicidade de tribos e se alegraria por cada uma em particular e pelo conjunto total. Dessa forma, a visão da pessoa, ou seja, o seu entendimento das coisas do reino, tem uma grande influência em seu comportamento. Somente aqueles que alcançam uma visão ampla, não egoísta e particular das coisas, podem se alegrar com o progresso do seu vizinho. Somente esses podem de fato contribuir com idéias, motivação, interesse e ações para o bem coletivo. Os que ficam presos às suas próprias propriedades acabam por se isolar de alguma forma, ou por não conseguir contribuir de maneira decisiva ao progresso do reino. Portanto, na igreja, tenhamos nós uma visão de reino e não queiramos buscar os nossos próprios interesses, mas os interesses do reino de Deus." RN

05/12/07 Quarta-feira: Cidades refúgio
Josué 20:1-9
As cidades refúgio receberiam não apenas israelitas, mas também estrangeiros que peregrinassem entre eles. Sabendo que isso é uma figura, o que podemos entender?

"Que Deus não faz acepção de pessoas e dá a todos os mesmos direitos. As cidades refúgio estavam disponíveis para os israelitas e para os não israelitas. Todos os que quisessem se refugiar em uma dessas cidades teriam plena liberdade. Da mesma forma, a salvação em Jesus está disponível para os judeus e para os não judeus. Está disponível para todas as raças, todas as classes sociais, para homens e mulheres. Não se refugia em Jesus quem não quer." RN

06/12/07 Quinta-feira: Sem falhas
Josué 21:1-45
A última tribo a receber terras foi a tribo de Levi. Na verdade, eles receberam cidades em que pudessem habitar e criar seu gado, mas no meio da terra de seus irmãos. Mas o que mais chama a atenção é o último versículo do capítulo. Faça um comentário sobre as verdades que ele expressa para nós.

"Deus prometera aos filhos de Israel, quando estes ainda estavam no Egito, que lhes daria liberdade e terra em que habitassem, plantassem, colhessem, reinassem. O tempo passou, de fato, mas a promessa de Deus não falhou e se cumpriu cabalmente. O mesmo podemos nós esperar hoje, enquanto aguardamos a vinda de Jesus para nos levar para junto de si e estabelecer o seu reino eterno. Esperamos novos céus e nova terra onde habita a justiça, de acordo com a esperança bíblica (II Pedro 3:13). E sabemos que não seremos frustrados, pois da mesma forma como Deus foi fiel e cumpriu tudo o que prometera aos filhos de Israel, assim cumprirá todas as suas promessas para nós. Nada cairá por terra, mas tudo se cumprirá cabalmente." RN

07/12/07 Sexta-feira: Altar do testemunho
Josué 22:1-34
A tribo de Gade, a tribo de Rúben e a meia tribo de Manassés foram liberadas para voltarem ao lado oriental do Jordão, onde haviam deixado suas famílias. Porém, antes de atravessarem o rio, construíram um altar. O que os motivos expostos para a construção do altar revelam com relação ao coração desses israelitas?

"Eles temiam ao Senhor e receavam que no futuro seus filhos fossem impedidos de se apresentarem diante de Deus em função de estarem morando fora dos termos originalmente estabelecidos na promessa divina. Como haviam pedido e recebido terras no lado oriental do rio Jordão, ainda havia o rio a separá-los das demais tribos. Diante disso, resolveram construir um altar para testemunho, para que ninguém pudesse duvidar de que também eles eram participantes do povo de Deus. O ato é uma bela demonstração de desejo de serviço a Deus e de unidade do seu povo. Que essa preocupação também esteja em nossos corações!" RN

08/12/07 Sábado: Aviso
Josué 23:1-16
Josué, sendo já velho, começa a dar as últimas instruções ao povo. Qual era o grande perigo que eles teriam de enfrentar e que preocupava Josué? O que isso nos ensina?

"O grande perigo não eram as armas dos povos que ainda restavam na terra prometida, nem eram invasões externas. O grande perigo era o povo de Deus se acostumar com os povos da terra e se misturar com eles através de laços de amizade, casamento e até espirituais (Josué temia que eles adorassem os deuses desses povos pagãos). Isso, nós sabemos, acabou acontecendo e foi a causa do povo ser dominado pela Babilônia e arrastado para longe de Israel muito tempo depois. Para nós hoje isso serve de lição: Não devemos amemos o mundo. A Bíblia diz claramente que quem ama o mundo é inimigo de Deus (Tiago 4:4). Portanto, não devemos amar o mundo nem o que no mundo há. Devemos nos guardar de termos uma atitude complacente com o sistema mundano no meio do qual vivemos. Não devemos nos acostumar com o modo de pensar do mundo. Devemos guardar nossa vida em Deus para não perdermos a nossa terra prometida, ou seja, a vida eterna em abundância. Que nós aprendamos com os erros de Israel para não cairmos na mesma transgressão (I Coríntos 10:6)." RN

09/12/07 Domingo: Líderes
Josué 24:1-33
Josué, pouco antes de morrer, chama todos os chefes do povo e lhes dá a escolha de servir ou não ao Senhor. Tendo os anciãos escolhido servir ao Senhor, o povo o serve durante todo o tempo em que essas pessoas viveram.Qual a importância da fidelidade de um líder para que o povo permaneça fiel?

"Um líder é não apenas uma autoridade, mas um exemplo a ser seguido. O povo respeita o líder e o ouve. Essa é a parte da autoridade. O líder pode conduzir o povo de maneira correta através de seu comando. Mas devemos considerar que o povo vê claramente a forma como o líder se comporta, e isso muitas vezes tem mais influência do que as ordens que dita. Os fariseus foram um exemplo clássico. Diziam muitas coisas boas, mas faziam tudo ao contrário. Jesus os chama de hipócritas e diz ao povo para fazer tudo o que os fariseus diziam, mas para não proceder de acordo com as suas obras. Um bom líder é inspirador na palavra e na ação. Um bom líder estimula o povo a ser fiel e a se consagrar a Deus. Ele é o primeiro a sofrer pelo Senhor e o último a sentar-se à mesa, pois está pronto a servir. No caso de Israel vemos claramente isso. Os líderes fiéis fizeram com que o povo servisse ao Senhor por todo o tempo em que viveram." RN

voltar ao topo


10/12/07 Segunda-feira: Parábolas
Mateus 13:1-58
Este capítulo de Mateus é o capítulo das parábolas. Conte quantas parábolas foram contatas e resuma o ensino de cada uma.

"São sete as parábolas contadas nesse capítulo:
1) Parábola do semeador: Ensina que o resultado do crescimento da semente depende do coração daquele que ouve. A semente só pode se desenvolver, virar uma planta adulta e produzir frutos se a pessoa ouvir e compreender a palavra.
2) Parábola do trigo e do joio: Ensina que há dois tipos de pessoas no mundo, as que aprendem com Deus e as que aprendem com o diabo. Mas ambos os tipos conviverão neste mundo até o juízo final. Nessa hora os iníquos serão colhidos e lançados no fogo.
3) Parábola do grão de mostarda: Ensina que o Evangelho é realmente muito simples e relativamente pequeno, mas que se desenvolve e provê abrigo.
4)Parábola do fermento: Ensina que o Evangelho vai se espalhando no meio da humanidade assim como o fermento vai se espalhando no meio da massa de farinha.
5) Parábola do tesouro escondido: Ensina que o Evangelho é precioso, mas não está exposto. Somente quem o descobre realmente se dispõe a pagar tudo quanto tem pelo campo em que ele está escondido.
6) Parábola da pérola de grande valor: Ensina que quem busca coisas espirituais excelentes acabará por encontrar o Evangelho e não medirá esforços para tê-lo para si.
7) Parábola da rede lançada ao mar: Ensina que o Evangelho é como uma rede que acaba por apanhar toda a qualidade de pessoas. Mas nem só por estarem na rede serão todos aproveitados. No final haverá uma triagem e os maus serão lançados fora. É importante, portanto, vivermos o Evangelho e não apenas aceitarmos o Evangelho de boca." RN

11/12/07 Terça-feira: Milagres
Mateus 14:1-36
O capítulo começa com o relato da execução de João Batista, mas segue com feitos maravilhosos de Jesus. Liste os feitos de Jesus e responda: Como conciliar o poder expresso através de Jesus com o fato de Deus ter permitido o martírio de João?

"Jesus, neste capítulo:
1) Cura todos os enfermos de uma grande multidão de quase cinco mil homens, fora as mulheres e crianças (o que deve elevar o número de pessoas dessa multidão para pelo menos dez mil pessoas).
2) Vai ao encontro do barco dos discípulos andando por cima do mar.
3) Permite a Pedro também andar sobre o mar, e este realmente dá alguns passos dessa forma (só afunda porque duvida).
4) Cura todos os enfermos de Genesaré que tocam em suas vestes.
A ação de Jesus era fantástica e seu poder tremendo. Deus manifestava a sua glória através de seu Filho. E o mesmo Deus tinha poder para impedir que João Batista fosse martirizado, mas em seu desígnio eterno permitiu que isso acontecesse, não apenas para a glorificação do Seu nome, mas também para que João fosse galardoado no céu e os ímpios (no caso Herodes) fossem ainda mais ímpios. Em tudo Deus é glorificado: nas coisas boas e nas más, nas pessoas boas e nas más. Cumpre-nos apenas temermos a Deus para que nos submetamos às suas ordens e sejamos salvos, transformados, usados com poder e galardoados." RN

12/12/07 Quarta-feira: Tradições
Mateus 15:1-39
Os fariseus davam muito valor às suas tradições religiosas, mas Jesus neste capítulo falou contra essas mesmas tradições. Como uma tradição religiosa pode ser condenável diante de Jesus?

"Jesus disse claramente que as tradições tão caras aos fariseus eram, na verdade, apenas preceitos humanos. Não haviam nascido no coração de Deus, mas no coração dos homens. E Jesus disse claramente também que toda a adoração proveniente dessas tradições era em vão e, pior, essas tradições invalidavam a palavra de Deus porque anulavam ordens expressas do Altíssimo (no caso, o honrar pai e mãe). Portanto, uma tradição religiosa proveniente de homens e não de Deus tem grande possibilidade de se colocar contra algum ponto da vontade divina. Essas tradições geralmente nascem do orgulho e presunção dos homens, que não entendem a boa, agradável e perfeita vontade de Deus e querem se manter como mestres de outras pessoas. Não são, contudo, úteis para nada, a não ser para inchar egos e afastar pessoas do reto caminho." RN

13/12/07 Quinta-feira: Fermento
Mateus 16:1-28
Por que Jesus advertiu seus discípulos contra o fermento dos fariseus? O que esse fermento poderia causar de mau?

"O fermento dos fariseus era a sua doutrina que não se conformava com a vontade expressa de Deus. Os fariseus, além disso, eram muito hipócritas, pois prescreviam muitos mandamentos, mas não observavam nenhum. Jesus advertiu seus discípulos contra essa doutrina porque ela promovia uma cauterização da consciência. A consciência cauterizada deixa de se incomodar com a distância da vontade de Deus e fica tranqüila em sua religiosidade estéril. Isso é muito perigoso - essa religiosidade humana - e nós também devemos nos proteger desse tipo de ensino que não emana da Bíblia ou que usa a Bíblia para buscar coisas que Jesus não buscou (como dinheiro, bens, glória, posição, etc). Portanto, cabe a nós sempre pensarmos o que Jesus faria nas nossas situações do dia-a-dia. Que decisões tomaria? Que palavras falaria? Que reações teria? Cobraria seus direitos ou não? A vida de Jesus é um ensino em si. Ele viveu entre nós e nos mostrou como é a forma de viver que agrada a Deus. Qualquer coisa que se distancie disso é fermento de fariseu." RN

14/12/07 Sexta-feira: A voz
Mateus 17:1-27
Quando estavam no monte da transfiguração, Pedro, Tiago e João ouviram Deus falar a respeito de Jesus. Se ligarmos a frase de Deus com o que Pedro havia dito imediatamente antes, o que podemos pensar que Deus queria que esses três apóstolos entendessem?

"Pedro, ao falar sobre construir tendas para Jesus, Moisés e Elias, estava manifestando sua alegria por poder ter o privilégio de estar perto de três homens muito importantes. Ele desejava prolongar esse contato e desejava também agradar os três. Ao propor a construção de tendas, ele esperava poder dar mais conforto aos três, agradá-los e poder desfrutar dessa companhia por mais tempo. Entretanto, sua frase foi interrompida (a Bíblia diz que ´enquanto ele ainda estava falando, uma nuvem resplandecente os envolveu e dela saiu uma voz...´) por Deus, que disse : ´Este é o meu Filho amado em quem me agrado. Ouçam-no!´ Podemos ver que Deus claramente apontou um dos três: ´este´, referindo-se a Jesus. Ao fazer isso, tirou o foco de Moisés e Elias e o colocou todo em Jesus. Depois afirmou que Jesus é ´o Filho´, e não ´um filho´: Jesus é único, não há outro como ele. Afirmou também que em Jesus Deus se agrada. Podemos ver que Moisés e Elias também agradaram a Deus, mas não como Jesus. E, finalmente, deu uma ordem: ´Ouçam-no!´ Em outras palavras, Deus estava dizendo o que ele queria que os apóstolos e nós entendêssemos, que era: ´Muito bem, vocês tiveram as palavras de Moisés e Elias até agora. Mas agora vocês têm alguém muito mais especial. Ele não é como Moisés e Elias. Ele é o meu único Filho. Concentrem-se no que Jesus diz. Não se distraiam com mais nada, nem mesmo com Moisés e Elias. Dêem toda a atenção ao meu Filho Jesus!´" RN

15/12/07 Sábado: Perdão
Mateus 18:1-35
Neste capítulo encontramos a história que Jesus contou a Pedro sobre um servo que devia muito e que, depois de ser perdoado, negou o perdão a um companheiro seu. O que Jesus queria que Pedro aprendesse com essa história?

"Pedro havia perguntado quantas vezes ele precisaria perdoar seu irmão. Talvez Pedro estivesse cansado de perdoar alguém muitas vezes, e queria ter um número de vezes de perdão para poder dar um ´basta´ em algum momento. Sugeriu então o número sete (talvez por ser considerado o número de Deus, que muitas pessoas gostam de usar como algo mágico que opera coisas especiais). Mas a história que Jesus contou apontou para uma situação que Pedro não estava levando em consideração: Pedro também era alguém que precisava de perdão. E o ensino de Jesus ia adiante: Cada um vai receber de Deus o que eu também der aos seus semelhantes. Assim, se eu der perdão, receberei perdão. Se eu negar o perdão, terei meu perdão também negado. Simples e eficiente. Portanto, o ensino é: Perdoe sempre, pois você também precisará de perdão muitas vezes." RN

16/12/07 Domingo: Bom
Mateus 19:1-30
Quando um jovem rico pergunta a Jesus o que ele poderia fazer de bom para herdar a vida eterna, Jesus lhe afirma que só há um que é bom. O que Jesus queria dizer com isso?

"O jovem queria ser bom o suficiente para ser digno de receber a vida eterna. Jesus lhe diz em resposta que há somente um que é bom, um que é digno, falando de maneira implícita, mas clara, a respeito de Deus. O que Jesus queria que o jovem entendesse (e todos nós também) é que a bondade verdadeira só ocorre em Deus. Quando eu me julgo de alguma forma ´bom´, estou sendo presunçoso. Portanto, a vida eterna não é um pagamento por algo que fazemos. E mesmo a vida natural (nossa vida agora, com nosso corpo, alma e espírito) é um presente divino - e um presente impressionante e maravilhoso. Será que alguém pode dizer que pagou a Deus com seus atos por seu corpo, alma e espírito? Mas a vida natural ocorre porque é fruto da graça de Deus. E o mesmo acontece com a vida eterna - e com maior propriedade, pois a vida eterna é ainda mais cara do que a vida natural. Assim, bom é Deus. E nós vivemos por sua graça e não por nossas obras." RN

voltar ao topo

17/12/07 Segunda-feira: Lugares não dominados
Juízes 1:1-36
Em um capítulo cheio de conquistas, chama a atenção também o grande número de povos não dominados. O que teria levado Israel a não conquistar a terra como um todo?

"Podemos pensar em pelo menos três razões:
1) Acomodação: Ao dominarem uma boa parte da terra, bem poderia parecer aos seus olhos que não valia a pena o esforço para dominar o que restava de terras sob domínio inimigo, uma vez que a fatia já dominada provia sustento para todos. Esqueciam-se, entretanto, do aviso divino de que a permanência de povos inimigos no meio da nação acabaria por contaminar o povo de Israel com suas detestáveis práticas idólatras.
2) Falta de fé: A despeito de terem já presenciado milagres tremendos da parte de Deus, os israelitas não creram o suficiente para receber de Deus a vitória completa. Pararam nas suas próprias possibilidades. É impressionante como os homens podem realmente esquecer do poder de Deus e achar que dependem somente dos recursos que têm à mão.
3) Desconsideração: Ao pensarem somente no seu lado (que deveriam ter a terra para seu uso), não pensaram no lado de Deus (que havia terminantemente ordenado a destruição completa daqueles povos pagãos)." RN

18/12/07 Terça-feira: Deus se arrepende?
Juízes 2:1-23
O versículo 18 diz que "o Senhor se arrependia pelo seu (do povo de Israel) gemido". Se Deus é perfeito, como entender esse arrependimento de Deus?

"Quando a Bíblia diz que o Senhor se arrependia, ela não está dizendo que Deus estava reconhecendo um erro e se dispondo a mudar de conduta, mas apenas dizendo que Deus estava sentindo muito (se compadecendo do seu povo) e aliviando o peso (usando de misericórdia). Não seria errado o povo de Israel ser castigado, pois o fato é que os israelitas pecavam repetidas vezes, e os mesmos pecados de incredulidade e idolatria. Se qualquer ser humano estivesse no lugar de Deus, há muito não haveria qualquer israelita (ou qualquer outra pessoa de qualquer povo) sobre a terra. Mas, felizmente, nenhum ser humano é Deus, e o Deus verdadeiro é misericordioso. Portanto, o que Israel merecia era castigo duro mesmo, mas Deus se compadecia e mudava de atitude (se ´arrependia´)." RN

19/12/07 Quarta-feira: A prova
Juízes 3:1-31
Neste capítulo lemos que Deus deixou algumas nações na terra de Israel para por elas provar o seu povo. Que tipo de prova era esta?

"Deus havia se manifestado ao povo de Israel e feito um pacto de exclusividade. Israel seria seu povo e ele seria o seu Deus. Para que não houvesse possibilidade de infidelidade, Deus orientou Israel a não se misturar com outros povos de Canaã. Lemos em Êxodo 34:12-16 o seguinte: ´Guarda-te de fazeres aliança com os moradores da terra aonde hás de entrar; para que não seja por laço no meio de ti. Mas os seus altares derrubareis, e as suas estátuas quebrareis, e os seus bosques cortareis. Porque não te inclinarás diante de outro deus; pois o nome do SENHOR é Zeloso; é um Deus zeloso. Para que não faças aliança com os moradores da terra, e quando eles se prostituirem após os seus deuses, ou sacrificarem aos seus deuses, tu, como convidado deles, comas também dos seus sacrifícios, E tomes mulheres das suas filhas para os teus filhos, e suas filhas, prostituindo-se com os seus deuses, façam que também teus filhos se prostituam com os seus deuses.´ Os povos deixados na terra de Israel adoravam os baalins (baal em hebraico signifca "deus", com "d" minúsculo) e a Astarote, deusa da fertilidade. Portanto, a prova era de fidelidade, mas Israel foi não passou na prova. Eles se misturaram com os povos da terra (versículos 5:e 6): ´Habitando, pois, os filhos de Israel no meio dos cananeus, dos heteus, e amorreus, e perizeus, e heveus, e jebuseus, Tomaram de suas filhas para si por mulheres, e deram as suas filhas aos filhos deles; e serviram aos seus deuses´. E a conseqüência no versículo 7: ´os filhos de Israel... se esqueceram do Senhor seu Deus, e serviram aos baalins e a Asterote´." RN

20/12/07 Quinta-feira: Ação
Juízes 4:1-24
Após vinte anos de servidão sob Jabim, rei de Canaã, Baraque ajunta o povo e enfrenta um grande exército inimigo e o vence. O que motivou a ação de Baraque, o que lhe deu coragem e fé para o combate?

"A força de Baraque veio através da palavra de autoridade da juíza de Israel naquela época, a profetisa Débora. Foi essa mulher que chamou Baraque e lhe deu ordens da parte de Deus para ajuntar dez mil homens de duas tribos de Israel e combater o exército inimigo. A palavra de autoridade foi a fonte de coragem e fé para Baraque. Entretanto, Baraque não quis ir à guerra sem a presença de Débora. Em função disso, uma outra mulher, Jael, foi quem matou o capitão do exército inimigo, Sísera." RN

21/12/07 Sexta-feira: Repreensão
Juízes 5:1-32
Releia os versículos 16 a 18 e explique o que Débora queria dizer nesse trecho de seu cântico. Procure fazer uma analogia para as nossas vidas hoje.

"Débora estava repreendendo as tribos de Rúben, Dã e Aser por não terem ido à guerra. Provavelmente foram chamadas, mas a tribo de Rúben ficou pensando muito, indecisa (´tiveram grandes esquadrinhações do coração´), acabou não se mexendo do lugar (´se ficou dalém do Jordão´), cuidando de seus afazeres do dia-a-dia (´ficou para ouvir os balidos dos rebanhos´). Repreensões semelhantes por terem ficado cuidando de tarefas diárias tiveram as tribos de Dã (´por que se deterve em navios?´) e Aser (´se assentou nos portos do mar, e ficou nas suas ruínas´). Mas Débora, em contrapartida, exalta a tribo de Zebulom e Naftali, por terem exposto suas vidas à morte. Para nós hoje a aplicação é simples: somos chamados para cuidar das coisas de Deus e não podemos nos furtar a esse chamado. A Bíblia diz claramente que ´a nossa guerra não é contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais´ (Efésios 6:12). E a Bíblia segue dizendo quais as armas nessa peleja: verdade, justiça, evangelho, fé, salvação e a palavra de Deus. Se não tomarmos as armas e se não fizermos a guerra espiritual, seremos repreendidos pelo Senhor um dia, assim como Débora repreendeu as tribos de Rúben, Dã e Aser." RN

22/12/07 Sábado: Ordem
Juízes 6:1-40
O que significava, na verdade, a ordem de Deus a Gideão, dada a ele nos versículos 25 e 26? Que sinais Deus queria que Gideão desse aos seus familiares, e aos israelitas?

"O povo havia se desviado do Senhor e servido a Baaal, como se pode notar claramente na repreensão que Deus envia através de um profeta (veja versículos 8 a 10). O próprio pai de Gideão tinha em sua propriedade um altar de Baal e um bosque para adoração a esse deus. Enquanto isso, o altar do Senhor estava derrubado, pois quando Gideão edifica um altar ao Senhor, a Bíblia diz que esse altar foi ´de novo edificado´ (versículo 28). Ao ordenar que Gideão derrubasse o altar e o bosque de Baal, reedificasse o altar do Senhor e oferecesse o próprio boi do pai em holocausto ao Senhor, Deus estava ordenando a Gideão que se colocasse frontalmente contra toda a idolatria, não amando mais seus parentes do que a Deus, e não temendo mais ao povo do que a Deus. Esse posicionamento claro e definido a favor do Senhor e contra a idolatria era o sinal que Deus queria dar aos israelitas através de Gideão." RN

23/12/07 Domingo: Triagem
Juízes 7:1-25
Ao fazer uma triagem dos 32 mil homens que se haviam apresentado para a guerra e tomar apenas 300 para a lutar contra os midianitas, Deus nos dá uma excelente lição a respeito da dependência dele. Que lição é esta?

"Aprendemos a lição que Deus não precisa da nossa força para nos livrar do mal e nos abençoar. Deus é o todo-poderoso criador dos céus e da terra, ele pode tudo! Pode agir a nosso favor sem contar com a nossa ´ajuda´. Ao reduzir o contingente militar a menos de 1%, Deus mostra o que de fato ele quer de nós: Não a nossa força e capacidade de reação, mas a nossa fé, a nossa confiança, a nossa dependência total dele. Se assim fizermos, não importa o tamanho do exército que nos afronte: nós seremos vitoriosos como foi Gideão!" RN

voltar ao topo

24/12/07 Segunda-feira: Doce injustiça
Mateus 20:1-34
A parábola dos trabalhadores das diversas horas traz uma aparente injustiça social por igualar trabalhadores de doze horas com trabalhadores de apenas uma hora. O que na verdade esta parábola ensina?

"A parábola não se refere a galardão, pois o galardão sempre será proporcional (leia I Coríntios 3:12-15). A parábola, portanto, nada tem como foco a justiça da proporcionalidade, mas com a generosidade de um Deus dadivoso. Na parábola, o proprietário é Deus, os trabalhadores são aqueles que são chamados para participar de seus negócios e as diversas horas (entre outras interpretações) são as fases da vida. Alguns são chamados desde o ventre e servem a Deus por todos os seus anos, com consagração e esforço. Outros são chamados já no fim da vida, tendo ficado a maior parte de seus anos afastados dos negócios do rei. Ambos receberão a vida eterna, não por méritos, mas por graça. Deus é dadivoso e quer abençoar o que se arrependeu no último instante com a mesma vida eterna que tem para aquele que consagrou sua vida durante todos os seus anos. Evidentemente que isso não é pretexto para ninguém pensar que pode permanecer no pecado o quanto quiser para só se arrepender nos últimos minutos de vida, pois quem pode dizer quando vai morrer? Portanto, a parábola ensina que Deus é generoso e que nós, os que já fomos chamados há tempos, devemos nos alegrar pela bênção da vida eterna daquele que se arrepende depois de uma vida de pecados." RN

25/12/07 Terça-feira: Juízo
Mateus 21:1-46
Neste capítulo de Mateus encontramos Jesus, depois de ter entrado em Jerusalém, expulsando comerciantes do templo e falando duro com um figueira infrutífera. Que relação têm esses fatos com as duas parábolas contadas na seqüência?

"Jesus, ao entrar na capital de Israel, fica irado com a exploração e opressão existentes onde deveria haver temor de Deus e justiça. A palavra de Deus havia sido dada continuamente através de muitos profetas àquele povo, mas os israelitas não haviam se deixado moldar e o fruto era uma religiosidade hipócrita. Jesus expulsa os vendilhões do templo e, numa figura, demonstra o julgamento dos líderes de Israel em uma figueira (figura do povo de Israel). As duas parábolas que aparecem no capítulo ainda apontam para o fato de falar e não fazer (parábola dos dois filhos) e para o fato de serem um povo que havia recebido a vinha completa, mas que não davam os frutos ao dono (parábola dos lavradores), pois os israelitas haviam recebido a lei, as ordenanças, o culto, etc, mas não manifestavam justiça e misericórdia." RN

26/12/07 Quarta-feira: O banquete
Mateus 22:1-46
Como entender as diversas figuras da parábola do banquete de casamento?

"O rei é Deus, o casamento de seu filho é a salvação em Cristo Jesus, os servos enviados são os profetas e pregadores, o banquete é a celebração da vitória de Cristo sobre a morte preparada no céu, os servos que não recebem o convite são os infiéis e as vestes nupciais são a santificação em Cristo (leia Apocalipse 7:14)." RN

27/12/07 Quinta-feira: Juízo
Mateus 23:1-39
Todo o capítulo 23 de Mateus relata as duras críticas de Jesus aos escribas e fariseus. Por que Jesus emitiu um juízo tão duro contra essas pessoas?

"A crítica de Jesus se baseava no fato dos escribas e fariseus possuírem o conhecimento que salva e liberta e usarem esse conhecimento para o benefício próprio, impedindo o efeito desejado por Deus para a sua revelação. O versículo 13 diz: "Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês fecham o Reino dos céus diante dos homens! Vocês mesmos não entram, nem deixam entrar aqueles que gostariam de fazê-lo." Seria como se um homem contratasse alguém para estar à porta de sua casa para convidar e receber pessoas para uma festa, e esse porteiro usasse sua posição para se gabar e ganhar dinheiro, ao mesmo tempo em que impedisse a entrada de qualquer um. Que sentimento teria o dono a casa a respeito desse porteiro? O mesmo sentimento expresso por Jesus nesse capítulo a respeito dos escribas e fariseus." RN

28/12/07 Sexta-feira: Vigilância
Mateus 24:1-51
Falando a respeito dos eventos que precedem a sua vinda, Jesus conclui exortando seus discípulos a vigiarem, pois ninguém sabe o dia e a hora em que ele vai voltar. Que eventos difíceis Jesus narrou e que diante dos quais precisamos vigiar?

"Em primeiro lugar, falsos cristos e falsos profetas; depois, guerras e rumores de guerras, fomes, terremotos, perseguição e condenação à morte; traição e ódio, mais falsos profetas, aumento da maldade, esfriamento do amor; sacrilégio terrível, grande tribulação e mais falsos cristos e falsos profetas. São essas coisas que querem nos fazer perder e diante das quais precisamos mesmo vigiar e orar para não desanimarmos e não perdermos o rumo." RN

29/12/07 Sábado: Dez virgens
Mateus 25:1-46
Qual o ensino que podemos extrair a partir da parábola das dez virgens?

"A parábola das dez virgens nos ensina a estarmos preparados para a volta de Jesus, pois não sabemos quando ela ocorrerá. Todas as virgens tomaram suas lâmpadas e saíram para se encontrar com o noivo, ou seja, todas começaram a caminhar, todas deram passos na direção correta. Podemos entender como pessoas que se convertem e andam nos passos de Jesus ("eu sou o caminho"). Mas cinco dessas virgens não eram prudentes, não tinham cuidados para o seu caminhar e não tomaram azeite consigo, ou seja, não se prepararam de maneira adequada, com cuidados para que a lâmpada não se apagasse (oração, leitura bíblica, consagração, comunhão com o Espírito Santo). Foram de qualquer jeito e não chegaram a tempo, pois o noivo não esperou pelo preparo delas. Portanto, estejamos preparados!" RN

30/12/07 Domingo: Choro
Mateus 26:1-75
Após negar Jesus três vezes, Pedro sai e chora amargamente. Analise os sentimentos de Pedro naquele instante e diga: o que levou Pedro a negar Jesus?

"Pedro havia sido avisado por Jesus que o negaria três vezes. Na ocasião, havia afirmado veementemente que nunca faria isso. Jesus não lhe deu resposta alguma, mas deixou apenas que as coisas acontecessem. E aconteceram mesmo. Por que Pedro negou Jesus? Em primeiro lugar, porque ele era o único que estava perto o suficiente de Jesus para ser confrontado por outras pessoas. Os outros discípulos não negaram Jesus porque fugiram e não foram inquiridos. Talvez todos eles tivessem a mesma reação de Pedro se porventura passassem pelo mesmo confronto que Pedro passou. Mas Pedro negou a Jesus porque teve medo e não quis se comprometer. Ele sabia que se confessasse ser um discípulo de Cristo acabaria preso da mesma maneira que seu mestre. E não teve dúvidas: negou Jesus mesmo. Talvez ele imaginasse que seria apenas um ato único de evasão. Mas isso não aconteceu, e duas outras situações de confronto apareceram. E a estratégia foi a mesma: negar Jesus. Foi só quando o galo cantou que Pedro pôde perceber o que havia feito. E então o arrependimento encheu sua alma completamente, transbordando em choro. Mas depois que Jesus ressuscitou, Pedro teve a oportunidade de se retratar diante do Senhor e reafirmar 3 vezes que o amava (João 21:15-17). E, depois que recebeu o Espírito Santo, perdeu o medo e enfrentou ousadamente a contraposição, desta feita não apenas de uma criada, mas de todo um sinédrio (Atos 4:1-21 e 5:17-42)." RN

voltar ao topo

07/01/08 Segunda-feira: Descuidado
Juízes 8:1-35
O versículo 10 diz que ainda restavam uns 15 mil homens dos exércitos de Zebá e Zalmuna. Entretanto, Gideão, com seus 300 homens, feriu aquele exército (v. 11). Como pode ser isso? O que aprendemos com isso?

"O próprio texto do versículo 11 diz que o exército (de Zebá e Zalmuna) estava descuidado. Aprendemos que não podemos nos descuidar em momento nenhum, porque mesmo sendo em grande número poderemos sofrer derrotas se nos descuidarmos. Assim, estejamos sempre alertas! Vigiai e orai!" RN

08/01/08 Terça-feira: Graves conseqüências
Juízes 9:1-57
O texto narra a astuta e maldosa traição de Abimeleque contra seus 70 irmãos e seus tristes desdobramentos. Leia cuidadosamente o versículo 23 e diga: O que quer dizer que Deus enviou um mau espírito?

"A Bíblia diz que Deus não se deixa escarnecer, mas tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gálatas 6:7). No caso de Abimeleque, não resta dúvida de que sua ação inicial de traição e assassinato contra seus irmãos teve por inspirador o diabo. Como não havia lugar de arrependimento em Abimeleque ou nos moradores de Siquém, Deus permite que a ação das trevas continue sobre eles mesmos. Assim, o mesmo princípio de ganância de poder que havia atuado sobre Abimeleque e sobre os moradores de Siquém para que eles matassem os irmãos de Abimeleque, faz que que eles se consumam uns aos outros. Acabaram tomando do próprio veneno." RN

09/01/08 Quarta-feira: Compaixão
Juízes 10:1-18
Em razão da infidelidade espiritual dos filhos de Israel, que abandonaram o Senhor e serviram os deuses estranhos (v.6), os povos vizinhos os dominaram. Eles então clamaram ao Senhor, que disse que não os livraria mais (v.11-14). Entretanto, o versículo 16 diz que o coração de Deus se angustiou por causa da desgraça de Israel. Que aprendemos com isso?

"Aprendemos que o coração de Deus é compassivo e cheio de misericórdia. Aprendemos que Deus ama o seu povo e que sofre quando seu povo sofre. Ele é justo e retribuirá a cada um segundo as suas obras, mas não deixará de sofrer pelo seus amados. Alegremos pois o coração de Deus (e o nosso também), andando no caminho reto." RN

10/01/08 Quinta-feira: Voto louco
Juízes 11:1-40
Jeftá estava indo bem em suas decisões contra os filhos de Amom, até que, no versículo 31, faz um voto louco que traz conseqüências trágicas. O que isso nos ensina?

"Eclesiastes 5:5 diz que é melhor que não votemos do que votemos e não cumpramos. Assim, temos de ter muito cuidado com o que sai de nossas bocas. A nossa palavra tem peso e deve ser honrada, mas não podemos nos comprometer além de nossas possibilidades ou do razoável. Jeftá errou quando fez seu voto porque não imaginou o que poderia ter de oferecer. Talvez pensasse apenas em um animal de estimação, como um cão ou um cavalo. Mas acabou por comprometer a vida da própria filha única. Portanto, sejamos prudentes no nosso falar e nos nossos compromissos." RN

11/01/08 Sexta-feira: Contenciosos
Juízes 12:1-15
Mais uma vez os homens de Efraim reclamavam que não haviam sido chamados à guerra. Esta não era a primeira vez que isso acontecia (veja como eles reclamaram com Gideão em Juízes 8:1). Desta vez, porém, acabaram sofrendo muitas baixas. O que gerou esse prejuízo todo?

"Este prejuízo foi gerado pelo espírito contencioso dos homens de Efraim. Eles deveriam ter ficado contentes pelo fato do país ter vencido a guerra contra os amonitas, mas, ao invés disso, criaram um contencioso contra seus próprios irmãos. E perderam a briga, sofrendo uma baixa de quarenta e dois mil homens. Portanto, devemos cultivar a paz em todo o tempo, não entrando em contendas desnecessárias, pois os prejuízos não tardam a aparecer." RN

12/01/08 Sábado: Maravilhoso
Juízes 13:1-25
O "anjo do Senhor" que apareceu a Manoá e sua esposa, quando perguntado sobre seu nome, respondeu: "Por que perguntas assim pelo meu nome, visto que é maravilhoso?" Leia Isaías 9:6 e responda: Quem era esse "anjo do Senhor"?

"Este ´anjo do Senhor´ era nada menos que o próprio Jesus. Ele apareceu a Manoá e a sua esposa e deu instruções a respeito de Sansão. Muitas vezes no Antigo Testamento encontraremos a expressão ´anjo do Senhor´ indicando uma teofania, uma aparição do próprio Jesus. E Manoá entendeu isso, porque disse à sua esposa: ´Certamente morreremos, porquanto temos visto a Deus.´ Não morreram, entretanto, mas viveram para ver as promessas de Deus se cumprirem." RN

13/01/08 Domingo: Olhos
Juízes 14:1-20
Sansão, embora fosse nazireu de Deus e ungido do Senhor, não tinha um comportamento adequado. Foi buscar mulher entre as filhas dos filisteus, povo inimigo de Israel e estranho aos concertos divinos. E Sansão, justificando sua escolha aos seus pais, diz que "ela agrada aos meus olhos". Analise a frase de Sansão e responda: O que essa frase mostra a respeito de seu caráter?

"Sansão andava pela vista e não pela fé, como é a recomendação bíblica (II Coríntios 5:7). Esse é um típico comportamento carnal, que não compreende as coisas de Deus, mas somente as coisas dos homens. Entretanto, mesmo homens carnais podem ser usados por Deus para os seus propósitos, como o próprio Sansão bem exemplifica. Diante disso, podemos afirmar que o fato de sermos usados por Deus não significa nada, pois até mesmo o diabo é usado por Deus. Ele permite que o diabo opere dentro de certos limites para que a sua glória, poder e sabedoria sejam manifestados. Portanto, não nos enganemos: Sansão era usado por Deus, mas era carnal e andava segundo os desejos do seu coração, e não de acordo com a perfeita vontade de Deus." RN

voltar ao topo

14/01/08 Segunda-feira: Escolhas
Mateus 27:1-66
Diante da alternativa de Pilatos, de soltar Jesus ou Barrabás, o povo escolheu Barrabás. Embora esta escolha tenha sido influenciada pelos principais sacerdotes e anciãos, ela se baseou no livre arbítrio de cada um. Que "Barrabáses" satanás hoje apresenta à humanidade no lugar de Jesus?

"Satanás sabe que Jesus é o único que pode salvar a humanidade e, por isso, não mede esforços em criar ´alternativas´ ao Senhor Jesus. Todas essas ´alternativas´ são como Barrabás: assassinas. E que ´Barrabáses são esses? Em primeiro lugar, outros mediadores, como os chamados ´santos´. Depois, boas obras e reencarnação. Depois, outros deuses mesmo, com o pensamento de que ´tudo é deus´ e que ´você mesmo é deus´. Embora todas essas coisas tenham uma roupagem reluzente, de abnegação e boas obras, nenhuma delas se sujeita a Jesus e, portanto, não se sujeita ao Pai de Jesus, ao Deus verdadeiro, pois Deus mesmo falou a Pedro, Tiago e João no monte da transfiguração a respeito de Jesus: ´Este é o meu filho amado, a ELE ouvi!´ Mas as ´alternativas´ de satanás não param aí. Ele ainda tem outras ´ofertas mais baratas´ até, que não exigem nem mesmo esforço humano: prazeres, sexo desregrado, vícios, vida "livre", etc. Aqueles que, influenciados por satanás, deixam de escolher Jesus, um dia acabarão por ver que sua escolha foi equivocada. A multidão que escolheu Barrabás ficou com um assassino à solta e sem a esperança da vida eterna. Que escolha a deles! Façamos nós a certa!" RN

15/01/08 Terça-feira: Discípulo
Mateus 28:1-20
As últimas instruções de Jesus neste maravilhoso evangelho foram bem claras: Os discípulos deveriam fazer mais discípulos, batizá-los e ensiná-los a observar todos os mandamentos de Jesus. Quais as características de um discípulo, então?

"Um discípulo é alguém que ouviu de Jesus, se batizou e aprendeu quais os mandamentos que Jesus nos deixou, ou seja, qual é a vontade de Jesus para a nossa vida. O discípulo verdadeiro tem compromisso com o Mestre e deseja agradá-lo sempre através da obediência, pois não basta saber a vontade de Jesus, é preciso cumpri-la. Em algum ponto da jornada estará preparado para formar mais discípulos, falando de Jesus às pessoas, ensinando-as qual a vontade de Jesus e exortando-as a observar esses mandamentos." RN

16/01/08 Quarta-feira: Sábado de trabalho
Marcos 1:1-45
Embora o sábado seja considerado pelos judeus como o dia do descanso, vemos neste capítulo o exemplo de um dia sábado na vida de Jesus: foi à sinagoga e ensinou, expulsou um demônio de um homem que ali estava, curou a sogra de Pedro, curou os enfermos e libertou os endemoninhados que lhe trouxeram à porta no fim da tarde. Levantou-se no dia seguinte muito cedo, foi para um lugar deserto e permaneceu em oração, saiu dali e continuou a pregar. O que tudo isso nos leva a pensar?

"Isso nos leva a pensar que existe uma necessidade de nos aplicarmos ao trabalho de Deus, pois o tempo que temos é curto para tanto que deve ser feito. Jesus nos deixou o exemplo de perseverança, auto-negação, serviço e amor. Portanto, devemos seguir o exemplo do mestre e não desanimar diante dos grandes desafios da obra. Vamos cuidar da lavoura de Deus!" RN

17/01/08 Quinta-feira: Pecadores
Marcos 2:1-3
Chama a atenção o versículo 15, que diz que muitos publicanos e pecadores comiam com Jesus e o seguiam. O que isso nos leva a pensar sobre a atitude de Jesus para com os pecadores, que os atraía tanto?

"Os pecadores iam atrás de Jesus porque, ainda que Jesus odiasse o pecado, amava o pecador, e portanto sua palavra não era de condenação, mas de salvação. O amor de Jesus por eles os constrangia de tal forma que não podiam mais permanecer no pecado, mas se entregavam totalmente e eram libertos do poder do mal. Isso ficou patente no caso de Zaqueu, um cobrador de impostos desonesto que foi agraciado com uma visita inesperada de Jesus à sua casa. Zaqueu foi tão impactado que largou sua vida desonesta e restituiu o que havia roubado." RN

18/01/08 Sexta-feira: Prendam Jesus!
Marcos 3:1-35
O versículo 21 diz que a família de Jesus saiu para prendê-lo, pensando que ele estava louco. O que levou os irmãos e a mãe de Jesus a pensarem isso?

"O versículo 20 explica: Havia tanta gente indo ver Jesus que a casa em que ele estava ficou tão lotada que Jesus e seus discípulos não podiam nem ao menos se alimentar. Certamente os irmãos e a mãe de Jesus não estavam conseguindo compreender como alguém podia se doar tanto às coisas de Deus a ponto de descuidar das coisas básicas. Essa dificuldade vinha do fato de que eles tinham um limite, ainda que inconsciente, de quanto uma pessoa poderia se doar por amor a Deus. Essa mesma dificuldade ainda hoje é vivida por muitas pessoas, que conseguem compreender uma vida religiosa, com um número limitado de obrigações que devem ser cumpridas, mas não conseguem compreender uma vida completamente voltada para as coisas de Deus. Geralmente essa dificuldade acaba por considerar os atos de fé que implicam em renúncia como atos de fanatismo ou loucura. Mas Jesus não era louco nem fanático e sabia muito bem o que estava fazendo. Quando lhe disseram que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora da casa e que queriam falar com ele (versículo 32), ele respondeu que sua mãe e seus irmãos, ou seja, a sua família mais próxima, eram aqueles que faziam a vontade de Deus. Ou seja, fazer a vontade de Deus é mais importante até mesmo que cuidar das coisas básicas, como comer!" RN

19/01/08 Sábado: Lavoura
Marcos 4:1-41
Na parábola da semente, Jesus compara o reino de Deus à semeadura que um homem fez na terra e que crescia à medida em que os dias passavam, sem saber ele como. O que essa parábola nos ensina?

"Com essa parábola, aprendemos que os frutos do Espírito (amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança) aparecerão à medida em que a palavra (que é a semente) se desenvolver nos nossos corações e nos corações daqueles a quem pregarmos. E, assim como ocorre o crescimento de uma planta a partir de uma semente até a produção do grão cheio na espiga sem que o semeador entenda como, assim o maravilhoso crescimento da palavra de Deus nos homens ocorrerá sem que nós entendamos como. O crescimento da semente e a produção de frutos é um processo espantoso que não depende de quem semeia, mas sim da terra dar lugar à semente. Portanto, quando nós semeamos a palavra de Deus, devemos ter em mente que não são os nossos melhores esforços os responsáveis pela produção dos bons frutos, mas a própria palavra de Deus. Preguemos então a todos os que estão à nossa volta com ousadia. E, assim como o agricultor se maravilha de ver as plantas cheias de frutos, nós também nos alegraremos por vermos os frutos espirituais na vida daqueles a quem pregarmos." RN

20/01/08 Domingo: Fora
Marcos 5:1-43
Jesus mandou que saíssem todos os que estavam ao redor do corpo da filha de Jairo, permitindo que ficassem apenas os pais da menina e os discípulos que ele chamara para o acompanharem (Pedro, Tiago e João). Analise a situação e aponte as razões para esse "retire-se, por favor" de Jesus.

"Pedro, Tiago e João eram os discípulos mais chegados a Jesus. A esses Jesus mostrou a sua glória no monte da transfiguração. Foram esses que acompanharam o mestre durante a oração no Getsêmani (ainda que tivessem dormido). Portanto, esses discípulos tinham acesso às manifestações mais maravilhosas de Jesus. Eles foram eleitos por Jesus para isso e puderam também estar presentes na ressurreição da filha de Jairo. Quanto à Jairo, podemos afirmar que tinha fé, porque foi buscar Jesus para orar pela sua filha que estava morrendo. Ele cria que, apesar da gravidade da doença da menina, Jesus tinha poder para fazer toda a diferença e, por isso, não mediu esforços, mas lançou-se aos pés de Jesus e suplicou com para que fosse e orasse pela menina. E, quanto à mãe da menina, embora nada se diga, podemos entender que estava em concordância com seu marido e, de qualquer forma, era um só corpo com ele. Portanto, somente as pessoas que criam em Jesus tiveram permissão para ficar com ele quando ele ressuscitou a garota. O demais, que riram de Jesus quando ele disse que a menina não estava morta, mas dormindo, os que não criam no Mestre, foram convidados a se retirarem do recinto. A razão para esse ´retire-se, por favor´ de Jesus é uma só: a falta de fé daquelas pessoas. A mesma coisa vai acontecer quando Jesus voltar. Os que não têm fé em Jesus não poderão ficar na presença do Rei. Serão convidados a se retirar." RN

voltar ao topo

21/01/08 Segunda-feira: Clamor
Juízes 15:1-20
Sansão, embora tivesse uma força tremenda, capaz de arrebentar facilmente duas cordas novas que o amarravam, e de matar mil homens com uma queixada de jumento, quase morreu de sede e precisou clamar a Deus. O que aprendemos com isso?

"Aprendemos que o homem, não importa a sua força e sabedoria, não é e nunca será independente. Todos nós dependemos de Deus e, vez por outra, precisamos elevar a nossa voz em clamor, porque as nossas forças, os nossos recursos, são insuficientes para lidar com determinada situação. Ninguém deve, portanto, se ensoberbecer e achar que é melhor do que os outros, pois chegará o dia em que será humilhado. Andemos, pois, sempre na dependência de Deus, reconhecendo que é a sua misericórdia que nos mantém em pé, e agradecendo por seu imenso amor. Ao mesmo tempo, tenhamos uma atitude de humildade para com as outras pessoas também, entendendo que, se o nosso próximo é mais fraco do que nós em alguma área, nós também seremos achados fracos em alguma área em algum momento." RN

22/01/08 Terça-feira: Sem resistência
Juízes 16:1-31
Dalila, querendo descobrir o segredo da grande força de Sansão, perturbou-o tanto com palavras insistentes, que ele acabou contando tudo. Como resultado, teve a cabeça rapada, os olhos arrancados e tornou-se um joguete nas mãos dos filisteus. Pensando nessa história, o que você aprende para a sua própria vida?

"Aprendo que não devo permanecer em situação de risco, em situação de tentação. Sansão sabia que não devia contar nada a Dalila, mas o tempo foi passando e ele não se afastou dela. Como resultado, acabou cedendo e sofrendo as conseqüências. Nós também temos um limite de resistência às propostas do inimigo. Ninguém deve julgar que está completamente imune ao pecado. Se permanecermos perto das situações de tentação, acabaremos nos enfraquecendo pouco a pouco e, um dia, caindo de forma terrível. Portanto, o melhor é fugir de toda a aparência do mal. Como disse um chefe militar, quando perguntado sobre qual a melhor blindagem: ´Estar fora do alcance.´ Fique fora do alcance do inimigo! Fuja das tentações!" RN

23/01/08 Quarta-feira: Idolos
Juízes 17:1-13
Mica mantinha imagens de escultura e se esforçou para ter um levita como sacerdote em sua casa, pensando que assim o Senhor o abençoaria. O que este comportamento revela?

"Em primeiro lugar, este comportamento revela uma total falta de conhecimento da palavra de Deus. Embora a lei e os mandamentos estivessem bem registrados em palavras escritas, Mica não demonstra qualquer conhecimento deles, pois ele tinha uma ´casa de deuses´, ou seja, um santuário cheio de imagens de escultura, o que era terminantemente proibido por Deus. Mas, além disso, também chama a atenção o fato de que ele não só mantinha o seu próprio ´estoque de deuses´, mas se sentiu no direito elevar um filho seu, e depois um levita comum também, ao cargo de sacerdote. Talvez ele nem pensasse que isso nunca seria atribuição sua, elevar alguém a um posto de tal importância. Diante desse comportamento, não resta dúvida de que as regras também eram estabelecidas por Mica, pois se ele não observava a ordem de não fazer imagens de escultura, se ele não observava a hierarquia do sacerdócio levítico e dizia ele mesmo quem seria sacerdote, por que observaria ele qualquer preceito de Deus? E assim, por desconhecimento ou por má fé, o homem estabelece o seu próprio modo de se relacionar com o mundo espiritual, se afastando totalmente dos preceitos divinos. Portanto, o comportamento de Mica revela desconhecimento de Deus e absoluta falta de compromisso com a sua vontade, ou seja, distância total de Deus." RN

24/01/08 Quinta-feira: Desprecavidos
Juízes 18:1-31
Os habitantes de Laís viviam em uma terra espaçosa, na qual não havia falta de nada. Eles eram ricos e viviam muito bem, mas não tinham relacionamento com ninguém e não estavam precavidos. Isso custou a vida de todos eles. Que lição tiramos disso?

"Vemos claramente que não podemos relaxar na vigilância. Mesmo quando tudo está bem, quando a terra está produzindo bastante e há tranqüilidade, precisamos estar atentos à aproximação do inimigo. Evidentemente que isso se aplica ao lado material, de relacionamento humano e espiritual. Não sabemos quando virá o ataque, mas podemos vigiar para que ele seja combatido e rechaçado o mais cedo possível." RN

25/01/08 Sexta-feira: Maldade
Juízes 19:1-30
Um certo levita, viajando de volta para a sua terra, evitou pernoitar em cidades habitadas por estrangeiros, preferindo pernoitar em uma cidade israelita, no caso, Gibeá. Entretanto, acabou nas mãos malfeitores de seu próprio povo e sua concubina foi violentada até a morte. Por que o crime dos israelitas foi pior do que se tivesse sido feito por estrangeiros?

"Porque, em primeiro lugar, os israelitas seriam a ´família´ do levita, eram seu próprio povo. Em uma época de guerras entre clãs e povos não tão numerosos, isso era ainda mais patente. Foi por essa razão inclusive que o levita insistiu em pernoitar em uma cidade israelita: para permanecer entre seu próprio povo e ficar mais protegido, tanto do ponto de vista físico como espiritual. Foi traído por facínoras que eram israelitas no nome, mas não no coração. Em segundo lugar, o crime é mais hodiondo do que se tivesse sido cometido por estrangeiros porque a nação de Israel havia muito era alvo da palavra do Altíssimo, que ensina a forma correta de viver: Amor, fé, misericórdia, justiça, etc. Portanto, os homens que cometeram o crime já haviam ouvido o que era a verdade. Passaram por cima de tudo o que Deus havia dito e deram completo lugar ao diabo. Crime bárbaro e repugnante cometido por pessoas de quem se esperava coisas boas. Quanto não terão de responder diante de Deus esses homens no dia do juízo! Mas nós devemos pensar em nós também, que temos ouvido a palavra da verdade: O que fazemos? Produzimos bons frutos ou maus frutos? Cada um deve se avaliar continuamente em santo temor de Deus!" RN

26/01/08 Sábado: Fratricídio
Juízes 20:1-48
Uma guerra entre irmãos e milhares de mortos. Sabemos que "tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito" (Romanos 15:4a). O que podemos aprender com essa tragédia?

"Muitas coisas: Que não devemos tomar a justiça em nossas próprias mãos, pois podemos acabar sendo nós os mais errados, causando muito mais dano do que aquele que pensamos corrigir. Que não devemos pagar na mesma moeda, pois violência só gera violência. Que não devemos começar conflitos, pois eles podem tomar uma proporção muito maior do que desejávamos a princípio, com danos enormes para os outros e para nós mesmos. Aprendamos, então, e apliquemos à nossa vida hoje." RN

27/01/08 Domingo: Sem rei
Juízes 21:1-25
O último versículo diz que "naquele tempo não havia rei em Israel, mas que cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos". Como isso explica os fatos terríveis desta guerra entre irmãos?

"Quando o homem não se submete à autoridade constituída, pode acabar por interpretar tudo de acordo com sua própria vontade, até mesmo a palavra de Deus. E isso é terrível, pois nós conhecemos bem o que há dentro do homem, qual é a vontade da carne de cada um. No intuito de fazer justiça, os israelitas sem rei acabaram produzindo um massacre. Tentando vingar um estupro, suas ações causaram a morte de milhares de pessoas (65130 homens na guerra, fora os moradores da cidade de Jabes-Gileade) e o sequestro de 600 moças. Portanto, o homem, qualquer que seja ele, não pode deixar de prestar contas às autoridades. Mesmo os governantes precisam se submeter à autoridade. Devem, por exemplo, os presidentes ser limitados pela lei formulada pelo poder legislativo e interpretada pelo poder judiciário. Se isso não ocorre, ele se torna um déspota e pode causar extremo sofrimento à nação." RN

voltar ao topo

28/01/08 Segunda-feira: Jesus não podia!
Marcos 6:1-56
Embora com poder para ressuscitar mortos, multiplicar pães e peixes, dominar tempestades e andar por cima das águas, o texto diz que Jesus não podia fazer obras maravilhosas em sua própria pátria. Por quê?

"O versículo 6 traz a explicação: as pessoas dali eram incrédulas. Elas estavam acostumadas com Jesus pois o tinham visto crescer. Conheciam José e Maria, conheciam os quatro irmãos de Jesus e as suas irmãs. Para eles, Jesus era um ´velho conhecido´ e, por isso mesmo, não podiam conceber que algo maravilhoso se operasse na vida deles. Talvez pensassem: ´Então, como não o vimos antes?´ Mas o fato é que a incredulidade deles era tão grande que chegou a admirar Jesus! E, como sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6), aquelas pessoas não podiam agradar a Deus e não alcançavam graça alguma, mesmo tendo Jesus em pessoa diante de si." RN

29/01/08 Terça-feira: Ouvidos para ouvir
Marcos 7:37
Após fazer uma afirmação, Jesus disse: "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça." Que quer dizer esta frase?

"Evidentemente, todos temos um ouvido físico capaz de ouvir, exceção feita aos surdos. Mas Jesus aqui não está se referindo ao ouvido físico, mas ao da alma. Este não está presente em todas as pessoas, porque algumas pessoas voluntariamente escolhem não ouvir determinadas coisas. O salmo 58, falando a respeito dos ímpios, declara que são ´como a víbora surda, que tapa os ouvidos para não ouvir a voz dos encantadores, do encantador sábio em encantamentos`. Ou seja, há pessoas que voluntariamente rejeitam a instrução e desprezam o conhecimento, não se deixam instruir, não querem mudar. Jesus mesmo (em João 8:37,43), falando com os judeus que o rejeitavam, disse-lhes que sabia que eles eram descendência de Abraão, mas que também sabia que eles procuravam matá-lo porque a sua palavra não entrava neles. E inquiriu: ´Por que vocês não entendem a minha linguagem? Porque não podem ouvir a minha palavra.` Ou seja, eles ouviam, rejeitavam e ´não compreendiam´. Portanto, quando Jesus fala ´quem tem ouvidos para ouvir´, ele está dizendo: ´Quem quer ouvir, quem deseja ouvir, quem tem disposição para ouvir, quem não é tão rebelde para ouvir`. A esses, a exortação: Ouçam! Os demais não ouvirão, e responderão por isso." RN

30/01/08 Quarta-feira: Dois toques
Marcos 8:1-38
Quando Jesus entrou em Betsaida, trouxeram-lhe um cego e pediram-lhe que o tocasse, para que ficasse são. Jesus precisou tocá-lo duas vezes para que ele recuperasse totalmente a visão. Analise a situação e procure interpretá-la.

"Primeiro, Jesus tomou o cego pela mão e o levou para fora da aldeia. Podemos imaginar que Jesus não queria que essa cura fosse presenciada por outras pessoas além dos discípulos. Talvez houvesse ali pessoas não dignas de verem um milagre dessa natureza, ou talvez a presença de incrédulos conhecidos do cego atrapalhasse a fé desse homem. Depois, Jesus cuspiu nos olhos do cego e lhe impôs as mãos. Jesus mais uma vez usa sua saliva para curar alguém. Isso havia sido feito no caso do surdo-mudo (Marcos 7:32-ss) e no caso do cego de nascença (João 9:1-ss). Para um judeu, ungir alguém com saliva seria uma abominação, mas a necessidade do cego e o caráter, autoridade e poder de Jesus (provados por suas pregações, comportamento, sinais e maravilhas) eram mais do que suficientes para fazer com que também isso fosse ultrapassado. O mesmo deve acontecer conosco. Quando entendemos a nossa necessidade e compreendemos quem Jesus é, não há mais limite para o que ele nos possa nos mandar ou fazer conosco, pois já confiamos o suficiente para não nos escandalizarmos, mas obedecermos de todo o coração. Mas o cego, no caso, foi apenas parcialmente curado ao primeiro toque. Ele já conseguia enxergar, mas não distintamente, pois via os homens como árvores que andavam. Enxergar os homens como árvores não é exatamente enxergar. Precisamos ver claramente como são os homens. Precisamos ter a visão de Cristo, de amor e misericórdia. Qualquer outra visão não serve. Acabaremos por subir nas árvores, explorar o seu fruto, derrubá-las e usá-las para fabricação de objetos ou para a queima no fogo. Jesus então toca mais uma vez nos olhos do cego, mas desta vez ordena-lhe que olhe para cima. E então o cego é curado e consegue enxergar claramente. Nós também, muitas vezes, precisamos de um segundo toque de Jesus, pois não alcançamos a visão completa ao primeiro toque. Precisamos também olhar para cima, para os propósitos de Deus, para que sejamos completamente curados. Quem não olha para cima permanecerá com visão turva e não poderá compreender e amar nem ao próximo e nem a Deus." RN

31/01/08 Quinta-feira: O maior
Marcos 9:1-50
Os discípulos haviam discutido no caminho qual deles era o maior. Jesus então os ensina que aquele que quisesse ser o primeiro deveria ser o servo de todos. O que, na prática, devemos fazer então?

"Assim como Jesus não veio para buscar os seus interesses, mas os interesses de Deus Pai e os nossos, assim devemos nós também fazer. Buscar aquilo que é de proveito para Deus e para o nosso semelhante é o segredo da verdadeira vida. Mas não é isso que encontramos no mundo e nem mesmo na nossa vontade carnal. No mundo cada um busca o que é seu. cada um quer se sentir ´por cima´, se sentir melhor do que os demais e ser servido. E essa é a tendência da nossa carne também. Para podermos buscar os interesses de Deus e os dos nossos semelhantes antes dos nossos interesses, é necessário que haja uma mudança profunda da nossa mentalidade. Somente quando entendemos que Deus nos recompensará por absolutamente tudo o que fizermos de bom para o ele é que teremos liberdade de abrir mão de nossos interesses imediatos. Nessa situação, munidos dessa esperança e expectativa, não mais buscaremos oportunidades de sermos servidos, mas sim de servir. Não desejaremos ter o nosso nome em destaque, mas em oculto. E de tudo o mais que abrirmos mão teremos a esperança de um galardão celestial. Na verdade, todas as aparentes perdas de hoje se tornarão para nós em apenas ´investimentos´ para a eternidade. Portanto, na prática, devemos buscar as riquezas da eternidade para abrirmos mão das riquezas do presente, se quisermos viver de acordo com a vontade de Deus na época atual." RN

01/02/08 Sexta-feira: Venda total
Marcos 10:1-52
Ao ser abordado por um jovem rico, que afirmou guardar os mandamentos desde a sua mocidade, Jesus mandou-o vender tudo o que possuía, dar o produto aos pobres e segui-lo. Diante dessa palavra, o jovem saiu triste. Por que Jesus disse isso a esse jovem? Isso se aplica a todos nós também?

"Não é muito difícil alguém se apegar ao dinheiro. Mesmo quando não se tem muito, o desejo do dinheiro, o desejo da sensação de conforto e segurança que o dinheiro traz, acaba por produzir um certo grau de cobiça na grande maioria dos homens. Isso, até determinado limite, é normal. O que prejudica é o amor ao dinheiro, um desejo de possuí-lo tão forte que acaba por suplantar outras riquezas sabidamente mais importantes, como o amor ao próximo ou o amor a Deus. Quando amamos mais o dinheiro do que o nosso semelhante, acabaremos por nos desviar daquele que necessita para preservarmos o nosso ´rico dinheirinho´. Jesus, conhecedor do coração de todos, pediu ao jovem rico que se desfizesse de todos os seus bens antes de segui-lo. O jovem saiu triste porque tinha muito e, evidentemente, não tinha nenhuma disposição de vender tudo para seguir Jesus. E Jesus mesmo disse que ninguém pode servir a dois senhores ao mesmo tempo. Sempre haverá alguém mal atendido. Ou servimos a Deus ou ao dinheiro. Isso se aplica tanto ao jovem rico quanto a nós. E, embora não haja um preceito bíblico dizendo para vendermos tudo antes de seguirmos Jesus, há o preceito de que não podemos amar coisa alguma mais do que amamos a Jesus. Nem nossos pais, nem a nossa própria vida, nem o dinheiro. E um jeito de sabermos se temos apego demasiado ao dinheiro é o dízimo. Quem ama o dinheiro não dará o dízimo, e sempre achará desculpas para não fazê-lo. ´Ah, não está escrito explicitamente no Novo Testamento.´ ´Pode não ser exatamente 10%.` ´Eu dou de outras formas..´(quando não abre a mão nem para dar ´tchau´). Etc.E você, é dizimista? Se não é, então tem apego demasiado ao dinheiro e não ama Jesus como deveria. Quando você encontrar Jesus, é muito provável que ele lhe peça que venda tudo." RN

02/02/08 Sábado: Quando você orar
Marcos 11:1-33
O ensino de Jesus quanto ao perdão era claro: quando você for orar, perdoe, para que também o Pai celestial perdoe a suas ofensas. Que aplicações tiramos disso?

"Entendemos claramente que a nossa mágoa só pode durar até a nossa próxima oração. Na verdade, se orássemos sem cessar não teríamos espaço para mágoa em nós. Orando o tempo todo, nós perdoaríamos assim que sofrêssemos a ofensa. Foi o que Jesus fez o tempo todo, até mesmo na cruz, onde ele orou ao pai que perdoasse seus ofensores, pois não sabiam o que estavam fazendo. Entretanto, digamos que alguém não ore continuamente, mas ore pelo menos uma vez ao dia. Neste caso, sua mágoa pode durar 24 horas no máximo. E no caso dos cristãos ´domingueiros´, que oram quando vão à igreja no domingo, sua mágoa poderia durar 7 dias. Portanto, quando mais oramos, quanto mais perdoamos, menos mágoa. E, paralelamente, menos pecado sobre a nossa cabeça, pois o nosso pecado permanece enquanto não perdoamos. Se você ora continuamente e perdoa continuamente, não fica com pecado algum. Se ora e perdoa uma vez ao dia, pode ficar com pecados um dia. Se ora e perdoa uma vez por semana, pode ficar com pecados durante 7 dias. Mas, perguntará alguém, e se alguém ora e não perdoa? Então a oração dessa pessoa não é ouvida, porque seus pecados fazem separação entre ela e Deus (leia Isaías 59:2). Resumindo: Não dá para orar sem perdoar e não dá para ser perdoado sem perdoar." RN

03/02/08 Domingo: Não longe
Marcos 12:1-44
Falando com um escriba, Jesus apontou quais os dois maiores mandamentos. Quando o escriba concordou com suas afirmações, Jesus lhe disse que ele não estava longe do reino dos céus. Que quer dizer "não estar longe"?

"Em primeiro lugar, ´não estar longe´ significa que falta pouco para se chegar a algum lugar. O escriba tinha bom entendimento do que era a vontade de Deus, e isso só poderia se dar pela própria operação do Espírito de Deus em seu coração. Mas ´não estar longe´ também significa que ainda não se chegou ao destino, que ainda falta algum trecho de caminho para ser percorrido. No caso, o escriba com quem Jesus conversou ainda não havia reconhecido na pessoa de Jesus o seu salvador. E sabemos que ninguém é salvo pelas obras ou pelo cumprimento da lei, quanto menos por apenas saber o que é certo e o que é errado." RN

voltar ao topo

04/02/08 Segunda-feira: Amor
Rute 1:1-22
Após a morte do marido e dos dois filhos, Noemi volta à terra de Israel completamente empobrecida. Mas a amizade e companhia de Rute (nome que significa amiga, companheira) é algo de valor. O que levou Rute a acompanhar Noemi? Qual a importância desse ato de Rute para a vida de Noemi?

"Rute não era ingrata e sabia retribuir o carinho e a atenção que lhe haviam sido dispensadas por Noemi. Sua sogra agora não tinha mais nada no mundo, e Rute sabia que sua presença era importante para Noemi. Assim, por amor a Noemi, Rute abre mão de voltar a seu povo para ajudar sua sogra. Para Noemi, a presença de Rute era a única riqueza que possuía, era a única alegria que ainda podia desfrutar. Talvez, sem a presença de Rute a seu lado, a pobre Noemi teria terminado seus dias realmente em amargura (´Mara´ significa ´amarga´)." RN

05/02/08 Terça-feira: Bom testemunho
Rute 2:1-23
Rute vai apanhar restos da colheita, uma atividade humilhante, mas uma forma que os pobres tinham em Israel para se manterem. Boaz nota sua presença, mas não é a beleza de Rute que faz com que Boaz a abençoe muito. O que foi então?

"O bom testemunho de Rute, narrado pelos funcionários de Boaz, faz com que este realmente respeite aquela moça e compreenda o seu valor. Boaz então diz a Rute para não ir para outros campos, mas para permanecer ali, nos seus campos. Além disso, lhe dá permissão para ir aos bebedouros, ordena a seus servos que não a molestem, lhe dá uma boa refeição e manda aos seus empregados que deixem cair de propósito alguns punhados de grãos. Cumpre-se aqui o princípio bíblico de semeadura e colheita: Rute foi boa com Noemi, Boaz foi bom com Rute. Como diz a palavra de Deus, mais vale o bom nome do que a muitas riquezas. O testemunho fiel de Rute valeu-lhe muito na hora da dificuldade." RN

06/02/08 Quarta-feira: Submissão
Rute 3:1-18
Rute não era israelita e poderia não querer se submeter à lei que dava a Boaz a posição de seu remidor. Ela poderia querer escolher por seus próprios olhos outro marido para si, talvez alguém jovem. Mas ela acata o conselho de sua sogra e procura Boaz. Por que ela fez isso? Isso lhe foi bom?

"A própria Rute já havia declarado a Noemi que ´o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus´. Dessa forma, Rute estava se submetendo plenamente aos mandamentos e ordenanças do Deus de Israel, através da orientação de sua sogra. Por isso, ainda que pudesse realmente escolher alguém mais novo para si, obedece Noemi e procura Boaz. Essa submissão ao conselho de Deus e de sua sogra acaba lhe sendo muito útil, pois Boaz não apenas era homem digno, mas acabou por estar na linha direta da genealogia de Jesus. Rute acabou sendo parte da genealogia do Salvador! Vale à pena ouvirmos a voz de Deus!" RN

07/02/08 Quinta-feira: Bênção x responsabilidade
Rute 4:1-22
O outro remidor aceitou tomar as terras de Noemi, mas não aceitou se receber Rute como sua esposa. Ele queria a bênção do papel de remidor, mas não a responsabilidade. Dá para separarmos bênçãos de responsabilidades?

"Não, pois uma e outra coisa estão ligadas. Quanto maior a responsabilidade, maior a bênção. E, quanto maior a bênção, maior a responsabilidade. Vemos isso na parábola dos diversos talentos contada por Jesus. Quanto mais talentos, maior a expectativa da produção de novos talentos. Se queremos as bênçãos, devemos estar também prontos a assumir as responsabilidades. É assim com o casamento, com um emprego de alto cargo, com um ministério na igreja, etc. Eles só poderão ser bênção se forem assumidos com todas as suas responsabilidades. Caso contrário, deixarão de ser bênção. No caso da remissão de Noemi, não era possível ao remidor tomar apenas as terras dela, mas deveria também asumir sua nora." RN

08/02/08 Sexta-feira: Luta
I Samuel 1:1-28
Um período de luta espiritual precedeu o nascimento de Samuel, pois Ana, sua mãe, era estéril. Em função disso, o menino foi concebido debaixo de muito mais oração que os outros meninos e foi consagrado ao Senhor. Como a luta espiritual pode transformar uma tribulação em uma grande bênção?

"Na verdade, parece que nós temos a tendência a nos movermos o mínimo necessário. Trabalhamos o necessário, nos esforçamos o necessário e oramos o necessário. Por isso, diante de uma dificuldade é que a nossa maior busca do Senhor tem a oportunidade de se mostrar. Na hora da tribulação as orações se multiplicam, o clamor é mais alto, as lágrimas brotam, os suspiros aparecem. E é em meio a esse turbilhão de busca do Senhor que as coisas mais preciosas de Deus nos alcançam. É assim o milagre: sempre há uma necessidade premente que o precede. Quanto maior a necessidade, maior o milagre. E é assim que Deus opera: suprindo em glória todas as nossas necessidades. Portanto, não podemos esquecer disso da próxima vez que tivermos uma tribulação. Devemos lembrar: a tribulação e a necessidade é o solo onde o milagre brota. A palavra de promessa do Senhor é a semente. E o clamor e a oração são a água que rega a semente. Não desanimemos, então, diante das tribulações: Lutemos com fé em oração!" RN

09/02/08 Sábado: Pecados
I Samuel 2:1-36
Hofni e Finéias eram sacerdotes, mas faziam muitas coisas erradas. Quais os pecados deles narrados nesse capítulo? Qual foi a conseqüência e o que podemos aprender com isso?

"Hofni e Finéias abusavam de sua posição e pegavam a carne que ia ser oferecida a Deus antes mesmo dela ser assim consagrada. Como sacerdotes, eles tinham direito a uma parte da carne, mas tudo tinha ordem e limites. Não respeitando esses limites, eles estavam ´dando coices´ contra a oferta a Deus, segundo o que o próprio Deus falou pelo profeta que enviou para falar com Eli. E Deus ainda disse que eles o estavam desprezando (v.30). Portanto, esse pecado era muito grave. Mas Hofni e Finéias, além disso, ainda se deitavam com as mulheres que se ajuntavam à porta da teda da congregação. Ou seja, ao invés de ministrarem a palavra de Deus a essas mulheres, eles promoviam o pecado: Eles pecavam e faziam com que elas pecassem também! A conseqüência foi que Deus endureceu o coração deles para que eles não ouvissem a repreensão de seu pai Eli, poara que morressem. E isso é algo que precisamos compreender: A quem muito é dado, muito é requerido. Deus não se deixa escarnecer e estabelece limites a partir dos quais não dá espaço de arrependimento, mas faz sofrer as conseqüências. Portanto, tenhamos temor de tocar nas coisas de Deus, como dízimos e ofertas. E tenhamos temor para não nos envolvermos em pecados de qualquer natureza, principalmente sexuais. Antes ´sirvamos a Deus agradavelmente com reverência e piedade, porque o nosso Deus é um fogo consumidor´ (Hebreus 12:28b-29)." RN

10/02/08 Domingo: Ouvidos abertos
I Samuel 3:1-21
Deus chamou a Samuel durante a noite e falou com ele. A partir daí, o Senhor continuou a se manifestar a Samuel. Que privilégio maravilhoso esse de Samuel poder ouvir a Deus sempre! Ninguém mais em sua época tinha esse privilégio. E nós, podemos ouvir a Deus? Como?

"Hoje nós temos acesso ao Pai através de Jesus Cristo. Quando oramos em seu nome, sabemos que a nossa oração chega ao trono da graça. E podemos ouvir a Deus pelo seu Espírito Santo. O Espírito Santo nos foi dado justamente com o propósito de nos fortalecer e dirigir em todas as situações das nossas vidas. Ele nos fala, nos orienta, nos ensina, nos faz lembrar, nos conforta, nos dá ânimo, etc. Ouvir a Deus hoje é privilégio de todos os que têm o Espírito de Deus, o Espírito Santo morando dentro de si." RN

voltar ao topo

11/02/08 Segunda-feira: Pedra sobre pedra
Marcos 13:1-37
Jesus prevê que não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada. O que isto significa? O que nos ensina?

"Significa que tudo aquilo que o homem construiu será colocado abaixo. Toda a capacidade humana, seja ela econômica, intelectual, militar, ou qualquer outra será abatida na grande tribulação. Ninguém poderá se suster pelas suas próprias forças. Aqueles que confiam em suas próprias possibilidades acabarão como os edifícios mencionados por Jesus: derribados. Somente a fé e confiança em Jesus poderão salvar pessoas durante esse período. Portanto, aprendamos a confiar em Deus desde agora, entregando totalmente nossa vida nas mãos do criador." RN

12/02/08 Terça-feira: Fugiu nu
Marcos 14:1-72
Apenas Marcos menciona um jovem que seguia Jesus vestido somente com um lençol. Quando perseguiram esse jovem, ele largou o lençol e fugiu nu! Sabendo que isso é uma figura, o que aprendemos com isso?

"O lençol cobrindo o corpo nu representa o perdão dos pecados no sangue de Jesus, ou seja, aquilo que nos cobre as vergonhas. Mas quem segue a Jesus sempre estará sujeito à perseguição - que foi o que aconteceu com aquele jovem que seguia a Jesus no Getsêmani. Largar o lençol e fugir nu representa a volta à velha vida, à velha condição de nudez que tínhamos antes de aceitarmos o perdão e senhorio de Cristo. Para que a perseguição não nos faça perder o envoltório de cobertura, precisamos de um revestimento a mais: A armadura de Deus, mencionada em Efésios 6:10-18. Se o jovem estivesse com uma armadura revestindo seu lençol, poderia ser até que fugisse, mas não largaria suas vestes e não se veriam suas vergonhas." RN

13/02/08 Quarta-feira: De alto a baixo
Marcos 15:1-47
Logo após Jesus entregar o espírito com um grande brado, o véu do templo se rasgou de alto a baixo. O que essa figura representa?

"O véu era um pano muito grosso que separava o lugar santo do lugar santíssimo, onde a presença de Deus se manifestava. No lugar santo a todo o momento os sacerdotes entravam para exercer as suas funções, mas no lugar santíssimo, entrava apenas o sumo sacerdote, uma vez por ano e com muitos cuidados de expiação (sacrifícios, etc). Com isso o Espírito Santo dava a entender que o caminho do homem para Deus ainda estava bloqueado. Quando Jesus morreu, o véu se rasgou. Isso é a representação física do que ocorreu no mundo espiritual: A morte de Jesus liberou o caminho do homem para Deus pelo perdão dos pecados. Que o véu tenha se rasgado de cima para baixo e não de baixo para cima significa que a iniciativa e obra da abertura do caminho partiu de Deus somente." RN

14/02/08 Quinta-feira: E a Pedro
Marcos 16:1-20
Ao dar instruções às mulheres que haviam ido ao sepulcro, o anjo teve o cuidado de enfatizar a quem as instruções sobre o encontro com Jesus se destinavam: "aos seus discípulos e a Pedro". Por que esse cuidado com Pedro? Por que somente o seu nome foi citado?

"Porque foi Pedro o único que havia negado Jesus. E ele ainda devia estar se remoendo por ter negado o Senhor três vezes de uma forma tão vergonhosa. Justo ele, que havia enfaticamente afirmado que ainda que todos abandonassem a Jesus, ele não o faria! Mas a misericórdia de Deus é tremenda e o anjo, ao declarar o nome de Pedro, quis deixar bem claro que ele também estava contado entre aqueles com os quais Jesus gostaria de se encontrar. Em outras palavras, Jesus ainda contava com Pedro. Sim, Pedro poderia ter a certeza de que, apesar de sua negação do Senhor, o Senhor Jesus ainda continuava a amá-lo." RN

15/02/08 Sexta-feira: Muito tempo depois
Lucas 1:1-80
Zacarias havia orado por Isabel sua esposa muito tempo, mas agora eles já estavam velhos. Será que Zacarias ainda orava por ela? Provavelmente, não. Ele deve ter entendido que não era da vontade de Deus que eles tivessem filhos. Mas o anjo que lhe apareceu também lhe disse: "A tua oração foi ouvida". Que isso nos leva a pensar?

"Isso nos mostra que a oração que fazemos de acordo com a vontade de Deus continua válida para sempre, ela não perde a validade ainda que venhamos a nos esquecer dela pelo tempo decorrido e a perder completamente as esperanças. Zacarias já nem mesmo cria que a gravidez de sua esposa fosse possível, pois disse ao anjo: ´Eu já sou velho e minha mulher avançada em idade´. E, por não crer nas palavras do anjo, acabou ficando mudo. Vemos então que o atender da oração depende muito dos planos de Deus. Se aquilo que pedimos é a perfeita vontade de Deus, se cumprirá um dia, ainda que nós próprios venhamos, pela longa espera, a perder as esperanças de recebermos o que pedimos!" RN

16/02/08 Sábado: Esqueceram de Jesus
Lucas 2:1-52
Quando Jesus tinha doze anos de idade, seus pais o esqueceram em Jerusalém e andaram caminho de um dia, pensando que ele estivesse com parentes e conhecidos. Somente depois desse tempo é que notaram a falta de Jesus e começaram a procurá-lo. Qual a importância da certeza da presença constante de Jesus em nossas vidas?

"Se andarmos pelos caminhos da vida apenas pensando que Jesus está conosco, sem de fato termos a certeza de sua presença, corremos o risco de termos de voltar no caminho já percorrido e procurar Jesus onde o vimos pela última vez. Portanto, é muito importante que não nos deixemos acomodar apenas porque um dia aceitamos Jesus e ouvimos a sua voz. Precisamos manter íntima comunhão com ele todos os dias, colocando tudo o que vamos fazer diante dele para que ele participe de toda a nossa vida, e não apenas de pontos isolados. Se não fizermos isso, se não buscarmos Jesus todos os dias e apenas acharmos que ele nos acompanhará automaticamente, poderemos um dia ser surpreendidos com a ausência dele por perto e obrigados a uma busca de emergência, com toda perda de tempo e riscos que tal busca traz consigo. Portanto, mantenhamos a comunhão com Jesus diariamente, em oração, leitura bíblica, consagração e obediência." RN

17/02/08 Domingo: Espírito Santo
Lucas 3:1-38
Algumas pessoas pensam que o Espírito Santo não é uma pessoa, mas apenas uma força ativa, assim como um campo magnético ou corrente elétrica. Mas neste texto o Espírito Santo se manifesta em forma corpórea. No seu entendimento, isso é uma prova de que o Espírito Santo não é algo, mas alguém? Procure citar outros textos que mostram a atividade do Espírito Santo.

"Sim, o fato do Espírito Santo descer sobre Jesus em forma de pomba é uma prova de que o Espírito Santo não é algo, mas alguém. A Bíblia diz que o Espírito Santo se entristece (´E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção´ - Efésios 4:30), convence (´E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo´- João 16:8), guia à verdade, fala, ouve e anuncia o que há de vir (´Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.João 16:13), glorifica a Jesus (´Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar´ - João 16:14), revela (´E fora-lhe revelado, pelo Espírito Santo, que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor´ - Lucas 2:26) e ensina (´Porque na mesma hora vos ensinará o Espírito Santo o que vos convenha falar´ - Lucas 12:12)." RN

voltar ao topo

18/02/08 Segunda-feira: Amuleto?
I Samuel 4:1-22
Os israelitas, após perderem a primeira batalha contra os filisteus, mandaram buscar a arca de Deus e a trouxeram para o arraial de guerra. Porém, mesmo com o seu "amuleto", perderam a segunda batalha e a arca de Deus foi tomada. Por que a presença da arca não influenciou positivamente o resultado do combate para os israelitas?

"O Senhor é Deus e Ele nos domina e não o inverso! Se fosse dado ao homem o poder de controlar as ações de Deus por ter ele algum objeto, então Deus deixaria de ser o Senhor e passaria a ser um ´gênio da lâmpada´, um escravo a serviço do homem! De forma nenhuma! Deus é o Senhor e sempre será! Ele não pode ser controlado, manipulado ou pressionado! Nada e ninguém é mais poderoso ou mais sábio do que Ele! Os céus e a terra, com tudo o que neles há, dependem do criador e devem a Ele submissão! Os israelitas, ao invés de clamarem a Deus por misericórdia e se submeterem aos seus desígnios, preferiram apenas trazer a arca de Deus do santuário para o meio do combate. É o mesmo que hoje algumas pessoas fazem, ao carregar objetos que crêem ´santos´, como figuras de Jesus, de ´santos´, cruzes, óleos ditos ´ungidos´, Bíblias consagradas, etc. Tudo isso não passa de fetichismo espiritual desprovido de qualquer valor diante de Deus. O que vale é um coração quebrantado e contrito, submisso à sua bendita palavra e disposto a dizer não à sua própria vontade para que se cumpra a vontade do alto. Se isso não acontecer, irão o supersticioso e seus objetos de superstição para a derrota. A arca realmente era santa e era objeto importante, mas não se prestaria a ser um meio de manipulação. Portanto, os israelitas perderam a batalha, Hofni e Finéias morreram nessa batalha (como Deus já havia anunciado) e a arca foi tomada. Mas, quanto à arca, ninguém precisa se preocupar - Deus não precisa de guarda-costas nem de defensores. Veja nos próximos capítulos o que ocorreu com os ímpios filisteus que levaram a arca." RN

19/02/08 Terça-feira: Mão forte
I Samuel 5:1-12
Podemos imaginar a alegria dos filisteus após tomarem a arca de Deus das mãos dos israelitas. Mas os acontecimentos posteriores foram terríveis para eles. Por que Deus pesou tanto a mão sobre os filisteus?

"O Deus criador havia escolhido os israelitas para seu povo particular e feito com eles uma aliança, um pacto. Os filisteus estavam não somente alheios ao pacto, mas eram inimigos de Israel. Portanto, o juízo de Deus caiu sobre eles. A presença de Deus no meio de pecadores fora do pacto causa condenação dos pecadores. O pecado do homem não pode subsistir diante da santidade de Deus. É necessário que haja uma propiciação, uma cobertura para o homem poder ser justificado e regenerado. Naquela época esse era um privilégio dos israelitas. Hoje a salvação está disponível para todas as pessoas. Jesus é a porta para essa salvação, para esse novo pacto que cobre os pecados que nem mesmo o Antigo Pacto cobria. Portanto, ninguém deve ficar fora desse pacto, dessa aliança com Deus. Quem está na aliança, pode levar a arca de Deus para dentro de sua casa. Jesus estará sempre presente, falando através da Bíblia e inspirando e dirigindo através do Espírito Santo." RN

20/02/08 Quarta-feira: Prova
I Samuel 6:1-21
Os príncipes filisteus, desesperados, chamaram os sacerdotes de seus deuses e os adivinhadores e perguntaram o que fariam com a arca de Deus. Eles então lhes ordenaram um procediemento que era também uma prova para saberem se fôra Deus ou não o autor daquela praga. Que prova foi essa?

"Os sacerdotes dos deuses dos filisteus e os adivinhadores propuseram que os príncipes filisteus fizessem cinco hemorróidas de outro e cinco ratos de ouro (um desses por cada cidade). Mandaram também fazer um carro de boi novo e colocar duas vacas com crias nesse carro. Os bezerros deveriam ser levados para casa e o carro deixado livre. É claro que a tendência das vacas seria voltar para junto de seus filhotes. Mas se isso não acontecesse, mas ao contrário elas fossem no caminho certo para a terra de Israel, então isso seria um sinal que ninguém poderia duvidar, mas seria a prova de que aquela calamidade havia se abatido sobre os filisteus por causa da presença da arca de Deus entre eles. E foi o que realmente aconteceu." RN

21/02/08 Quinta-feira: Ebenézer
I Samuel 7:1-17
O que significa a palavra "Ebenézer"? Quais foram os elementos que permitiram que o povo obtivesse a intervenção de Deus e a conseqüente vitória?

"A palavra ´Ebenézer´ significa ´pedra de ajuda´ e foi o nome dado por Samuel a uma pedra que ele tomou e colocou no lugar até onde o Senhor trovejou sobre os filisteus e os desbaratou. Era uma marca, uma espécie de monumento para que o povo sempre se lembrasse desse episódio. Os israelitas obtiveram o favor de Deus e a vitória porque atenderam à palavra de Samuel e se converteram ao Senhor, abandonando os ídolos, abandonando as estátuas (os baalins e os astarotes). Além disso, buscaram a Deus em oração com contrição, jejuando, clamando e confessando o pecado. Nessa situação, a oferta de Samuel pelo povo foi aceita e o Senhor defendeu Israel dos seus inimigos que o atacavam." RN

22/02/08 Sexta-feira: Rei
I Samuel 8:1-22
Israel desde sua fundação não havia tido rei. O Senhor Deus era o seu rei, e o governo era dado pelos seus sacerdotes. Mas o povo pediu insistentemente um rei, como também as outras nações o tinham. E, mesmo tendo Deus advertido qual seria o costume do rei, eles não mudaram de idéia. Por que fizeram isso?

"Os isaelitas queriam ser parecidos com os outros povos. Eles queriam uma espécie de ´relaxamento´ dos mandamentos do Senhor. Queriam uma separação entre as coisas ´de baixo´ e as coisas ´de cima´. Talvez pensassem que poderiam restringir a ação de Deus e seu governo aos sábados. O mesmo comportamento ainda vemos hoje, quando muitas pessoas não entendem o porquê um cristão verdadeiro ora a Deus todos os dias, lê a Bíblia com freqüência e pede a Deus direção para tudo o que vai fazer. Para os religiosos de plantão, Deus apenas precisa ser bem lembrado com rituais em um dia específico - os outros dias da semana não são sua competência. Mas para o crente sincero, a presença de Deus é algo extremamente desejável em cada minuto da vida. Os crentes sinceros querem ver o governo de Deus completo sobre a terra. E clamamos: Ora, vem, Senhor Jesus!" RN

23/02/08 Sábado: Belo, alto e forte
I Samuel 9:1-27
Saul era filho de um homem forte e era tão alto que sobressaía dos ombros para cima a todo o povo. Além disso, era o homem mais bonito de Israel - não havia nenhum como ele. Sabendo o mal que ele faria a Israel, por que todas essas qualidades?

"Essas qualidades eram - note bem - todas externas. Eram qualidades que os olhos humanos podiam avaliar. Saul era uma representação exata dos anseios do povo. O povo queria alguém que pudesse representá-lo e dirigi-lo em suas guerras, alguém que pudesse julgá-lo, mas seus critérios eram rasos. Os israelitas não estavam muito preocupados com as características de caráter e nem com o temor a Deus, pois ainda precisavam aprender o valor dessas coisas, e por isso Deus lhes deu Saul - para que pudessem através dessa experiência saber o peso das virtudes externas e o peso das virtudes internas ." RN

24/02/08 Domingo: Como surdo
I Samuel 10:1-27
Após ser colocado como rei, Saul foi desprezado e ofendido por algumas pessoas, mas se fez de surdo. Você acha que Saul acertou fazendo isso?

"Sim, ele acertou, porque aquela não era hora de começar brigas. Além disso, a melhor resposta não seria a força bruta ou o revide de ofensas, mas sim deixar o caso nas mãos de Deus. Quando somos ofendidos, devemos agir da mesma maneira. A Bíblia diz: ´A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.´ (Romanos 12:17-21) Isso é maravilhoso! Vivamos assim!" RN

voltar ao topo

25/02/08 Segunda-feira: Para isso
Lucas 4:1-44
Jesus, em um dos versículos desse capítulo, diz "para isso fui enviado". E um outro versículo desse capítulo fala também sobre envio. Quais são esses versículos? De acordo com esses versículos, por que Jesus foi enviado à Terra?

"Os versículos são: 43 e 18-19. Esses versículos dizem: ´Ele, porém, lhes disse: Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do reino de Deus; porque para isso fui enviado.´ (v. 43) e ´O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. ´ (v.18-19) Vemos que o texto bíblico claramente afirma qual a missão de Jesus na Terra: em primeiro lugar, anunciar as boas-novas da chegada do reino de Deus, do governo do Todo-Poderoso. Depois também, curar os quebrantados de coração, ou seja, dar alegria aos deprimidos e tristes, dar esperança aos desanimados, desmotivados e desesperados. Pregar liberdade aos cativos, ou seja, retirar o jugo do pecado e do medo da morte de sobre os ombros daqueles a esses males sujeitos. Restaurar a vista aos cegos, ou seja, dar condições de entendimento aos que ficaram cegos pela religião, pelo mundanismo ou por quaisquer doutrinas humanas. Essa é a obra de Jesus." RN

26/02/08 Terça-feira: Orava
Lucas 5:1-39
O versículo 16 diz: "Porém, ele retirava-se para os desertos, e ali orava". Avalie o contexto e explique as condições e razões para essa oração de Jesus nos desertos.

"O versículo anterior a este diz que muita gente se ajuntava para ouvir Jesus e para ser por ele curada. E, estando Jesus em carne, é claro que tamanha demanda de ministração, tanto em ensino como em cura, acabava por causar um cansaço no mestre. Lembramos que no epísódio da mulher com um fluxo de sangue, Jesus sentiu que virtude havia saído de si, ou seja, ao conceder cura à mulher, mesmo inconscientemente (pois a mulher o havia tocado no manto secretamente), houve uma transmissão de poder de Jesus à enferma. No texto de Lucas 5, vemos que não apenas uma pessoa, mas uma multidão de pessoas buscava Jesus para cura e ensino. Nesse contexto, o ir par os desertos orar visava uma intimidade com Deus para renovação das forças. O mesmo aconteceu no Getsêmani, pouco antes da prisão de Jesus. Ele foi àquele lugar para orar, para vencer a fraqueza da carne e se preparar para o calvário. Ele disse: ´O espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca´ (Mateus 26:41). E este é um exemplo que nós precisamos seguir. Jesus, mesmo sendo Filho de Deus, não deixava de buscar tempo para estar a sós com o Pai. Nós também precisamos ter tempo de comunhão íntima com o Pai para estarmos sempre preparados para o desempenho de nossos ministérios." RN

27/02/08 Quarta-feira: Ira
Lucas 6:1-49
Os escribas e fariseus ficaram irados por Jesus haver curado um homem em dia de sábado. Na verdade, ficaram tão irados que planejavam como matariam Jesus. Analise a situação e interprete as motivações desses homens.

"Os escribas e fariseus eram zelosos da lei, mas sem entendimento. A religião deles era mais externa do que interna, mas ritualística do que de pricípios. Para eles, o que importava era a obediência aos ritos e preceitos, não importando se para isso fosse necessário passar por cima de valores básicos como misericórdia e amor ao próximo. Jesus quebrava repetidamente o conceito religioso e causava escândalo aos religiosos. Ele não se sujeitava à observação da lei como os fariseus e escribas entendiam. Por isso, era perseguido. Na verdade, aqueles homens eram cegos e não compreendiam nada da vontade de Deus. Eles tinham a lei escrita, mas não conseguiam enxergar nela a essência do coração do Altíssimo. Viam apenas aquilo que suas mentes e corações tinham de sobra: regras e castigos. De uma certa maneira, acabavam preferindo as coisas dessa maneira porque se beneficiavam do ´status´ que tinham e faziam coisas diferentes do que pregavam. Portanto, a motivação dos escribas e fariseus para a perseguição a Jesus provinha mais de inveja e indignação (por Jesus não se sujeitar aos seus preceitos) do que de amor a Deus." RN


28/02/08 Quinta-feira: Atitudes
Lucas 7:1-50
Neste capítulo vemos duas pessoas que tiveram oportunidade de estar próximas a Jesus de forma bem diferente. Um era um fariseu que convidou Jesus para comer em sua casa. A outra era uma pecadora, provavelmente uma prostituta, que entrou ousadamente na casa. Faça uma análise das atitudes dessas duas pessoas.

"O fariseu era alguém instruído na palavra e tinha uma atividade honrada pela sociedade. Ele se sentia em condições de convidar Jesus para comer em sua casa. Não se preocupou, entretanto, em honrar seu convidado especial, pois não lhe deu água para os pés, não lhe deu um beijo de saudação e não lhe ungiu a cabeça com óleo, coisas que naquela época se faziam como demonstrações de honra ao hóspede. Esta atitude do fariseu demonstra que ele provavelmente tinha sua própria vida em alta conta, julgando que não tinha do que se envergonhar, que não tinha pecados ou que tinha poucos e irrelevantes. Por outro lado, a pecadora entrou em atitude de contrição e profundo arrependimento, envergonhada por sua vida suja. Prostrou-se aos pés do Senhor em prantos, regando-lhe os pés com suas lágrimas e enxugando-as com seus cabelos. Levou ainda um vaso de alabastro com ungüento, com o propósito de honrar Jesus com sua oferta. Ela estava extremamente consciente de sua condição de pecadora e de sua necessidade de perdão. A atitude dela era diametralmente oposta à do fariseu. E foi ela que recebeu a palavra de perdão dos pecados. Foi ela que recebeu a palavra de salvação e de paz. Isto nos mostra claramente a atitude que devemos cultivar diante do Senhor: de consciência de que somos pecadores e de que precisamos de seu perdão. Que nós possamos estar aos pés do Senhor sempre, nunca perdendo de vista que somos dele dependentes!" RN

29/02/08 Sexta-feira: Retira-te
Lucas 8:1-56
Após salvar um endemoninhado violento, Jesus foi convidado a se retirar daquela região pelos seus moradores. Por que eles pediram a Jesus que fosse embora?

"Os moradores daquela região criavam porcos (a manada que caiu no despenhadeiro tinha quase 2000 porcos, de acordo com Marcos 5:13), animal que aos judeus era proibido comer. Se não era para comer, por que então criavam porcos? Não seria pelo couro de porco, com certeza! Eles estavam em desobediência. Ao verem o endemoninhado em seu perfeito juízo, tiveram grande temor porque se sentiram vulneráveis, expostos. Diante do poder da santidade de Jesus, seus pecados vieram à tona. Mas, como não tiveram atitude de arrependimento, não suportaram a presença do Senhor em suas terras. Diante da santidade e do poder de Deus, o homem tem duas alternativas: se arrepende do pecado, abandona-o e fica aos pés do Senhor ou não se arrepende do pecado, mantém-no consigo e se afasta de Jesus. Os gadarenos preferiram a segunda opção. Que pena!" RN

01/03/08 Sábado: Fogo do céu
Lucas 9:1-62
Os samaritanos tinham inimizade com os judeus, e por isso não permitiram que Jesus e seus discípulos pernoitassem em sua aldeia. Tiago e João (este último conhecido como o discípulo do amor), perguntaram a Jesus se ele queria que eles orassem para que fogo do céu descesse sobre os samaritanos e os consumisse. Analise a reação deles e a resposta de Jesus.

"Os discípulos ficaram ofendidos com o desprezo demonstrado pelos samaritanos e ficaram inconformados. Tinham desejo de demonstrar aos samaritanos que eles ´não sabiam com quem estavam falando´ e que ´não podiam agir daquela forma´. Pensaram então que talvez pudessem orar como o profeta Elias havia orado e pedir que Deus mandasse fogo do céu sobre os samaritanos. Com essa atitude, Tiago e João manifestaram preocupação maior com a sua honra ofendida do que com as almas dos samaritanos. Mas Jesus, ao contrário de seus discípulos, não se incomodou com a ofensa e declarou que sua vinda não era para condenar os homens, mas para salvá-los. Repreendeu, isso sim, seus discípulos pela atitude de juízo e condenação. Portanto, nós também devemos aprender a desprezar afrontas e a evitar o desejo de vingança. Nossa missão é demonstrar a misericórdia e o amor de Deus." RN

02/03/08 Domingo: Boa parte
Lucas 10:1-42
Marta estava trabalhando arduamente para agradar Jesus e ficou incomodada com sua irmã Maria, que estava parada ouvindo o mestre a ensinar. E de tão incomodada que ficou, Marta reclamou com Jesus e pediu que ele mandasse sua irmã ajudá-la. Porém Jesus lhe respondeu que Marta havia escolhido a boa parte e que esta não lhe seria tirada. Que boa parte era essa?

"A boa parte era simplesmente estar diante do Senhor e aprender com ele. Lembramos que o salmista disse: ´Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e aprender no seu templo.´ (Salmo 27:4) Portanto, a boa parte é estar perto de Deus, contemplá-lo e deixar-se instruir por ele. As obras são conseqüência disso e não são mais importantes do que essa comunhão de aprendizado. Portanto, escolhamos nós também a boa parte! Que façamos as coisas, que façamos boas obras, mas que estejamos em primeiro lugar desejando estar diante de Deus, contemplá-lo e aprender com ele. Se escolhermos isso, isso não nos será tirado." RN

voltar ao topo

03/03/08 Segunda-feira: Sentimentos
I Samuel 11:1-15
Ao ouvir a respeito da situação dos moradores de Jabes-Gileade, Saul foi apoderado do espírito de Deus e sua ira se acendeu. Qual o papel desse sentimento na reação de Saul, e dos sentimentos em geral nas reações de cada um de nós?

"Os inimigos de Israel eram fortes e estavam confiantes que os israelitas não tinham condições de enfrentá-los. O sentimento natural de qualquer pessoa na posição de Saul seria de medo, pois como rei, ele teria a obrigação de enfrentar os amonitas. Mas ao invés de medo, Saul se inflamou em sua ira e se encheu de indignação e vontade de guerrear. Esse sentimento se espalhou pela nação, pois Saul despedaçou dois bois e enviou seus pedaços por todo o Israel, conclamando o povo a segui-lo. A ira que o moveu vinha de Deus e foi a mola propulsora de sua ação de guerra. Conosco acontece a mesma coisa. Os sentimentos nos dominam na maior parte das vezes e é por isso que Deus pede o nosso coração e não a nossa mente. Podemos pensar uma coisa, mas se sentirmos de forma diferente, muito provavelmente agiremos de acordo com nossos sentimentos e não de acordo com nossos pensamentos. Por exemplo, se tivermos o pensamento de que podemos realizar algo, mas nossos sentimentos apontarem na outra direção, das duas uma: ou não faremos esse algo, ou o faremos de forma imperfeita, titubeantes e muito propensos ao fracasso. Sendo assim, devemos manter nossos sentimentos guardados em Deus: ´E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus´ (Filipenses 4:7). E de que forma? Lendo a Bíblia, assimilando suas verdades e promessas, crendo e obedecendo. Agindo assim, evitaremos o medo, a ira indevida, etc." RN

04/03/08 Terça-feira: Pecado
I Samuel 12:1-25
No versículo 23, Samuel fala que não cometeria um determinado pecado. Que pecado era esse? Nós geralmente consideramos isso como pecado? Por quê?

"Samuel fala que não pecaria deixando de orar pelo povo. Nós geralmente lembramos de evitar a ação má, mas não damos tanta ênfase nos pecados de omissão. Na verdade, a Bíblia diz que ´aquele que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado´ (Tiago 4:7). Assim sendo, sempre que não obedecemos à voz do Espírito Santo ou não atendemos uma ordem explícita de Deus para fazermos algo de bom, estamos pecando. Mas, por que será que não pensamos muito nisso? Porque estamos em luta tão grande para não fazermos o que é errado que esquecemos muitas vezes de fazer o que é certo. Quando o melhor é nos concentrarmos em fazermos o que é certo, e o que é errado não faremos por conseqüência." RN

05/03/08 Quarta-feira: Aperto
I Samuel 13:1-23
Estando Saul esperando Samuel, que estava atrasado, o povo debandava com medo dos inimigos. Então, Saul, temendo que os inimigos o atacassem nessa situação, ofereceu o holocausto, o que não era sua função. Esse ato foi considerado como pecado e Saul foi rejeitado. O que aprendemos com isso?

"Aprendemos que as situações não são justificativa para os nossos atos. Mesmo em grande aperto, o que se esperava de Saul era a obediência ao mandamento de esperar Samuel. Ele não teve essa atitude e acabou errando grandemente. Sabemos que todos temos limitações, mas precisamos aprender a chorar aos pés do Senhor ao invés de nos arvorarmos a agir intempestivamente. Quando as situações se complicarem, aí mesmo é que devemos abrir mão dos nossos ´jeitinhos´ e de nossa vontade, e agir como o Senhor espera de nós. Aprendizado duro esse, mas muito importante." RN

06/03/08 Quinta-feira: Ousadia
I Samuel 14:1-52
O exército dos filisteus era enorme e o exército de Saul contava apenas com 600 homens. Os demais haviam se escondido pelas cavernas com medo dos inimigos. Mas Jônatas foi sozinho com seu pagem de armas desafiar a guarnição dos filisteus. Por que ele fez isso?

"Jônatas mesmo declarou a seu pagem de armas: ´Para com o Senhor nenhum impedimento há de livrar com muitos ou com poucos´ (v. 6). Jônatas tinha certeza de que as condições não ditavam o resultado, mas que a vitória vinha de Deus. Dessa forma, estabeleceu um sinal para entender a vontade de Deus e partiu com seu pagem de armas para enfrentar os seus inimigos. E, não obstante eles estivessem em lugar mais baixo, tendo de se esforçar até o alto onde estavam seus inimigos, acabaram por matar uns vinte homens. Isso foi o fator que Deus usou para causar pânico entre os filisteus e levá-los a fugir apavorados e a lutarem uns contra os outros. Então, repassando a ação de Jônatas: Fé e ousadia levaram a um ataque. A vitória que resultou desse ataque foi miraculosa, ainda que pequena diante do desafio total. Mas foi essa pequena - mas notável - vitória que desencadeou todo o pavor de Deus sobre os inimigos de Israel e os levou a debandar e a se matarem uns aos outros. Tenhamos, pois, como Jônatas, essa confiança e ousadia no Senhor!" RN

07/03/08 Sexta-feira: Obediência ou sacrifício?
I Samuel 15:1-35
Tendo recebido a ordem de destruir totalmente os amalequitas e seus animais, Saul poupou o melhor das ovelhas e do gado para oferta a Deus. Poupou também o rei Agague. Samuel então repreende Saul e lhe diz que obedecer é melhor do que sacrificar. O que isso significa?

"Significa que tudo o que eu possa fazer para Deus em termos de sacrifícios pessoais, de abnegação, de sofrimentos voluntários, não terá nunca o peso da obediência pura e simples. O valor de um servo que obedece é maior do que qualquer servo que faz muitos sacrifícios mas não se sujeita. De que adiantam o sacrifícios e abnegação de um servo que não faz as coisas de acordo com as ordens que recebe? Imagine-se na situação de ter dois empregados: Um faz exatamente o que você lhe manda. O outro, por outro lado, não faz nada do que você manda, mas faz grandes esforços e suporta sacrifícios para fazer aquilo que ele acha que agradaria a você. A qual dos dois você confiaria algo importante que deseja que seja feito? É exatamente essa relação que Samuel apontou ao dizer que obedecer é melhor do que sacrificar." RN

08/03/08 Sábado: Visão
I Samuel 16:1-23
Deus mandou Samuel à casa de Jessé para ungir um dos seus filhos como rei de Israel. Ao ver Eliabe, o primogênito, Samuel pensou: "É esse!" Porém, Deus escolheu o menor, Davi. Qual a diferença da avaliação de Samuel e de Deus?

"O próprio Deus disse a Samuel: ´O Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que sestá diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração´. Deus tem a capacidade de avaliar uma pessoa completamente. Ele sabe as intenções, os motivos, as razões de cada um. Sabe perfeitamente o que cada um de nós tem como precioso e o que despreza. E além disso, somente Deus tem a capacidade de julgar de maneira perfeita e sem falhas: Ele é sábio, perfeito e justo. O homem, ao contrário, só pode julgar os atos e não pode saber com certeza qual a verdadeira intenção do coração do seu próximo (às vezes não consegue entender nem mesmo as próprias, sendo enganado pelo seu próprio coração). Sendo assim, a escolha de Deus entre os filhos de Jessé não contemplou a força física ou a ordem de primogenitura, mas o oculto do coração, aquilo que ninguém podia saber. E a escolha recaiu sobre Davi. Glória a Deus! Ele sabe de tudo e pode tudo! Ele é Deus!" RN

09/03/08 Domingo: Motivação
I Samuel 17:1-58
Golias tinha dois metros e noventa centímetros de altura. Vestia uma armadura de sessenta quilos e só a ponta da sua lança pesava sete quilos e duzentos gramas. Além de tudo isso, era um guerreiro experiente. Mas Davi não se intimidou com nada disso e se propôs a combater Golias. E correu ao combate. O que motivava Davi a ter essa atitude?

"Davi tinha intimidade com Deus e conhecida o Altíssimo. Tinha ouvido as histórias dos livramentos que Deus havia feito a Israel no Egito. Sabia que Deus havia escolhido Israel e feito um pacto com esse povo. Reconhecia que o poder de Deus era muito mais forte que qualquer poder humano. Nem mesmo faraó com todo o seu exército pôde se suster diante de Deus. Davi sabia que não havia nada que pudesse impedir a Deus em suas ações. Sim, Davi tinha consciência de que Deus era poderoso para livrá-lo das mãos do gigante Golias e lhe dar a vitória. E sua fé não se baseava apenas em algo que ele tivesse ouvido. Ele mesmo já havia tido experiências de livramento em duas ocasiões: quando lutou com um leão e quando lutou com um urso. E essa fé e experiência com Deus eram a motivação que levava Davi a pensar o que ele mesmo declarou ao arrogante gigante: ´Hoje mesmo o Senhor te entregará na minha mão, e ferir-te-ei, e te tirarei a cabeça, e os corpos do arraial dos filisteus darei hoje mesmo às aves do céu e às bestas da terra; e toda a terra saberá que há Deus em Israel.´ (versículo 46). Façamos então como fez Davi: Tenhamos fé na palavra e experiências com Deus no nosso dia-a-dia!" RN

voltar ao topo

10/03/08 Segunda-feira: Bem-aventurança
Lucas 11:1-54
Uma mulher, ao ouvir Jesus ensinar, exclamou: "Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste". Jesus, entretanto, tinha algo a dizer sobre isso. Analise a resposta de Jesus e diga o que ele ensinou com essa resposta.

"Jesus deixou muito claro que maior bem-aventurança do que ser parente dele é ouvir a palavra de Deus e guardá-la. Já em outra ocasião (Lucas 8:19-21) ele havia afirmado que a sua família eram aqueles que ouviam a palavra de Deus e a executavam. Ou seja, Jesus levou o foco da bênção para o lugar certo: ser obediente a Deus. Então, se ser parente de Jesus é bom, então ser obediente a Deus é incomparavelmente melhor! Obedeçamos então a Deus!" RN

11/03/08 Terça-feira: Hipocrisia x Revelação
Lucas 12:1-59
Jesus ordenou que nos acautelássemos em primeiro lugar da hipocrisia. Mas completou dizendo que nada há encoberto que não haja de ser revelado. Que relação existe entre a hipocrisia e essa revelação que Jesus mencionou?

"A hipocrisia se firma no fato de que a pessoa pensa uma coisa e diz outra. A verdade do coração só aparece pelas costas, quando o outro vai embora, ou em lugares escondidos. Aí sim, o hipócrita revela a realidade de seus pensamentos. E aí é que entra a revelação que Jesus afirmou que acontecerá: Todos os reais pensamentos e palavras das pessoas serão revelados no dia do juízo. Nesse dia de nada adiantará os falsos discursos e as bajulações. Nesse dia os segredos dos homens ficarão expostos e aqueles que têm duas caras ficarão desmascarados. Assim, é bom que fujamos realmente da hipocrisia e falemos a verdade cada um com o seu próximo, para que não nos envergonhemos do dia do Senhor." RN

12/03/08 Quarta-feira: Igual modo
Lucas 13:1-35
Jesus, falando sobre os galileus que foram mortos por Pilatos, e sobre os 18 sobre os quais caiu a torre de Siloé, afirma que eles não foram mais pecadores do que os demais homens, mas que se não nos arrependermos, todos morreremos de forma igual. Que forma é essa? Seria sermos colocados no meio dos sacrifícios de Pilatos ou ser esmagados pela queda de uma torre?

"Jesus não estava se referindo a um tipo de morte violenta, mas a morrer simplesmente, sem esperança. Jesus estava dizendo que esses que padeceram mortes violentas não foram mais pecadores do que os que morreram placidamente em casa. Todos são pecadores e todos morrem, uns de uma maneira e outros de outra. E, se morrem sem arrependimento, morrem a morte que vai para a perdição, independente de ser uma morte violenta ou não. Já os que se arrependem, quando morrem não são como os demais homens, mas têm lugar garantido junto ao Pai." RN

13/03/08 Quinta-feira: Humilhação e exaltação
Lucas 14:1-35
Qual o sentido das palavras "Qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado"?

"Significa que Deus sabe recompensar a cada um com extrema justiça de acordo com as suas obras, de acordo com as suas intenções, de acordo com a sua atitude. Se a pessoa se exaltar nesta vida, se for altiva e considerar-se melhor do que os outros, certamente será abaixada até a sua posição adequada na vida eterna, e isto lhe será uma humilhação, pois que estará ´descendo´. Por outro lado, a pessoa que se humilhar nesta vida, que se considerar servo dos servos, que não se considerar superior aos outros, na vida eterna será exaltada, pois também será colocada em sua posição devida, e estará ´subindo´." RN

14/03/08 Sexta-feira: Bom patrão
Lucas 15:1-32
Os fariseus e escribas se indignaram porque Jesus comia com os pecadores. Mas Jesus lhes responde que não necessitam de médico os sãos, mas sim os enfermos. E então conta 3 parábolas na seqüência que mostram a cuidados com os perdidos. Aponte, na parábola do filho pródigo, o que fez com que ele voltasse à casa do pai.

"O filho pródigo, após perder tudo e ser mandado para cuidar de porcos, não podia nem mesmo comer as bolotas que os porcos comiam. Estava em uma situação miserável e sem esperança. Então ele se lembrou que os empregados de seu pai eram muito melhor tratados do que ele estava sendo tratado. Havia, entretanto, o problema do seu pecado. Ele havia pecado contra seu pai ao pegar a sua parte na herança, saído de casa e desperdiçado tudo. Agora ele não sabia como agir. Pensou, meditou e chegou à conclusão: Iria reconhecer seu pecado e pedir perdão por eles. Iria reconhecer que não tinha mais direito a nada, mas suplicar uma vaga de simples funcionário. Dessa forma, foi a lembrança da atitude do pai com os seus empregados que trouxe o filho perdido de volta ao lar. Ao agirmos bem com os de fora, os de dentro também aprenderão a respeito do nosso caráter e isso poderá influenciar seu comportamento futuro." RN

15/03/08 Sábado: Voz dos mortos
Lucas 16:1-31
Na parábola do rico e do Lázaro, Moisés diz ao rico que está no inferno: "Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite." Que quer dizer isso?

"Quer dizer que a força do testemunho da Bíblia é maior do que a força do testemunho dos mortos. Isso, por si só, já dispensa a participação dos mortos nos assuntos dos vivos, pois a Bíblia está disponível no mundo dos vivos para lhes dirigir os passos e as atitudes. Mas, além disso, podemos ver que na parábola, Moisés nem mesmo considerou uma visita do Lázaro a seus irmãos em forma de ´espírito desencarnado´. A cogitação de uma hipotética visita ficou restrita a uma hipotética ressurreição do falecido, e não a uma sessão espírita. Portanto, a Bíblia é o caminho para o arrependimento e a salvação. Não se deve esperar nenhuma palavra de nenhum morto." RN

16/03/08 Domingo: Gratidão
Lucas 17:1-37
Após curar 10 leprosos, Jesus se admira que apenas um deles voltou para agradecer. E esse era justamente o samaritano, o único entre os 10 leprosos que não era considerado "judeu puro". Que podemos aprender com essa passagem?

"Aprendemos que de nada adianta o pertencermos a um povo, a uma raça, a uma religião, a uma igreja. O que importa é a nossa atitude interior, o nosso comportamento. No caso em questão, os nove que não voltaram provavelmente fizeram o que Jesus lhes havia ordenado que fizessem: Foram ao sacerdote. Mas eles foram ao sacerdote pensando somente em si mesmos, em como poderiam obter o atestado de sanidade física para novamente poderem gozar da vida em sociedade. Em nenhum momento tiveram espaço para olharem além da própria vida e sentir gratidão por aquele que os havia curado. Assim, não nos orgulhemos de pertencer a uma igreja, a uma organização ou a uma sociedade. Pelo contrário: Vivamos de tal forma que as organizações, as igrejas e as sociedades às quais pertencemos sintam orgulho de nós, pois são as nossas atitudes que valem no final das contas." RN

voltar ao topo

17/03/08 Segunda-feira: Inimizade
I Samuel 18:1-30
Não obstante Davi fosse um súdito fiel a Saul, o rei desejava a sua morte. Quais as causas dessa inimizade tão grande de Saul por Davi?

"Três causas: inveja, insegurança, possessão e desconhecimento.
- Inveja: Ao cantarem que Saul tinha matado milhares de inimigos, mas Davi dez milhares, as mulheres de Israel não sabiam, mas estavam despertando a inveja do rei contra Davi. Saul também invejava a forma como Davi se comportava com prudência diante de todo o povo. Ele via que o povo amava Davi e isso era muito mau aos seus olhos.
- Insegurança: O rei sabia que já estava rejeitado por Deus, e via que o Senhor abençoava tudo o que Davi fazia. Então acabava tendo Davi como um adversário e um usurpador do trono, como um inimigo a ser perseguido e morto.
- Possessão: O fato de Saul não ter mais comunhão com o Senhor o levava a ser dominado por um espírito mau. Foi durante uma dessas possessões que Saul arremessou a lança contra Davi duas vezes para encravá-lo na parede.
- Desconhecimento: Saul não conhecia Davi direito. Ele não sabia que o coração de Davi era fiel e que não havia nada a temer em termos de rebelião e motim. Esse desconhecimento era uma porta aberta a todo o tipo de desconfiança." RN

18/03/08 Terça-feira: Profetiza!
I Samuel 19:1-24
Em sua louca perseguição a Davi, o rei Saul enviou mensageiros para prendê-lo. Mas Davi estava com Samuel, e os mensageiros não conseguiram fazer nada, pois profetizaram. Outros dois grupos de mensageiros foram enviados, e também estes profetizaram. Por fim, o próprio Saul foi atrás de Davi, e também ele foi tomado pelo Espírito de Deus, se despiu e profetizou. O que significa esse "profetizou"?

"Significa que as palavras e os atos dessas pessoas foram de tal forma dominados pelo Espírito Santo que elas ficaram como que ´dominadas´ e ´rendidas´ completamente, ficando impossibilitadas de fazer o mal que intentavam. Isso aconteceu com os três grupos de mensageiros de Saul e com o próprio Saul. Lembramos que Saul estava em rebelião contra Deus nessa época, sendo muitas vezes atormentado por possessões demoníacas. Mas mesmo assim foi tomado pelo Espírito Santo. Na verdade, esse ´enchimento´ era mais um domínio forçado que um poder concedido. Tanto os homens de Saul como o próprio Saul fizeram coisas contra a sua vontade e foram totalmente impedidos de agir como desejavam. Era Deus defendendo Davi do poder do rei, humilhando os soldados e o monarca e fazendo-os reconhecer o supremo governo." RN

19/03/08 Quarta-feira: Pecando?
I Samuel 20:1-43
A Bíblia diz que Jônatas amava a Davi como a sua própria alma, e que ambos fizeram uma aliança. Em função dessa amizade, Jônatas se colocava em posição contrária a seu pai. Estaria Jônatas pecando ao ir contra Saul, sendo este o rei e seu pai?

"Não, pois os atos de Saul eram contra a vontade de Deus. Saul tinha inveja pura e simples de Davi e tinha na vida do filho de Jessé um inimigo. Mas a verdade é que Davi era fiel e não pecara em nada contra o rei. Defendendo Davi, Jônatas se expunha também à ira real, mas não havia como proceder diferente disso, independente da aliança que haviam feito. A ira do rei era injusta e fundada em bases ruins. Portanto, devemos obediência aos pais e às autoridades sim, mas sempre em acordo com a vontade de Deus. Quando as autoridades se desviam ou estabelecem normas frontalmente contra os decretos divinos, não pecamos se não obedecermos. " RN

20/03/08 Quinta-feira: Tática
I Samuel 21:1-15
Fugindo de Saul, Davi chegou a Gate, uma cidade dos filisteus. Os homens daquele lugar o reconheceram e diziam uns aos outros: "Este não é Davi, aquele de quem se cantava a respeito de suas vitórias militares?" Davi, vendo que estava em situação difícil, se fingiu de louco, deixando escorrer saliva pela barba e se pendurando nas portas. Dessa forma, escapou de lá. O que aprendemos com essa atitude de Davi?

"Aprendemos que a sabedoria é melhor do que a força. Na ocasião, Davi estava sozinho no meio de uma cidade inimiga. Os homens daquele lugar o reconheceram e lembraram de suas proezas, quando vencia os exércitos filisteus e matava seus homens. Davi, porém, usou de sabedoria e se fingiu de louco, escapando de suas mãos. Às vezes precisamos evitar o confronto direto com aqueles que estão sendo usados como instrumentos de satanás para tirar a nossa paz. Sim, muitas vezes será melhor evitar o embate. Nessas ocasiões será melhor usar uma estratégia para evitar o conflito. Davi teve sabedoria e encontrou aquele que talvez fosse o único jeito de sair da situação em que se encontrava. A alternativa teria sido a tortura, a humilhação e a morte lenta. Aprendamos com o combatente Davi a evitar determinados combates." RN

21/03/08 Sexta-feira: Atração e influência
I Samuel 22:1-23
Davi, ainda fugindo de Saul, vai para a caverna de Adulão. Lá ele é procurado por muitos homens considerados problemáticos: endividados e amargurados. Formou-se então um grupo de uns 400 homens sob a liderança de Davi. O que fez com que esses homens procurassem Davi? Que influência Davi exerceu sobre eles?

"Davi, na ocasião, também era um homem fugitivo. Os homens que o procuraram viram nisso uma identificação com eles. Assim com Saul perseguia a Davi para matá-lo, também esses homens tinham algo ou alguém que os perseguia. Fossem as grandes dívidas, fosse alguém ofendido, fosse a própria consciência, algo ou alguém fazia com que eles não pudessem estar bem em lugar algum da terra. Mas a história de Davi era conhecida por todo o Israel: Davi era o valente que, ainda menino, aceitara o desafio do gigante Golias e o matara. Davi era aquele comandante de exército experimentado que sabia liderar um exército à vitória. Então, por tudo isso, esses homens procuraram Davi para estarem sob seu comando. E Davi exerceu influência grande e positiva sobre esses homens, pois Davi era, afinal de contas, um homem segundo o coração de Deus. Davi amava ao Senhor acima de tudo. E os homens que se achegaram a Davi acabaram sendo transformados de párias da sociedade em soldados valorosos que faziam as guerras do reino, mesmo não estando diretamente ligados ao rei da época, Saul. Davi com certeza impactou seus comandados com seu procedimento de fé e coragem, independente de qualquer salmo que possa ter cantado. E isso também deve ter acontecido com freqüência. No final, quando Davi deixou de ser perseguido para ser aclamado rei, esses homens não eram mais os mesmos. Tiveram suas vidas mudadas pelo contato contínuo com um servo do Senhor." RN

22/03/08 Sábado: Cercado
I Samuel 23:1-29
Saul perseguia Davi todos os dias, mas nunca o conseguia apanhar. Mas chegou o dia em que Saul e seus homens conseguiram cercar Davi e seus homens. Mas algo aconteceu e Davi escapou. O que foi isso e por que isso aconteceu?

"Quando Saul conseguiu cercar Davi e seus homens, parecia que o servo de Deus seria morto pelo rei tresloucado. Mas Deus comanda todas as coisas! Não cai um fio de cabelo da nossa cabeça sem que Deus permita! Então, no momento crítico, chegou um mensageiro trazendo notícias sobre um ataque dos filisteus à terra de Israel. Não havia como Saul fazer as duas coisas ao mesmo tempo: ou acabava com Davi e abandonava os israelitas à sua própria sorte (o que seria muito mal à sua imagem diante do povo, pois que estaria abandonando suas obrigações em função de interesses pessoais) ou deixaria Davi fugir e cumpriria suas obrigações. E Deus fez com que o senso do dever de Saul ainda funcionasse e, através disso, deixasse Davi fugir. Portanto, devemos sempre lembrar que ainda em situações de cerco total, o dominio é do Senhor. Dele vem o livramento." RN

23/03/08 Domingo: Comprovação
I Samuel 24:1-22
Davi não tinha como comprovar a Saul que não procurava o seu mal. Mas então Deus põe Saul desprevenido diante de Davi, e este não o mata, mas corta apenas a orla do seu manto. O que Davi comprova com essa atitude?

"Em primeiro lugar, Davi claramente mostra que teme a Deus. Ele mesmo diz aos seus homens que insistem fortemente para que ele matasse Saul: ´não estenderei a minha mão contra Saul, pois ele é ungido do Senhor`. Dessa forma, fica comprovado não apenas diante dos homens de Davi, mas também diante de Saul, dos soldados reais e de toda a nação de Israel, que Davi era um homem que temia ao Senhor e nem mesmo se defendia sem a permissão de Deus. Em segundo lugar, Davi provou a Saul que não tinha nada contra ele, que não conspirava contra o rei, que não estava tentando usurpar o trono. Se essa fora a sua intenção, então por que não o matara? Saul compreende isso de tal forma que voluntariamente deixa Davi ir embora livre. Aprendamos nós também com Davi e temamos a Deus, não fazendo nada que não seja da vontade do Senhor, nem mesmo em defesa de nossas próprias vidas. De Deus vem o livramento e o suprimento!" RN

voltar ao topo

24/03/08 Segunda-feira: Elemento essencial
Lucas 18:1-43
O capítulo começa com uma parábola que ensina sobre a perseverança na oração, e termina com um relato da cura de um cego que clamou a Jesus e foi curado. Qual o elemento comum nessas duas passagens que é necessário à obtenção de uma bênção?

"O elemento essencial nessas duas passagens é a perseverança que provém da fé. A Bíblia declara que sem fé é impossível agradar a Deus. E sem fé também, ninguém perseverará, ninguém insistirá o suficiente para alcançar a bênção. Veja que na parábola do juiz iníquo, a viúva pobre insiste continuamente com ele para que lhe seja feita justiça. Essa insistência provinha da confiança que ela tinha de que em algum momento poderia ser atendida. E Jesus termina a parábola perguntando: ´Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?´ Esta pergunta claramente indica que a viúva teve fé para perseverar pedindo até ser atendida. No caso do relato do cego de Jericó, algo semelhante acontece. O cego clamou a Jesus e foi repreendido pelas outras pessoas para que se calasse. Mas ele não fez caso de nenhuma crítica e continuou a pedir o que ele precisava até que foi atendido. Se ele não tivesse fé suficiente, ficaria calado logo após a primeira crítica ou repreensão. Muito mais do que a sua própria necessidade, a fé, para ele, foi a mola propulsora de seu insistente clamor. E Jesus lhe diz ao final: ´Vê; a tua fé te salvou.´ Portanto, meus amados irmãos, batalhemos pela nossa fé e alimentemos a nossa fé dia após dia através da meditação nas escrituras. Lembre-se: A fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus. Você ouvirá a palavra quando tiver contato com ela. Medite na palavra e Deus te falará ao coração e te instilará a fé gloriosa que te dará a vitória!" RN

25/03/08 Terça-feira: Zaqueu
Lucas 19:1-48
Zaqueu, um cobrador de impostos, era desonesto, mas mesmo assim Jesus o chamou pelo nome e pernoitou em sua casa. Por que Jesus o honrou dessa maneira?

"Jesus chamou Zaqueu pelo nome e pernoitou em sua casa porque viu interesse naquele homem. Zaqueu era rico e tinha autoridade, mas não se negou a subir em uma árvore para ver Jesus. Subir em árvores, de fato, não é algo que se espera de alguém que queira preservar a sua imagem. Mas Zaqueu achou mais importante ver Jesus do que manter alguma imagem que pudesse ter diante de seus concidadãos. Ao se expor ao ridículo, Zaqueu atraiu a atenção do mestre, que o honrou. Valeu aqui o princípio: Quem a si mesmo se humilhar, será exaltado. E a prova de que o coração de Zaqueu era uma terra fértil foi o resultado que produziu à visita de Jesus: Zaqueu se prontificou a dar metade de seus bens aos pobres e a restituir quadruplicadamente aqueles que havia estorquido. Um simples gesto pode realmente significar muito, e Jesus soube (como sempre sabe) ver naquele gesto a atitude do coração." RN

26/03/08 Quarta-feira: Oposição
Lucas 20:1-47
Neste capítulo 20 de Lucas, Jesus sofre forte oposição dos religiosos da época. Quem eram os opositores de Jesus? Que argumento eles usaram para pressionar o mestre?

"Primeiramente vieram os principais dos sacerdotes e os escribas, questionando a origem da autoridade de Jesus. Depois vieram os espias enviados pelos principais dos sacerdotes e escribas, inquirindo Jesus sobre o pagar ou não o tributo a César. E por fim vieram os saduceus, que questionaram a ressurreição com uma história hipotética de uma mulher que tivera sete maridos. Todos os questionamentos foram respondidos com a maravilhosa sabedoria de Jesus. No final, Jesus mesmo fez uma pergunta e seus opositores não tiveram como respondê-la." RN

27/03/08 Quinta-feira: Jerusalém pisada pelos gentios
Lucas 21:1-38
Jesus profetizou, aproximadamente no ano 33, que Jerusalém seria cercada, massacrada e dominada pelos não judeus (gentios) até que "o tempo dos gentios" se completasse. A história realmente registrou isso. Pesquise e veja quando e como essas coisas aconteceram (a tomada de Jerusalém por não judeus e a devolução de Jerusalém aos judeus).

"Jerusalém foi cercada pelo general Tito e invadida no ano 70 da era cristã, ou seja, quase 40 anos depois da profecia de Jesus. Os judeus foram realmente levados para outros lugares do mundo, o que caracterizou uma grande diáspora de judeus para todos os cantos do planeta. E a cidade santa foi dominada pelos não judeus (´pisada pelos gentios´) por quase 19 séculos! Foi somente após a segunda guerra mundial, em 1948, que Jerusalém voltou à possessão dos judeus, por uma resolução da ONU. Na verdade, apenas metade da cidade foi devolvida aos judeus. A outra metade ficou sob domínio árabe. Mas em 1967, durante a guerra dos 6 dias, a parte oriental de Jerusalém foi anexada à parte ocidental da cidade e tudo ficou sob domínio dos judeus. Portanto, o que Jesus profetizou cumpriu-se exatamente como ele havia dito, 37 anos depois a primeira parte, e 1915 anos depois a segunda parte. Glórias a Jesus!" RN

27/03/08 Sexta-feira: Não convertido
Lucas 22:1-71
Jesus afirmou a Pedro que satanás havia pedido para provar o apóstolo da mesma forma que o trigo é provado. Mas acrescentou que intercedeu por Pedro para que a sua fé não morresse. E terminou dizendo a Pedro para, depois de se converter, confirmar seus irmãos. Mas Pedro não era convertido? Explique.

"O trecho começa com Jesus dizendo que satanás havia pedido para provar Pedro como o trigo é provado. E como o trigo é provado? Lançando-se o trigo ao vento com o auxílio de uma peneira. O grão cheio, que tem fruto, cai de volta na peneira, mas o vazio, o que só tem casca, é levado pelo vento para longe. Assim, satanás pediu para poder provar a fé de Pedro, pois sabia da condição do apóstolo naquela época. De fato, Pedro tinha fé, pois Jesus orou por Pedro para que a sua fé não morresse. Mas Pedro ainda não tinha tido uma experiência de entrega total ao senhorio de Cristo. Pedro ainda pensava no que ele, Pedro, iria ganhar por estar ao lado do mestre. Sua ligação com Jesus ainda era tênue e fraca. E a prova disso foi a atitude de Pedro após Jesus ser preso. Quando lhe perguntaram se ele também era discípulo do mestre, negou veementemente por três vezes. Mas após esse episódio, e em função da oração que Jesus havia feito por Pedro, este chorou amargamente mas se arrependeu e se tornou um novo homem. Daí por diante ele não mais negaria Jesus, pois entregara realmente toda a sua vida ao senhorio de Cristo: Tinha se convertido afinal." RN

29/03/08 Sábado: Grandes gritos
Lucas 23:1-56
A multidão que se ajuntara diante de Pilatos dava grandes gritos pedindo com veemência que Jesus fosse crucificado. Qual a razão para tamanha ira? O que Jesus havia feito para eles?

"Jesus não fizera nada a eles, a não ser curar seus doentes, ressuscitar alguns mortos e pregar as boas novas da chegada do reino de Deus. Mas aquela era a hora das trevas e aqueles que se haviam ajuntado diante de Pilatos estavam instigados pelos principais dos sacerdotes e escribas. E uma vez que Pilatos não fazia o que eles pediam, antes tentava soltar Jesus, a multidão ficou insana e como que endemoninhada. Toda essa ira era apenas uma demonstração do ódio dos demônios em relação a Deus." RN

30/03/08 Domingo: Semelhança
Lucas 24:1-53
Jesus afirmou que assim como foi nos dias de Noé, quando veio o dilúvio, assim também seria o dia da vinda do Filho do homem (da sua vinda). Quais os pontos semelhantes entre os dois eventos?

"Em primeiro lugar, o fato de que a vinda de Jesus também seria súbita, ou seja, viria de repente em um momento em que ninguém estivesse esperando. Essa característica da vinda de Jesus nos leva a vigiar constantemente. Em segundo lugar, assim como foi nos dias de Noé, em que o povo não atendera à pregação de Noé e não se arrependera para entrar na arca, assim quando Jesus voltar muitos estarão se preocupando com as coisas normais da vida, sem cuidado com as coisas de Deus. E, assim como o dilúvio acabou matando todos os que não se preocuparam em entrar na arca, assim também a volta de Jesus trará juízo sobre todos os que não se preocupam em entrar em aliança com Deus." RN

voltar ao topo

31/03/08 Segunda-feira: Nabal
I Samuel 25:1-44
O nome Nabal significa "tolo". Nabal era tão voluntarioso que não se podia falar com ele contrariando-lhe a vontade. O que ocorre com alguém que não permite ser corrigido ou contrariado?

"Uma pessoa que não aceita qualquer tipo de correção está fadada a sofrer integralmente as graves conseqüências de seus erros, pois tal pessoa terá fechado as portas para o livramento de Deus na sua vida. Quem é que pode dizer que não comete erros? Quem pode dizer que não precisa de uma correção de vez em quando? Mas o orgulhoso e o voluntarioso não aceitam a correção ou a contrariedade de sua vontade e logo se ofendem, brigam e cortam os relacionamentos. Tais atitudes afastam as outras pessoas e, portanto, a primeira conseqüência é o isolamento. Esse isolamento, por sua vez, produzirá uma diminuição das oportunidades sociais, profissionais e espirituais. E as decisões erradas do que se julga irrepreensível acabarão por destruir o pouco que eventualmente amealhar. Portanto, sejamos nós sempre humildes, ouvindo com atenção qualquer crítica a nós dirigida, mesmo que parta de um inimigo. O interesse de melhorar deveria ser maior do que o nosso orgulho tolo, do que o nosso orgulho nabal. Se retirarmos da crítica o que é invenção ou avaliação falha, ainda poderemos nos beneficiar com uma avaliação que nos permite progredir rumo à perfeição. Sejamos, pois, moldáveis!" RN

01/04/08 Terça-feira: Ungido do Senhor
I Samuel 26:1-25
Davi, pela segunda vez, recusa matar Saul, mesmo tendo este em suas mãos. A despeito de estar Saul procurando matar Davi, este teme estender suas mãos para fazer mal ao ungido do Senhor. Procure explicar este temor de Davi.

"Davi temia a Deus e sabia que o nome do Senhor estava invocado sobre Saul. Davi tinha consciência de que Deus é quem estabelece os reis e os depõe. Então, por temor a Deus (e não por temor a Saul), Davi se guardava de fazer qualquer mal àquele que o perseguia, mesmo correndo risco de morte. Vemos aqui que precisamos saber muito bem o que fazemos quando uma autoridade nos persegue, age errado conosco ou nos causa prejuízo. Não tendo nós autoridade para julgar e condenar uma autoridade, devemos nos defender procurando evitar o embate ou apelar para instâncias superiores." RN

02/04/08 Quarta-feira: Fora de Israel
I Samuel 27:1-12
Neste capítulo, vemos o valoroso Davi saindo de Israel e mudando-se para a terra dos filisteus, habitando lá um ano e meio. Como chegou um servo valoroso de Deus a sair dos termos da terra prometida e viver entre infiéis? O que isso nos ensina?

"A insegurança e a inveja de Saul em relação a Davi faziam com que Saul não enxergasse a fidelidade do filho de Jessé. Muito pelo contrário: Saul sentia-se tão ameaçado pela presença de Davi que intentou matá-lo. Como o rei Saul perseguisse Davi sem trégua, este pensou consigo: ´Algum dia ele realmente me matará´. Davi decidiu então sair da terra de Israel e viver entre os filisteus, imaginando que assim o rei Saul o deixaria em paz. Portanto, o responsável pela saída de Davi da terra prometida foi o invejoso e inseguro rei Saul. Não podendo tolerar a presença do valente Davi, que lhe fazia sombra, acabou por afugentar o servo de Deus para longe da terra da promessa para viver no meio de infiéis. Isso nos ensina a maneira certa do comportamento do líder: buscar o proveito do reino e não o proveito pessoal. Se Saul confiasse em Deus e buscasse o bem de Israel antes que a manutenção da sua posição de governante, não teria essa atitude. Se ele agisse assim, não apenas ficaria ele mesmo mais forte, mas também teria o apoio do fiel Davi ao seu reinado. Que dupla tremenda teria sido essa: Saul e Davi combatendo juntos para o bem de Israel! Mas, em sua louca perseguição, afastou um soldado valoroso para longe das fileiras do exército de Deus. E, logicamente, foi responsabilizado por isso diante de Deus." RN

03/04/08 Quinta-feira: Erro final
I Samuel 28:1-25
Depois de desobedecer a Deus no caso do sacrifício de Gilgal (I Sm 13), no caso de Amaleque (I Sm 15) e de ter afugentado Davi, Saul comete o erro final: procura uma feiticeira para falar com os mortos, pois Deus já não lhe respondia. Por que Saul fez isso? Que isso lhe adiantou?

"Saul já não tinha qualquer comunhão com Deus havia muito tempo. Tendo se desviado e não tendo procurado o caminho do arrependimento, Saul chegou diante de uma situação periclitante: O exército inimigo era muito maior do que o de Israel e ele, o rei, tinha a Deus como um estranho. Em seu desespero, lançou mão do recurso que Deus havia proibido (Dt 18:11): o falar com mortos. E, ao procurar a feiticeira, entendeu Saul que a figura que subia era Samuel (versículo 14). E o pseudo-Samuel ainda lhe diz: ´Se Deus te desamparou, de que adianta você vir falar comigo?´ Para bom entendedor, isso já bastaria para parar o erro ali mesmo. O que estava sendo dito era: ´Se você tem Deus, não precisa falar comigo, e se não tem, de nada adianta falar comigo!´ Mas Saul prosseguiu em seu erro e não obteve qualquer benefício daquela conversa. Que isso nos sirva de lição também: Tenhamos comunhão com Deus em todo o tempo e jamais ficaremos sem auxílio do alto!" RN

04/04/08 Sexta-feira: Com o inimigo
I Samuel 29:1-11
Estando Davi morando no meio dos filisteus, acabou indo à guerra contra Israel no meio deles. Que situação estranha era essa? Como Davi combateria contra seus irmãos?

"A situação de Davi era realmente a de um fugitivo: Longe de sua pátria por conta das circunstâncias, Davi não tinha outra alternativa a não ser sair com os exércitos dos filisteus contra Israel. Mas a avaliação correta foi feita pelos príncipes filisteus, que entenderam que Davi, no meio da batalha, se voltaria contra os filisteus em defesa de seus irmãos. Isso provavelmente aconteceria, porque o coração de Davi era de acordo com o coração de Deus, e Deus ama Israel. Assim, Deus livrou Davi de se colocar em uma situação ainda mais embaraçosa e Davi não foi à guerra, mas foi para sua casa na manhã do dia seguinte." RN

05/04/08 Sábado: Ponto de inversão
I Samuel 30:1-31
Ao chegar à sua cidade, Davi encontrou-a destruída e vazia: todos os moradores haviam sido levados prisioneiros pelos amalequitas, inclusive toda a família de Davi. E, para piorar a situação, os homens de Davi estavam tão amargurados que falavam em apedrejá-lo. A situação estava muito ruim, mas houve um ponto de inversão, um ponto em que as coisas começaram a mudar. Que ponto foi esse?

"O ponto de inversão foi: ´todavia Davi se esforçou no Senhor seu Deus´ (versículo 6). Ferido em sua alma por causa de sua família e abandonado por seus amigos, Davi tinha o recurso supremo de todo o crente: o Senhor Deus. Davi não se deixou ficar abatido e buscou a força que vem do alto. A partir daí, levantou-se, buscou a orientação de Deus e partiu em encalço de seus inimigos. Deus o ajudou e ele e seus soldados encontraram um homem doente, que estivera com os amalequitas e pôde guiá-los até o acampamento amalequita. Davi contava com apenas quatrocentos homens, mas com esses quatrocentos desbaratou todo o exército inimigo, retomou tudo e todos (nenhuma pessoa faltou) e voltou em paz. Para nós fica o exemplo: Se temos Deus em nossas vidas, não nos deixemos abater demais, mas busquemos nos esforçar em Deus para podermos lutar e alcançar a vitória!" RN

06/04/08 Domingo: Valorosos
I Samuel 31:1-13
A desgraça total se abateu finalmente sobre a casa de Saul: Israel perdeu a guerra e três dos filhos de Saul e o próprio Saul morreram. Os filisteus, jubilosos da vitória, penduraram o corpo de Saul e de seus três filhos no muro de Bete-Sã, uma cidade filistéia. Mas os homens de Jabes-Gileade caminharam toda a noite e tiraram os corpos deles do muro, os levaram para Jabes e os queimaram. Depois, sepultaram os ossos e jejuaram sete dias. O que os motivou a fazer isso?

"Os filisteus não apenas venceram os israelitas, mas impuseram uma grande humilhação ao povo de Deus ao decapitar o rei e pendurar seu corpo e o corpo de seus filhos em um muro, sujeitos à execração pública e à ação de aves comedoras de cadáveres. Saul tinha sido rejeitado por Deus, é verdade, mas ainda assim ele representava o reino de Israel e, de certa forma, o nome de Deus estava sobre ele. Assim, os homens de Jabes decidiram não deixar essa situação sem resposta. Mesmo colocando suas próprias vidas em risco, andaram toda a noite e ousadamente foram até a cidade inimiga e retiraram os corpos do muro. Em seguida, fizeram o processo de queima dos corpos, sepultamente e jejum, em honra do rei, em honra de seus filhos, em honra de Israel, em honra do Senhor. Seu ato de bravura compensou em parte a vergonha imposta pelos filisteus ao povo de Deus." RN

07/04/08 Segunda-feira: Cordeiro de Deus
João 1:1-51
João, ao ver Jesus, exclamou: "Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo". Por que João usou esse termo? O que ele queria dizer com isso?

"João usou esse termo porque os judeus estavam já bastante acostumados com os sacrifícios exigidos pela lei para a purificação da pessoa e perdão de seus pecados. Na verdade, a lei de Moisés trazia uma série de figuras em seus preceitos que ´treinavam´ a consciência dos judeus, fazendo com que eles pudessem correlacionar os fatos prometidos cumpridos com aquilo que já praticavam como figuras. E a figura do Antigo Testamento que mais representava Jesus era a do cordeiro Pascal. A Páscoa celebrava a saída dos judeus do Egito, ocorrida em 1313 a.C.. Naquela ocasião, Deus mandara que todas as famílias judias degolassem um cordeiro entre as duas tardes do dia 14 do mês de Abib (mês de Nissan no calendário judaico atual), e espargissem o sangue nos batentes das portas. O anjo destruidor passaria naquela noite para matar o primogênito de cada família, mas a casa que tivesse o sangue na porta seria poupada. Assim, todas as famílias judias foram livres, porque obedeceram a ordem, e todas as famílias egípcias foram condenadas, porque não fizeram isso. Então, quando João se referiu a Jesus como o cordeiro de Deus, isso tinha um significado especial realmente para o povo judeu. Com apenas esta frase, João estava dizendo: ´O sangue de Jesus é capaz de nos livrar da morte eterna! Ele será sacrificado e nós seremos livres! Passem o sangue dele nas portas do coração!" RN

08/04/08 Terça-feira: O bom vinho
João 2:1-25
O primeiro milagre de Jesus foi a transformação de água em vinho em uma festa de casamento. Sabendo que isso é uma figura, faça um comentário sobre os seus significados.

"Festa de casamento é alegria, união de famílias, frutos de filhos, nova casa estabelecida, renovação. A humanidade tem em uma festa de casamento uma das maiores festas que pode experimentar. A alegria nessas ocasiões é geralmente grande. O noivo, a noiva, os pais do noivo e da noiva, os amigos de do noivo e da noiva, todos estão festejando algo muito importante. E nessa festa, especialmente no caso dos judeus daquela época, o vinho ocupava um lugar primordial. Ele era a bebida por excelência das festas de casamento e simbolizava a alegria e a vida. Faltar o vinho seria uma das últimas coisas que os noivos gostariam que acontecesse. Seria um vexame e um mau presságio. E quando isso acontece na festa em que Jesus estava, Maria, a mãe de Jesus, vai até ele e lhe participa a dificuldade dos noivos. Podemos perguntar: Por quê ela disse isso a Jesus? Será que ela esperava que ele comprasse vinho para a festa? Cremos que não! O que ela tinha era expectativa de que Jesus fizesse algo de extraordinário, como de fato aconteceu. E podemos pensar isso porque ela imediatamente deu ordens aos serventes para fazerem tudo o que Jesus dissesse. Por que ela cria dessa forma? Talvez Jesus já tivesse feito coisas sobrenaturais antes. Talvez ela soubesse que ele faria sinais e maravilhas em seu ministério e, como seu ministério estava começando, então havia chegado a hora. Não sabemos a razão de Maria ter tido essa iniciativa, mas o fato é que Jesus manda que seis recipientes grandes fossem enchidos com água e levados ao ´maitre´ da festa. E quando os serventes chegaram com a água ao ´maitre´, a água já não era água, mas vinho. E que vinho! O ´maitre´ ficou tão maravilhado com a qualidade do vinho que foi exortar o noivo, pois aquilo estava completamente errado: Como ele tinha deixado um vinho tão excelente para ser servido em segundo lugar? Aquele vinho era bom demais! Deveria ter sido servido antes de todos os outros! O que aprendemos aqui é que a alegria dos homens sem Deus é finita. Somente Jesus pode nos dar a alegria e a vida que não terminam. E que alegria e que vida! São melhores do que todas as alegrias do mundo! Com Jesus na vida, a satisfação é constante!" RN

"Com a transformação da água em vinho, Jesus quer mostrar a transformação que haverá com a sua morte e ressureição na vida religiosa das pessoas e da nova proposta de fé e vida que Ele vem trazer. A água era destinada para ritos de purificação antes e depois das refeições. Este tipo de rito era feito, pois, acreditava-se que a salvação dependia do cumprimento da lei de Deus e de ritos religiosos. O vinho lembra o sangue de Cristo derramado na cruz para a nossa salvação. Significa também, a libertação dos rituais da lei judaíca através da morte de Jesus na cruz. Resumindo, a água representa a lei judaíca e o peso dos seus rituais e o vinho, é comparado com a salvação e alegria do Reino de Deus, livre do peso das leis religiosas." Raquel Vieira Rutka

09/04/08 Quarta-feira: Condenação
João 3:1-36
De acordo com o texto, qual é o motivo da condenação dos homens que não crêem em Jesus?

"O motivo da condenação está expresso nos versículos 19 a 22: ´E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.´ Ou seja, todas as pessoas estão originalmente em trevas por causa do pecado, mas algumas há que amam mais as trevas do que a luz, a ponto de rejeitarem a luz. Amam mais o mundo e o pecado do que a justiça e a santidade! Amam, portanto, mais a morte, como diz Provérbios 8:34-36 ´Bem-aventurado o homem que me dá ouvidos, velando às minhas portas cada dia, esperando às ombreiras da minha entrada. Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor. Mas o que pecar contra mim violentará a sua própria alma; todos os que me odeiam amam a morte.´" RN

10/04/08 Quinta-feira: O lugar
João 4:1-54
Os samaritanos diziam que o monte de Samaria era o lugar de adoração, enquanto que os judeus diziam que Jerusalém era o lugar de adoração. Mas a posição de Jesus a esse respeito era diferente dessas duas opiniões. Analise a resposta de Jesus e faça uma aplicação para a época atual.

"Jesus demonstrou claramente que não estava preocupado com o local de adoração. O que realmente importa é que a adoração seja feita em espírito e em verdade. Ou seja, todo o orgulho humano de pertencer a uma localidade é anulado, pois todos os locais são iguais. Aplicando-se isso para os dias de hoje, poderíamos dizer que não importa qual a igreja da pessoa: se mais tradicional ou se mais renovada. O que importa é se a adoração é feita com sinceridade, sem máscaras religiosas. De nada adianta eu ser membro de uma igreja muito espiritual e não perder nenhum culto, se eu não tenho relacionamento pessoal real com Deus." RN

11/04/08 Sexta-feira: Não peques mais
João 5:1-47
Jesus orienta o ex-paralítico do poço de Betesda a não pecar mais, e ele dá o móvito: "Para que não te suceda coisa pior". Que isso quer dizer? Que aprendemos com isso?3

"Quer dizer que a paralisia que manteve aquele homem preso a uma cama por 38 anos era uma conseqüência de pecado. Podemos entender com isso que o pecado traz conseqüências para esta vida também, e não somente para a eternidade. O fato de Jesus ter libertado o homem cativo pela conseqüência do pecado indica a autoridade de Jesus sobre as duas coisas: sobre o pecado e sobre as suas conseqüências. E o fato de Jesus ter dito ao homem para não pecar mais para que não lhe sucedesse coisa pior, indica que qualquer um pode ser liberto por Jesus e, se não vigiar, acabar pecando novamente e sofrendo conseqüências piores do que aquelas das quais foi liberto." RN

12/04/08 Sábado: Próximo da páscoa
João 6:1-71
Aparentemente de maneira casual e despretensiosa, o relato bíblico afirma que "a páscoa, a festa dos judeus, estava próxima". Há alguma razão para essa informação, colocada aparentemente no texto sem relação direta com o contexto?

"A Páscoa era a festa judaica mais representativa da obra de Cristo na Terra. Durante a Páscoa os judeus comiam um pão sem fermento, que representava a saída rápida do Egito, quando não haveria tempo para fermentação. Ao mesmo tempo, o fermento também simboliza contaminação e pecado (Lucas 12:1 e I Coríntios 5:7-8 "Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. or isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.") Jesus operou esse sinal na Páscoa justamente para mostrar que ele é o pão da vida (ele o declarou no versículo 35). Ele é o pão que é partido para que todos escapemos do pecado e da morte e passemos para a liberdade da vida eterna!" RN


13/04/08 Domingo: Comprovação
João 7:1-53
Jesus disse que se alguém quisesse fazer a vontade do Pai, poderia saber pela própria doutrina se o que Jesus ensinava era de Deus ou não. O que isso quer dizer? Por que Jesus disse isso?

"Jesus disse isso porque a verdade dá testemunho de si mesma dentro do coração do homem sincero, daquele que quer realmente fazer o que é certo. Se alguém quer realmente acertar, saberá sempre o que é mais correto a fazer porque Deus colocou um sinal inconfundível na verdade. Ela sempre poderá ser reconhecida por qualquer que a ame. A doutrina de Deus é a verdade e poderá ser reconhecida como tal. Nunca poderá ser mascarada ou coberta se quisermos realmente obedecê-la." RN

14/04/08 Segunda-feira: Tristeza
II Samuel 1:1-27
Ao receber a notícia da morte de Saul, Davi é tomado de grande tristeza, rasga a roupa (sinal de grande dor ou indignação para os judeus), chora e jejua aquele dia e ainda faz um cântico de lamentação. Como explicar a atitude de Davi, uma vez que Saul era seu inimigo feroz, que o perseguia continuamente para matá-lo?

"Embora Saul fosse seu inimigo, Davi o amava porque Saul pertencia ao povo do Senhor, ou seja, o nome do Deus de Israel estava sobre ele. Além disso, Saul era o rei de Israel. Então, sempre que Saul tinha vitórias em suas campanhas militares, isso significava vitórias para Israel e seu povo, que produziam libertação e prosperidade. E como Davi amava a Deus sobre todas as coisas, também amava a todos os que tinham o nome do Senhor sobre si. Dessa forma, era inevitável: Davi amava Saul. Nele se cumpria a palavra escrita em I João 4:21 ´E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.´ Esse amor de Davi era sincero e não fingido. Ele não precisava ´fazer força´ para amar Saul. Isso era algo que acontecia naturalmente. Evidentemente, Davi tinha uma enorme dificuldade de relacionamento com Saul e precisou viver longe dele, mas isso era exclusivamente por conta da atitude do próprio Saul, e não de Davi." RN

15/04/08 Terça-feira: Guerra civil
II Samuel 2:1-32
Davi foi ungido rei sobre a tribo de Judá e Isbosete, um dos filhos de Saul, foi ungido rei sobre todo o resto de Israel. E o texto mostra uma luta entre grupos militares dos dois lados. Por que o povo não tinha unidade? Por que lutavam?

"Os israelitas lutavam porque, apesar de Deus ter rejeitado a Saul e escolhido a Davi, a descendência de Saul ainda permanecia no poder. Abner, primo de Saul e comandante do exército de Israel, empossou o fraco Isbosete no poder em Israel, simplesmente por ser este filho de Saul. Mas Isbosete não tinha o chamado divino para ser rei, pois seu pai havia sido rejeitado e ele mesmo não reunia as qualificações para a posição. Entretanto, por buscarem antes o interesse pessoal do que o interesse do reino, todos da casa de Saul (familiares, amigos e servos) apoiaram o reinado de Isbosete. Por se aferrarem à posição de comando e suas vantagens, acabaram por provocar uma divisão no reino. E, por conseqüência, uma grande inimizade entre os cidadãos dos dois lados, que ficou bem expressa no episódio narrado no texto. O triste resultado da morte de 360 homens do lado de Israel, 19 homens do lado de Judá e de Asael retrata essa tragédia. Vemos então que a busca do interesse pessoal em detrimento do interesse do reino causa muitas mortes. Busquemos, portanto, os interesses de Deus sempre e tenhamos unidade. Ninguém busque o proveito próprio, ninguém se rebele contra a autoridade genuinamente estabelecida por Deus, para que não haja prejuízos, morte e tristeza." RN

16/04/08 Quarta-feira: Aparência do mal
II Samuel 3:1-39
Davi não aprovou as más obras de Joabe, que matou Abner à traição e se esforçou para demonstrar isso. Qual a importância de fugir da aparência do mal?

"A Bíblia ordena claramente que fujamos da aparência do mal (I Tes 5:22). A importância disso reside no fato de que estaremos participando de alguma forma do mal quando nos calamos ou não rejeitamos a má obra. Quando nos encontramos diante de uma situação ruim, não podemos nos omitir e calar, como se nada estivesse acontecendo. Calar-se, nesses casos, significa aprovar, significa dar voto favorável. Davi sabia que não poderia deixar dúvida de que reprovava a atitude de Joabe, porque ele tinha em vista o reino. Se os israelitas de alguma forma suspeitassem que Davi tinha algo a ver com a morte de Abner, perderiam o respeito que tinham por Davi. Nós também hoje devemos agir da mesma forma. Vivemos no mundo mas não somos do mundo. Não podemos simplesmente nos calar quando a violência, a traição, a falta de amor e o pecado florescem. Nossa voz deve ser sempre de amor ao pecador, mas de condenação do pecado. Não fomos chamados para condenar pessoas, mas não podemos deixar de condenar os maus atos." RN

17/04/08 Quinta-feira: Sem entendimento
II Samuel 4:1-12
Apesar de Davi ter recusado matar Saul por duas vezes e de ter mandado executar aquele que matou o ungido do Senhor e lhe trouxe a notícia, ainda não era compreendido em seus propósitos. Dois capitães de tropas mataram Isbosete, julgando que estariam agradando Davi. Qual a causa de tamanha falta de entendimento?

"O entendimento do certo e do errado está completamente ligado ao temor de Deus. A Bíblia diz que o princípio da sabedoria é o temor do Senhor. Davi tinha temor de Deus e por isso se conduzia de uma forma reta e justa, mesmo em relação aos seus inimigos. Já o povo, de uma maneira geral, não tinha esse temor de Deus tão forte. E, por isso, sempre julgavam as coisas segundo os homens e não segundo Deus. Foi isso que levou Recabe e Rimom a matarem Isbosete, cortarem sua cabeça, andarem a noite inteira e alegremente apresentarem o ´fruto´ de suas ações diante de Davi. Eles não esperavam de forma alguma a reação de Davi, que mandou executá-los por esse crime. Eles esperavam que fossem recompensados, pois com esse ato estariam abrindo o caminho para que Davi fosse o rei sobre todo o Israel, e não somente sobre Judá. E ainda hoje há muitos que não têm o entendimento de Deus em seus corações. Eles freqüentam a igreja, oram e lêem a Bíblia, mas não crescem no conhecimento de Deus. Buscam o que é terreno, as bênçãos, a saúde, a prosperidade, a harmonia, a paz, mas não buscam o que agrada mais o coração do pai, a misericórdia e a fé. Não buscam as almas perdidas, não têm a disposição de se gastarem para que o reino de Deus progrida. Almejam mais as coisas imediatas que o tesouro no céu. Só quando tememos a Deus e o amamos de todo o nosso coração, quando estamos dispostos a nos doar por completo para que o desejo do nosso pai celestial seja feito é que temos a condição de compreender a sua maneira de sentir, a sua maneira de pensar. Como diz o Salmo 25, em seu versículo 14, o segredo do Senhor é para os que o temem, e ele lhes fará conhecer o seu concerto´." RN

18/04/08 Sexta-feira: Escolhendo a capital
II Samuel 5:1-25
Sendo Davi ungido rei sobre todo o Israel, escolheu a cidade de Jerusalém para sua capital por ser essa uma fortaleza muito bem localizada em um lugar alto e ainda não conquistada pelos israelitas. Figuradamente, o que seria a escolha dessa capital para nós?

"Davi sabia que teria de enfrentar guerras e possíveis tentativas de invasões mais cedo ou mais tarde. E como era homem de guerra, sabia qual era a melhor posição para a defesa: um lugar alto e no centro do país. E o lugar mais alto no centro do país era justamente Jerusalém, que ainda era habitada por cananeus justamente por não terem os israelitas conseguido tomá-la. Mas Davi se esforçou e tomou a cidade e fez dela a capital do reino, fortalecendo-a ainda mais. Para nós, isso serve de ensino. Devemos ter a nossa vida firmada no alto, nos objetivos e pensamentos do céu. A Bíblia diz em Colossenses 3:1-2 ´Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra.´ Devemos assim, buscar as coisas do céu e reger a nossa vida de acordo com a vontade de Deus, buscando o governo de Deus sobre tudo o que fazemos. E, ao mesmo tempo, a figura de uma capital no centro do país, o mais distante possível dos inimigos, nos ensina que devemos guardar distância do pecado, do mundo. Estamos no mundo, mas não somos do mundo. Portanto, vamos viver no mundo porque precisamos salgar e iluminar, mas não podemos permitir que o mundo entre em nossos corações. Essa é a posição de segurança. Essa é a posição de Jerusalém: No alto, no centro." RN

19/04/08 Sábado: O que ocorreu?
II Samuel 6:1-23
Davi decidiu levar a arca do concerto para Jerusalém e o fez com muita festa e música. Mas, apesar de seus esforços, Deus não se agradou, porque Uzá morreu ao segurara a arca para que não caísse quando os bois do carro que levava a arca tropeçaram. O que ocorreu?

"Boa vontade não basta para agradarmos a Deus. Ele é o altíssimo e somente a ele compete estabelecer o que, quando e onde as coisas devem ser feitas. Mesmo que tenhamos toda a boa vontade do mundo, estaremos errando e pecando quando não tivermos submissão. E Deus já havia dado ordens muito claras e detalhadas de como a arca deveria ser transportada. Não eram bois os responsáveis por levar a arca, mas sim os levitas especialmente destinados a isso. Ao colocar a arca de Deus em um carro de boi, Davi e seus homens não perguntaram a ninguém se isso estava certo. Simplesmente fizeram como achavam que seria bom. Mas quando os bois tropeçaram, o carro balançou e a arca ameaçou cair no chão. Uzá, cheio de boa vontade, tocou na arca para segurá-la, mas isso também não era sua competência, e ele foi imediatamente fulminado. Portanto, o que ocorreu foi: Não fizeram o que deveriam fazer, mas fizeram o que achavam que era bom. E há uma diferença enorme entre obedecer e sacrificar. Deus não deseja sacrifícios, deseja obediência e submissão. Sem obediência e submissão, poderemos fazer a melhor obra do mundo e ainda assim seremos rejeitados, pois terá faltado o básico. Na igreja é a mesma coisa: Há competências e autoridades. Qualquer obra que façamos sem submissão à autoridade está fadada à rejeição por Deus e ao fracasso. Não prosperará e não teremos qualquer galardão por ela. Deus não abençoará e não receberá nada que venha de rebeldia e de sentimento de independência. Quer ser abençoado? Submeta-se a Deus e às autoridades constituídas e faça tudo em submissão. Essa é a premissa básica que não poderá nunca ser mudada." RN

20/04/08 Domingo: De trás das ovelhas
II Samuel 7:1-29
Falando em nome do Senhor, o profeta Natã diz a Davi: "Eu te tomei da malhada e de trás das ovelhas, para que fôsses o chefe sobre o meu povo, sobre Israel. Que Davi fez para chegar a esse ponto, de ser rei?

"Em primeiro lugar, Davi tinha amor genuíno por Deus. Davi já se alegrava no Senhor antes de ser ungido por Samuel. Ele não buscava a Deus por interesse, mas buscava a Deus porque o amava. O fato de que ele buscava a Deus quando estava na angústia e quando estava na bênção comprovava o amor de Davi por Deus. Pessoas há que buscam a Deus quando estão na dificuldade e esquecem de Deus quando estão na bênção. Outras só servem a Deus quando estão na bênção, quando tudo vai bem, e se afastam dele quando as coisas apertam. Alguns dizem que se afastam de Deus porque as coisas estão muito apertadas e resolveram então ´dar um tempo´. Quando é justamente o contrário que deveriam fazer! Em segundo lugar, Davi fazia o que Deus mandava. Ele era submisso e moldável. Deus lhe falava e ele atendia. Ele buscava a orientação de Deus como uma criança busca a orientação de seu pai. Ele era sinceramente obediente. Isso faz toda a diferença porque não basta a pessoa saber a vontade de Deus: É preciso cumpri-la! E quando se cumpre a vontade de Deus, alcança-se o plano de Deus para a vida, alcança-se a bênção! E, em terceiro lugar, ele aproveitava todas as oportunidades que Deus lhe oferecia. Ele entendia que Deus era dadivoso e que tudo o que recebia era pela graça do Senhor. Então, não se furtava a ser abençoado, mas recebia com gratidão e coração aberto toda a bênção. E por amar a Deus com toda a sua alma, obedecê-lo incondicionalmente e permitir-se ser abençoado o tempo todo, prosperou." RN

Voltar ao início